Três anos se passaram… e como está sua diocese?

O blog Rorate-Caeli ressuscita a já esquecida nota explicativa vinda de Roma para aplicação do motu proprio Summorum Pontificum, cujo rumor de sua publicação já apareceu por aqui várias vezes (a última delas, em fevereiro). O blog teria recebido, de um leitor americano, a informação de que sua arquidiocese recebeu uma carta do Vaticano pedindo informações sobre a aplicação do motu proprio.

Provavelmente se trata da medida já anunciada pelo Santo Padre na carta aos bispos que acompanha o motu proprio: “convido-vos, amados Irmãos, a elaborar para a Santa Sé um relatório sobre as vossas experiências, três anos depois da entrada em vigor deste Motu Proprio. Se verdadeiramente tiverem surgido sérias dificuldades, poder-se-á procurar meios para lhes dar remédio”.

E em sua diocese, caro leitor: o motu proprio Summorum Pontificum foi aplicado? Com restrições? Foi ignorado? Qual a receptividade dos fiéis e do clero? E a postura do senhor bispo diocesano? A caixa de comentários está aberta para seu relato.

Anúncios

92 Comentários to “Três anos se passaram… e como está sua diocese?”

  1. Em Campo Grande/MS, há duas paróquias que estão celebrando a Missa de sempre, com a “tolerância” do arcebispo. Mas soube de casos de sacerdotes que foram transferidos para outras cidades por celebrar a Missa por própria conta. Tb contamos com Missa da FSSPX, que é esporárica, infelizmente. Usei o termos tolerância pq o arcebispo não quer a Missa de sempre, não a tornou pública, não a oferece como oção de direito dos fieis. A maioria dos fieis nem sabe do Motu Proprio, em minha família mesmo me deparo com a mais absoluta ignorância sobre o tema. Os horários das Missas “permitidas” são o que se esperava, em uma Igreja às 17h do domingo; na outra, à 5:30 da manhã (domingo tb): é para desencorajar?

  2. Aqui em Salvador foi tudo ignorado. Chegou ao ponto do cardeal não ter gostado de que um ou outro padre tivesse divulgado o Motu Proprio e aqueles que pediram providências à Ecclesia Dei foram retaliados pela Arquidiocese.

  3. Sou da Diocese de Nova Iguaçu. Isso já diz tudo, creio.

  4. Aqui na Diocese de Petrópolis o Motu Proprio é coisa de outro planeta,existe um silencio profundo sobre o tema,se algun irmão da diocese conhecer alguma paróquia com a missa de sempre em nossa diocese, por favor avise-me .

  5. Voltando a Salvador.

    A primeira vez que fizemos um pedido oficial foi ANTES do Motu Proprio.
    Precisei escrever uma carta com um abaixo assinado e entregar em mãos do arcebispo em pessoa, pois as secretárias da Cúria jamais deixariam que chegassemos perto.

    Um ano depois – e ainda antes do Motu Proprio – fui recebido em audiência com o arcebispo. Eu e Adriano Araújo, da Montfort.

    Ele não negou. Disse que “ia pensar”… Isso porque fomos o mais delicados possíveis, e eu fiz de tudo para escapar de questões conciliares, etc. Foi só foco na missa enquanto rito e enquanto vínculo de um grupo de fiéis.

    Imagine se houvesse algum atrito…

    Depois do Motu Proprio, tivemos outra audiência com um bispo auxiliar, que ao contrário do cardeal, demonstrou bem mais interesse e receptividade… E ele disse que o arcebispo não gostou de nossa firmeza (imagine só. Ele esperava que pedíssemos a missa da boca pra fora). No entanto, mostrou indiretamente que, o arcebispo como bom bugniniano que era, que viveu em Roma nos tempos de Paulo VI e era entusiasta destas patifarias, tinha motivos até sentimentais para defender o rito de Paulo VI = leia-se: Às custas do rito tradicional…

    Ficou neste pé. Nunca mais nos chamaram… Um outro bispo auxiliar ligou para a comunidade do padre Jahir, e acertaram uma visita… O padre Jahir comunicou isso aos fiéis, todos aguardaram ansiosos… E alguém ligou ao bispo se passando pelo padre Jahir (que é amigo da FSSPX) informando que estava cancelada a visita…
    O padre Jahir disse que nunca disse tal coisa, e até hoje espera a visita do bispo…

    E estmoas assim, três anos depois… Assistindo a Missa Tradicional em outro município, com um padre ótimo. Porém, a arquidiocese até hoje nada fez…

  6. Moro na zona norte de São Paulo. Falei com o bispo certa vez, e ele me disse que já tínhamos a missa no largo de São Bento no centro da cidade e que não iria promover aqui na zona norte.

  7. Aqui em Curitiba,
    Graças a Deus, ao Bispo,aos padres e aos homens e mulheres da Associação São Pio V.
    Temos uma Missa aos sábados e duas aos domingos, em três diferentes paróquias.
    Vale lembrar, também Missas nas primeiras sextas feiras e nos dias de preceito.
    Viva Bento XVI!

  8. Moro em Itapira, cidade que pertence à Diocese de Amparo, SP,as coisas são como na maioria das dioceses: nada de aplicação do Motu Proprio! A falta de boa vontade e coragem de um clero jovem que, embora se sente atraído pelo Rito Tridentino, mas titubeia é angustiante. Enquanto isso, somos obrigado a engolir a seco a Missa Nova e todas as suas infrações litúrgicas, até quando?

  9. Caríssimos,

    Sou da diocese de Franca.

    Inicialmente, as Missas foram celebradas pelo bispo emérito na Catedral diocesana. Eram Missas com pouca regularidade, em geral uma a cada 02 meses. Posteriormente, D. Diógenes (bispo emérito) teve problemas de saúde e as celebrações passaram a ser feitas pelo Pe. Roberto (de Mococa).

    Com a posse de D. Pedro Luiz, as coisas começaram a andar melhor. Há um padre aprendendo a Missa (celebrará sua primeira Missa pública em 05/06) e um segundo que já concordou em rezar a partir do segundo semestre.

    O clero, em geral, não tem oferecido quaisquer resistências ao Motu Proprio e permitem ampla divulgação das Missas em suas paróquias. Temos tido problemas isolados de alguns padres que não gostam e não permitem sequer que se toque no assunto entre os seus fiéis.

    Enfim, ao menos em Franca/SP, a recepção do Motu Proprio foi boa, tanto da parte dos bispos quanto da do clero.

  10. Alexandre,

    A missa será às 15:00 na Catedral?

  11. Caro Sr. José JR, acho que tenho uma informação que é de seu interesse.

    Se quiser, entre em contato:
    fcvianna3@hotmail.com

  12. Salve Maria.
    Acho importante ressaltar, que aqui em Campo Grande/MS, as missas rezadas pelos padres da FSSPX, são celebradas na Capela Santa Terezinha, do Convento Domina Nostra Regina Pacis, e este convento segue a doutrina tradicional da Santa Igreja.
    Outro fato, alguns anos atrás o Sr. bispo escreveu uma carta e divulgou em toda a diocese, lançando uma EXCOMUNHÃO aos fiéis que fossem ao convento assistir a Missa rezada pela FSSPX, com o levantamento das excomunhões dos bispos da fraternidade e o Motu Proprio, os fiéis ecreveram uma carta ao bispo pedindo uma retratação, ao que ele se negou, dizendo que para ele continuavam excomungados.
    Portanto, me parece que as Missas rezadas nas duas paróquias, são uma manobra do bispo, para tentar evitar que os fiéis frequentem as missas no convento.
    Porém, os fiéis que frequentam o convento (muitos deles a pelo menos 8 anos) não estão somente em busca da missa mas também da Sã Doutrina.
    Nosso objetivo é a construção de uma nova capela, pois a do convento já esta pequena a muito tempo. Para isso contamos com vossas orações.

