“Não podemos nos calar!”. Transcrição não-oficial da mensagem “Vida e Eleições 2010” de Dom Aldo Pagotto.

Enquanto aguardamos o lançamento do texto oficialmente por parte da Arquidiocese da Paraíba, publicamos a transcrição, generosamente oferecida por uma leitora (pela qual pedimos que rezem uma Ave-Maria, por gratidão), da mensagem de Dom Aldo Pagotto sobre o segundo turno das eleições. Qualquer correção é sempre bem-vinda.

* * *

Clique e veja o vídeo.

Clique e veja o vídeo.

Sou Dom Aldo di Cillo Pagotto, Arcebispo Metropolitano da Paraíba.

Tendo em vista o segundo turno das eleições, dirijo-me hoje aos diocesanos e a todas as pessoas de boa vontade.

A situação nos preocupa.

Engana-se quem pensa que esteja em jogo apenas o dilema da escolha dos candidatos e dos partidos mais capazes de promover o desenvolvimento do País, numa disputa democrática, na qual poderemos mais tarde corrigir eventuais erros de percurso.

O alerta recai sobre a gravidade do momento presente, no qual vivemos.

A humanidade tem assistido nas últimas décadas a um trabalho internacional, calculado e planejado, que pretende modificar radicalmente as concepções básicas do Cristianismo no tocante ao papel da família, à dignidade da vida humana e à Ética, que foi um pilar fundamental para a revolução da civilização que nós construímos.

 

Os conceitos de vida, de dignidade humana estão ameaçados no mundo de hoje como nunca se viu na História.

Atualmente há países onde o aborto está legalizado durante todos os 9  meses de gestação.

A ONU, vendo já suficientemente enraigada a cultura do aborto, pretende reconhecê-lo não mais como um mal menor a ser tolerado, mas como um direito humano fundamental a ser promovido.

Aqui está o veneno.

Enquanto no mundo dito desenvolvido se procura agora introduzir a prática pela qual as pessoas mais idosas – quando suas vidas não evidenciam mais os sinais de unidade social, ou de utilidade social, não produzem mais, mesmo que ainda estejam em pleno gozo de saúde – peçam elas a própria morte, disfarçada sob o rótulo de um novo direito: a eutanásia.

Todos esses ataques à vida e à dignidade humana são a face mais visível de um projeto amplo, que atinge a sociedade de hoje.

Os Sumos Pontífices (os Santos Padres, os Papas) mais recentes, sem exceção, têm chamado isso de cultura de morte.

A cultura de morte começou a ser introduzida sistematicamente no nosso país a partir dos anos 80 e no início da década de 90, graças a um financiamento maciço de grandes fundações internacionais bem conhecidas, já denunciadas em amplas documentações.

Em 2003, encontrou respaldo no Partido dos Trabalhadores – que nesse ano havia alcançado o poder – seu principal aliado.

Desde que chegou ao poder, o Partido dos Trabalhadores assumiu como projeto de governo a completa legalização do aborto no Brasil.

O partido não escondeu a sua agenda, antes, paradoxalmente, passou a negar com insistência o que ele fazia publicamente, mesmo diante de todas as evidências ao contrário.

(O povo brasileiro maciçamente é contrário ao aborto).

Ao longo desses anos isso se repetiu várias e várias vezes.

Pode-se concluir que, para esse partido, essa atitude pró-aborto não é um mal-entendido, não é um equívoco, nem é uma fraqueza, nem é um vício, nem um erro de percurso.

Mas constitui a própria estratégia para implantar a cultura de morte no Brasil.

Desde o início do seu mandato, o atual governo considerou a completa legalização do aborto como seu programa de governo.

Em 2005 o nosso governo se comprometeu perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU a descriminalizar completamente o aborto no País, para, em seguida, reconhecer perante o Comitê da Cepal, da ONU, o aborto como um direito humano.

Insistentemente, então, se fala de aborto como direito.  Isso é, no mínimo, uma chicana, uma enganação, uma controvérsia inaceitável, intolerável.

E o direito à vida e à família é irrenunciável para nós, humanistas e cristãos.

Em seguida, no dia 8 de agosto de 2005, o Presidente negou todas essas declarações, enviando à Assembléia Geral  dos Bispos do Brasil, reunida em Itaici então, uma carta assinada pelo próprio punho publicada por toda a Imprensa, na qual ele negava, jurando, pela fé que havia recebido de sua mãe, que tivesse qualquer intenção de legalizar o aborto no País.

