CNBB diz que bispo de Guarulhos agiu dentro da ‘normalidade’.

Dom Geraldo Lyrio Rocha destacou que acima do bispo só está o papa. Presidente da CNBB defendeu debate sobre aborto nas eleições.
O secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa (e), e o presidente da Conferência, Dom Geraldo Lyrio Rocha, concedem entrevista coletiva em Brasília para falar do Campanha da Fraternidade 2011 (Foto: Ed Ferreira/AE).

O secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa (e), e o presidente da Conferência, Dom Geraldo Lyrio Rocha, concedem entrevista coletiva em Brasília para falar do Campanha da Fraternidade 2011 (Foto: Ed Ferreira/AE).

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Geraldo Lyrio Rocha, afirmou nesta quinta-feira (21) em entrevista na sede da entidade, em Brasília, que está “dentro da normalidade” a ação do bispo de Guarulhos, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, de distribuir panfletos contra a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. Dom Geraldo destacou que cada bispo tem o direito de orientar os fiéis de sua diocese como desejar e que a CNBB não tem qualquer poder de interferência em dioceses.

“Ele (bispo de Guarulhos) tem o direito e até o dever de, de acordo com sua consciência, orientar seus fiéis do modo que julga mais eficaz mais conveniente. Ele está no exercício de seus direitos como bispo diocesano de Guarulhos e cada instância fala só para o âmbito de sua competência, tanto que ele não se dirigiu à nação brasileira. Este procedimento está absolutamente dentro da normalidade no modo como as coisas da Igreja se encaminham”, afirmou Dom Geraldo.

O presidente da CNBB afirmou que não cabe à entidade “censurar” qualquer ação de bispos que se manifestem sobre política. Ele destacou que a posição nacional sempre é dada pela CNBB, mas que na diocese o bispo tem autonomia, sendo sujeito apenas à autoridade do papa. “Acima do bispo só existe uma autoridade, o papa. A CNBB não é um organismo para interferir nas dioceses, dar normas para os bispos, repreender”.

Dom Geraldo destacou que a CNBB não dá nenhuma orientação de voto em candidatos, mas apenas indica princípios. “A CNBB não aponta candidatos nem partido, ela indica critérios para que o cidadão cristão, orientado nesses critérios, possa exercer o voto.”

Ele considerou positivo que o tema aborto esteja sendo discutido na eleição. Ele reconheceu que há posições “reduzidas” sobre o tema, mas afirmou que as discussões sobre “valores” não podia ficar fora da eleição. “Acho que a moeda sempre tem dois lados, se há inconvenientes de um lado, há uma vantagem enorme do outro. O tema (aborto) foi colocado em pauta e não se podia entrar em um processo eleitoral sem trazer à tona temas dessa natureza de máxima relevância”.

O presidente da CNBB afirmou ainda que o fato de o Brasil ser uma “Estado laico” não impede o debate sobre temas ligados à religião nas eleições. “Estado laico não é sinônimo de estado ateu, antireligioso ou areligioso. O estado brasileiro é laico, mas a sociedade brasileira não é laica, é profundamente religiosa, não estou dizendo só católica, mas evangélica, afro, dos cultos indígenas”.

Ele afirmou que a Igreja tem sim direito de se posicionar no processo político. “Se Estado laico for entendido como um que não permite com posições diferentes, não será estado laico será ditadura laica. (…) Não se pode querer silenciar a Igreja como se não pudesse manifestar sua posição. Todos são respeitados quando falam, todas as minorias, mas a Igreja quando fala é acusada de estar se intrometendo, por isso este argumento é falso”.

19 Responses to “CNBB diz que bispo de Guarulhos agiu dentro da ‘normalidade’.”

  1. E outras palavras: esse motim episcopal, seita comuno-modernista de sucessores de Judas Iscariotes não presta pra nada e já deveria ter sido fechada há muito tempo.

  2. Depois que melaram não adianta tentar consertar…

    Isso faz parte da desconstrução dialética marxista: ora afirmar, ora negar, com o objetivo de instaurar a dúvida e a divisão.

  3. Só uma coisa a dizer: too little too late.

    Que Deus nos proteja da catástrofe que está para se abater sobre nossa nação.

