O que o Papa realmente disse.

Tendo em conta a habitual ignorância e má-fé da imprensa secular ao noticiar fatos relevantes da vida da Igreja, apresentamos abaixo a íntegra da resposta do Papa Bento XVI sobre o uso de preservativos, em outro livro-entrevista de Peter Seewald.

Veremos, neste episódio, se a costumeira rapidez da Sala de Imprensa da Santa Sé em lançar esclarecimentos sobre todo tipo de assunto também será verificada ao ter de ser politicamente incorreta ao contrariar a imprensa do mundo todo, que alardeia a plenos pulmões a “liberação” da camisinha pelo Papa.


* * *

“Em África, Vossa Santidade afirmou que a doutrina tradicional da Igreja tinha revelado ser o caminho mais seguro para conter a propagação da SIDA/AIDS. Os críticos, provenientes também da Igreja, dizem, pelo contrário, que é uma loucura proibir a utilização de preservativos a uma população ameaçada pela SIDA/AIDS.”


«Em termos jornalísticos, a viagem a África foi totalmente ofuscada por uma única frase. Perguntaram-me porque é que, no domínio da SIDA/AIDS, a Igreja Católica assume uma posição irrealista e sem efeito – uma pergunta que considerei realmente provocatória, porque ela faz mais do que todos os outros. E mantenho o que disse. Faz mais porque é a única instituição que está muito próxima e muito concretamente junto das pessoas, agindo preventivamente, educando, ajudando, aconselhando, acompanhando. Faz mais porque trata como mais ninguém tantos doentes com sida e, em especial, crianças doentes com sida. Pude visitar uma dessas unidades hospitalares e falar com os doentes.

Essa foi a verdadeira resposta: a Igreja faz mais do que os outros porque não se limita a falar da tribuna que é o jornal, mas ajuda as irmãs e os irmãos no terreno. Não tinha, nesse contexto, dado a minha opinião em geral quanto à questão dos preservativos, mas apenas dito – e foi isso que provocou um grande escândalo – que não se pode resolver o problema com a distribuição de preservativos. É preciso fazer muito mais. Temos de estar próximos das pessoas, orientá-las, ajudá-las; e isso quer antes, quer depois de uma doença.

Efectivamente, acontece que, onde quer que alguém queira obter preservativos, eles existem. Só que isso, por si só, não resolve o assunto. Tem de se fazer mais. Desenvolveu-se entretanto, precisamente no domínio secular, a chamada teoria ABC, que defende “Abstinence – Be faithful – Condom” (“Abstinência – Fidelidade – Preservativo”), sendo que o preservativo só deve ser entendido como uma alternativa quando os outros dois não resultam. Ou seja, a mera fixação no preservativo significa uma banalização da sexualidade, e é precisamente esse o motivo perigoso pelo qual tantas pessoas já não encontram na sexualidade a expressão do seu amor, mas antes e apenas uma espécie de droga que administram a si próprias. É por isso que o combate contra a banalização da sexualidade também faz parte da luta para que ela seja valorizada positivamente e o seu efeito positivo se possa desenvolver no todo do ser pessoa.

Pode haver casos pontuais, justificados, como por exemplo a utilização do preservativo por um prostituto, em que a utilização do preservativo possa ser um primeiro passo para a moralização, uma primeira parcela de responsabilidade para voltar a desenvolver a consciência de que nem tudo é permitido e que não se pode fazer tudo o que se quer. Não é, contudo, a forma apropriada para controlar o mal causado pela infecção por VIH/HIV. Essa tem, realmente, de residir na humanização da sexualidade.»

“Quer isso dizer que, em princípio, a Igreja Católica não é contra a utilização de preservativos?”

«É evidente que ela não a considera uma solução verdadeira e moral. Num ou noutro caso, embora seja utilizado para diminuir o risco de contágio, o preservativo pode ser um primeiro passo na direcção de uma sexualidade vivida de outro modo, mais humana.»

