“Nos tempos modernos foi teorizada a liberdade do homem […] uma mentira ontológica, porque o homem não existe por si mesmo e para si mesmo”.

Cidade do Vaticano, 15 abr (RV) – O primado da obediência a Deus e o verdadeiro significado da penitência e do perdão na vida dos cristãos foram os temas que nortearam a homilia do Santo Padre na missa celebrada na manhã desta quinta-feira, na Capela Paulina, no Vaticano, com os membros da Pontifícia Comissão Bíblica.

Bento XVI ressaltou “o primado da obediência a Deus”, evocando as palavras de São Paulo diante do Sinédrio: “É preciso obedecer a Deus, antes que aos homens”. “A obediência a Deus” dá a Pedro a liberdade de opor-se à suprema instituição religiosa.

Missa celebrada hoje pelo Papa Bento XVI com os membros da Pontifícia Comissão Bíblica. Foto: L'Osservatore Romano.

Missa celebrada hoje pelo Papa Bento XVI com os membros da Pontifícia Comissão Bíblica. Foto: L'Osservatore Romano.

Igualmente, Sócrates diante do Tribunal de Atenas – que lhe oferece a liberdade, desde que não mais busque a Deus – não obedece a esses julgamentos, comprar a sua vida perdendo a si mesmo, mas prefere obedecer a Deus. Obediência a Deus “que dá liberdade”. Pelo contrário, nos tempos modernos – observou o Pontífice – foi teorizada a liberdade do homem, inclusive a obediência a Deus: o homem seria livre, autônomo, e nada mais.

“Mas esta autonomia é uma mentira, uma mentira ontológica, porque o homem não existe por si mesmo e para si mesmo; é uma mentira política e prática, porque a colaboração e a partilha das liberdades são necessárias e se Deus não existe, se Deus não é uma instância acessível ao homem, permanece como suprema instância somente o consenso da maioria. O consenso da maioria torna-se a última palavra à qual devemos obedecer e esse consenso – o sabemos mediante a história do século passado – pode ser também um consenso no mal. Assim vemos que a chamada autonomia não liberta o homem.”

“As ditaduras sempre foram contra essa obediência a Deus”, ressaltou o Santo Padre.

“A ditadura nazista, como a marxista, não podem aceitar um Deus acima do poder ideológico, e a liberdade dos mártires, que reconhecem Deus… é sempre o ato da libertação, no qual a liberdade de Cristo chega a nós.”

Para os cristãos – acrescentou o Pontífice – obedecer mais a Deus do que aos homens, supõe, porém, conhecer verdadeiramente a Deus e querer realmente obedecer, e que Deus não seja pretexto para a própria vontade, mas que seja realmente Deus que convida, em caso necessário, até mesmo ao martírio.

“Nós hoje muitas vezes temos um pouco de medo de falar da vida eterna. Falamos das coisas que são úteis para o mundo, mostramos que o cristianismo ajuda também a melhorar o mundo, mas não ousamos dizer que a sua meta é a vida eterna e que a partir da meta vêm depois os critérios da vida.”

Bento XVI explicou que devemos então ter a coragem, a alegria, a grande esperança que a vida eterna nos dá, que é a verdadeira vida e que dessa vida verdadeira vem a luz que ilumina também este mundo.

Nessa perspectiva “a penitência é uma graça”, graça em que nós reconhecemos o nosso pecado, reconhecemos precisar de renovação, de mudança, de uma transformação do nosso ser.

“Devo dizer que nós cristãos, também nos últimos tempos, muitas vezes evitamos a palavra penitência, que nos parece muito dura. Agora sob os ataques do mundo que nos falam dos nossos pecados, vemos que poder fazer penitência é graça e vemos como é necessário fazer penitência, isto é, reconhecer aquilo que está errado em nossa vida. Abrir-se ao perdão, preparar-se para o perdão, deixar-se transformar. A dor da penitência, da purificação e da transformação, essa dor é graça, porque é renovação, é obra da divina Misericórdia.”

Bento XVI concluiu exortando a rezarmos a fim de que o nosso nome entre no nome de Deus e a nossa vida se torne vida verdadeira, vida eterna, amor e verdade. (RL)

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Anúncios

6 Comentários to ““Nos tempos modernos foi teorizada a liberdade do homem […] uma mentira ontológica, porque o homem não existe por si mesmo e para si mesmo”.”

  1. Éhhh… Eu acho que ele corre risco de vida, se continuar desse jeito…

    Viva o Papa!

  2. Depois de palavras nobres como estas, ladram os cães:

    http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jqSNQc_0mfjeqlj7GLzrfBhOnhog

    ¿Por qué no te callas, Kung?

    Um abraço de Portugal!

    Viva o Santo Padre!

  3. Bendito seja Deus por esse Papa!!

    Sem dúvida ele é um dos grandes teólogos da Igreja, e se ele não estivesse cercado por tantos inimigos as coisas dentro da Igreja estariam bem diferentes.

    Quem não se lembra daquelas palavras lá no início do pontificado dele: Senhor que eu não tenha medo dos lobos.. ??? nem precisa dizer que os lobos são bispos cardeais e monsenhores né?

    Que jesus e a Virgem Maria o abençoe e o proteja dos lobos disfarçados de ministros de Deus. E que seja feita a vontade de Deus e Jesus volte a ter o lugar principal na Santa Missa, isto é, o centro da liturgia. E que a liturgia volte a ser a de sempre. Tridentina.

  4. Ele é maravilhoso!!!!!

  5. http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2010/04/papa-critica-sincretismo-em-missas-no-brasil.html
    Uma verdade: Papa proíbe a inculturação e o sincretismo no Brasil.
    Uma mentira: Papa “reconhece os `erros da Igreja´ nos casos de pedofilia”.

  6. Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo!
    Que Ele cubra nosso Bento XI com suas bênçãos!!!