    AMDG

  13. Uma sugestão…uma sugestão…

    Não seria bom que promovêssemos uma Reforma da Reforma, como pediu tbm o Sto. Padre, no rito tradicional?

    Achei muito digno o Pontifical celebrado por D. Fernando em Brasilia, por exemplo.

    Mas não poderia ter sido mais sóbrio em algumas cerimônias e em alguns paramentos, como a capa magna, as cáligas, as luvas e outras coisas acidentais?

    Se o Bispo entrasse de hábito coral sim, mas sem aquela capa enoooooorme, sem aquelas cáligas principescas, sem colocar as luvas depois, coisas que trazem cada vez mais ogeriza àqueles que são contrários radicais ao Rito extraordinário?

    Se, por exemplo, a epístola e o Evangelho fossem cantados em Português?

    Se o cânon fosse em latim sim, mas em voz alta, que todos pudéssemos acompanhar?

    Que mesmo nesses Pontificais, houvesse cantos, litúrgicos é claro,em Português? Nossa Igreja é rica em hinos para corais, realmente católicos, sem excluir o latim das partes fixas, e noutras partes…

    São sugestões q

  14. São sugestões que, aos poucos, iriam tornado mais “ordinário” o “extraordinário”…

  15. Sr. Marcelo, o senhor está na contra-mão. Várias autoridades romanas já disseram que o objetivo é moldar a forma ordinária à extraordinária, e não o contrário. Nestes dias mesmo o Cardeal Cañizares escreveu uma carta ao Inst. Cristo Rei dizendo exatamente isso: um dos objetivos do Santo Padre com o motu proprio é moldar a nova missa com base na antiga.

    Suas sugestões são as mesmas que faziam os modernistas antes de nos imporem a missa nova: essa missa antiga é ultrapassada, cheia de pompa, etc… e acabamos na missa do Padre Pinto em Salvador.

  16. Sou da Diocese de Luziânia-GO e como na maioria das dioceses o Motu Proprio Summorum Pontificum não foi divulgado, sendo de conhecimento de pouquíssimas pessoas. Quanto à Missa de Sempre, foi rezada poucas vezes há cerca de 3 anos em uma paróquia em outra cidade pertencente à diocese, porém o padre foi transferido logo em seguida (sic)!

    Há um grupo na cidade de Luziânia-GO que desde a época do MP tem buscado junto ao Bispo a autorização para a celebração da missa, mas esbarra-se em alguns problemas ainda não esclarecidos. Há rumores de que parte do clero é contra a missa e por conta disso o Bispo não autorizaria.

    A situação fica ainda mais complicada devido ao misticismo que envolve a maioria dos fiéis. A presença da RCC em todas as paróquias é algo assustador, levando muitos jovens a apostatarem a fé católica e “transitarem” para o protestantismo sem grandes problemas. As missas de cura e libertação tomam conta do ambiente…

    Os fiéis que por ventura sabem discernir os problemas graves da missa nova e as graças vindas da missa de sempre têm que se deslocar para Brasília-DF, cerca de 60km (120km ida e volta), onde é rezada a missa aos domingos às 17h; outra alternativa é ir para Anápolis-GO, mas a distância de 150km desencoraja e onera a maioria.

  17. Aqui na minha diocese a única coisa que aconteceu foi a propagação de Missas “Afro” e de cultos ecumênicos.

    Sem contar as Missas de cura, de libertação, etc, etc, etc.

    Aqui temos até o Disque Missa. O Padre atende o telefone durante a Missa e conversa ao vivo com os fiéis. E o pior, essa maravilha é transmitida pela rádio.

    Tem horas que dá vontade de sair de vez e esperar em casa.

  18. Na região metropolitana de São Paulo a Capela Santa Luzia tem missas na forma extraordinária todos os dias às 10:00 hs. No domingo, são duas missas uma às 11:00 e a outra às 16:30 hs. No São Bento às 18:00 hs. Há também, missas na Igreja São Felipe Neri no bairro São Lucas mas infelizmente não sei os horários.O pe. Renato Leite deve celebrar a missa, porém não sei o local e nem horários.

  19. Lucas,
    O Padre Renato Leite estara celebrando a Santa Missa Tridentina aos domingos na Paroquia Rainha Santa Isabel de Portugal no periodo vespertino. O horario deve ser combinado antecipadamente com o padre. A informacao ja esta disponivel no site missatridentina.com.br .

  20. Aqui na Arquidiocese de Sorocaba nem tocaram no assunto, tem a “missa-afro”, “missa-sertaneja”, “missa de cura e libertação”, “missa dos jovens”, “missa das crianças”, mas missa no rito tridentino, nem pensar!
    É triste assistir missa apenas por preceito e sofrer com tantos abusos…
    Que Deus tenha misericórdia!

  21. Aqui na diocese de Boston nos EUA as coisas andam muito bem. Antes do Motu Proprio tinhamos apenas 4 Missas em todo o estado de Massachusetts. Hoje temos 22 Missas como se pode ser visto aqui http://latinmassschedule.com/index.php?option=com_content&view=article&id=22:massachusetts&catid=54:tridentine-mass-schedule-by-state&Itemid=2 sendo que uma e na catedral de Boston. A expectativa e de termos mais umas 5 ate o fim do ano. Em uma das paroquias na diocese temos Missa Solene com diacono e subdiacono todos os domingos.

  22. Jà já a “reforma leiga” irá concluir que os príncipes devem celebrar de bermuda, e pq n? Facilita o surf no sangue dos mártires e depois é só ir tomar umas e outras no barzinho de jesus e para fechar o pacote de terror, uma rave de deus no playcenter – pasmem, com 8 mil anencéfalos…

  23. Aqui em Belo Horizonte/MG, o Arcebispo Dom Walmor concedeu a celebração da Missa desde que fosse na capela de um colégio. Não sei de maiores detalhes, mas a julgar pela entrevista com o Mons. Nicola Bux, no site da Montfort, a coisa parece não ir tão bem por aqui. Vejam o que ele diz:

    “Mas será através de uma mais larga difusão da Missa antiga que esse ‘contágio’ do antigo sobre o novo será possível. Por isso reintroduzir a Missa ‘clássica’, que se me permita essa expressão, pode constituir um fator de grande enriquecimento. É preciso facilitar uma celebração festiva regular da Missa tradicional ao menos em cada Catedral do mundo, mas também em cada paróquia: isso ajudará os fiéis a conhecer o latim e a sentir-se parte da Igreja Católica, e praticamente os ajudará participar das Missas nas concentrações em Santuários internacionais”.

    Fonte: http://montfort.org.br/index.php?secao=imprensa&subsecao=igreja&artigo=entrevista-nicola-bux&lang=bra

    Como vocês podem ver, é impossível ser mais claro quanto às intenções da Santa Sé com relação à Santa Missa de São Gregório Magno.

  24. Parece que esperar a solução de todos os problemas da Igreja apenas com o retorno da Missa Tridentina é um engano.
    Pois a crise chegou e agigantou-se mesmo antes do CVII, tempos em que inexistia o NOM.
    Naqueles tempos, só se rezava a Missa de sempre.
    Em latim, “versus Dei”, para a salvação de “muitos” e não de “todos”.
    Portanto, não foi a falta da Missa de S. Pio V que causou a atual crise.
    Qual terá sido a causa maior, ou quais terão sido as causas mais importantes da crise da Igreja?
    Alguém pode esclarecer?

  25. Em Anápolis, reinam a astúcia e a hipocrisia.
    Os padres que gostam da liturgia tradicional são marginalizados, perseguidos, difamados e acusados de desobediência. Quando o bispo é acusado de não obedecer ao motu proprio, ele, com astúcia, diz “já existe essa missa aqui” (que ele persegue, dificultando por exemplo a recepção dos outros sacramentos).

