Os bastidores do consistório.

Fratres in Unum.com – com informações de Papa Ratzinger blog, The Eponymous Flower e APCOM (via Secretum Meum Mihi). O dia de oração e reflexão que precedeu o consistório realizado no último sábado, dia 20, contou com intervenções espinhosas dos Cardeais da nova guarda de Bento XVI.

O responsável pela culto divino, Cardeal Antonio Cañizares Llovera, que tratou do assunto “A liturgia na Igreja de hoje”, supostamente teria lamentado “a controversa recepção da liberação da missa em latim desejada pelo Papa”.

Por sua vez, os até então arcebispos Angelo Amato e Raymond Leo Burke teriam partido para a briga com os ecumaníacos atuais. Para Amato, nº 2 da Congregação para a Doutrina da Fé na época do presidente Ratzinger, “a Igreja Católica certamente não pode renunciar o anúncio da verdade do Evangelho, isto é, que salvação vem somente de Cristo, em nome de um mal entendido pluralismo religioso”. Ao recordar a atualidade da Instrução “Dominus Iesus”, Amato enfatizou que “ao advertir sobre um mal entendido pluralismo”, a instrução “permanece um chamamento à clareza doutrinal e pastoral, como base da catequese, da nova evangelização e da ‘missio ad gentes'”.

Já Burke teria repreendido aqueles que tratam com desdém o chamado “ecumenismo de retorno”. Neste caso, condenou praticamente todo o Conselho Pontíficio para a Unidade dos Cristãos…

Restaria ainda salientar que os Cardeais que intervêm no encontro o fazem por convite expresso do Santo Padre.

2 Comentários to “Os bastidores do consistório.”

  1. Tudo perdeu interesse, sem uma análise profunda das ideias do Papa

  2. Salve Maria!
    Consegui confirmar junto a um Bispo, que as informações acima procedem…
    Graças a Deus o Papa mantem o pulso firme diante da “libertinagem” de muitos Bispos, Padres e Leigos.

    In Corde Iesu Semper!