Voto Católico: quatro organismos vinculados à CNBB defendem a aplicação “integral” do PNDH-3.

SÃO PAULO, 11 Nov. 10 / 02:51 pm (ACI).- Recentemente o site “Votocatolico” denunciou que “a Comissão Pastoral da Terra, o Conselho Indigenista Missionário, o Movimento de Educação de Base e a Comissão Justiça e Paz de São Paulo, organismos vinculados à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), integram junto com entidades pró-aborto e pró-cultura homossexual, uma campanha pela integralidade e implementação do Plano Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH-3)”. Os editores pedem que os fiéis escrevam à presidência da Conferência Episcopal.

«No site oficial da campanha pode-se ler que “o PNDH-3, ao carregar uma concepção contemporânea de direitos humanos, que se opõe aos conservadorismos e às compreensões restritas, ainda fortemente presentes na sociedade brasileira […], desde que foi lançado, em dezembro de 2009, vem sofrendo duros ataques de setores conservadores de nossa sociedade – sobretudo da igreja, dos donos da mídia, de setores antidemocráticos do Exército e de latifundiários. Esses segmentos não reconhecem o processo de construção participativa que resultou no Programa Nacional de Direitos Humanos e pressionaram o governo federal por mudanças em sua redação”».

Assim, o site explica que “esta campanha nacional […] tem o objetivo de mobilizar a sociedade brasileira em defesa da integralidade do PNDH-3, conforme publicado no decreto 7037, de 21 de dezembro de 2009”, assinado pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os editores do “Votocatólico” recorda que o Plano Nacional, entre outras coisas que pretendem a desconstrução social, prevê:
– Apoiar projetos de lei que possibilitem a união civil, equiparada ao matrimônio, entre pessoas do mesmo sexo;
– Incluir nos sistemas de educação do serviço público “todas as configurações familiares” com base na “desconstrução da heteronormatividade”;
– Respaldar a adoção de menores por casais homossexuais;
– Oferecer programas de Saúde diferenciados e prioritários a homossexuais, transexuais e prostitutas;
– Considerar o aborto como tema de saúde pública, com garantia de aceso aos serviços públicos de saúde;
– Apoiar o reconhecimento da prostituição como profissão;
– Propor a criação de organismos públicos para o “controle social” da mídia;
– Originariamente previa a retirada de símbolos religiosos em repartições públicas; e
– A educação religiosa estatal, como instrução de todas as religiões, com ênfase nos cultos afro-brasileiros.

Em declaração da Assembléia Geral, a CNBB disse, em 12 de maio passado, que “nas ações programáticas do PNDH-3 […] encontramos elementos de consenso que podem e devem ser implementados imediatamente, entretanto, identificamos também determinadas ações programáticas que não podem ser aceitas. Reafirmamos nossa posição, já muitas vezes manifestada, em defesa da vida e da família, da dignidade da mulher, do direito dos pais à educação religiosa e ética de seus filhos, do respeito aos símbolos religiosos, e contrária à prática e à descriminalização do aborto, ao ‘casamento’ entre pessoas do mesmo sexo, à adoção de crianças por casais homoafetivos e à profissionalização da prostituição”.

A própria CNBB no documento sublinha que a proposta do PNDH-3 “é reveladora de uma antropologia reducionista que está na base de certas formulações nas quais pretensos direitos são incluídos entre os Direitos Humanos, embora constituam a negação mesma de Direitos Fundamentais. Só uma visão integral de pessoa humana pode fundamentar corretamente os Direitos Humanos”.

Por outro lado, o Regional Leste 1 da CNBB, em Nota do passado 18 de outubro, afirma: “renovamos a nossa crítica ao PNDH-3, mesmo depois de ter sido retirada a proposta da legalização do aborto, porque foi falaciosamente indicada como questão de saúde pública. Não é aceitável a visão da pessoa fechada ao transcendente, sem referência a critérios objetivos e determinada substancialmente pelo poder dominante e pelo Estado. No PNDH-3, a maneira como são tratados vida, família, educação, liberdade de consciência, de religião e de culto, de propriedade em sua função social e de imprensa, revela uma antropologia reduzida”.

O Papa Bento XVI no seu discurso aos bispos brasileiros do Regional Nordeste 5, numa claríssima alusão ao PNDH-3, adverte que “seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural […] quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático é atraiçoado nas suas bases”, afirmam .

Assim, o site questiona: “O que fazem quatro organismos vinculados à Conferência Episcopal como organizadores de uma campanha que defende a aplicação integral dos aspectos que a Igreja já rejeitou publicamente, por serem contrários à ordem natural e à Lei Divina? A Presidência da CNBB sabe que esses quatro organismos assinam a campanha? Se sabe, por que não fez nada a respeito ainda?”.

Os editores do site, uma iniciativa de leigos católicos, sugerem “enviar à Secretaria Geral da CNBB (secgeral@cnbb.org.br) uma carta respeitosa, solicitando que esta tome medidas urgentes com os quatro organismos, que garanta a retirada do nome da instituição da referida iniciativa e que se tome cuidado a fim de que os recursos materiais dos referidos organismos, vindos das contribuições econômicas dos fiéis, não sejam usados para apoiar a campanha”.

14 Comentários to “Voto Católico: quatro organismos vinculados à CNBB defendem a aplicação “integral” do PNDH-3.”

  1. É um absurdo que a CNBB ainda apoie, mesmo que tangencialmente, organismos e comissões tão evidentemente contrários ao Evangelho e à bimilenar tradição cristã. Os estudos sobre o PNDH3 desenvolvidos pelo Grupo Famílias em Cristo (http://humanitatis.net/?cat=228) demonstram que o referido programa, não bastasse ser libelo anti-cristão, é igualmente peça desumanizante, visto atentar contra princípios básicos, que extrapolam os temas do religioso, e contra os quais qualquer ser humano sadio se revoltaria, como o direito à propriedade, o direito à prática religiosa, o direito à educação dada pela família e, principalmente, o direito à vida, princípio e fundamento de qualquer direito posterior.

    Que os cristãos do Brasil ajam concretamente para que os princípios do cristianismo sejam proclamados nos telhados, começando da CNBB. Que os bispos ainda fiéis ao Magistério Ordinário possam contar com a multidão de católicos brasileiros que buscam ouvir o Senhor Jesus e sua Igreja.

  2. Sabem o quê o Papa quer dizer quando fala em “cultura de morte”? Em iluminatti. Ou seja, no fato de que viramos suas raposas. Literalmente, foi declarada a caça aos povos. Querem nos matar. Vejam que no mundo inteiro a situação é normativamente igual. Até nos EUA. Como nos caçam? Deixando ou incentivando que nos matemos. Já decidiram: “não haverá segurança pública sem antes ter um radical achatamento populacional”. Não é conspiração, é fato. Até inscreveram em pedra gigantesca de que a população mundial ideal é de apenas meio bilhão de almas. Vejam no youtube as imagens. E basta ler as notícias que nos trazem de fora o Júlio Severo e até o Mídia Sem Máscara. Só burro não percebe que a “coisa” já ultrapassou todas as ideologias e até o próprio alopradíssimo Foucault e qualquer alinhamento mercadológico. Eles usam o sexo como pavio de auto-destruição e de disseminação dos vícios auto-destrutivos em cadeia. Leiam no último artigo do Júlio Severo que o Internacional Planejamento Familiar quer que os homossexuais transem com todo mundo sem dizerem que portam o vírus da AIDS. Ou seja, querem ou não querem matar quem tem o cérebro no sexo ou se reduz a estômago com sexo? Eles dizem que essa gente é incapaz de pensar e que nasceram programados para os vícios como as mariposas que transam e, logo após, morrem. E que, por isso, é bobagem que se segure uma coisa sempre preste para explodir e se auto-destruir. Por isso é que descartam tais pessoas, não sem antes as usarem para que evitem sua multiplicação e, ainda, achatem o resto da população que representa custos sociais mais do que qualquer outra coisa. Já defendem que o mundo deve ser habitado e usufruido apenas por quem contribua para uma melhoria geral ou um usufruto mais amplo e mais inteligente ou “iluminado”. Esta supra-ideologia já é encontrada em vários livros científicos e em várias seitas. E, infelizmente, parece que está também dentro da Igreja católica. Se usam os direitos humanos, não podem roubar dos próprios o respaldo que oferecem, por isso, contornam a legalidade e exploram a ilegalidade ou os obstáculos vindos dos omissivos, dos vazios e dos esvaziados, para que o povo mate a si mesmo e nos auto-destruamos, porque somos descartáveis, representamos despesas inúteis. Os homossexuais serão os primeiros a torrarem os bicos e traficantes ainda existem só para implodirem a alta população no mundo.

  3. Vejam o último texto de Dom Demétrio Valentini:

    http://www.diocesedejales.org.br/palavradobispo/palavradobispo_detalhes.asp?id=1285

    GRANDEZA DE ÂNIMO
    Por D. Demétrio Valentini
    05/11/2010 às 08H26

    A hora é de magnanimidade. O momento é de respeitar, relevar, e perdoar. Todos convidados para a grandeza de ânimo.

    Publicados os resultados das eleições, urge festejar a democracia. Por mais frágil que tenha se mostrado durante a campanha, ela acabou se fortalecendo com esta eleição. Podemos fortificá-la mais ainda, se soubermos levar adiante as muitas lições que esta campanha nos deixa.

    Quem dá o exemplo é Dilma Rousseff, a candidata eleita Presidente do Brasil. Em seu discurso de domingo à noite, logo após a publicação dos resultados, disse textualmente: “Dirijo-me também aos partidos de oposição e aos setores da sociedade que não estiveram conosco nesta caminhada. Estendo minha mão a eles.”

    Estas palavras têm mais força do que todas as injúrias e difamações que a candidata recebeu durante a campanha. Tornam ainda mais expressiva sua vitória.

    A nobre atitude do perdão, precisa vir acompanhada da lúcida constatação dos fatos, e dos desafios que eles nos apresentam.

    Na verdade, a candidata Dilma Rousseff precisou enfrentar uma avalanche enorme de obstáculos, desencadeados sobretudo pela carga de preconceitos, cuja virulência surpreendeu, e mostrou quanto a sociedade brasileira ainda está impregnada de resíduos tóxicos da ditadura militar.

    O fato de uma candidata ter sido vítima da truculência do regime ditatorial, em vez de servir de oportunidade para lavar a honra de todos os que foram presos arbitrariamente pela ditadura, acabou dando o pretexto para muitos se acharem no direito de vestirem a carapuça de torturadores, e descarregarem sobre a candidata o ódio destilado nos porões do regime militar.

    Esta pesada constatação nos coloca um grande desafio. Muitos assim pensam e fazem sem terem culpa das motivações equivocadas que movem seus preconceitos. Não sabem o que foi a ditadura militar. A anistia foi pactuada. Mas de novo se comprova que ela não pode prescindir da memória histórica, que precisa ser cultivada e trabalhada, para que toda a sociedade, conscientemente, erradique no seu nascedouro as sementes da ditadura, que foram plantadas com eficácia pelo regime militar. Caso contrário, elas continuam germinando, e produzindo seus frutos maléficos. A Escola precisa ensinar a verdadeira história da ditadura militar.

    Este trabalho só pode ser feito com sucesso, se vier acompanhado da garantia do perdão e da superação de todo e qualquer tipo de vingança. De novo, as circunstâncias apelam para a grandeza de ânimo, que não significa timidez ou subserviência.

    O exercício da cidadania, em tempos de campanha eleitoral, precisa levar em conta as circunstâncias de cada um. O que se pede de todos é o voto. Mas existe largo espaço de atuação, visando fornecer critérios para o discernimento dos eleitores.