    É certo que, pela permissividade moral de nosso povo, pela frouxidão de nossa hierarquia e pela exaltação pública sistemática de todos os vícios acompanhada do desprezo irônico de todas as virtudes, bem que merecemos o castigo dos céus que se avizinha.

    Se não vier tal castigo, talvez seja porque Deus, em Sua imensa misericórdia, tenha, ainda, um pouco de paciência para com esta Terra de santa Cruz…

  4. Nas sombras só faltaram os chifrinhos denunciadores da filiação “capetina”…
    Mas que a “sombra” tava lá, tava!

  5. Ferretti, aproveito este post para pedir que você poste e comente a recente carta do cardeal De Paolis sobre a situação da Legião e do Regnum Christi.

  6. É bom lembrar que a CNBB é (ou deveria ser) um órgão “executivo”, assim por dizer. Ela não teve, tem e nem jamais terá um poder “legislativo”, de normatização legal em assunto nenhum. Muito menos judiciário. Enquanto entidade, ela tem “personalidade jurídica”, mas ainda assim, suas decisões são sujeitas à deliberação da Santa Sé. (cf. Câns. 449,§2;445,§2.)
    Os estatutos próprios é que afirmam isso. A fala do D.Geraldo é acertada… porém, como dito acima, “too little and too late”.

  7. E o pior só está por vir. A Campanha da Politicagem se aproxima.

  8. Vindo do CNédrio, já me dou por satisfeito por ter ouvido essas palavras de D. Geraldo Lyrio.
    Normalmente a CNBB causa escândalo, porque sempre age de forma a esconder a candeia debaixo do alqueire.

    Desta vez, ao menos não perseguiu o pobre bispo, e até disse uma verdade: de que, acima do bispo, só o papa (pena que isso não parece condizer com o comportamento cotidiano de tantos…).

    Bem, não existe mal absoluto. Dessa vez a CNBB não foi anti-católica. Obrigado, Senhor!

  9. O sinédrio -CNBB, disse, sorrateiramente, este erro:

    “Ele destacou que a posição nacional sempre é dada pela CNBB”.

    Ora, não existe “posição nacional” existe apenas a regional feita pelo bispo e depois o papa, não existe intermediário.

  10. Se os bispos da regional Sul 1 tivessem tido a coragem de afirmar logo após a apreensão destes folhetos que era a responsavel e que os mesmos não eram propagandas politicas mas orietações aos católicos não teria ocorrido esta confuão entre os fiéis e desmoralizado os panfletos. Eu agora me recuso a divulgar um texto para o qual foi negada a impressão e divulgação pelos própios bispos. Também foi um erro gravíssimo um bispo se opor ao outro como fizeram com o bispo de Guarulhos. Que ficassem calados e respeitassem a autoridade do bispo. Enquanto isso em minha paróquia de Cascavel Ceará no sabado passado tiveram a ousadia de distriuir depois da missa o texto de frei Betto: “Dilma é Cristã.” Sim mui,mui cristã…

  11. Padre Paulo Ricardo denuncia o caráter totalitário do Partido dos Trabalhadores

    Vídeo: A Igreja amordaçada pelo PT

  12. Marcha contra o aborto em São Paulo!!!

    Dia 24 de Outubro.

    12:00

    Catedral da Sé em São Paulo.

    SÃO PAULO, 20 Out. 10 / 02:38 pm (ACI).- No dia 24 de outubro de 2010 às 12:00h, pró-vidas de todo o Brasil convidam para em frente a Marcha pelo veto ao aborto e pró-democracia à Catedral da Praça da Sé em São Paulo.

    No convite os organizadores afirmam que “o verdadeiro Cristão deve ser firma em sua postura e proclamar a palavra de Deus em meios adversos, denunciar o está camuflado mesmo que isto desagrade a muitos dos nossos”.

    O lema da campanha será: “Saúde é vida. O aborto não é uma questão de saúde pública, a vida precisa do seu voto”.

    Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=20376

  13. Desde quando a CNBB tem poder ou autoridade para só ela se dirigir ao povo catolico brasileiro? ela é apenas um mero órgão pratico, e só! Oa Bispos é tem autoridade divina para isso.