  26. Em Niterói sempre tivemos toda a atenção de Dom Alano, bem antes do Motu Próprio. Temos a Santa Missa todos os domingos às 10 hs da manhã na Igreja dos Sagrados Corações na Vila Pereira Carneiro, Centro da Cidade. Quatro Padres diocesanos, inclusive o Vigário Episcopal, revezam na celebração da Missa, Pe Carmine, Pe Anderson e Pe Demétrio e Pe Antonio.O Pe Carmine celebra ainda em sua Paróquia todas as 1ªs sexta feiras do mês e o Pe Antonio em sua paróquia todas as segundas feiras.

  27. Também em Jiz de Fora começará dia 13 de junho, Festa do Padroeiro da Cidade. Igreja de Santa Rita de Cássia no Bairro do mesmo nome.Pe Elilio, será o celebrante.

  28. Aqui pras bandas do Sul, Santa Catarina, nem sinal deste documento que vocês falaram. Nunca ouvi falar. rsrs
    Em certa Diocese Florumpratensis o Sr. Antístite exigiu no mínimo 100 pessoas para qualquer missa dessas, além de um Latim “perfeito” do celebrante.
    Na capital florianopolitana o Sr. Arquiepiscopo disse “não ser do interesse da arquidiocese ter esta atividade por aqui”. O mesmo Metropolita “recomendou” um certo Bispo emérito “a se quizer celebrar daquele jeito que seja em casa sozinho”.
    Assim que caminha a Igreja da bela e santa Catarina “fiel ao Papa”.

  29. Sr. Pedro, não penso que esteja na contra-mão não.

    Mas respeito vosso pensar…

    “Virtus im medio est”…

    Uma Missa celebrada, segundo a “Instrução do Missal Romano”, no rito ordinário, como tem pedido e celebrado o Santo Padre, tem o mesmo valor e a mesma dignidade de uma celebrada por D. Fernando no rito extraordinário, segundo o pensar e agir do Magistério atual, mais ainda, segundo o próprio D. Fernando e todos que celebram na forma extraordinária dentro da regularidade da Santa Igreja…

    Quanto ao sr. falar do tal pe. pinto, só lembro que, uma celebração naquelas condições, é INVÁLIDA POR SI PRÓPRIA, como várias outras celebradas em condições idênticas ou parecidas àquelas.

    Dizer ou pensar que uma loucura, ou melhor, uma situação diabólica daquela, é culpa do Vat II, é ser no mínimo, irracional…

    Vossa comparação, com todo respeito, das minhas sugestões com aquilo que aconteceu em Salvador é, no mínimo, exdrúxula…

    Lembremos que os opostos acabam se tocando…

    Não vejo diferença entre os tresloucados modernistas e liberteiros, dos cadavéricos e mórbidos negadores da validade da Missa no Rito ordinário…

    Mas…

    Respeito sua colocação…

  30. Bom, aqui na Diocese de Osasco, apesar do privilégio de termos 2 missas aos Domingos, o desenvolvimento ainda é pifio já que esta diocese trabalha para uma população de 2 milhões de habitantes ou 52 paroquias. Essas 2 Missas são no Centro de Osasco, mas tem gente desta diocese que mora a 80 quilometros do Centro de Osasco. Como ir tão longe? Teriam inclusive de pagar pedágio.
    Outra coisa, ninguém sabe, nem os fieis das outras Missas das igrejas que celebram a Missa Tridentina. Não há um unico informativo.
    É algo desanimador porque como podemos ver não há um unico movimento que assinale a busca ferrenha das ovelhas. Os Bispos não fazem nada que dê trabalho. É um VEXAME TOTAL, uma VERGONHA. Não fede ou cheira. Fico pensando se devo tratar o Bispo de Osasco, Dom Ercilio Turco, de acordo com o cargo que ele tem. Desde de 2002 liderando a diocese e as seitas só sabem fazer crescer. INERCIA TOTAL.

  31. Caros,
    Na Arquidiocese do Rio de Janeiro-RJ temos uma única missa por mês na forma extraordinária celebrada na Capela Imperial de N. Sra. da Glória aos sábados.
    O Arcebispo do Rio está negociando com a Adm S. J. Maria Vianney o estabelecimento definitivo de dois sacerdotes de Campos para formar uma “paróquia tradicionalista” no centro do Rio com todas as atividades paroquiais comuns (catequese, batismo, crisma, apostolados) na linha do Magistério Tradicional.
    Além disto, estamos na espectativa pela celebração da Missa Tridentina na Basílica Coração de Maria, no Méier.
    Salve Maria.

  32. Prezado Kiko onde seria a segunda Missa em Osasco sem ser na Nosso Senhor do Bonfim?
    Caso possa me mande um email.
    ninurb@gmail.com

  33. Na Cidade que resido em parnaiba -PI, o Bispo disse: ai dos meus Padres que se meterem com isso.
    Lamentável!

  34. Bruno, respondi no teu e-mail e informo para os demais. A Diocese de Osasco não tem 2 Missas Tridendinas, mas somente 1. A da Igreja Senhor do Bonfim. A da São José não tem e o pessoal de lá não sabe se já teve.
    É isso, lamentavel. Vou escrever p/ o missatridentina.com.br para retirar a informação.
    Abraço.

  35. Na minha diocese (São Miguel Paulista), o Motu Proprio do Santo Padre foi simplesmente ignorado…

    A Missa Tridentina aqui é, na prática, proibida…

    Mas a Missa afro, Missa do M$T e outras aberrações continuam a todo vapor, com o aval do bispo. (ou pelo menos com sua conivência)

    Lamentável.

  36. Sou da diocese de Franca-SP

    Pouco depois da divulgação do Summorum Pontificum, um grupo de fiéis tradicionais fizeram um abaixo-assinado pedindo a forma extraordinária e entregaram ao bispo. O bispo decidiu então que somente o bispo emérito, que havia sido ordenado sacerdote antes do CVII, poderia celebrar na forma extraordinária. Foi marcada a missa no primeiro sábado de cada mês, sendo que duas foram celebradas e ninguém ficou sabendo de mais nada. O bispo emérito adoeceu e o assunto ficou por baixo dos panos junto. Pra terminar de complicar, nosso bispo foi transferido para a diocese de Bauru.

    Minha diocese é tomada pelo Caminho Neocatecumenal e pela Renovação Carismática, esses já muito conhecidos como aversos a tudo aquilo que é anterior ao CVII.

    Porém consegui identificar nosso novo bispo (empossado no começo desse ano) em algumas fotos da Missa Pontifical celebrada pelo Dom Rifan no último CEN. Isso me deixa esperançoso em , um dia, talvez próximo, de ver as missas sendo celebradas mais conforme as rubricas e sem invencionices.

  37. Em Fortaleza existe apenas um sacerdote que reza semanalmente a Santa Missa Tridentina (ao menos publicamente) … e ainda assim o nosso “maravilhoso” Arcebispo obriga o padre a dizer a Santa Missa versus populum, acreditam???????

    Pois é … missa afro, missa ecumênica, missa de cura das gerações, mulheres dando a Comunhão, Missa Nova …. POOOOOODE!

    Mas deixar a Missa de Sempre ser rezada em paz … NÃO POOOOODE!

  38. Aqui em linda e Recife apenas um Padre celebra a missa no ritual de São Pio v, e um outro celebra em latim no rito de paulo VI. Obsevo que o motu proprio não é divulgado na arquidiocese como e quer o Papa. A mesma não é divulgada, ou incentivada. Sem Dom José Cardoso a arquidiocese de Olinda e Recife está se tornando um covil de memboros da teologia da libertação. O próprio Seminário está praticamente fechado pois os seminaristas passaram a estudar na universidade catolica de Pernambuco (?)O Arcebispo chegu a decalarar que esse “contato” faria bem aos seminaristas!!! Pode?