    Atendendo ao apelo de minha consciência, também procurei dar minha pequena contribuição. Agradeço as milhares de manifestações, públicas ou particulares, que expressaram sua concordância com as ponderações que fui fazendo cada semana, ao longo da campanha. Agradeço também aos que sensatamente ponderaram suas divergências, às quais procurei responder com respeito e atenção.

    Por outro lado, recebi também algumas furiosas contestações, e alguns ataques de caráter pessoal, carregados de ódio, e revestidos da presunção de seus autores de se julgarem os justiceiros da ira divina, para condenarem ao inferno todos os seus desafetos.

    Pela exorbitância de suas acusações, devo avisá-los que mereceram destino menos solene que o inferno. De modo que ainda podem contar com meu perdão.

    Além do mais, não me preocupo com julgamentos humanos. Como Davi, também prefiro mil vezes cair nas mãos de Deus, do que ser julgado pela justiça humana.

    Mas o resultado dessas eleições nos convida a tirar muitas outras lições, que, estas sim, nos motivam a deixar de lado condenações ou represálias, e contribuir com tudo o que estiver ao nosso alcance para levar em frente a nobre tarefa de construirmos juntos um Brasil justo e solidário.

  4. Vejam também a pintura realizada no Santuário da Santíssima Trindade, em Jales:
    http://catedraljales.blogspot.com/2010/04/fotos-da-pintura-realizada-no-santuario.html

  5. Havemos de ter é pena do bispo. Coitado. Não entra! O marxismo é mesmo uma esquizofrenia, como disse um estudioso muito detalhista dele. Viram o “altar” da Catedral? Porque não funda logo uma seita, né? Eu, se quisesse mudar mais de bilhão de fiéis, conforme vieram de dois séculos de história de fé, diria a mim mesmo: “desista, funde logo algo do seu modo e (como ele mesmo disse, eu também diria a mim mesmo) depois se ajeite lá do seu jeito com Deus”. Mas não. Não estão nem aí se a maioria nunca quis mudar nada. Será que acham que cremos por causa do CVII e da técnica ou magia modernas? Ou por causa de Santo Anselmo, Santo Agostinho, Santo Tomás de Aquino, Santa Catarina, Santa Rita, além dos santos apóstolos? Acreditam que queremos imitar estes santos e celebrar como eles? Ou que queremos a novidade moderna e um Céu à parte ou ainda um ceuzinho aqui na terra? Pobres deles. Temos gigantes atrás de nós e que estão com Deus à nossa espera. Cremos como eles e celebramos como eles. Que a modernidade se regale com sua novidade. Mas, Santa Catarina está certa no artigo mais acima. Eu mesmo me excedi para com o bispo e se, por um milagre, ele puder ler este meu comentário, quero pedir o seu perdão. Que Deus tenha misericórdia de nós todos e defenda Sua Amada Esposa contra todos nós e me perdoe tudo que possa ter feito de desrespeito contra a Igreja e contra os sacerdotes, por Seu Precioso Sangue. Amém.

  6. A CNBB é uma vergonha.

    Não consegue sequer cuidar desses “organismos” internos que insistem em não seguir a Doutrina da Igreja, e que invariavelmente produzem escândalos.

    Já passou da hora dos Bispos que são fiéis ao Papa
    darem um basta a esse tipo de situação.

  7. O nosso “querido” povo brasileiro elegeu a Dilma.
    Com Dilma na presidência, haverá muito mais possibilidades dessa “sem vergonhice monumental” se concretizar.
    Esse é o futuro do nosso país.
    “Quero voltar para a ilha!”