In Bento XVI, Luz do Mundo – O Papa, a Igreja e os Sinais dos Tempos – Uma conversa com Peter Seewald, Lucerna, 2010

Fonte e destaques: A Saúde da Alma

47 Responses to “O que o Papa realmente disse.”

  1. E a castidade!!!! Ninguém manda guardar a castidade?
    lamentável.

  2. De per si, a posição de Bento XVI é PROFUNDAMENTE LAMENTÁVEL … pois que abriu uma brecha em direção aos preservativos ! E isso está bem claro no texto de sua entrevista !!! Lamentável demais !!!

  3. To confuso…alguém me ajuda a compreender as palavras do papa?

    Como a camisinha seria um passo para a moralização do prostituto se ele só usa a camisinha para SE proteger? Ele não usaria a camisinha pensando em “world peace”. Juro que fique confuso agora.

  4. Comentaristas, por favor, tornemos a caixa de comentários mais útil a todos que lêem. Argumentos, análises, etc, tudo isso é muito bem vindo. Vir aqui só para estrebuchar enche o moderador de trabalho desnecessário e cansativo

  5. Será que li bem? «O preservativo pode ser um primeiro passo na direcção de uma sexualidade vivida de outro modo, mais humana»?
    Não era precisamente para os casos de promiscuidade que a Igreja defendia a castidade?
    Então em que posição ficamos nós que demos a cara pela doutrina que pensávamos ser a do Papa?
    Na altura dessa viagem pela África, em que Bento XVI foi tão criticado, muotops de nós secundaram as suas palavras.
    Com todo o respeito, a ser verdade o que acabei de ler, é um mudança e, quem sabe, o pretexto para a mudança total.

    Meu Deus!

  6. estava lendo sobre o assunto no UOL, é de enojar a estupidez dos nossos meios de comunicação e dos ditos jornalistas laicos que se acham inteligentes. pior são as pseudo-catilinárias dos leitores, que se acham os bem informados, esbravejando contra o papa.
    lamentável viver num país onde jornalistas acham que são intelectuais.

  7. “Pode haver casos pontuais, justificados, como por exemplo a utilização do preservativo por um prostituto, em que a utilização do preservativo possa ser um primeiro passo para a moralização, uma primeira parcela de responsabilidade para voltar a desenvolver a consciência de que nem tudo é permitido e que não se pode fazer tudo o que se quer.”

    Neste trecho vejo o papa realçar um mínimo de consciência nas relações hodiernas. Uma consciência de que ter prazer é uma coisa e causar uma doença fatal é outra.

  8. Parabéns pela agilidade!
    Ouvi o Jornal Nacional falar disso e fiquei intrigado com essa noticia. Vim direto verificar nos blogs que leio e achei aqui no Frates.
    Frederico

  9. Realmente deu uma brecha pra mídia que já é oportunista falar asneira!
    mas acho que entendi as palavras do Sumo Pontífice como: Nao é a falta ou o uso do preservativo que irá tornar uma relação sexual decente ou nao!
    o preservativo será sempre imoral, mas vc o encontra onde quiser!
    já que vai pecar prejudicando a si e ao outro, o preservativo é o de menos, pode te salvar o corpo, ou o corpo da outra pessoa, mas em nada adianta para alma! vc pode até estar pensando no bem físico do outro, a partir daí quem sabe vc pense no bem espiritual!
    pelo menos eu imagino ser a essa a interpretação. Espero

  10. http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/11796432.html

    Já começam a “rejubilar”…curiosamente os mesmos que defendem o emparelhamento homossexual como se de casamento se tratasse e o divórcio e calam-se sobre os direitos da mulher no que respeita ao aborto…

  11. Colo aqui o que vi num blog americano:

    “Então, para esclarecer, ele não está endossando as camisinhas. Está dizendo que ela poderia ser um primeiro passo para um indivíduo perceber que sua ação está errada. Seu exemplo de um prostituto é muito particular.
    A Igreja não acredita que a prostituição masculina é algo bom; então, ela não irá endossar algo que facilitaria o comportamento mesmo se sua ostentabilidade com a boa intenção de proteger a si ou a outro. Tal boa intenção não muda a natureza do comportamento em si.