  39. A Missa rezada por D. Rifan em Brasília foi aplaudida até mesmo por mim, exatamente porque no aspecto estético ele foi muito competente.

    Se eu fosse clérigo e tivesse meios, faria atos litúrgicos tão faustosos, que beiraria até quase a ostentação.

    Desde que o fausto não fosse um fim em si mesmo, eu não mediria incenso, solenidades, nada de nada.

    Porque pessoalmente, como sacerdote, gostaria de ter apenas o básico para sobreviver dignamente, e o jejum, assim como a mortificação não deveriam ser evitados… Mas para o Culto Divino, tudo para Deus seria pouco.

    Para Deus, o melhor. Se o mundo inteiro não compreende isso, não sejamos nós a nos tornar mesquinhos.
    São Luís Grignion de Montfort, ao ensinar que para venerar a Santíssima Virgem não se deve ter nenhum escrúpulo. Resultado: agora não consigo ter escrúpulos para conceber uma Missa Pontifical desprovida de todos os ornamentos possíveis.

    Se alguém tem ódio das pompas da Igreja, que não assista as Missas Tradicionais…

    Vale ressaltar também que este grau de complexidade no culto depende muito da circunstância… Estava-se num Congresso Eucarístico; não se tratava de uma Missa de féria, ou uma missa de domingo comum!

    Fazer uma missa light para não ferir a sensibilidade de clérigos ignorantes é para mim uma impiedade, quase um sacrilégio.

    Dizer o cânon da Missa Tridentina em voz alta NÃO ESTÁ EM NEGOCIAÇÃO.

    E não é porque eu não quero negociar.

    O Concílio de Trento EXCOMUNGA o padre que ousar fazer tal coisa. Isso nem tem o que discutir.

    Quanto à Missa de Bugnini, para os interessados, isso é problema de vocês. Acho que neste blog ninguém tem interesse em nada que venha dela…

  40. Ao Sr. Alexandre eu digo que sinto minha “inveja” de não mais morar em Franca e poder desfrutar de uma missa que até mesmo no rito ordinário era muito boa. Já aqui na diocese de Registro que deve ser a que tem o menor número de católicos do Estado, pensar em missa tridentina seria sonhar demais…

  41. A minha Diocese é chefiada por um Bispo jovem, que gosta de internet (talvez leia o Fratres in Unum)considerado por muitos (na net e fora dela) como afinadíssimo com o Santo Padre e pertencente a uma ala dita conservadora da Igreja.
    Porém, quando questionado por um amigo meu sobre a possibilidade de termos a Missa Tradicional, reagiu com fúria…isto mesmo, com fúria contra a ideia.

  42. Aqui em nossa Arquidiocese de Sorocaba a Santa Missa na forma extraordinária foi celebrada apenas três vezes (até o momento) na capela episcopal. Missa privada…

  43. Eu imagino o que esses bispos vão responder no dia do juízo, quando as criaturas ressurgirem das cinzas para responder ao Supremo Juíz.

    Aqui em Vitória-ES, o arcebispo fingiu que nada aconteceu. A RCC anda a passos largos, o povo vive numa festa, as missas são quase pagodes, o clero é puxado pela Teologia da Libertação e as CEB’s.
    O arcebispo disse em uma reunião conosco que o Motu Proprio foi dirigido aos mais velhos que tinham saudade da missa antiga e não para jovens como nós.

    Creio que ele gostaria de nos mandar ir pular atrás do Trio do Carnaval Cristão, ou do Vinde e Vede da RCC, ou alguma outra dessas armadilhas que o diabo prega hoje.

    Os monges do mosteiro de Santa Cruz, comunidade amiga da FSSPX, celebram missa mensalmente, em casa de fiéis.

  44. E em Porto Alegre se realiza em alguma paróquia a Missa de sempre? Nunca ouvi falar.Alguém sabe me informar?

    abraço e fiquem com Deus.

    Flavio.

  45. Aqui na Arquidiocese de Natal temos uma missa dominical, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Participei ativamente da implantação e dos primeiros meses da celebração, inclusive atuando como cerimoniário, com todo o entusiasmo com que me dedico às coisas ligadas à liturgia tradicional da Igreja. Quando surgiram divergências com o celebrante, que insistia em mesclar elementos da missa nova com a antiga, tais como uma aspersão em português substituindo as preces ao pé do altar, cantos em português com acompanhamento de violão, ministra extraordinária distribuindo a comunhão, etc, preferi me ausentar a presenciar tais indignidades com o Venerável rito de S.Pio V. No entanto, dois jovens sacerdotes já treinaram e celebraram em ocasiões distintas a Missa Tradicional.

  46. Em Brasília as coisas estão meio tensas, mas continuamos tendo uma missa às quintas-feiras e outra aos domingos.

  47. Caro Icaro,

    As Missas em Franca nunca cessaram. Sempre foram rezadas na Catedral e, em geral, cerca de 200 pessoas têm assistido a cada uma. Depois que D. Diógenes adoeceu, o Pe. Roberto passou a nos socorrer sempre que possível(sua última Missa foi em 24/04).

    Nosso novo bispo tem apoiado a Missa Tridentina ainda com mais vigor do que o anterior e, de fato, estava presente na Missa celebrada por D. Rifan.

    Teremos uma outra Missa no sábado dia 05/06 (celebrada por um padre aqui de Franca mesmo). Por favor, entre em contato comigo no email semoliveira@yahoo.com.br

  48. Caro Vinícius,
    Permita-me uma correção.
    O Motu Proprio não se aplica as Missas que você cita.
    Porque se forem as que penso, são Missas Privadas, (No Instituto).
    Pelo que sei, em Brasília a aplicação só mesmo na Paróquia São Pedro de Alcantara no último dia do mês.

  49. Amigos,
    As susgestões vindas do colega picado pelo Aedes Bugninius, serviram, pelo menos e sem querer, para mais uma prazerosa observação das fotos dessa linda cerimônia em Brasília, não se viu, na capital federal,Missa mais bonita nos últimos 35 ou 40 anos, penso eu.
    Fico curioso em saber quando se deve usar a Capa Magna.
    Certamente, Dom Rifan deve ter algum privilégio, pois celebrou fora de sua diocese.
    Outros Bispos na mesma situação poderiam usar tal Capa?
    Alguém sabe?

  50. Sou da diocese de Guaxupé. Aqui as coisas são tensas. Tem apenas uma missa celebrada pela FSSPX uma vez por mês na cidade de Passos(que é bem distante da sede da diocese). Como a diocese é bem grande fica dificil para os fiéis que vivem longe de passos irem para lá. Por exemplo moro em uma cidade que fica a 150 km de Passos e isso dificulta as coisas. Por parte do clero diocesano não consigo enxergar uma luz no fim do túnel, visto que a maioria dos Padres nem sabem da existencia do Moto proprio e o senhor bispo diocesano nunca tocou no assunto.
    Rezemos

  51. Uma pergunta aos leitores do blog. Muitos padres não veêm a missa como o santo sacrificio de Nosso Senhor. Eles passando a rezar a missa tridentina ( nem que seja ocasionalmente ) não passarão a permitir profações nessa missa também? Pois, logo acima, tivemos varios relatos de profanaçoes na missa tridentina. O que fazer quando isso acontecer? Pois a probabilidada disso aumentar apartir de agora é muito grande.

