Três anos: A vida de um padre que ame a Missa Tradicional pode ser absolutamente asfixiante.

Nesse final de semana, muitos fiéis católicos em Valais (Suíça), próximos à antiquíssima Abadia de Saint-Maurice d’Agaune, que costumava ser o bastião do catolicismo suíço-francês, foram surpreendidos ao saber que um dos mais amados padres na abadia, Cônego Yannick Escher, deixou a casa agostiniana.

Cônego Escher, que era o Capelão da escola abadial e mestre de cerimônias na Abadia, deixou Saint-Maurice por… Écône [o principal seminário internacional da Fraternidade Sacerdotal São Pio X – FSSPX / SSPX, também em Valais]. Por que? Summorum Pontificum Observatus explica:

Numa mensagem enviada a nós nesta manhã, o Cônego Yannick Escher se explica e acrescenta importantes detalhes. Ele então enfatiza que ‘Monsenhor Roduit, o Abade de Saint-Maurice, recebeu uma carta de 5 páginas explicando minha partida. Na manhã seguinte, meus Irmãos receberam a mesma carta. Ela consiste de, essencialmente, razões litúrgicas (é impensável implementar o Motu proprio) e doutrinais”.

Está, assim, confirmado que as razões para essa partida não são as de natureza pessoal – um mau relacionamento com seus irmãos ou uma depressão, etc. – mas antes litúrgicas e doutrinais. O Cônego Escher informa que implementar o Motu Proprio era impensável. Três anos após a promulgação deste último, tendo chegado o tempo dos relatórios, é nesta perspectiva que essa partida do Cônego Escher deve ser entendida. A resistência ao Motu Proprio é enorme entre as autoridades episcopais e eclesiais… Já é hora da comissão Ecclesia Dei saber o que quer fazer, de modo que não caia novamente na falta de ação dos anos anteriores.

[Na foto, Cônego Joseph Roduit, Abade de Saint-Maurice.]

Fonte: Rorate-Caeli

13 Responses to “Três anos: A vida de um padre que ame a Missa Tradicional pode ser absolutamente asfixiante.”

  1. E a de um leigo que a ame também.

    Faço parte do Caminho Neocatecumenal e ultimamente tenho sido taxado de fanático, louco e retrógrado por amar a Santa Missa Tradicional. O que resta é rezar, portanto:

    Cor Jesu sacratissimum, miserere nobis.

  2. Seja bem vindo à FSSPX,

    A sua benção.

    Pelo jeito, não é possível debater as questões doutrinais em aberto com Roma estando em “plena comunhão” com ela.

    Os que fizeram “acordos” com Roma, ao que parece, se calam.

  3. Caros, se não são capazes de implementar, um simples Motu Proprio, serão capazes de implementar os sofisticadíssimos, complicadíssimos e ambiguíssimos, documentos conciliares?

    O Motu Proprio e suas particularidades, oferecem nos algumas reflexões fundamentais. Como essa analogia aos documentos Conciliares, sobre a concepção de autoridade, liberdade e também outras. Se analisarmos o quadro apresentado apenas pelo Summorum Pontificum, veremos que a grande maioria esta fundamentando a autoridade em sua própria vontade. Não deveriam ter liberdade para tanto, mas uma vez que autoridades adotam a liberdade proposta por Duns Scotto, poderá se evitar o deslocamento da autoridade para a vontade?

    Todo abusado liturgicamente ou teologicamente, primeiramente fez da sua propria vontade, uma grande autoridade. Nisto se ve o problema da liberdade abordado recentemente por Bento XVI, aplicado s autoridade. Depois do CVII, a liberdade das autoridades são o efeito de uma ideia de liberdade inata e absoluta colocada na vontade que precede o intelecto, conduzindo à uma autoridade que não esta ligada nem à verdade nem ao bem. Isto se vê claramente na questão ds Missa e em outras muitas questões. Se o problema da Igreja, fosse apenas seguir a hermenêutica da continuidade, bastaria ao Papa impor esta hermenêutica pela sua autoridade. Mas pela ausência desta imposição, se sabe que o problema, é mais complexo…

  4. Onde estará a autoridade?

  5. Até quando, Senhor, os idiotas se auto-mutilaram na cegueira da inteligência para não perceberem a crise e as causas dela?!…
    Que os covardes se curem!!!!