  12. Meus caros,

    Sinceramente me parece tudo muito simples: entre a) se prostituir e b) se prostituir e contagiar alguém com uma moléstia gravíssima, é menos mal a primeira opção. Continua errado se prostituir, mas é menos errado que se prostituir e contaminar com aids.

  13. Concordo com o Pedro: “Realmente deu uma brecha pra mídia que já é oportunista falar asneira!”

    Lendo o discurso na íntegra percebo que o Papa não disse o que a imprensa nos passou. O Pontífice está em um colóquio, não num ato de Magistério, e está a analisar a situação hodierna. Ele lembra que o uso de preservativos não é verdadeiro nem moralmente aceitável mas ele, com sua costumeira intelectualidade, perscruta com pastoralidade certos casos em que o pecador, usando o preservativo, dá um passo na direção de encontrar a verdade. Não está em nada contrariando a doutrina da Igreja e mantém firme oposição ao preservativo. Apenas faz uma observação num colóquio com um jornalista leigo.
    Abraços

  14. A Kalashnikov pode ser um primeiro passo na direcção de uma guerra nuclear vivida de outro modo, mais humana …

  15. O Papa já é bem experiente para entender como a imprensa distorce as suas palavras. Acho que escorregou dessa vez …

  16. Deus definiu que quem praticasse relação sexual correria alguns riscos.
    Isso é ordem da natureza, já está no homem há muito tempo…
    E o preservativo é impedir a ordem natural, se Deus definiu isso, quem somos nós para dizer o contrário?
    Sem falar, que é impedir a ordem natural que está “presente” também no vírus HIV, ao exercer sua própria função que é se reproduzir.
    Isso altera totalmente a ordem natural
    Provavelmente, o papa errou ao permitir o preservativo.
    Mesmo que em certos casos.
    Mas, se ele declarar esse ensinamento solenemente em matéria de moral, aí será infalível, falará ex cathedra.
    Essa é minha opinião, não sei se está certa.
    Esperemos o “desenrolar” da polêmica.

  17. Peço que permitam que eu poste ocmentários ou que excluam o comentário de Pedro M. Santos.

    Fomos expulsos do blog no mesmo dia. A manutenção desta situação mostra injustiça e acepção de pessoas.

  18. Se Sua Santidade me permite, esse leigo católico aqui lhe dá uma dica: PARE DE DAR ENTREVISTAS PARA JORNALISTAS, CANAIS DE TELEVISÃO OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. POIS A CADA DIA QUE PASSA É UM UM “ACHO ISSO, ACHO AQUILO” SEM TAMANHO NESSAS ENTREVISTA!

    Senhor tenha piedade de nós!

  19. Não vejo por que tanto espanto. Se sabe muito bem que pela doutrina de sexualidade da Igreja o problema não está na CAMISINHA, mas no seu papel de dar ao sexo a função apenas do prazer, um fim em si mesmo. Quem busca uma prostituta evidentemente não está buscando o sexo na sua função reprodutiva, o que tornaria aceitável o uso da camisinha, já que o pecado mortal já reside no próprio fato da prostituição.

  20. Gente, a coisa esta feia demais.
    O texto esta ambiguo e certamente há várias interpretações (a lá Vaticano II).
    Me perdoem, mas este foi um dos textos mais imprudentes que já li do Santo Padre e a mídia do devil esta se vangloriando disso como se fosse a total liberação da uso de preservativos.
    Meu Senhor misericordia!! Até tu Pedro???

  21. Penso ele quis dizer que para uma pessoa, já imersa no mundo da prostituição, ter um senso de responsabilidade (camisinha), mesmo que à sua maneira, já abre o caminho para haver uma evangelização.

    O real siginificado de suas palavras, certamente, nos trará em breve.

  22. 1- Essa entrevista é magistério?
    2- Se não é, para que serviu, senão para a confusão?

  23. Eu entendo que o nosso querido papa atual fala demais, e conseqüentemente, isso causa problemas; o Papa só deve ou deveria falar de forma oficial.
    Posso estar enganado mas a declaração (não oficial) do Papa é uma certa forma de relativismo.

  24. Escrevi sobre isso ontem no Tradição, analisando ponto por ponto o texto papal.

    Muito lamentável. O Papa abre uma brecha sem precedentes.

    Sabem o que isto me fez lembrar? A malfadada excepção para a comunhão na mão aberta por Paulo VI – que, a bem da verdade, nesta matéria de preservativos, foi bem firme e corajoso -.

    É que nem JPII – que fez tanta porcaria – jamais mexeu em questão moral de tanta gravidade!

    Isto é gravíssimo. Tal como a excepção da comunhão na mão um dia se tornou lei – ao ponto de, hoje, a lei ser considerada no mundo todo excepção e nós uns alienados inconformistas -, do mesmo modo, muito rapidamente, a questão dos padres casados nas conferências episcopais e esta estupidez do preservativo às prostitutas, vai ser lei. E a excepção vai ser a alienação de uns quantos fanáticos – leia-se nós católicos – que serão envergonhados mundialmente por não aderir à ‘lei universal’ que as conferências episcopais se apressarão de imediato em implementar – os bispos de Portugal são todos, sem qualquer excepção, pró preservativos.

    Que desgraça tão grande. É a grande apostasia.

    E nós a discutir questões de lana caprina e a a coleccionar inimigos por dá cá aquela palha, entre os verdadeiros católicos!

  25. Estou até agora tentando, mas não consigo entender o que o Papa quis dizer!

    Certamente não tem valor nenhum, mesmo que ele seja favorável ao uso de preservativos…

  26. O Papa realmente disse tudo que está aí, inclusive aquilo que não está em negrito.

  27. Certas pessoas pessoas aqui pedem que o papa não dê mais entrevistas, que só fale por sua autoridade magisterial. Parece que querem um Papa trancado no palácio apostólico se comunicando com o mundo exterior apenas por carta. Cancelem o Ângelus e quando ele for celebrar uma Missa em público chamem outra pessoa para pregar. E como se não bastasse a impressa, os ateus e os simplesmente anticatólicos para distorcer as palavras do Papa, vêm alguns ‘católicos’ corroborar a imprensa dizendo que o Santo Padre defendeu a camisinha (não me refiro a todos que discordam de sua posição, fique claro).

    Eu li uma condenação suficientemente clara àqueles que defendem a distribuição em larga escala da camisinha como o fim do problema da AIDS (mais clara que a afirmação de que usar a camisinha foi aprovada, com toda certeza). O exemplo do prostituto: talvez ele pudesse pensar: “Poxa, se estou cuidando do meu corpo talvez isso queira dizer alguma coisa. Talvez não esteja certo eu vendê-lo como faço.” Porque muitos deles não veem absolutamente nada de aproveitável em seu próprio corpo. A partir desse reconhecimento se tornaria mais fácil uma conversão.

    E uma última advertência: não esperem uma aula de teologia ou a proclamação de um dogma numa entrevista. Ninguém está imune a cometer um deslize numa fala espontânea. É comum falarmos uma coisa que parece clara como cristal em nossa mente mas nosso interlocutor não entendeu nada. Parece ser o caso: faltou explicar o que se disse.

  28. É isso mesmo o que acontece quando se fala ao mundo com ambiguidade !!