Os fatos desmentiram as palavras do Presidente quando o Governo encaminhou à Câmara de Deputados um projeto de lei que pretendia legalizar o aborto durante todos os 9 meses de gravidez, tornando-o completamente livre, por qualquer motivo, desde a concepção até o momento do parto.

São vários projetos.

A própria redação interna do projeto já era, ela própria, outra desonestidade à parte.

O primeiro artigo do projeto declarava que o aborto seria um direito da mulher durante os 3 primeiros meses da gravidez.

Os parlamentares pensaram que o projeto legalizaria o aborto apenas durante o primeiro mês de gestação.

Porém, o último artigo desse projeto suprimia todos os dispositivos do Código Penal que tipificavam o aborto como crime.

De modo que a prática, na verdade, passaria a ser permitida em todas as circunstâncias, durante todos os 9 meses, desde a concepção até o momento do parto, e não apenas nos 3 primeiros meses de gestação.

A desonestidade quase alcançou seu objetivo, segundo as testemunhas presentes na Câmara.

O engodo foi descoberto pelos deputados somente 10 minutos antes da primeira votação e por um mero acaso (chamaríamos de Providência).

Até aquele momento os parlamentares estavam certos de que estariam votando a legalização do aborto apenas durante os 3 primeiros meses da gestação e não durante todos os 9 meses.

Se esse projeto, que continua insistentemente tramitando no Congresso, ainda não foi aprovado, deve-se à oposição liderada por alguns deputados do prórprio Partido dos Trabalhadores.

Por causa dessa feroz oposição, o Partido dos Trabalhadores decidiu aprovar em 2007, durante o seu 3º Congresso Nacional, como resolução partidária, que o seu programa de governo deveria incluir a completa legalização do aborto no Brasil.

Neste mesmo ano, o Partido dos Trabalhadores aprovou também um novo estatuto, que exigia como requisito para ser candidato pelo PT a concordância com as normas e resoluções partidárias, entre as quais, a da legalização do aborto como programa de governo.

No ano seguinte, como conseqüência destas medidas, os deputados petistas Luís Bassuma e Henrique Afonso – que haviam coordenado a oposição ao projeto pelo qual o aborto se tornaria completamente livre durante toda a gestação, e que haviam ademais pedido a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar quem está financiando a promoção do aborto no Brasil – foram processados, julgados e condenados pela unanimidade dos 38 juízes escolhidos pelo Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, acusados de terem cometido infrações graves à ética partidária.

Apesar da sentença condenatória afirmar claramente que estes parlamentares foram condenados por terem militado contra o aborto, todas as vezes que este assunto vem a público os representantes do partido negam com veemência que tal julgamento tenha existido ou que a condenação tenha sido dada por estes motivos, quando não ameaçam processar por calúnia aqueles que difundem tais informações.

Já no início desta campanha presidencial de 2010, a candidata pelo Partido dos Trabalhadores afirmou que os Bispos católicos que a acusavam de pretender promover o aborto partiam de um pressuposto errado.

Pois, nem ela nem o atual governo, segundo as suas palavras, jamais teriam sido a favor do aborto.

A candidata ignorou que, alguns dias antes, o governo brasileiro havia elaborado e promovido em parceria com a ONU, a assinatura do chamado Consenso de Brasília, um documento que recomenda a legalização do aborto não somente no Brasil, como em toda a América Latina.

Isso foi no dia 16 de julho próximo passado.

Não ficamos apenas nisso.

Nesta primeira semana de outubro, a candidata, que nas últimas semanas tem afirmado ser a favor da vida, acrescentou pertencer a uma família católica e que não apenas é, mas que sempre foi a favor da vida, sem aparentemente importar-se com o fato de que circula livremente na Internet um vídeo, no qual, em uma gravação realizada no dia 4 de outubro de 2007, ela mesma declara:

O aborto deve ser descriminalizado…  Hoje no Brasil constitui um absurdo que o aborto ainda não tenha sido descriminalizado.”

Não posso, como pastor, compactuar com esse trabalho de desinformação e de manipulação das consciências.

Então, aqui nós não estamos entrando em política partidária.

Não absolutamente cabe à Igreja imiscuir-se nas políticas partidárias, ou indicar ou não indicar partidos ou candidatos.

Mas é dever da Igreja, dos pastores, alertar sobre o voto (que tem as suas conseqüências), formar a consciência cidadã, formar a consciência ética com os princípios e fundamentos humanitários e cristãos.

Quando os representantes do Governo se expressam de caso pensado dessa maneira não existe mais credibilidade para suas afirmações.

A experiência política e a História advertem amplamente que, quando a democracia se converte nesse tipo de demagogia, para ganhar voto, já é a ditadura que está no horizonte.