  8. “Pela exorbitância de suas acusações, devo avisá-los que mereceram destino menos solene que o inferno. De modo que ainda podem contar com meu perdão.”…

    É muita falta de caráter! Fazer o que fez, causar o estardalhaço que causou, e, ainda sair com vítima…
    D. Valentini perdeu todo senso do ridículo, se é que teve algum dia… Probezinhooooo, “dar meu perdão”… Vítima inocente e sem defesa…
    É muita safadagem pra uma pessoa só!
    Não se preocupe D. Valentini, Roma sabe de toda maldade que fizeram com o SR, ok? Fique tranquilo…
    O Papa está super feliz com a caminhada da vossa Diocese, com a sua obediência irrestrita e total ao Magistério, ao Concílio Ecumênico Vaticano II que o Sr. idolatra, claro, como o sr. o interpreta… À linha pastoral, aos ministros extraordinários da comunhão, epa… Desculpe… ORDINÁRIOS da comunhão que quase, ou melhor, CONCELEBRAM e elevam o cálice na doxologia junto com o padre; a vossa proibição de que eles usem qualquer veste que os distinga da assembléiiiiaaaaa, com isso as mulheres com roupas, para ser educado, pouco decorosas, quase de seios de fora, distribuindo a comunhão; a vossa proibição de que vossos seminaristas usem até uma túnica para ajudar nas celebrações; tudo isso é muitíssimo admirado pelo Papa e pela Cúria Romana…
    Outra coisa: O Sr. pode ficar tranqüilo…
    Seu emprego em Brasília está garantido; a graaaaandeza de almaaaa da sua pupila, a PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF, eleita, é admirávelllll, quase chorei ao ler vosso artigo… Coitadinha. Tão perseguidaaaaa…. Tão caluniada…..Mas tão magnânime…..Tão doadora de perdão….
    Foi o Sr. que ensinou-a tamanha magnanimidade?????
    Ahhhh ia esquecendo-me….
    Seus irmãos Bispos também estão super felizes e contentes com o Sr…. Quem sabe ano que vem o Sr. não seja eleito para algum cargo da Presidência da CNBB? Comece, se já não o fez, a acionar a máquina barulhenta dos assessores (as) que lá tem, barulho essa turminha sabe fazer, o Sr. sabe, carroça vazia faz muito mais barulho que carroça cheia, invista pesado para que eles(as) pressionem seus confrades a reelegerem, como o Sr. deseja, a atual presidência, que nem cheira nem fede; se metem em tudo e nada resolvem. Assim, pelo menos nos seus quatro anos restantes de titular, o Sr. conseguirá imprimir mais ainda a marca da “teologia” da maldição, mais do que fez até agora, nos destinos da CNBB…
    Pra terminar, sei que as matérias desse blog chegam ao Sr., não se esqueça de na próxima visita ad limina se ajoelhar para beijar o anel do Papa, só isso faltou para que sua posagem fosse perfeita… Será que haverá outra visita ad limina? VOSSA EXCELÊNCIA tem 70 anos, não é? Mais uma pelo menos terá…Não acha???
    Ahhh desculpe-me, ia esquecendo o principal: Faça como seu confrade D. Suíno, ou melhor, D. Balduíno, que quando estava para renunciar voou a Roma para conseguir eleger seu sucessor e conseguiu. Só não se esqueça que D. Rapizarda não é mais o núncio, que, por causa dessa e de outras, está quietinho lá em Portugal, sem o barrete vermelho que tannnnto almejava.

  9. Prezado Gederson,

    Osenhor também mora na circuscrição da Diocese de Jales?

    Pergunto porque eu sim… moro. Gostaria de amigos aqui para fazermos juntos tanto quanto pudermos para que a situação de nossa Diocese não ofenda tanto a Nosso Senhor.

  10. Caro Ferretti, que belo texto de Santa Catarina, doce doutrina que tantos se permitem desprezar!

  11. A história da Diocese de Jales.

    http://www.diocesedejales.org.br/historia/

    “Com a implantação do “culto” nas comunidades se produziu uma notável ruptura na tradição religiosa do povo, agravada especialmente pela abolição das imagens nas igrejas. A linha de ruptura continuou de certa maneira com o privilegiamento dado posteriormente aos movimentos de pastoral, em especial ao cursilho na década de 70.”