  52. Um dos problemas da celebração em rito tridentino é a simples ignorância do povo. Querer esta celebração exige já um certo conhecimento litúrgico, que muitos não tem. Aliás, grande parte do povo aceita tudo. Em si deveriam reclamar dos erros e abusos introduzidos no Missal de Paulo VI… Mas quem conhece as normas oficiais da Igreja para ir reclamar junto ao padre ou ao bispo? Uma última observação: se estamos com Bento XVI devemos reconhecer o valor tanto da Missa de Paulo VI (rito ordinário), como da Missa tridentina (rito extraordinário). É lícito alguém desejar o rito tridentino pelo seu aspecto espiritual, sua beleza, seu caráter tradicional, mas isto não deve levar a desprezar a Missa de Paulo VI (bem celebrada, conforme a normas litúrgicas, até mesmo em latim isto é possivel).

  53. aqui em GOIANIA nem chegou essa noticia o arcebispo nao informou e nem deu bola. fora proibir esses dias atras um padre de usar batina. o unico lugar que reza a missa em latim aqui e no clautro beneditino e no das carmelitas mesmo assim e no roto de paulo vi ;;;;

  54. Bom, como o Roberto já disse, aqui em Curitiba temos três Missas Tridentinas. Mas, se dependesse do “apoio e motivação” do Bispo, com certeza não as teríamos. Os padres que rezam, rezam de boa vontade. Porém, sem uma paróquia pessoal ou um padre destinado só pra isso, fica complicado cumprir todos os dias de preceito e ter os outros Sacramentos no Rito Antigo. O último, da Ascensão do Senhor, o padre que contactamos não quis rezar. O padre que rezava as primeiras sextas-feiras do mês agora ficou gravemente doente. Meu casamento só consegui no Rito Antigo porque eu “importei” o padre de São Paulo, e ainda na paróquia onde eu ia casar, o pároco criava empecilhos para que meu casamento fosse realizado com Missa Tridentina.

    É sempre essa desculpa: “Por que vocês querem voltar ao que era antigo?”… “isso é para os ‘velhinhos’ que ‘têm saudades’ do Rito rezado antigamente”… Ué, por quê? Não diz Santo Agostinho que “a Beleza de Deus é sempre antiga e sempre nova”? O que é de Deus nunca envelhece, ao contrário, a cada dia ganha novo sabor.

    As coisas estão ficando complicadas, parece que é, ou melhor, É coisa do demônio, porque dois, dos três padres que rezavam a Missa Tridentina, estão gravemente doentes. Temos que intensificar as orações para que a Santa Missa Tridentina seja mais requisitada, para que haja mais sacerdotes dispostos a rezá-la, para que haja mais leigos músicos dispostos a aprender os cântigos tradicionais para deixar a Missa mais bela ainda, e precisamos de mais sacerdotes santos que combatam os erros e as hediondices que falam sobre a Missa de Sempre por aí…

    Eu AINDA não consigo compreender como deixam esses “padres showzistas” fazerem da liturgia e da Missa um teatro mundano, e ficam criando empecilhos para que não tenhamos a Liturgia Tradicional, que é tão rica, inspiradora e santificadora!

    Esses tempos atrás eu li uma entrevista da Dra. Alice von Hildebrand sobre “A Crise na Igreja”, também publiquei no meu Blog. Nessa entrevista ela diz várias coisas interessantes, entre elas:

    “O demônio odeia a antiga Missa. Ele a odeia porque ela é a mais perfeita reformulação de todos os ensinamentos da Igreja. Foi meu marido que me deu essa intuição sobre a Missa. O problema que provocou a crise atual não foi a Missa Tradicional. O problema é que os sacerdotes que a ofereciam já haviam perdido o sentido do sobrenatural e transcendente. Eles se apressavam em fazer as orações, murmuravam e não as enunciavam. Eis um sinal que introduziram à Missa com o seu crescente secularismo. A antiga Missa não permitia espaço para irreverência, e é por isso que muitos sacerdotes se sentiram felizes em se desvencilhar dela.”

  55. Aqui na Diocese de Catanduva o Motu próprio foi totalmente ignorado, nenhum comentário do Bispo que estava no comando da Diocese até Dezembro de 2009.
    As missas no rito ordinário são geralmente “mornas” com coral desafinado, utilizando-se na maioria das vezes somente do violão como instrumento, que não traz nenhuma sacralidade e solenidade às celebrações. Há padres conciliares que pelos seus discursos são totalmente contras, realmente uma lástima!

  56. Corrigindo o comentário acima, a situação em Brasília é a seguinte: temos uma média de 14 missas por mês, pois temos uma missa a cada domingo e uma a mais no quarto domingo do mês; durante a semana, temos missa às segundas e quintas-feiras; por fim, uma missa na primeira sexta-feira do mês.

    Porém, de todas essas, apenas a do 4º domingo do mês é rezada em paróquia. Todas as outras são rezadas na capela do seminário do Instituto Bíblico de Brasília, que pertence ao Bispo Auxiliar D. João Evangelista Martins Terra.

  57. Apesar de morar em outra cidade, acompanho com interesse a situação da cidade de Uberlândia, onde nasci e vou com certa frequência. O caso lá é um pouco interessante.

    Foi a primeira vez que vi uma divulgação oficial do Summorum Pontificum. O que acontece é que um padre da diocese foi convidado pelo Bispo D. Paulo Machado a rezar uma missa solene aos domingos na Catedral da cidade. A priori, não necessariamente na forma extraordinária. O interessante é que o padre iniciou as celebrações dessa missa solene no Novus Ordo com a divulgação do Motu Proprio e de uma carta pública, que estão incluídas no livreto dos fiéis confeccionados para aquela missa (ou seja, a cada domingo os fiéis têm em mãos o Motu Proprio disponível para leitural integral).

    Nessa carta, o padre faz um elogio ao documento de Bento XVI, ao uso do latim na liturgia, à beleza litúrgica da missa, etc. E termina com a clara intenção de que aquela missa solene venha a ser rezada em breve na forma extraordinária. Apesar de ainda a missa tridentina não ter sido rezada (e já se passaram até alguns vezes), o que é bastante curioso é a iniciativa partir de um padre e possivelmente até de um bispo, pois ali não havia grupo algum de fiéis “estável” (pelo meu conhecimento, nem “instável”…) demandando tal rito.

    De qualquer forma, continuo esperando o dia em que começará a ser rezada… :P

  58. Na minha Diocese, de Luziânia, o Motu Proprio Summorum Pontificum está “despercebido” pelo nosso bispo. E o mais preocupante é que não há esperança que o cenário modifique.
    Aos fiéis a única possibilidade é deslocar às Dioceses vizinhas, Anápolis e Brasília, para aproveitar as graças que a única e verdadeira Renovação do Santo Sacrifício proporciona,
    Além das grandes distâncias percorridas serem um risco iminente, relativos ao desgaste e ao desânimo, o grupo de fiéis, conta com agravo, também, ao apostolado, pois o tornando passivo e sem crescimento tangível.

  59. Aqui em Brasília, o MOTU PROPRIO não é divulgado de forma alguma, quando os indagamos afirmam que não será o rito que santificará mais ainda a Igreja e como tanto faz como tanto fez,ignoram o Rito Tridentino.
    E enquanto isso na sala dos tribunais…aguardamos o milagre na Igreja.

  60. Ferreti gostaria de saber se conheces no Brasil carmelitas tradicionais que celebrem e vivam segundo o antigo rito ? Obrigado !

