Arcebispo Zollitsch chamado para o Conselho Pontifício para a Nova Evangelização… sob comando de Fisichella!

Dom Robert Zollitsch, presidente do episcopado alemão.

Dom Robert Zollitsch, presidente do episcopado alemão.

(Distrito Alemão da FSSPX) O representante da Conferência dos Bispos Alemães, Arcebispo Zollitsch, foi convocado para o Conselho Pontifício para a Nova Evangelização. Uma convocação evidentemente questionável quando se pensa no seguinte:

Como um Arcebispo que não acredita na morte expiatória de Nosso Senhor Jesus Cristo – fundamento da nossa redenção e da nossa salvação – e, ao invés disso, a reinterpreta como um “sacrifício de solidariedade” – deve contribuir de maneira significativa para a nova evangelização dos povos católicos ?

Como um Arcebispo que é co-responsável de maneira significativa para a perda da fé na Alemanha, na medida em que representa uma teologia e praxis liberal e até mesmo modernista, que levou a Alemanha e a Europa a uma situação de completa discristianização, deve contribuir de maneira significativa para a nova evangelização dos povos católicos?

15 Comentários to “Arcebispo Zollitsch chamado para o Conselho Pontifício para a Nova Evangelização… sob comando de Fisichella!”

  1. as negras nuvens estão caca vez mais negras sobre a Igreja! Talvez não tenhamos mais nem Igreja! Oremos.

  2. Mias uma prova que o novo Conselho pontifício é totalmente inútil, mais um depósito de fósseis modernistas: assim estão mais ou menos calados e não estão em contacto com o Santo Povo a dessiminar o erro.

  3. Da Alemanha, conseguiu descristianizar a Europa! Vem para Roma completar o serviço… para que se cumpram as Escrituras: “-Quando o Filho do homem voltar, julgáis que encontrará fé sobre a terra?” (S.Lc.18:8).
    Imaculado Coração de Maria, salvai a Igreja e o mundo, salvai-nos.

  4. Acreditemos no promover para remover.

  5. Não sei quanto a vocês, mas me parece que depois do Summorum Pontificum e do levantamento das excomunhões, nos últimos tempos Bento XVI tem veementemente mostrado seu lado mais radical. Indicou bispos liberais, falou aquilo sobre os preservativos, depois confirmou mais um circo em Assis e há pouco determinou, contra a vontade dos bispos do Japão, que o Neocatecumenato continuaria naquele país. Está certa a FSSPX em não fazer acordo com uma hierarquia dessas que mantém-se presa aos dogmas da nova teologia e aos erros já condenados pela Pascendi.

  6. Sobre a pergunta de como o arcebispo vai contribuir na nova evangelização, pensem qual seria a mensagem desta evangelização e tudo começa a se encaixar. Não é, fica claro, a mensagem de Cristo, mas outra, moderna, saída da mente de Congar, Rahner, von Balthasar, Teilhard de Chardin etc.

  7. Ferretti, tem como vocês publicarem em português o apelo contra o encontro de Assis que saiu no blog Messa in Latino? Pareceu-me muito bom.

  8. Será este o grande plano de Bento XVI?
    O papa nos iludiu há seis anos, ou fomos nós que nos permitimos iludir, ansiosos que estávamos por uma restauração?
    De que adiantou comemorar a saída de Kasper? Kasper saiu da parte ecumênica, então entrou Zollitsch para, – durma-se com um barulho destes! – trabalhar com a Nova Evangelização!
    Se nos pautarmos no currículo deste prelado, então deveríamos falar em aprofundamento da descristianização ou islamização… O homem não está de acordo sequer com o próprio catecismo da Igreja, e agora sobe para a Santa Sé.
    Alguém segure Bento XVI, porque do jeito que a coisa vai, daqui a pouco teremos D. João Brás de Avis, Zollitsch e outros péssimos prelados recebendo o barrete cardinalício. Aí vão anular D. Piacenza, D. Ranjith e D. Burke, e a restauração vai para as cucuias…
    Esse papa está sendo uma decepção. Já vi que não adianta ele colocar paramento romano, nem tiara, nem sedia gestatoria, porque tudo isso não passa de um esteticismo conservador da parte dele.
    O mais engraçado é como o papa fala coisas boas e ele mesmo as combate. Aquela nomeação do arcebispo de Pernambuco é o símbolo disso, e a ducha de água fria na cabeça de Rodé, nomeando um arcebispo autista, pelo simples fato do mesmo ser da América Latina, é outro.
    E as condecorações aos abortistas portugueses, que quase afastaram a Teresa (do Tradição Católica) do combate pela fé?
    Confirmar os irmãos na fé parece que virou letra morta… Rezemos, e tenhamos paciência…

  9. Ouvi ontem no podcast do Olavo que o Santo Padre Bento XVI nomeou o neurocientista brasileiro Miguel Micoleti membro da Pontifícia Academia de Ciencias do Vaticano. Diz o Olavo que este sujeito é um conhecido apologista do aborto e da sodomia do governo petista.
    Eu achava que o Papa ia consertar as coisas capengas na Igreja, mas tá na cara que ele quer ver o circo pegar fogo.

    São Malaquias, rogai por nós.

  10. Segundo o livro “O Problema da Reforma Litúrgica”, da FSSPX, Ed. Permanência (sacerdotes e teólogos, por favor, leiam este livro e entenderão tudo), é esta a teologia por detrás do Concílio Vaticano II e da Reforma Litúrgica de 1967-1969, pois já estava nos documentos litúrgicos do citado concílio.
    É a Nouvelle Theologie, Nova Teologia ou Teologia do Mistério Pascal, que abandona o Sacrifício, a justificação ou a satisfação à justiça divina, reduz o próprio Cristo, horroriza-se da Cruz e deixa a eficácia dos sacramentos ligada à fé e à interpretação de cada um e não mais sob o império do “ex opere operato”. Na verdade, são duas igrejas e dois tipos de fé e de liturgia diferentes (como se crê é como se reza) convivendo irresponsavelmente na mesma Igreja e dificultando sobremaneira a adesão num mundo liberal como nunca. Em 2 Tes2, São Paulo liga tudo isso ao grande engano que Deus permitiria e até impulsionaria pelas tantas e insistentes vezes que a Verdade foi rejeitada e desprezada. E lembremos que Jesus mesmo nos disse para não atirarmos pérolas aos porcos e que no Antigo Testamento muito se disse que o Trono de Deus está assentado sobre a Justiça e o Direito (coisa diversa de misericórdia apenas). Entretanto, esta herética nova teologia não permite a Deus ser como Ele É. Deus tem de ser aquilo que o homem quer que Deus seja e que o homem possa entender, ou seja, misericórdia sem justiça, generosidade sem cobrança, amor radical sem cruz. No entanto, na Teologia clássica e na Escolástica, Deus mesmo se submete por livre e espontânea vontade à Sua própria Justiça, a fim de imprimir imperatividade à Justiça, o que, por sua vez, mantém a firmeza inabalável dos fundamentos e, assim, pode favorecer ao justo a ponto deste herdar a Herança do próprio Cristo, o verdadeiro Justo. A nova teologia faz a humanidade perder tudo isso. Ou seja, foi o Sacrifício de Cristo que apaziguou a misericórdia e a justiça divinas e eles querem romper esta Paz, tanto que o homem perde o contato com o Absoluto e passa a cair inevitavelmente no ralo comum do relativismo, até mesmo na Igreja.
    Como sair dessa? Como voltar? Se a Igreja temeu, juntamente com a Cruz, a revolta do mundo, agora, que tornou concentrado e explosivo o potencial da revolta.
    Para um papa fazer voltar terá de se ver em direção ao Gólgota, terá de ser o papa de Fátima.
    Deus nos ajude, mas não é negando as evidências que preservaremos a Igreja, Mãe e Mestra, a qual é distinta de seus membros e permanece “sem rugas e sem manchas”.

  11. Digo, Deus Se submete à Sua Justiça, no sentido de que Ele mesmo respeita Suas leis, as quais mantém Sua obra firme e inabalável. Quanto ao pecado original, outro artigo negado pela nova teologia e ligado exatamente à satisfação de Cristo na Cruz, como já salientava São Paulo, a nova teologia não aacredita que pecado algum rouba algo de Deus, nem mesmo no sentido de desprezar ou desonrar a Deus ou a pertença à Deus. Eles dizem como Deus tem que ser e o deixam inatingível a escanteio, entretanto, o Deus no qual crêem é aquele da experiência sensível individual, se não O sentem e se não assimilam Seus pensamentos (muito a partir do sentimental) nEle não acreditam.
    Por fim, quanto ao livro, seu maior valor de demonstração inequívoca está no fato de que seus discurso usou (por citações originais) as próprias expressões dos documentos do concílio e da reforma em contraposição às expressões da Teologia clássica nos documentos (de Trento, inclusive) do Magistério e da Doutrina como inclusos no Dezinger. Então, não deixa espaço para conjecturas.

  12. Eu ainda acho que o Papa chama para perto de si aqueles que precisam ser vigiados. Tenho essa impressão desde a ida de D. Cláudio p/ Roma e o que ele passou por lá.

  13. Paulo VI falou que “a fumaça de satanás penetrou no templo de Deus” e tambem em “autodemolição”, isto é,
    os próprios membros da Igreja demolindo a Igreja.

    Sera o caso ?

  14. Sei não, Galvão…do jeito que está, o Papa deveria antes vigiar-se ou ser vigiado.

  15. Então, nessa linha de raciocínio de chamar pra perto de si os que precisam ser vigiados, que Deus começe logo a chamada.