Dom Bernard Fellay na conferência do Courrier de Rome: Assis III, discussões doutrinais, Summorum Pontificum e uma conversa com o Cardeal Ranjith.

Summorum Pontificum Observatus (via Rorate-Caeli)

Tradução: Fratres in Unum.com

Na noite de domingo, 9 de janeiro, na Maison de la Chimie, na rue Saint-Dominique, Dom Bernard Fellay, superior geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX), como de costume, proferiu o último discurso na conferência organizada pelo Padre Du Chalard (Courrier de Rome) e o Instituto São Pio X. A fim de compreender a importância deste exercício, devemos ter em mente que aqui Dom Fellay se expressa publicamente, sabendo bem que suas palavras serão informadas e comentadas ad extra, mas o faz, paradoxalmente, usando uma linguagem que interna, com conotações, em direção a seus padres.

Ele respondeu às sucessivas perguntas apresentadas pelo Padre Lorans, estendendo respostas sucessivas, que certamente  estavam muito focadas na Fraternidade, cujo teor podem ser resumido da seguinte maneira, considerando os pontos aparentemente mais relevantes aos ouvintes, por vezes absolutamente surpresos:

– Sobre a questão da fundação da Fraternidade por Dom Lefebvre, Dom Fellay insistiu no desejo original do fundador de “fazer padres”, antes mesmo do de responder de maneira militante à crise da Igreja.

– Quanto à crise e os desenvolvimentos atuais, Dom Fellay criticou muito incisivamente Assis III, como fizera antes, na mesma manhã, durante seu sermão em St-Nicolas du Chardonnet. Notando, no entanto, que Assis II foi melhor que Assis I, pronunciou uma hipótese ideal para Assis III, na qual ele mesmo não acreditava (que o Papa poderia pedir a seus convidados que se convertessem) e não tirou consequências disso (“veremos o que isso nos fornecerá para as discussões”).

– A respeito das discussões doutrinais ocorrendo em Roma, insistiu firmemente sobre o progresso “inacreditável” que elas representam em si. Roma nunca debateu seu Magistério. É algo inaudito. No entanto, Roma concordou em debater sobre um Concílio, pois ele não é infalível. É por isso que a FSSPX “mantém o contrato”: um acontecimento de tal dimensão requer paz e serenidade. A FSSPX então “tacitamente” se exime de atacar como fez no passado. Mas a guerra contra o Modernismo continua e, mais importante de tudo, não devemos acreditar que “tudo foi feito” (“tout est arrive”).

– Acerca do que a FSSPX pode dar à Igreja: Dom Fellay, recordando um retiro que pregou em Albano para 30 padres diocesanos da Itália, indiretamente sublinhou o aspecto positivo do Motu Proprio (pedindo que não se o criticasse). Os padres que voltam para a liturgia tradicional também voltam para a doutrina tradicional, mas voltam de longe. E insistiu: há — especialmente em Roma — pessoas muito boas, padres, bispos e até cardeais.

O ponto mais alto desse discurso de “abertura” foi a referência a uma conversa que Dom Ranjith, agora Cardeal, teve com ele. Dom Ranjith disse que provavelmente seria necessário esperar 20 anos para que a reforma litúrgica desse lugar à Missa Tradicional. Dom Fellay comenta: haverá estágios intermediários, “graduais”, onde nem tudo será bom, é verdade, mas também nem tudo será ruim.

One Comment to “Dom Bernard Fellay na conferência do Courrier de Rome: Assis III, discussões doutrinais, Summorum Pontificum e uma conversa com o Cardeal Ranjith.”

  1. Leonardo, quanto ao “tout est arrivé”: traduzimos ipsis litteris a versão de Rorate-Caeli.