  12. Sobre a CNBB, precisa urgentemente ser reformada ou extinta! Acho que deveriam existir somente os setores para aquilo que é necessária, como as traduções dos livros litúrgicos, e o resto deve sumir, para acabar esse desperdício de nossas ofertas em defesa de princípios absolutamente não-cristão. Não há muito o que falar sobre isso, creio que todos aqui sabem bem o ninho de cobras que é aquilo em Brasília. Aliás, que faz a sede da CNBB em Brasília? Por que não seria, sei lá, em Salvador, sede primacial do Brasil? Ah, quase me esqueço, a CNBB só existe pra fazer politicagem, tem de estar perto é do poder…

    Sobre D. Valentini, bem, dizer o que também? Para ele a vitória da abortista significa a consolidação da democracia – o que certamente não ocorreria caso a vitória fosse de outro candidato. Enfim, não vale a pena falar sobre isso.
    Mas segui o link (http://catedraljales.blogspot.com/2010/08/coroacao-de-n-sra-da-assuncao-14082010.html) e notei algo interessante: Coroação de N. Sra. deveria ser um evento importante. Porém, no presbitério vemos o bispo (presumo eu, a foto está um pouco distante e essa coisa só o bispo utilizar a Cátedra é coisa pra gente antiquada…), um único concelebrante, um leigo fazendo-se sabe o que ali, e mais de uma dúzia de cadeiras vazias. Fui dar uma olhada no site da diocese e achei algo interessante: Conta com incríveis cinco seminaristas (http://www.diocesedejales.org.br/seminario/). Minha própria diocese que é um pouco menor que a de Jales e não lá aquele primor de ortodoxia tem 3 vezes mais. Uma olhadinha aqui (http://www.catholic-hierarchy.org/diocese/djale.html) nos números de religiosos também diz alguma coisa.
    Enfim, acho que dá pra perceber onde levam a Igreja bispos com uma postura como deste distinto senhor. Mas graças a Deus eles vão lentamente rareando. D. Demétrio nas próximas eleições já deverá estar com a carta de demissão quase pronta…

  13. Caro Diogo,
    Salve Maria!

    Desculpe pela demora em lhe responder, não havia entrado novamente aqui. Infelizmente não moro na circunscrição da diocese de Jales.

    Li sua carta a Dom Demétrio (Meus parabéns!). Faltam me palavras e pensamentos, para definir como me sinto em saber que ele não te respondeu. Talvez a única conclusão a que podemos chegar, é que ele não acredita mais na existência da alma, uma vez que não se dignou a responder uma alma que caminha para a salvação. Me parece que os Bispos que aceitaram os preceitos da revolução de 1789, negaram a realeza de Nosso Senhor, mas primeiro negaram a sua divindade. Se a igualdade existe, Cristo não é Deus, é apenas homem e não existe revelação. E a liberdade decorrente do conhecimento da verdade, passa a uma liberdade criadora de verdades, como a fraternidade de Cristo, transforma-se na fraternidade do anticristo. Satanás é um grande criador de verdades, e sua palavra está sempre em evolução: vindo-a-ser, nunca chegando a SER. Quando ele se revoltou contra a Deus, expressou a liberdade de pensamento e consciência, e quando falou contra Deus, expressou a liberdade de expressão que são todas liberdades da mentira, contra a verdade.

    se um Bispo que deveria converter pela palavra de fé, não é convertido por ela, quando se acha em falta, o que podemos fazer? Como disse recentemente no blog do Prof. Angueth, nem mesmo São Pedro escapou do “aggiornamento” imposto pelo modernismo, pois como pode se ver no texto de Dom Demétrio Valentini, estão todos dispostos, “a darem razões de seus sentimentos”, não possuem mais fé. Quando se vê no episcopado, exemplos de liberdade de pensamento, consciência e expressão, a única coisa que podemos fazer, é rezar, rezar, rezar e rezar.

    Fique com Deus.

    Abraço

%d blogueiros gostam disto: