Promotor de Justiça do Vaticano diz que Igreja precisa “amputar” para se recuperar.

 Monsenhor Charles J. Scicluna(IHU) Quando a inocência de crianças é “espezinhada, quebrada, manchada, abusada e destruída”, então “a terra se torna árida, e o mundo todo, triste”, disse o principal promotor do Vaticano na questão dos abusos sexuais na manhã deste sábado em Roma.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada no sítio National Catholic Reporter, 29-05-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Monsenhor Charles J. Scicluna criticou indiretamente a cultura clerical em que padres abusadores receberam uma segunda chance rotineiramente.

A amizade cristã, disse Scicluna, está “submetida à lei de Deus”. Por isso, se um membro da Igreja é uma “ocasião de pecado”, então um fiel “não tem outra escolha a não ser cortar esse laço”.

Eliminar os abusadores, defendeu Scicluna, é uma forma de “cirurgia divina”, destinada a proteger o corpo, amputando uma parte doente.

Scicluna, sacerdote maltês que atua como Promotor de Justiça da Congregação para a Doutrina da Fé, falou em uma celebração de reparação pelos abusos cometidos por padres e pela recuperação dentro da Igreja, organizado por estudantes de instituições pontifícias de Roma. O serviço ocorreu na manhã deste sábado na Basílica de São Pedro, no Altar da Cátedra de Pedro.

Scicluna fez a homilia. Considerado amplamente como o maior especialista do Vaticano acerca da crise dos abusos sexuais, Scicluna raramente fala em público – o que tornou seus comentários da manhã deste sábado ainda mais significativos.

Indicado pelo então cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, para lidar com a resposta canônica às acusações de abusos sexuais contra sacerdotes, Scicluna, em geral, é visto como o arquiteto da atitude mais agressiva com relação à crise que surgiu na Congregação para a Doutrina da a Fé depois de 2001.

Na manhã deste sábado, Scicluna fez uma meditação mais espiritual sobre a relação entre Jesus e as crianças, dizendo que “a Igreja, a esposa de Jesus, sempre teve um cuidado e uma solicitude especiais para as crianças e os fracos”.

Segundo os Padres da Igreja, disse Scicluna, uma criança era “o ícone eloquente da inocência”. À essa luz, argumentou Scicluna, destruir a inocência de uma criança torna toda a terra “árida” e “triste”.

Citando São Gregório Magno, Scicluna sugeriu que esses pecados são especialmente hediondos quando cometidos por padres.

“Depois de ter feito uma profissão de santidade, seria melhor que os crimes de qualquer um que destrói os outros por meio de palavras ou ações lhe causassem a morte em vestes seculares, ao invés de, por meio de seu ofício sagrado, ser imposto como exemplo para os outros em seus pecados. Sem dúvida, se tivesse caído por si mesmo, seu sofrimento no inferno seria mais fácil de suportar“.

Scicluna contrastou a inocência das crianças com a arrogância e o carreirismo na Igreja. “Quantos pecados na Igreja ocorreram por causa da arrogância, da ambição insaciável, do abuso de poder e das injustiças cometidas por aqueles que abusam do seu ministério para avançar em sua carreira?”, perguntou Scicluna.

Ele denunciou os “motivos fúteis e miseráveis da presunção”.

O remédio para esses escândalos oferecido por Deus como “Divino Cirurgião”, de acordo com Scicluna, é “cortar [a doença], a fim de curar”, e “amputar, a fim de restaurar a saúde”.

Além dessas medidas drásticas, Scicluna também propôs a “medicina preventiva” da formação sólida para os futuros sacerdotes, exortando-os a ser ardentes na fé, tornando-se sal e luz do mundo.

A celebração de reparação da manhã deste sábado incluiu uma hora de adoração ao Santíssimo Sacramento, um período de meditação e oração conduzido por Scicluna e concluiu com uma bênção solene. Os estudantes que organizaram o evento disseram que decidiram fazê-lo “por causa da atenção da mídia nos últimos meses dirigida a abusos cometidos por padres, e em resposta ao apelo do Santo Padre à penitência, em sua Carta à Irlanda”.