E uma advertência de mesmo teor no-la dá inequivocamente o Evangelho quando ensina que o nosso falar deve ser: “o sim seja sim, o não seja não” (Ficar em cima do muro é péssimo.  É desonesto.  Não é coisa nem de homem),  palavras às quais Nosso Senhor acrescenta: “O resto procede do Maligno“.

Em 1948, é bom saber a História, era uma situação semelhante, durante as eleições também históricas na Itália, quando a Santa Sé promoveu por iniciativa direta do Sumo Pontífice, um extenso trabalho de divulgação da verdade junto ao povo italiano.

Naquela ocasião, Sua Santidade Pio XII justificou a mobilização de 20 mil comitês de 300 mil voluntários em toda a Itália com as célebres palavras do apóstolo Pedro: “Non possumus non loqui”  (Nós não podemos ficar calados).

Hoje, ao seguir esse mesmo exemplo, os Bispos brasileiros, especialmente os Bispos de São Paulo, a quem eu aplaudo veementemente com muito amor e solidariedade, estão seguindo a tradição profética da Igreja, em comunhão com o Papa Bento XVI.

Estamos diante de um partido que está institucionalmente comprometido com a instalação da cultura da morte em nosso país, que proíbe os seus membros de seguirem suas próprias consciências, que se utiliza calculadamente da mentira para enganar eleitores sobre seus verdadeiros projetos para a Nação.

Repetimos com o Santo Padre: não podemos nos calar!

A verdade nos libertará.

Quero, portanto, pedir o empenho de todos os meus diocesanos para que este vídeo seja divulgado junto ao maior número de fiéis.

Quero pedir também o auxílio de todos para a divulgação de um documento semelhante intitulado “Apelo a todos os brasileiros e brasileiras”, elaborado, repito, com a expressa recomendação da mais ampla divulgação (?)  pelo Regional Sul 1 da CNBB, do Estado de São Paulo, entidade que congrega os Bispos católicos do Estado de São Paulo.

O apelo dos Bispos de São Paulo contém as mesmas denúncias desta gravação.

Eu peço a Deus que abençoe todos os meus diocesanos, cristãos, pessoas de boa vontade, e que esta bênção possa se estender a toda nossa nação, tornando-se um berço de luz, de Fé, de caridade, de amor, de defesa e de promoção à vida e à família.

Deus abençoe a todos.

18 Responses to ““Não podemos nos calar!”. Transcrição não-oficial da mensagem “Vida e Eleições 2010” de Dom Aldo Pagotto.”

  1. Será que alguém tem como pedir que um desses bispos que demonstram claramente fidelidade a Roma lidere uma comissão até a Santa Sé (claro que levando dossiês mostrando os escândalos da CNBB e da RCC), para mostrar ao Santo Papa o perigo que é deixar as almas dos fieis católicos brasileiros nas mãos dessa diabólica CNBB e movimentos satânicos pentecostais carismáticos?

  2. Enquanto a maioria dos Bipos da única Igreja de Cristo se cala, muitos protestantes se posicionam de forma clara, lúcida e sem medo. Veja esse excelente depoimento de Silas Malafaia:

  3. Que Deus nosso Senhor vos abençõe, cara irmã…
    Vc será lembrada numa intenção em uma santa Missa.
    Não deixe de rezar nas suas orações por todos nós!
    Que a Mãe Aparecida cubra de bênçãos vc e todos o seus…
    Obrigado…

  4. Este é meu Arcebispo! Avante Dom Aldo! Saiba o senhor que a maioria dos seus diocesanos são fiéis e seguirão Vossa Excelência e o Santo Padre contra esta infâmia do aborto… Ad majorem Dei gloriam!

  5. Viva Dom Aldo, um dos arcebispos mais santos do Brasil, uma luz que brilha em meio à Região Nordeste, tão contaminada pela “teologia da libertinagem”!!

    Eu quero saber como o sr. Wellington Silva Jardim (da corrupta Canção Nova) vai censurar um ARCEBISPO agora?? ou como a cnb do b vai fazer pra censura-lo!!

    #ForaDilma!

  6. Grande Dom Aldo!

    Estarei recebendo o Sacramento da Crisma pelas mãos desse grande sacerdote! Que Cristo o abençoe! :D

  7. Do Aldo o Senhor é que de melhor existe em nosso Episcopado. Que nossa Snhora lhe proteja.

  8. Gostaria que voces divulgassem o novo video do Pe Leo recriminando o governo Lula por tentar implantar o aborto no Brasil..

    Pe Leo é claro no video: “Se for pra ser catolico como se diz catolico o senhor presidente da Republica, é melhor viver no quinto dos infernos. Lula està se tornando um instrumento do ‘encardido’ pra provar essas leis do aborto no Brasil.. e por isso nao tem meu respeito, minha admiracao nem minha oraçao”

    link: http://www.youtube.com/watch?v=vGG8IqJzyPU

  9. Olá Ferreti. Deus abençoe pelo site. Em minhas andanças pela internet achei essa perola de um bispo ” católico” veja se merece um post no blog. paz e bem

    http://mariafro.com.br/wordpress/?p=20067&cpage=1#comment-15907

  10. Rafael Teófilo, o vídeo do falso profeta Silas Malafaia é muito revelador!

    Reparem como ele diz com todas as letras que ele votaria no PT!?!

    Ué!, será que esse senhor não sabe que o PT é marxista e que o compromisso dele é a imoralidade?

    Nesses dizeres do maçon satânico Silas Malafaia vem reforçar aquilo que eu já desconfiava: O protestantismo precisa do socialismo, ainda mais em um pais de maioria católica como o nosso.

    E para que?

    Muito simples: Os socialistas pervertem a sociedae brasileira tirando a fé do povo católico; então com o tempo as aberrações protetantes começam a aparecer se dizendo “defensores da moral”. E o católico, que já perdeu a fé, cai como um idiota útel no joguinho protestante.

    Silas Malafaia como todo maçom satânico, saber muito bem usar os principios satânicos dessa seita diabólica chamada maçonaria para usar a seu bel-prazer!

    Será que ele já se esqueceu que ele foi um dos incentivadores do PT nas duas eleições passadas?

  11. Salve Maria!

    Nem Dilma, nem Serra. Digam não à democracia liberal e votem nulo!

    Leonardo Brum

  12. Dirigentes do PT reagem às acusações

    As críticas foram rebatidas ontem mesmo por dirigentes do PT na Paraíba. O presidente municipal do PT de João Pessoa, Antônio Barbosa, rebateu as críticas de dom Aldo e acusou-o de fazer “demagogia barata”, “proselitismo político” e “terrorismo político”, pois o PT defende a realização do aborto legal, ou seja, aquele que está previsto na legislação brasileira.

    “A fala de dom Pagotto é mentirosa”, disse. Barbosa afirmou que o arcebispo dom Aldo deveria ter coragem de defender a candidatura de Serra e não partir para os ataques ao PT e a Dilma. “O PT não promove a morte, mas a vida ao defender a saúde de qualidade”, assegurou, acusando dom Aldo de praticar um desserviço à cidadania e à democracia. “Dom Pagotto é um lobo vestido em pele de cordeiro”, frisou.

    O presidente estadual do PT na Paraíba, Rodrigo Soares, repudiou as declarações de dom Aldo e afirmou que ele presta um desserviço ao processo eleitoral, pois o governo do PT ajudou o Brasil a avançar e diminuir as desigualdades sociais no país.

    Ele lamentou os ataques e disse que dom Aldo estaria tentando se aproveitar do momento político das eleições do 2º turno para prejudicar a candidatura de Dilma Rousseff. “Se há um partido nesse país que durante toda a sua história pratica a defesa da vida é o Partido dos Trabalhadores”, disse, sugerindo que as acusações são motivadas pela disputa eleitoral do 2º turno no país e na Paraíba. “Nós queremos fazer, nesse 2º turno, um debate de idéias, sobre um projeto para o Brasil e para a Paraíba”, alfinetou.

    Fonte: http://www.paraiba1.com.br

    Dom Aldo é um bispo de coragem e paga caro por isso. Várias já foram as tentativas dos TLs socialistas aqui da Paraíba para retirá-lo da Arquidiocese. Mas as portas do inferno nunca prevaleceram. Deus o guarde.

  13. Rezemos pelo nosso bravo Arce Bispo.
    Deus o ajude nesta cruzada.
    É bom saber que a Paraíba tem um Pastor fiel à Doutrina Católica e ao Santo Padre.
    Temos orgulho do nosso Bispo.

  14. Alguém tem mais notícias a respeito do acordo que Dilma estaria fazendo com evangélicos?

    http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=25927731

  15. Acabo de ler uma pequena notícia sobre um acordo a portas fechadas entre Dilma, Lula, congressistas petistas e evangélicos:

    Por TÂNIA MONTEIRO, estadao.com.br, Atualizado: 13/10/2010 13:41
    Lula e Dilma se reúnem com evangélicos em Brasília

    http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=25932148

Trackbacks