A liturgia instrumentalizada: Serra discursa em Aparecida.

[ERRATA – 14 de outubro de 2010, às 08:26] O discurso abaixo publicado, pronunciado por José Serra durante a celebração de uma Santa Missa em Aparecida, ocorreu, de fato, na festa da Padroeira de 2009; apenas o vídeo da entrevista é deste ano. Permanecem verdadeiras, no entanto, as considerações sobre a instrumentalização da Sagrada Liturgia por políticos, sob a complacência do clero brasileiro.

* * *

Do blog Oblatvs:

Acabo de assistir ao discurso de José Serra em Aparecida, em Missa presidida pelo Arcebispo-Primaz do Brasil, Cardeal Geraldo Majella Agnelo, no dia da Padroeira. O discurso de 2m52s foi simples e dedicado a honrar à Santíssima Virgem Maria. O candidato saudou ainda os romeiros e fez uma breve referência à vocação do político como serviço ao povo.

Não faço reparo ao conteúdo do discurso, mas discordo radicalmente deste tipo de participação do candidato na Sagrada Liturgia. Acho inaceitável que candidatos, sejam eles quais forem, tomem parte ativa no culto fazendo leituras, preces ou discursos. O período eleitoral faz com que tudo seja visto sob a ótica do interesse político, o que seria uma terrível manipulação da Sagrada Liturgia.

Os “serristas” dirão que Serra, ao contrário de Dilma, esteve lá outras vezes e que, como católico, tem direito a manifestar sua devoção à Mãe de Deus. É verdade que Serra esteve lá outras vezes, inclusive na condição de governador de São Paulo. Tanto ele quanto Dilma, quando Ministra de Estado, se lá fosse, deveriam ser recebidos como autoridades constituídas, conforme reza a tradição litúrgica da Igreja.

Hoje, Serra e Dilma são candidatos. Se lá vão, não podemos nem devemos impedi-los, manifestem sua devoção sem fazer uso político da fé. A culpa pelo acontecido não é de Serra, como não seria de Dilma na mesma circunstância, mas dos responsáveis pelo Santuário e do celebrante. Duvido que Dom Agnelo tenha sido surpreendido pelo discurso de Serra.

Se Dilma for eleita, a Igreja rezará por ela como manda a Tradição Apostólica. Se fôr à igreja, será recebida com a honra que lhe é devida. Caso o eleito seja Serra, vale o mesmo princípio. Se deverão ou não tomar parte ativa na Liturgia, é uma discussão à parte. Mas insisto que no momento atual é sempre inoportuna,  ou mesmo perniciosa, qualquer participação ativa dos candidatos na Missa.

7 comentários sobre “A liturgia instrumentalizada: Serra discursa em Aparecida.

  1. Para quem nao acredita, o Reitor do Santuário Estadual de Nossa Senhora do Rocio, Padroeira do paraná, fez discursinho defendendo a dilma, o frei beto e o lula..

    Curtir

  2. Concordo com a posição do autor da notícia no fato de que a Divina Liturgia não deve ser usada para discursos políticos. No entanto, chamo a atenção para um elemento de suma importância: este discurso não foi feito no último dia 12 de Outubro e sim na mesma data no ano passado (2009). Logo, não se tratava de um candidato e sim do governador do Estado de SP (onde está o Santuário). Por isso, quem discursa aí não é o “candidato à presidência”, mas o governador do estado, já que o discurso não foi feito em ano eleitoral.

    A data do referido vídeo mostra isso e também a presidência do Cardeal Dom Geraldo Majella. Quem presidiu a Missa Solene deste ano foi o Emmo. Cardeal Dom Serafim Fernandes, Arcebispo emérito de BH.

    Curtir

  3. Epa, está errado!

    Se for eleita, e Deus não o permita, a abortista figuraria em nossas orações como chefe de Estado, mas nem por isso seria admitida no Templo.

    Como comunista e abortista, ela continua inimiga de Nossa Senhor. Não pode ser admitida em igreja nenhuma, até que se converta.

    Esse respeito humano para com quem só quer nossa destruição, e dos milhões de crianças que ela pretende ver assassinadas no ventre das mãe, é simplesmente inadmissível.

    Queremos a conversão dela sim, queremos a conversão de todos os asseclas desse partido nazi-fascista que é o PT, mas até lá não lhes prestaremos homenagens, não nos curvaremos. Não é possível que vocês tenham esquecido o que fazem contra nossos irmãos na Venezuela e em Cuba. Não é possível que ninguém tenha lido sobre as insinuações do sr. Gilberto Carvalho contra os direitos da Igreja caso a campanha contra o aborto não parasse.

    Chega de tolerância com quem quer nos calar. Basta de conivência com os inimigos da Igreja. Nosso Senhor os derrotará, e é nossa honra estar do lado Dele.

    Curtir

  4. Salve Maria!

    Todos estão vendo que a pressão feita sobre os candidatos está tendo resultados. Mas todos se calam diante da atual legislação que permite o aborto em casos de estupro.

    É louvável a atitude dos poucos bispos e padres que se levantaram contra os candidatos pró-aborto. Mas por que não se lavantaram antes, quando, em 1998, o então ministro José Serra assinou a norma técnica que regulamentou a prática do aborto no Sistema Único de Saúde?

    Por que não tocam nesse assunto?

    Antes de se tornar o direito – como tantos querem – o aborto deveria ser permitido.

    O primeiro passo foi dado, e com o silêncio criminoso do clero!

    Através desta norma basta que a mulher se apresente a uma unidade do SUS e diga – somente diga, sem precisar comprovar – que foi estuprada para que possam matar a criança (http://www.providafamilia.org.br/doc.php?doc=doc12824).

    Quem assinou essa norma foi José Serra!

    Valerá a pena escolher o mal menor?

    Creio que não!

    Seria ele diferente de Dilma Roussef?

    Também não creio!

    Salve Maria!
    Edwin

    Curtir

  5. Prezados, Salve Maria!

    Sinto muito, Edwin, você está errado. Cuidado, porque você está servindo de inocente útil ao PT.

    O PT é sim o Partido do Aborto, e deve ser repelido. José Serra é o mal menor. Vejam os artigos do próprio Pe. Lodi, autor desse outro que você menciona:
    “Voto Nulo: o grande perigo”, “Serra: um incêndio limitado”.

    Não relativize as coisas: o PT é um partido institucionalmente anti-cristão, comunista, e quem quer que apóie esse partido direta ou indiretamente está excomungado latae sententiae. Isso é um fato.

    Qualquer eleição em que se apresente um candidato do PT (especialmente esse senhora, abortista confessa) e candidato que represente mal menor constitui situação em que os cristãos tem que votar contra o PT. Isso é matéria de pecado sim.

    Curtir

Os comentários estão desativados.