  61. Sou da diocese de Santo André. Tive, junto com dois amigos, uma audiência com Dom Nelson. Nosso objetivo era avisa-lo e comunica-lo que um padre estava disposto a celebrar a missa no rito extraordinário mensalmente em sua paróquia. Ele nos esclareceu que este Motu Proprio geraria divisão entre as pessoas e que tudo o que gera divisão vem do Demônio, ainda que por meio de um Papa. em seguida, nos disse que o Papa deveria ter consultado a CNBB antes de tomar uma atitude como essa. Ainda nos disse que aquele Motu Proprio não passava de um tipo de pronunciamente e que não tinha valor nenhum.
    Alternou-se entre mostrar obediência ao Papa e reclamar do Motu Proprio durante nossa cnversa que durou cerca de uma hora. NMo final, pergunte: “Então o senhor não vai permitir a missa?” – ele respondeu – “Nunca tive problemas de obediência, podem fazer”. Misteriosamente, o padre que celebraria a missa perdeu interesse em fazê-lo e, até hoje, que eu saiba, não há missa regular na diocese de Santo André, salvo uma celebrada numa capela particular pelo padres da Adm. Apostólica, mas esta já é celebrada há muitos e muitos anos.
    Ah, D. Nelson ainda nos disse que teria uma audiência com o Papa nos dias seguintes a nossa conversa e que perguntaria a ele porque ele fez uma coisa dessas.

  62. Sobre d. nelson: faz elogios rasgados a fábio de melo e fará um evento com ele para arrecadar dinheiro pra diocese( se é que n fez). Saiu daqui de SJCAmpos, pq os paroquianos do falecido padre wagner(modernista, n era grande coisa mas tinha um amor explícito pela Igreja) se revoltaram contra ele , pq wagner foi assassinado pelo amante do outro padre que n lembro o nome.
    d. nelson acobertou o padre homossexual e wagner pagou com a vida.

    Parabéns para o príncipe!! Dá-lhe plena comunhão!!!

  63. Lembrei o nome emanuel, ESTÁ escondido em um convento no Nordeste.

  64. Ao Sr. Rafael, que pergunta sobre os Carmelitas, informo a existência do Eremitério Santo Elias, cujo prior é Frei Tiago de São José.

    Lá é celebrada a Missa segundo o Rito Carmelitano, próprio da Ordem Carmelita e provindo do rito usado pela igreja de Jerusalém.

    Km 50 da Fernão Dias – Bairro do Portão – Estrada do Clube da Montanha – Água Espraiada Atibaia/SP – tel:11-44168609

  65. FLORIANÓPOLIS.
    Dom Murilo Krieger negou a mim também a Missa por duas vezes. “Não vejo necessidade pastoral desta Missa para a comunidade daqui” foi o que ele me respondeu.

    Felizmente, os Padres da FSSPX (de Santa Maria/RS) dispõem-se a viajar toda esta “lonjura”, de 2 a 3 vezes por ano, para celebrar Missa privada em Florianópolis para algumas famílias.

  66. Moro na Diocese de Jales…

    Nem precisa dizer mais nada, né? Que vergonha…

    Se tiver algum internauta da diocese aqui para pelo menos fazermos o Bispo Dom Demétrio nos xingar elegantemente (para a Honra e Glória de Nosso Senhor) seria bom nos comunicarmos.

    Obrigado.

  67. Prezados,

    Aqui campeia a teologia da libertação, na sua versão mais modernista, sorrateira nos métodos conseguiu se infiltrar com toda força até mesmo na famosa RCC… os líderes da RCC daqui são todos de esquerda e “engajados” na releitura da tradição a partir da “opção preferencial pelos pobres”.

    É o cúmulo do ridículo… fui comprar um confessionário para minha paróquia, o padre disse que não aceitaria o presente pois não queria ficar em “gaiola”.

    Falei contra a doutrina espírita num “encontro de jovens” e o padre me proibiu de falar novamente em algum “encontro”, em nome do ecumenismo (parece que o irmão do padre era líder espírita).

    Na última confissão, o padre dizia que o que eu estava a confessar não era pecado… eu tive que convencê-lo que o que eu estava cnfessando era pecado… imaginem a situação. Eles são liberais na moral (denunciam apenas as chamadas “estruturas sociais do pecado”).

    Enviei pedido de ao menos uma Santa Missa Tridentina ao mês, tal pedido fora enviado a cada um dos sacerdotes e ao Bispo… só recebi a resposta de dois padres, dizendo em suma que não fariam e desdenhando o Motu Proprio.

    Não conheço nenhum, nenhum mesmo (não é exagero), nenhum sacerdote que use sequer o clergyman (nem o Bispo costuma usar, a não ser raríssimamente)… batina então, nem pensar… lembro-me de uma ocasião em que veio um frade de hábito em Jales… daí o padre que era pároco daqui olhou e disse algo mais ou menos assim, para vários “líderes” que logo riram: “olha lá… o frade veio fantasiado”. Um ex-seminarista era ridicularizado por querer vestes que indicassem sua condição.

    E etc… etc… etc… ad nauseam.

    Viram o que o Bispo daqui tem dito nos noticiários ultimamente?

    Trata-se de Dom Demétrio Valentini…

    Bem… estou me preparando para um enfrentamento quanto ao Motu Proprio por aqui… peço que rezem por mim, principalmente para que eu não perca a paciência… se não fizer isso só me restará mudar-me daqui para receber dignamente os sacramentos (e não digo nem que seja preciso ser no Rito Tridentino… é que aqui não há nem no rito novo com obediência das rubricas e expressão de respeito ou dignidade… os padres confessam normalmente de calça jeans e chinela, sem estola, clergyman, ou qualquer outra coisa… sem confessionário, sentado numa mesa de frente com o fiel).

    O Bispo sabe de tudo e não só aprova, como faz igual e tenta justificar as atitudes como um “acerto”, em vista dos tempos… de uma “evolução” da Igreja.

    Eles perderam o pudor…

    Tudo isso vem acompanhado de escândalos no clero (padres que saem candidatos nas eleições para prefeito e vereador, também para outros cargos nas eleições subsequentes, como deputado, e saem pelo PT e pelo PSB (partido socialista do Brasil).

    (padres que foram descobertos com “amigos coloridos”, outros muitos com trejeitos suspeitíssimos).

    A situação aqui é calamitosa, posso estar sendo maledicente em expor as feridas… mas querem saber… eu cansei… se não fizesse isso de vez em quando, acabaria fazendo coisa pior (quantas vezes me segurei para não ofender os “nobres” clérigos).

    Externando essas feridas e denunciando essa caótica diocese talvez alguém que possa fazer alguma coisa em nosso favor possa ficar sabendo com detalhes o lamaçal daqui… é minha esperança.

    Minha indignação tem em vista meus próprios defeitos também… sei que muitos pecados tenho e por isso mesmo imploro por um saneamento por aqui, quero pelo menos me confessar… quero comungar numa Missa respeitosa (não precisaria nem mesmo ser no Rito Tridentino).

    Gostaria muito0 de dar aula de catecismo para dultos (isso faria um bem a mim mesmo), mas aqui se alguém se propõe a isso tem de “rezar” literalmente pela cartilha da diocese (que no mais das vezes é marxismo pouco camuflado).

    Rezem por nós aqui, prezados, peço encarecidamente…

    Rezem…

    Rezem…

  68. Prezado Sr. José (1),

    Que tipo de conhecimento liturgico seria necessário aos fiéis para a implementação do Motu Proprio?
    Sempre vem alguém com alguma barreira para a implementação da Missa de Sempre!!!

    Outro ponto que me pertuba em seu comentário é sobre a aceitação da Missa de Paulo VI “bem celebrada”.
    O que o senhor quer dizer com isso?
    Para nos acomodarmos do jeito que estamos e nos contentarmos com padres “neo-conservadores” que introduzem um pouco de piedade na Missa Nova, mas que por outro lado mantém mulheres no coro, bateria, guitarra e violão na “banda”?

    Nos contentarmos com os padres que conhecem a Verdade e têm noção de quantos fiéis tanto desejam a Missa de Sempre e se acovardam na hora de enfrentar a realidade?

    Padres que em alguns casos, inclusive, ensinam o caminho certo, mas que não acompanham os fiéis e deixam que eles se percam nos atalhos “litúrgicos” da Missa Nova bem celebrada, ao invés de ampará-los com a bravura necessária para um verdadeiro sacerdote?

