Verdade e liberdade, uma não pode viver sem a outra.

Tradição: o Papa abraça o Apóstolo São Tiago em sua Catedral, na Espanha.

Tradição: o Papa abraça o Apóstolo São Tiago em sua Catedral. Foto: El País.

Neste Ano Santo Compostelano, como Sucessor de Pedro, quis eu também peregrinar à Casa do Senhor Santiago, que se prepara para celebrar os oitocentos anos de sua consagração, para confirmar vossa fé e avivar vossa esperança, e para confiar à intercessão do Apóstolo vossos anseios, fadigas e trabalhos pelo Evangelho.

Ao abraçar sua venerada imagem, pedi também por todos os filhos da Igreja, que tem sua origem no mistério de comunhão que é Deus. Mediante a fé, somos introduzidos no mistério de amor que é a Santíssima Trindade. Somos, de certa maneira, abraçados por Deus, transformados por seu amor.

A Igreja é esse abraço de Deus no qual os homens aprendem também a abraçar seus irmãos, descobrindo neles a imagem e semelhança divina, que constitui a verdade mais profunda de seu ser, e que é origem de genuína liberdade.

Entre verdade e liberdade há uma relação estreita e necessária. A busca honesta da verdade, a aspiração a ela, é a condição para uma autêntica liberdade. Uma não pode viver sem a outra. A Igreja, que deseja servir com todas as suas forças à pessoa humana e sua dignidade, está a serviço de ambas, da verdade e da liberdade.

Excerto do discurso do Papa Bento XVI em sua visita à Catedral de Santiago de Compostela, 6 de novembro de 2010.

Tags:

3 Comentários to “Verdade e liberdade, uma não pode viver sem a outra.”

  1. Parece que o Papa abraça a estátua por trás.

    Por que ele não abraça a estátua de frente?

  2. Alex, porque a estáua é muito grande e só é acessivel pela parte de trás, em seu nicho.