    É preciso ser direto quando se fala com os meios de comunicação do devil senão acontece isso aqui :

    O diretor do programa Unaids, criado pela ONU para combater a propagação do vírus da Aids, chamou de “passo adiante significativo e positivo” o fato do Papa Bento XVI ter admitido o uso da camisinha em certos casos.
    Fonte: g1.com.br

    Agora o Papa vai ter que se explicar … vai ter muito trabalho pra explicar que não disse o que dizem que ele disse…..

  29. O Papa deveria falar MENOS. Ele sabe muito bem que a mídia é rápida para atacar a Igreja, principalmente quando a sua palavra é, no mínimo, AMBÍGUA – como foi neste caso. Falar muito abre brechas. E quem fala muito, dá bom dia ao cavalo!

  30. São os novos ventos conciliares. Mas sejamos honestos, ainda que o Papa tivesse dito com todas as letras que a Igreja é favorável ao uso de preservativo em alguns casos, isso não teria o menor valor, pois foi realizado num livro de entrevistas. É mera opinião particular. Já ocorreu mesmo na história da Igreja séculos antes, alguém que ocupava o cargo de supremo Pastor ter defendido certas posições em livros e ter se posicionado de forma diferente no Magistério. Alías, os protestantes se utilizam muito desses caso na tentativa de rotular a Igreja de contraditória.

    O que incomoda nos nossos dias são os inimigos da Igreja, ao menor sinal de discordância com a doutrina tradicional vindas da boca do Papa ou em algum livro, eles logo tomam como um ‘avanço importante da Igreja’, como se fosse possível a Igreja modificar sua doutrina de sempre.

  31. Vejo essas palavras do Papa – se de fato foram dele – como uma pré-liberação da camisinha.Vejamos, eu tenho um leão amarrado por um corrente de aço, e uma das argolas se rompe; então eu emenda essas argolas de aço com um simples barbante, assim um de vocês vão na minha casa e vêem aquele leão preso com uma corrente, sendo que uma das argolas é um mero barbante. Você concerteza irá olhar aquele barbante, e de fato, eu não o poderia chamar de pessimista, por ver justamente o ponto fraco da corrente toda de aço.
    Essas palavras – uma mentira – são como esse barbante em meio a verdade. Uma brecha para o mal da camisinha.
    Na verdade não há erros nem exceções. Em Deus não há exceções de erro. Ele não erra nunca.
    Só posso me indignar com essa mentira que está sendo proclamada, é um TAPA na cara de todos nós que VERDADEIRAMENTE LUTAMOS, para manter a castidade, e a santa pureza. Se o papa de fato disse isso, ele nos deu um tapa na cara. Só devemos rezar, e pedir à Virgem Santíssima, que chamamos de “Mãe castíssima” em sua ladainha, para que nos preserve das mentiras do demônio.

  32. Ferretti,

    Conferi lá e tem razão. Mas na época eu não tinha visto postado o comentário, por isso achei que tinha sido censurado e deixei de visitar por um tempo o blog aqui da lista.

    Obrigado e desculpe os equivocos de meus comentários anteriores.

    Mas é certo q tb em outros assuntos existem um outro Leonardo que tb posta só com o nome de Leonardo.

  33. Achei muito justas as palavras do Papa Bento XVI. O que é está em jogo não é o ‘pode e não pode’, mas algo muito mais profundo. O desejo de preservar o outro de um mal maior justifica certas atitudes, em vista do bem do outro. Não se está falando de contracepção; o Papa inclusive exemplificou falando da prostituição masculina. Penso que esta atitude, corajosa e fruto de uma profunda reflexão, poderá gerar mais fruto para a Igreja do que simplesmente a mera condenação sem diálogo e explicitação.
    Mais uma vez parabéns ao nosso Santo Padre, que é guiado pelo ES.

  34. O que vemos aqui é Bento XVI tentando “fazer bonito para o mundo” e então relativizando aquilo que ele deveria retamente guardar: a Sã Doutrina da Igreja – no que diz respeito a castidade como obrigação daqueles que estão longe do sacramento do matrimônio. Bento XVI torna essa Sã Doutrina doente, tudo para agradar o mundo moderno. Pois bem… com o clero andando nessa direção , encabeçado pelo Santo Padre, a Igreja não mais precisa de hereges para ofende-la, dos ateus para ridiculariza-la ou de um anti-cristo para se colocar contra ela… o câncer é interno , a doença já se instalou… a ferida come de dentro pra fora… Deus nos ajude.

  35. cQoncordo em número e grau com o que disse o Alexander.Que Deus não nos deixe desanimados nesta confusão. O mundo, istoé , a mídia está exultante. Espero que venham maiores explicacões da parte de nosso querido Bento XVI.

  36. Nossa! O comentário de 4:22 é a maior alienação que já vi na vida para defender um Papa!

    Jamais o bem de um cônjuge será o outro cônjuge usar camisinha com a prostituta ou garoto de programa. Tem noção?! Ou será que a prostituta vai usar camisinha sozinha?

  37. Tanto o comentário 4:22, quanto o 8:43 são deprimentes.

    Pessoal, vamos treinar interpretação de texto.

    O papa não está defendendo camisinha em nenhum caso.

  38. Concordo em género, número e grau com o Anderson e com o Alexander.

    Quem não sabe interpretar textos é quem mutila um texto para inferir dele só o que lhe convém.

    Ok, é uma entrevista; ok, é uma opinião privada; mas que já está a dar uma confusão dos diabos entre malditos hereges progressistas infiltrados, bispos e padres apóstatas e mídia anticatólica.

    Mas o mais grave de tudo isto – e muitíssimo frustrante – é minimizar os estragos que isto causa nas almas simples e menos esclarecidas na fé que, com tanta dificuldade, aceitaram a verdade da imoralidade dos preservativos.

    E agora? Que abatimento, que desânimo. Estou de rastos.

    Aplausos ao Papa.

  39. NINGUÉM NUNCA PRECISOU DEFENDER UM PRONUNCIAMENTO DE SUA SANTIDADE O PAPA PIO X DE “FALSAS INTERPRETAÇÕES”. SABE POR QUE NÃO? POR QUE PIO X NÃO USAVA LINGUAGEM MOVEDIÇA. NUNCA QUIS AGRADAR MODERNISTAS NEM FAZER QUALQUAR TIPO DE GESTO DELICADO PARA COM ELES. O QUE SE PERDEU DE 50 / 60 ANOS PARA CÁ FOI A CONVICÇÃO DE QUE COM O ERRO E O PECADO NÃO FUNCIONA OUTRA ATITUDE QUE NÃO A VELHA E SEMPRE EFICAZ CONDENAÇÃO EXPLÍCITA E IRREVOGÁVEL. QUERIDOS IRMÃOS E IRMÃS, A LINGUAGEM MOVEDIÇA NÃO RESOLVE NEM NUNCA RESOLVEU NADA NA HISTÓRIA DA SANTA IGREJA. “SEJA O SEU SIM, SIM; NÃO, NÃO”. MENOS DIPLOMACIA E MAIS VERDADE PELO AMOR DE DEUS.

  40. Por analogia ao Concílio:

    Alguém pode dizer que o texto do Papa, tem uma interpretação ortodoxa?

    Pode se falar aqui, em uma hermenêutica da ruptura, e outra da continuidade?

  41. Salve Maria!

    Se é mal menor, mal maior, se é no caso de um “prostituto”… não sei!
    Mas como fica o pecado mortal e a salvaçãod esta alma??? A camisinha vem ajudar esta questão???

    Aff…

    O Papa deveria poupar a Igreja desta saia justa!

    Doutrina é doutrina, para o mal da AIDS —-> CASTIDADE!

Trackbacks