    Não repitam o erro dos neo-conservadores. Eles se revelaram como cães mudos, porque deveriam ter agido, mas não agiram! O MAIOR ESCÂNDALO NÃO É O PECADO DOS ÍMPIOS, MAS O SILÊNCIO DOS BONS.

    Que coisa hein! Então, apesar da guerra travada, devemos nos unir? A união proposta por Dom Rifan em homifilia proferida em Brasília???

    Que coisa hein Sr. José? Mas que coisa mesmo!!! Saiba o senhor que a salvação litúrgica encontra-se na Tradição e se o Papa Bento XVI nos agraciou com o Motu Proprio foi tão somente para que passamos a enxergar na Missa Tridentina o caráter de sacrifício que na Missa de Paulo VI (INCLUSIVE NA bem celebrada, conforme a normas litúrgicas, até mesmo em latim) foi porque a Liturgia de Paulo VI está na total decadência!

    Se estamos com o Papa Bento XVI devemos, pois, aceitar o Motu Proprio, nos livrarmos dos covardes, tomarmos a espada e combater o MODERNISMO, inclusive seus derivados “neo-conservadores”…

    Basta de Missas Novas bem celebradas, basta de defesas absurdas das novidades conciliares, basta de se proteger a letra mentirosa dos documentos heretizantes do Concílio! (Bruno Santana)

    Sou de uma diocese onde o catoliscimo tornou-se misticismo. Padres que proclamam-se profetas e demonstram de forma sínica dons extraordinários do Espírito Santo cometem abusos liturgicos absurdos!!! Esses sim podem celebrar, entretanto a Missa de Sempre não pode.

    Me diga Senhor José, porque eu devo aceitar a Missa Nova se eles NÃO aceitam a MISSA TRIDENTINA?

  69. Eu moro na sede da diocese de Pouso alegre MG,e graças a Deus,nessa terra desolada pela RCC,temos o mosteiro de São Bento que celebra a missa de Paulo VI com muita dignidade e a Missa de São Pio V uma vez por mês,além de um curso para aprofundamento na doutrina muito interessante.

  70. No ABC Paulista…

    Em audiência com D Nelson Westrupp, ele recebeu a mim e outros dois colegas e disse entre outras coisas:

    “Vocês sabem latim? Então para que a missa em latim?”

    “Onde já se viu o Papa propor uma coisa dessas! Ele nunca foi nem vigário de paróquia…não sabe nada do cotidiano paroquial, e fica lançando este tipo de coisa incabível…”

    “Vou tratar deste assunto em minha audiência com o Santo Padre…quero entender o que ele quer com isso aqui!!!” *atirando o texto sobre a mesa.

    E no fim…”achem um padre e se ele rezar, muito que bem”…

    Parece ótimo o final, mas qual padre teria coragem de rezar, ou mesmo, qual que fosse rezar sem tomar uma bela “ensaboada” do Bispo…

    Graças a Deus o Pq São Lucas fica bem ao lado de São Caetano, e o centro de São Paulo não é longe…

  71. Aqui em Fortaleza, há uma paróquia que celebra a missa tridentina aos domingos, no bairro S. João do Tauape:
    http://subsidioliturgico.blogspot.com/

  72. Boa noite!

    Gostaria de saber se em Goiânia existe algum grupo que luta pela liberação da Missa Tridentina porque gostaria de me juntar e ajudar o quanto posso.

    Obrigado!

  73. Caro Magno Oliveira,
    Missa de Paulo VI bem celebrada é aquela que segue estritamente as normas litúrgicas da Igreja. O documento básico é a Instrução Geral do Missal Romano. Já leu? Recomendo sua leitura. Se estamos realmente com Bento XVI devemos aceitar perfeitamente tanto a forma ordinária como a forma extraordinária. A forma ordinária, como o nome já diz, é aquele tipo de celebração usada geralmente. A outra, mais rara, é a forma extraordinária, que pode ser utilizada também livremente, mas que de fato é mais rara. Insisto em lamentar a falta de conhecimento litúrgico da maior parte do povo no Brasil. Daí se aceitar todo o tipo de celebração, não se dar conta de erros e abusos. Muitos nunca ouviram falar em missa tridentina, na possibilidade de um outro rito. Uma última observação: não se deve pensar que haja erros nas celebrações da “missa nova”. Na missa tridentina, com o padre de costas para o povo, falando em voz baixa, ninguém se dá conta dos erros que ele cometeu, de sua falta de piedade, etc.

  74. Nossa…o Brasil esta em plena decadência Liturgica, mas Deus, nosso Santo Cirurgico, restaurará tudo.

  75. Caro José não e só o nosso povo que não conhece a missa de sempre mas infelizmente o nosso clero tambem

  76. Prezado Diogo da diocese de Jales

    Gostaria de entrar em contigo.

    Meu e-mail: mvsfrasson@gmail.com

  77. Prezado Max

    Na Missa de Anápolis (www.santamariadasvitorias.com.br) vai alguns de Goiânia. Converse com ele por lá.

    Salve Maria

  78. Em Brasília…

    99% dos fiéis da minha paróquia não fazem a menor idéia do que venha a ser o Motu Proprio.

    99,5% não tem a menor idéia, ou não têm a menor percepção da crise na Igreja.

    Este estado de coisas é certamente algo querido pela diocese.

    A única vez em que ouvi um membro da cúria falar sobre o tema foi num curso de formação para MESCE´s; ainda assim, classificou o rito Tridentino como uma missa anacrônica e para saudosistas.

    Quanto a situação atual, Missas na Paróquia São Pedro de ALcântara (acesso difícil) no último domingo do mês ou no Instituto Bíblico (pouca ligação com a diocese) nas disponibilidades já citadas.

    Coisa interessante sobre a Missa Pontifical rezada aqui por D. Fernando durante o XVI CEN: não houve a menor divulgação da mesma; ela não constava sequer da programação oficial.

  79. Missas em SP, Vila Mariana, com os padres da FSSPX:

    2ª à 6ª 19h
    Sábados 16h
    Domingos 10 e 19h

    todas precedidas de terço e confissão.

    *********

    Ao Thiago da diocese de São Miguel Pta:
    Meu caro, pe. Geraldo ainda está na catedral de São Miguel, saberia me dizer? peço a gentileza de me responder neste e-mail: faustech@ig.com.br

    abs

  80. Concordo com José JR: também o clero desconhece a missa tridentina. Ora, eu também não vejo os partidários do antigo rito se cotizarem e publicarem algum bom livro, não polêmico, promovendo este rito, dizendo de sua beleza, etc. Mais do que um livro de alta teologia litúrgica, penso numa revista, num belo album colorido, com belas fotos e textos explicativos. Se não se faz propaganda, como querer que as pessoas queiram tais celebrações? E não esqueçamos da necessidade de pequenos missais bilingues para os fiéis. Ou será que devemos voltar à prática antiga do povo acompanhar a celebração da missa rezando o terço ou orações de devoção?

  81. A Missa SEMPRE pode ser acompanhada com a recitação particular do terço. A diversidade de instrução dos fiéis a respeito da Santa Missa é enorme. Nem todos têm a destreza de manusear o missal, ou um folheto, ou mesmo simplesmente meditar. Até mesmo com o missal podemos nos distrair.

    O Papa Pio XII na Mediator Dei (também explanada por Dom Antônio de Castro Mayer em uma de suas Cartas Pastorais) conclui que qualquer exclusivismo na maneira de assistir a Santa Missa não é aconselhável. O que vale é uma boa instrução doutrinária quanto ao Santo Sacrifício da Missa, que, apesar de ter um cunho didático na sua Liturgia, não é uma catequese pura e simples, esta deve ser aplicada dentro do movimento paroquial.

    Mesmo as admonições sugeridas pelo Concílio de Trento para introduzir os fiéis às cerimônias da Missa não devem ser vistas como algo obrigatório e nem de tal maneira que se equipare ao próprio ato sacerdotal, este, sim, imprescindível.

    Quanto às más Missas celebradas anteriores ao Concílio como argumento para a confecção da Missa nova leva-se à teoria do Cardeal Siri que dizia que a Missa nova era um castigo para os padres que celebravam mal a Missa tradicional. Seria ela a insticionalização do desleixo?

  82. Se estamos com Bento XVI devemos não só negar, mas rechaçar a Missa Nova de Paulo VI.

    Essa tragédia maçônica, de influências protestante. Esta atrocidade que repete os mesmos erros que o heresiarca Lutero cometeu 500 anos atrás.

    Mesmo rezada com toda piedade, ela ainda é uma tragédia que dilacerou a Santa Missa em nome de uma estranha aberração humana em nome do ecumenismo, e de toda a vileza satânica dos maçons.

    Encíclica Quo primum Tempore (SS. São Pio V):

    “(…)é soberanamente oportuno que, na Igreja de Deus, haja uma só maneira de salmodiar e um só rito para celebrar a Missa”.

    “E a fim de que todos, e em todos os lugares, adotem e observem as tradições da Santa Igreja Romana, Mãe e Mestra de todas as Igrejas, decretamos e ordenamos que a Missa, no futuro e para sempre, não seja cantada nem rezada de modo diferente do que esta, conforme o Missal publicado por Nós, em todas as Igrejas”.

    “Assim, portanto, que a ninguém absolutamente seja permitido infringir ou, por temerária audácia, se opor à presente disposição de nossa permissão, estatuto, ordenação, mandato, preceito, concessão, indulto, declaração, vontade, decreto e proibição.”

    “Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bemaventurados Apóstolos Pedro e Paulo.”

  83. Amei esse post!!!!

  84. Salve Maria!

    Existem muitos que justificam o fato das pessoas serem “ignorantes” a respeito da Missa Tridentina, pera mim esse argumento não procede, a principio pode existir certa dificuldade de alguns fiéis, mas não há nada que o tempo não resolva, todos podem aprender a acompanhar a missa, afinal somos inteligentes. Um exemplo disso, os padres da FSSPX tem um priorado na Rep. Dominicana, e grande parte de seus fiéis são camponeses,pessoas muito simples e muitos são analfabetos, porém, nada disso foi problema pra eles, pois acompanham muito bem Missa e sabem todas as respostas em Latim da Missa. Outra coisa, se um padre tem o desejo de celebrar a Missa Tridentina, ele não precisa ter uma assembléia de fiéis para rezar a missa, pode rezar a Missa privada.

    UIOGD

  85. ” Se estamos com Bento XVI devemos não só negar, mas rechaçar a Missa Nova de Paulo VI…”
    O que é isto Emerson ??? Que Bento XVI é este ?!? Onde ele disse tamanho absurdo ?

  86. Ao sr. Lucas.

    Bento XVI é papa, e como papa defende a tradição e a tradição é contrária à Missa Nova (vide a Quo Primum Tempore),(vide a Missa de Lutero, por Mons. Lefebvre).

    Então se estamos com Bento XVI, estamos com a Tradição Católica, e por consequência com a missa tradicional, mas nunca com a missa nova, que infringe a Bula Quo Primum Tempore e incorre na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bemaventurados Apóstolos Pedro e Paulo.

    Eu não vejo absurdo nisso, mas a única sequência lógica possível. Missa de Sempre não é pra quem gosta, acha legal, ou como curiosidade, ela é A missa. Que deve ser celebrada desde a menor paróquia das Filipinas até à Basílica de São Pedro, pois é assim que diz a Tradição.

  87. caro IR MAX aqui em GOIANIA nao exista nenhum grupo so existe algumas pessoas que gostam e que lutam por essa liberdade mais que ainda nao e aceita ;
    me add no orkut que a gente coversa entra na comunidade do seminario interdiocesano de gyn e digita la murillo marques que sou eu !!!

  88. que o senhor nos ajude a vencer essas barreiras

  89. aqui em vitória ES nao mudou nada, infelizmente o sr. Bispo daqui continua agindo como se o motu proprio Summorum Pontificum nao existisse, negando e achando um atraso de vida qualquer vinculação da igeja atual à luz da tradição católica milenar.

  90. ” Se estamos com Bento XVI devemos não só negar, mas rechaçar a Missa Nova de Paulo VI…”

    Emerson, me diz uma coisa, realmente quero entender, como isso poder ser verdade se Bento XVI celebra Missa Nova?

  91. Pertenço à Diocese de Ourinhos (SP), ou melhor, habito o território canônico da mesma, e um dia pretendo mudar-me dela.

    Aqui jamais se tocou em assuntos como “missa tridentina”, “Summorum Pontificum” e outros temas que são primeira página nos noticiários eclesiásticos, e os fiéis vivem submersos numa caudalosa e serena ignorância da Tradição católica. Não é somente o reacionário aqui a reclamar: a esquerda “católica” presente em movimentos como a Pastoral da Juventude também chia preocupada com a inércia do Bispo e da Diocese em acompanhar o “dinamismo” da Igreja brasileira… O nosso Bispo é italiano e oriundo do movimento “Focollari”, portanto a RCC pontifica por aqui, inutilizando sua arquirival, a Teologia da Libertação, transformando-a num quadro de parede. Uma cobra já engoliu a outra.

    Não conheço mais ninguém de minha Diocese que tenha a decência de estudar a doutrina católica. Os diocesanos de Ourinhos alimentam sua alma somente com as TVs “católicas” (especialmente a Canção Nova) e os produtos de evangelização. Que seja do meu conhecimento, não existe um outro tradicionalista católico no território da Diocese a não ser o Pedro Pelogia!

    Sei por Bossuet que “rezar sem agir é tentar a Deus”, mas cada vez que pronuncio as tags “missa” + “tridentina” um sacerdote sai correndo (isto aconteceu literalmente). Diminui minha insistência porque se for da vontade de Deus não contiuarei a morar na Diocese de Ourinhos. Viajo com frequencia, e costumo assistir nas viagens a Missa tradicional católica, no rito gregoriano-tridentino ou no rito bizantino oriental (mais fácil de se encontrar).

    Passaram-se 3 anos, e passarão 10, 20 ou 30 na mesma situação se não houver intervenção, senão divina, pelo menos papal.

  92. A sra. Ana Maria Nunes.

    Se conhecemos alguém, se amamos alguém, mas vemos essa pessoa cometer um erro, o que devemos fazer para mostrar nosso carinho? Convencê-la do erro, e levá-la a corrigir-se.

    Acaso deveríamos dizer a um amigo que pode continuar traindo a esposa, ou maltratar os filhos? Não, se amamos nosso amigo, devemos convencê-lo de seu erro.

    Se somos a favor de alguém, devemos fazer de tudo para que essa pessoa se emende.

    Mas então dirão: “O Papa é infalível”. Realmente, este é um dogma da Igreja que eu devo acreditar mais que se visse com meus próprios olhos.

    Mas o papa só é infalível quando se proclama como tal. Como quando da publicação da Bulo Quo Primum Tempore, de São Pio V, dizendo que quem mudasse o rito Romano incorreria na ira do Deus Todo-Poderoso e de São Pedro e São Paulo.

    Mas o papa não é infalível quando não se proclama como tal, como na publicação do “novo” rito Romano de Paulo VI.

    Logo, se Bento XVI celebra missa Nova, não o faz com o poder da infalibilidade, da mesma maneira que JP II não convocou o encontro de Assis infalivelmente;

    Logo, “Se estamos com Bento XVI devemos não só negar, mas rechaçar a Missa Nova de Paulo VI”.