  14. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    A observação do Amigo Marcos Lassance foi ótima.

  15. “Desde quando a CNBB tem poder ou autoridade para só ela se dirigir ao povo catolico brasileiro?”…
    Muito bem, caro Manoel, desde quando a CNBB tem algum “poder” sobre qualquer Diocese?
    Agora leia essa pérola de D. Geraldo na entrevista que deu, por ocasião de uma reunião em Itaici:
    Não há um ‘racha’ na Igreja por causa do momento político. As decisões mais importantes do Conselho Permanente não estão tendo divisões e distanciamentos. Isso prova que não há racha nenhum”, disse dom Geraldo.”…
    Por favor, D. Geraldo, por favorrrrr! Nós não somos trouxas ou idiotas… Depois daquela cena macabra e deplorável de D. Valentini e companhia falando até de prisão para D. Luis Gonzaga; depois da assinatura de D. Valentini, de D. SUÍNO, etccc… naquela carta digna do esgoto; depois da posição corajosa e inequívoca, digna de um Prelado Cátólico, de D. Beni, em reafirmar sem meios termos ou posições mornas, a validade da declaração que o sul 1 tinha feito, antes do primeiro turno dessa malfadada eleição, apesar do acovardamento medíocre de D. Westrupp, que também a tinha assinado; depois de tantas outras cenas de total esfacelamento do Episcopado Nacional, o Sr. vem soltar um pérola dessa, que não há racha na CNBB??????? POR FAVORRRRR… POR FAVORRRRRRRRRRR…HIPOCRISIA NÃOOOOO!!!!
    Assim o Sr. nos leva cada vez mais a concordar com D. Valentini, quando este diz que o acha um homem “equilibrado e firme”… Equilibrado e firme para D. Valentini é, como já escrevi outra vez aqui, ser manipulado e se dobrar às manobras esquerdistas e maldosas da ala esquerda e deplorável da CNBB, infelizmente, desgraçadamente, ainda viva e atuante lá, através da patotinha do capetinha reinante nos bastidores cnbbistas….
    Definitivamente não… nãooo, D. Geraldo. A CNBB não está unida como todos nós gostaríamos, do fundo do coração, que estivesse…
    Não uniforme de norte a sul do Brasil, que mesmo antes de existir a CNBB, nosso Episcopado não era e nunca quis ser. Ele era sim, UNIDO, PREGAVAM A MESMA DOUTRINA, OBEDECIAM AO PAPA, EM QUESTÕES MORAIS COMO AS DO ABORTO, DO “CASAMENTO” GAY, DO DIVÓRCIO, etccc, não pensavam diferente, sabiam que representavam uma Igreja de 2000 anos, que tinham o dever e a obrigação de nos ensinar a doutrina eterna e imutável, não se rebaixavam a ser um grupinho facínora e barulhento da maldita “teologia” da maldição. Isso sim, era unidade na diversidade. Hoje, há total esfacelamento e divisão claríssima e infeliz entre os Bispos. Esta cena das eleições mostrou uma ponta… Uma ponta do iciberg de pensamentos fragmentados e desconexos escondidos debaixo da super estrutura que cobre a CNBB!
    Dizer que há unidade na CNBB, é o mesmo que falar que existe fada mágica!!!!
    Mãe Aparecida, rogai por nós!

  16. Realmente é preocupante o rumo que as coisas estão tomando. Há uma divisão dentro da própria Igreja, enquanto hierarquia instituicional que não deveria acontecer. Contudo, o que me conforta é que mesmo os bispos sendo sucessores legítimos dos apóstolos, estes tambem divergiram em muitos assuntos, e como não poderia ser diferente, essa é apenas mais uma situação em que a Igreja passará de provação, assim como tantas. Ao final, ela sairá vencedora, mesmo que esteja machucada, afinal, “nem o poder do inferno poderá vencê-la”, não é isso que diz nosso Senhor. Então, meus caríssimos, sejamos firmes e fiéis, endependente do que está por vir. Fiquem na paz.

Trackbacks

%d blogueiros gostam disto: