Monsenhor Guido Marini e a reforma da Reforma.

Trecho da entrevista de Monsenhor Guido Marini, mestre de cerimônias do Santo Padre, à Gaudium Press:

GP – O então professor Ratzinger nos seus escritos fala na reforma da reforma da liturgia. Como o senhor vê esta exigência das reformas, das mudanças na liturgia? De fato, algumas mudanças já foram introduzidas pelo Santo Padre Bento XVI.

Quando às vezes se fala e se usa este termo “reforma da reforma”, se arrisca a ser “mal entendido”. Porque nem todos o entendem da mesma maneira e nem todos o captam do mesmo modo. Eu creio que, além das frases feitas, aquilo que é importante é que a reforma que o Concílio Vaticano II iniciou seja efetivamente realizada em modo completo segundo os ensinamentos do Concílio, que colocam a liturgia em uma continuidade com toda a sua tradição no mesmo tempo com o critério de desenvolvimento orgânico. Como deve ser sempre na vida da Igreja. A atuação prática da reforma depois do Vaticano II não está sempre feliz. Exatamente por isto que talvez seja necessário fazer alguma correção, alguma mudança, alguma melhoria justamente para atuar em modo completo as indicações do Concílio e fazê-las de forma que pareça cada vez mais claro com o desenvolvimento da liturgia da Igreja e se coloque em orgânica continuidade com a que a precedeu.

6 Comentários to “Monsenhor Guido Marini e a reforma da Reforma.”

  1. “Eu creio que, além das frases feitas, aquilo que é importante é que a reforma que o Concílio Vaticano II iniciou seja efetivamente realizada em modo completo segundo os ensinamentos do Concílio…”

    Oh my!!!
    O sujeito que fez essa entrevista deve ter pensado “não é bem dessa reforma que estou falando…”

  2. Well, good luck with that!

    Afinal, ate quando vamos ficar andando em circulos?

  3. Seria bom consultar alguma modista entendida em reformar trapos velhos e surrados antes de qualquer coisa…

  4. ANdando em circulos ou em cima de uma esteira..??

  5. Na foto, se o objeto que o monsenhor está segurando fosse menor, eu diria que poderia ser um batom.
    Um batom para Bento XVI passar na boca do porco, que é a missa nova, porco que já está morto.

  6. Como tem louco pra tudo,
    Entenda-se o batom como sendo a “reforma da reforma”.