Arcebispo de Bruxelas diz que “a Aids é justa, porque o amor é maltratado”.

(IHU) A Aids é “uma forma de justiça consubstancial que ocorre quando o amor é maltratado”, declarou André Léonard (foto), máximo responsável da Igreja Católica belga em um livro publicado nesta quinta-feira. Declarações que despertaram duras críticas em toda a Bélgica.

A reportagem é do sítio Religión Digital, 14-10-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Rejeitando a ideia de que a Aids é “castigo divino” pela libertação sexual, o primaz da Bélgica explica que, pelo contrário, “essa epidemia é uma forma de fazer justiça, não um castigo”.

Léonard, conservador que chegou à cúpula da Igreja em janeiro deste ano, compara a enfermidade com desastres ecológicos ocorridos por meio da ação do homem.

“Quando o meio ambiente é maltratado, ele nos maltrata. Quando maltratamos o amor entre os homens, este pode se vingar”, declarou Léonard no livro que contém várias entrevistas.

Duras críticas às declarações do bispo

O partido liberal flamengo Open VLD qualificou essas declarações de “incompreensíveis, ofensivas e insuportáveis”. Trata-se de um “insulto para todos os que padecem dessa doença, que lutam diariamente contra ela”, explica o comunicado redigido por dois parlamentares do Open VLD, Gwendolyn Rutten e Nele Lijnen.

Além disso, o partido verde Ecolo também se mostrou “chocado por essas perigosas palavras” de Léonard. “Tais ideias podem ter um impacto devastador na formação da identidade sexual dos jovens”, dizem os membros do Ecolo.

Sobre os abusos

Voltando às ideias de Léonard, máximo responsável da Igreja Católica no país, ele insiste que é favorável ao celibato entre religiosos, uma questão que está sendo debatida nestes dias na Bélgica depois que foi revelada uma multidão de casos de abusos sexuais por parte de padres e bispos do país.

Sobre isso, Léonard afirma que, “na maioria das vezes, a pedofilia ocorre dentro das famílias, mas por acaso alguém quer eliminar por isso o matrimônio?”.

10 Comentários to “Arcebispo de Bruxelas diz que “a Aids é justa, porque o amor é maltratado”.”

  1. Penso que ele devia ser mais específico com relaçao aos casos em que a AIDS é justa!
    já que tem pessoas que sao portadoras nao por nao viverem a castidade, mas por transfusoes ou agulhas infectadas.

  2. O cara é cabra-macho!!!
    De quantos Bispos desses estamos a precisar!…

  3. Hoje mesmo a mídia vai descer a lenha no Bispo.

  4. Realmente a coragem dele é admirável e nós entendemos o que ele quis dizer, que é castigo para os que se tornam portadores do vírus devido a nao obediencia à santa castidade, porém ele poderia ter sido mais claro para evitar certas interpretaçoes caluniosas.

  5. O mundo precisa de bispos verdadeiros assim.

  6. Gostaria que ele ripostasse as críticas de forma ainda mais explícita e mais dura, como fez N. Senhor, que, quando os apóstolos informaram que não causou boa impressão ter dito na presença dos discípulos a máxima: “minha carne é veradeira comida e meu sangue é veradeira bebida”,fazendo com que muitos se afastassem,
    Como resposta, os apóstolos tiveram que ouvir de Nosso Senhor: “Quereis vós também retirar-vos?”…

    D. Leonard e demais clérigos não respondem a ninguém, exceto ao papa e a Deus por sua linguagem veradeira. Gostaria que eles se exercitassem mais nisso, afinal de contas, não dizem por aí que existe uma tal liberade de expressão? E pra que amizade com liberais? Deixe-os espumar com seus liberalismos…

  7. Os críticos do Arcebispo não se deram conta
    do que ele disse :

    “sida como “una especie de justicia natural” contra los homosexuales por haber “violado las reglas”.

    OU seja, é a própria natureza “vingando-se”.
    Ele retira a conotação de “castigo divino”.
    Pelo menos,não é diretamente.

    Gostei do discurso dele, politicamente “incorreto”.

  8. Entendo que o que o senhor Bispo afirma é uma dolorosa verdade. Nos cabe refletir sobre o assunto em vaidade e despojados de egos.

  9. Adorei!!! Mas até católicos tradicionais (ou supostamente tradicionais) ficaram contra. Gente que não entende o valor purificador do sofrimento e que queira ou não está infectada de modernismo.

    Assim é que é falar! Claro que nem todos os doentes têm culpa, mas qq pessoa de boa fé entendia o que o bispo quis dizer.

    Vivemos hoje numa ditadura mundial. Não podemos dizer as coisas claras sem que alguém se melindre.

    Se eu disser que adorei estas frases aos meus amigos pseudoprogres, ficam horrorizados como eu posso achar que Deus castiga.

    Sabem o que é isso? Missa nova. Ao afastar-se da santa teologia tradicional do Sacrifício, fez com que paulatinamente os seus assistentes e frequentadores desprezassem a teologia da cruz, da dor, do sofrimento, com o consequente desprezo das verdades de fé a ela associadas: castigos de Deus, justiça como atributo divino.

  10. Verdade. Está certíssimo o Arcebispo de Bruxelas. Nunca tinha pensado nisso, não nesses termos em que ele coloca.