14 Comentários to “Promotor de Justiça do Vaticano diz que Igreja precisa “amputar” para se recuperar.”

  1. Nossa! fiquei fã! tem mais que amputar geral!!!

  2. Pax et bonun!
    Não sei se essa é a vontade de Deus, mas pedirei ao Pai para nos iluminar-mos, pois eu concordo com o Monsenhor Charles.

  3. Essa deveria ser a postura adotada pelo Papa João Paulo II e Benedito XVI, precisou os fatos tomarem tamanha proporção para que o promotor de justiça do Vaticano, que não é conhecido, falar algo sensato e prático.

  4. Aplausos para Mons. Charles!

    “Quando a inocência de crianças é espezinhada, quebrada, manchada, abusada e destruída, então a terra se torna árida, e o mundo todo, triste”.

  5. Que rolem cabeças clericais!!!

  6. Finalmente alguém disse as palavras que precisavam ser ditas : foram as conivencias criminosas de Bispos com essas situações que levaram a tais escandalos.

    E digo mais : não sáo só os padres pedófilos que precisam ser amputados mas todos os Bispos que deram essa segunda chance.

  7. Que o mar vermelho feche-se para os padres pedófilos!

  8. “Sem dúvida, se tivesse caído por si mesmo, seu sofrimento no inferno seria mais fácil de suportar“.

    EU QUERO Monsenhor Charles J. Scicluna NA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ (ex-Inquisição)!

  9. Caro Ferreti,
    Talvez seja interessante diponibilizar a entrevista completa para os amigos do Fratres.

    http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=30670

  10. “Levantai-vos ó Senhor, defendei a Vossa causa, lembraí-vos das injúrias contínuas do insensato. Não esqueçais o tumulto dos vossos inimigos, o clamor sempre crescente dos vossos adversários” (Sl LXXIII, 22-23)

    “O zelo por tua casa me consome e as afrontas com que te afrontam recaem sobre mim” (Sl LXIX,10)

    “Agora, quem não tem uma espada, venda o seu manto e compre uma”( Luc. XXII 36)

    “Julgais que vim trazer a paz à terra? Não, vos digo eu, mas a divisão; porque de hoje em diante, haverá numa casa cinco pessoas, divididas três contra duas, e duas contra três. O pai contra o filho, e o filho contra o pai; a mãe contra a filha, e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora, e a nora contra a sogra” (Luc. XII, 51-53).

    “Não julgueis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas a espada. Porque vim separar o filho de seu pai, e a filha de sua mãe, e a nora de sua sogra. E os inimigos do homem serão os seus próprios domésticos” (Mt. X, 34-36).

    ***

    En garde, monsenhor. Cortai quantas cabeças forem necessárias. As mãos de Deus estão atadas na História, sê o homem que defenderá a causa de Deus. Se o senhor fala em inferno, é porque acredita, e se acredita, teme. Lutai pela Justiça, monsenhor!

  11. Tá, mas agora vamos para a prática.

    E os autores de delitos públicos contra a fé, aqueles que ensinam heresia e coisas com sabor de heresia? são também amputados/censurados?! Ou isso é privilégio de bispos ditos rad-trad “cismáticos” anti-Vaticano II?

  12. Graças a Deus o “tumor” a ser amputado é extremamente pequeno ,porém, maligno. Mas segundo monsenhor Scicluna não é como a mídia quer parecer como um grande “tumor” com metástases.

  13. Concluindo : Fiquemos atentos para não fazer coro com esta mídia podre !

  14. Ótimas providências da Igreja.

    Mas creio que o de fato queremos que esses fatos

    NÃO aconteçam ou que sejam reduzidos ao mínimo.

    Então, será necessário extirpar o mal antes que

    ele dê os seu “frutos”.

    E é claro, não precisamos ficar sabendo de que forma
    isso está sendo feito.

    Previnir é sempre melhor. Inclua-se os seminários.