Papa aos novos Cardeais: critério de grandeza de Deus não é o domínio, mas o serviço.

Dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida, é criado Cardeal pelo Papa Bento XVI.

Dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida, é criado Cardeal pelo Papa Bento XVI.

Cidade do Vaticano, 20 nov (RV) – “O critério da grandeza e da primazia de Deus não é o domínio, mas o serviço” – disse o Santo Padre, neste sábado, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, durante o Consistório Ordinário Público onde foram criados 24 novos cardeais, entre eles o Arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis.

O Papa ressaltou que a partir de hoje os novos cardeais “começam a fazer parte daquele coetus peculiaris, que presta ao Sucessor de Pedro uma colaboração mais imediata e assídua, ajudando-o no exercício de seu ministério universal”.

“O vínculo de especial comunhão e afeto, que une estes novos cardeais ao Papa, os torna singulares e preciosos cooperadores do supremo mandato confiado por Cristo a Pedro, de apascentar suas ovelhas, a fim de reunir os povos com a solicitude da caridade de Cristo. É exatamente deste amor que nasce a Igreja, chamada a viver e a caminhar segundo o mandamento do Senhor, no qual se resumem toda a Lei e os Profetas” – frisou Bento XVI.

O Santo Padre ressaltou que “a diaconia é a lei fundamental do discípulo e da comunidade cristã, e nos deixa entrever alguma coisa sobre a Senhoria de Deus. Jesus indica também o ponto de referência: o Filho do Homem, que veio para servir, sintetiza a sua missão na categoria de serviço, entendida não no sentido genérico, mas no concreto da Cruz, do dom total da vida como resgate, como redenção para muitos, e o indica como condição para a seqüela”.

O Papa sublinhou que esta é uma “mensagem que vale para os apóstolos, vale para toda a Igreja, vale, sobretudo, para aqueles que possuem a tarefa de guiar o Povo de Deus. Não é a lógica do domínio, do poder segundo os critérios humanos, mas a lógica do inclinar-se para lavar os pés, a lógica do serviço, a lógica da Cruz que está na base de todo exercício da autoridade”.

Bento XVI frisou que Igreja, em todas as épocas, deve “conformar-se a esta lógica e testemunhá-la a fim de fazer transparecer a verdadeira Senhoria de Deus, que é a do amor”.

O Papa concluiu, afirmando a missão confiada aos novos cardeais “requer um desejo sempre maior de assumir o estilo do Filho de Deus, que veio a nós como aquele que serve. Trata-se de segui-lo em sua doação de amor humilde e total à Igreja sua esposa, sobre a Cruz: é sobre aquele lenho que o grão de trigo, deixado cair pelo Pai no campo do mundo, morre para se tornar fruto maduro”.

Silvonei José entrevistou o Arcebispo de Brasília, Dom João Braz de Aviz, que nos fala sobre Dom Raymundo Damasceno Assis, criado cardeal neste sábado. (MJ)

2 Responses to “Papa aos novos Cardeais: critério de grandeza de Deus não é o domínio, mas o serviço.”

  1. http://www.radiovaticana.org/it1/Articolo.asp?c=440810

    A notícia e as palavras do Santo Padre estão – como é hábito – adulteradas.

    Leiam aí e depois leiam o título dos jornais “Papa admite camisinha” ou “Papa permite uso de preservativo” e digam lá se não existe manobra…

Trackbacks