  6. E para onde o Cônego Yannick Escher foi?…
    Para uma das instituições Ecclesia Dei?!…
    Não.
    Para as agremiações neo-conservadoras?!…
    Não.
    Para uma “comunidade” neo-católica?…
    Não.
    Ele foi para o único lugar ainda que preza, conserva e defende a Tradição: a mui odiada FSSPX.
    Será que esse movimento não será entendido da maneira correta?…
    Senhor, livrai-nos dos pusilânimes!!!

  7. Tópico sobre o que ocorreu em Recife:

    http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=12901339&tid=5492928632330991079&start=1

    As palavras publicadas no Frates in Unum foram proféticas.

  8. E tem gente que acha que está tudo normal!…
    Limeira, Recife, Rio de Janeiro etc etc etc…

  9. Está na hora – digo – PASSOU DA HORA dos bons se unirem. O padre Hélio Buck compreendeu isso, igualmente o cônego Escher…
    O novo arcebispo de Recife-Olinda INICIOU seu ministério agora, isso é só o começo! O que fazer então? É lícito ter parte com a Teologia da Libertação? Ou para o bem das almas o melhor é resistir abertamente?
    Graças a Deus existe a FSSPX… Já que nos jogaram na mlama, mesmo, então ao menos não sofremos ameaças de contaminação com heresia.

    D. Fellay disse que recentemente fez uma conferência na Itália com 28 sacerdotes DIOCESANOS, ou seja, padres que NÃO SÃO DA FSSPX. Um dos padres disse a ele que ouviu de seu bispo a promessa que, na hora em que Bento XVI fosse visto rezando a Missa Tradicional publicamente, o mesmo bispo EXTINGUIRIA a diocese…

  10. Durante uma aula para leigos no Seminário de Niterói, um padre simpatizante da “esquerda católica”, que não usa hábito, disse claramente que não concorda com o acordo do Vaticano com os tradicionais nem com a “aprovação” da Missa de São Pio V, mas que dentro da diversidade é preciso suportar o rito… Na Arquidiocese de Niterói a Missa antiga é permitida com o motivo principal de afastar os fiéis tradicionais de Pendotiba, onde há a Igreja de Dom Lourenço, da linha da FSSPX. A tal ponto que estes fiéis estavam asistindo missa na horrenda Igreja de São Judas Tadeu, de arquitetura moderna. Somente a pouco foram transferido para a Catedral de São João Batista, onde podiam ser controlados e vigiados. Atualmente foram jogados como bola para a Igreja dos Sagrados Corações, o lugar mais fedorento e mal cheiroso de Niterói…

  11. Quanto mais se faz resistência à Missa Tradicional mais incita-se a curiosidade e o gosto pela mesma. É questao de tempo! Chegará o momento que ninguém mais vai segurar! O Papa a modo próprio confirmou a Missa Tridentina como Rito Romano (como sempre o foi) para os fiéis de hoje. Quem ama a Missa Tradicional ama a Sta. Missa de rito ocidental-romano. Portanto, deixemos que o tempo de Deus vai se encarregar de oclocar as coisas no devido lugar. Assim, todas as resistências e perseguições serão as maiores aliadas da exaltação da “missa est”!!!

  12. Caros confrades do Frates in Unun, não vi um local para poder entrar em contato rápido com vocês no site e, por isso, estou usando os comentários para informar uma novidade sobre o caso de Olinda e Recife. Se for possível e conveniente, publiquem o que segue em destaque:

    Ação antecipada – URGENTE!!!!!!!!

    Os planos de redação e assinatura de um texto solicitando ao senhor Arcebispo D. Fernando Saburino a nomeação de um pároco para celebrar no rito gregoriano para o grupo estável de fiéis ligado à prévia tradição litúrgica da Igreja Católica tiveram que ser abrupta e urgentemente alterados.

    O senhor Arcebispo já marcou, para amanhã (quinta-feira, 15 de julho) às 8:30 da manhã, uma audiência com o Gustavo Souza, o padre Nildo e mais um pequeno grupo representativo dos fiéis que eram assistidos na Missa da Imbiribeira, a fim de conversar sobre o assunto.

    Quem puder, compareça à Cúria para assinar o documento que será entregue (lembro, só um pequeno grupo será recebido, mas é bom “marcar presença”).

Trackbacks