Medjugorje: Ivan Jurčić continua esperando.

A aparição de Medjugorie primeiramente quer dar um grande sinal aos supostos videntes.  Em seguida a perna deve crescer. Contudo, nesse meio tempo já se passaram mais de 28 anos.

Por Dom Ratko Perić, bispo diocesano de Mostar-Duvno

(diocese a que pertence a paróquia de Medjugorje)

Figura de Cristo em Medjugorje.

Figura de Cristo em Medjugorje.

(Kreuz.net) Eu gostaria de recordar as conversas do padre Janko Bubalo com [a vidente de Medjugorie] Vicka Ivanković em seu livro “Mille Incontri”.

Os colóquios terminaram no final do ano de 1983 ou no começo do ano de 1984.

Estou preocupado com a evidência do “grande sinal” prometido e da perna esquerda de Ivan Jurčić [que está faltando].

Padre Janko: “Você me falou de um jovem que não tem a perna esquerda.

Vicka: O que eu lhe disse?

Padre Janko: Que a mãe de Deus o curaria sem qualquer condição depois do sinal prometido.

Vicka: Se eu tivesse lhe contado isso, então, eu lhe teria dito a verdade. A mãe de Deus (…) se comportou com relação a esse jovem de maneira especial.

Padre Janko: O que você quer dizer com isso?

Vicka: Ele vinha todos os dias à aparição e a Mãe de Deus disse que ela o amava de maneira especial.

Padre Janko: Como você sabe disso?

Vicka: Em uma oportunidade, pouco tempo antes do Natal do primeiro ano [da aparição], ela nos mostrou a sua perna enferma. Ela retirou a parte artificial de plástico da perna dele e nos mostrou a perna sadia em seu lugar.

Padre Janko: Como assim?

Vicka: Eu não sei. Talvez a mãe de Deus quisesse dizer que ele vai ficar bom (…).

Padre Janko: Mas você não me disse se a perna vai ficar curada ou não!

Vicka: A mãe de Deus nos disse: “Sim, porém, mas tarde”.

Padre Janko: Quando?

Vicka: Depois que ela nos der o seu sinal, ele ficará totalmente curado. Ela nos disse isso por volta de meados do ano 1982.”

Contudo, desde meados do ano 1982 – isso é, há 27 anos – a aparição de Medjugorie não dá o “grande sinal”  prometido e aguardado” que deve estar relacionado à cura da perna de Ivan Jurčić.

Já há 27 anos Jurčić, o primo de Vicka, aguarda que sua perna esquerda de plástico torne a crescer.

Tags:

43 Comentários to “Medjugorje: Ivan Jurčić continua esperando.”

  1. Caros amigos, que a paz esteja convosco!!!

    Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente Ivan, o primo da Vicka, durantre o tempo em que morei em Medjugojre… um homem de muita fé e oração.

    Nossa Senhora por meio da vidente Vicka, lhe anunciou o milagre, o qual verá no tempo da revelação dos segredos.

    Sem duvida alguma, este milagre e os dez segredos serão uma pedra fundamental para o reconhecimento de Medjugorje.

    E como dizem os prórpios videntes, a nossa geração verá os sinais e a revelação dos segredos de medjugorje.

    Quanto ao Sr. Bispo de Medjugorje, a sua onmpinião não conta em nada, tendo em vista que as diretrizes oficiais da Santa Sé a respeito de Medjugorje.

    Sabemos que o ano passado o Santo Padre institui a comição para estudos, liderada pelo Em.mo Card. Ruini, o qual dará um parecer, mas até o momento, prevalecem a posição da Santa Sé, explicitada em vários Documentos, a qual foi recentemente sintetizada por Sua Eminência o Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de Estado, no seu livro “A última vidente de Fátima” ed. Rai-Rizzoli – pag. 103-107. Sua Santidade O Papa Bento XVI quis valorizar o livro com sua pessoal prefação.

    A tal respeito o Card. Bertone afirmou:

    1. “As declarações do Bispo de Mostar refletem uma opinião pessoal, não é um juízo definitivo e oficial da Igreja”. Bastaria esta declaração para cortar as pernas de todos os detratores de Medjugorje.”
    2. “Tudo é reenviado às declarações de Zara dos Bispos da ex Jugoslavia de 10 de abril de 1991, que deixa a porta aberta a futuras indagações. A verificação deve, portanto, prosseguir”. É a Santa Sé que a seu tempo não acolheu o julgamento do Bispo de Mostar e confiou o caso à Conferência Episcopal da ex-Iugoslávia . Esta última deixou a porta aberta a ulteriores indagações, sendo que as aparições continuam até hoje. Não é verdade, portanto, que a Conferência Episcopal da ex-Iugoslávia tinha expressado um julgamento negativo.

    Digo isto para dizer que a opinião do bispo de Medjugorje, não vale nada, tendo também em vista que o Santo Padre tirou dele a jurisdição de reconhecer ou não Medjugorje (sendo que em todas as aparições é o bispo local que deveria reconhecer).

    Deixo um abraço fraterno e a minha estima pelo vosso trabalho em favor da Igreja.
    vos quero bem!!!

    Pe. Mateus Maria
    http://nossasenhorademedjugorje.blogspot.com/

    • Revmo. Pe. Mateus, que o Papa instaurou uma comissão para avaliar o fenômeno Medjurgorje, é fato; que o Papa dará a palavra final, também. No entanto, daí concluir que o parecer do bispo diocesano “não vale nada” é algo que soará muito revolucionário e rebelde aos ouvidos de alguns de nossos leitores…

  2. Por que João Paulo II – futuro beato – não cortou esse mal pela raiz?
    Medjugorje é uma invenção do demônio que distrai os fiéis das verdadeiras aparições e mensagens de Lourdes e Fátima.
    Além de ser um dos cavalos de batalha dos carismáticos. Para o bem das almas, Medjugorje tem de acabar. Chega de política e diplomacia na Igreja, de “pisar em ovos”.
    Mas que esperar da hierarquia liberal senão um ódio velado a toda manifestação de autoridade?

  3. He, he. A Vikca é ótima..aliás, todos os cinco “videntes” são ótimos..atores. Graças a Deus (e não ao fenômeno de Medjugorje) já faz uns cinco anos que meus dois olhos cresceram para enxergar essa mentira. Devo grande parte desse milagre ao Prof. Orlando Fedeli (Paz à sua alma).

  4. Acredito que devemos deixar o julgamento para a Santa Igreja Católica, pois estabeleceu uma comissão recentemente para investigar as aparições, o que ocorre em Medjugorje é algo muito sério e extraordinário, devemos nos abster dos julgamentos e aguardar na fé, a demora dos acontecimentos não pode nos levar a crer que as aparições sejam falsas, pois a parusia também está demorando e isso não significa que ela não vá ocorrer!

    Em Cristo e Maria

  5. Se Medjugorjie é falsa, por que entao tanto tempo se passa e nao dizem que é falsa, como fizeram com outras aparicoes falsas? Eu vejo sim o dedo de Deus nisso. 27 anos sem o sinal previsto pra mim nao significada nada, a Biblia nao diz que o tempo de Deus nao é como o nosso? Idiotice pensar humanamente desse jeito. O melhor é aguardar!

  6. Creio que não seja ortodoxo tecer dúvidas a respeito de Medjugorje. A falta de fé faz com que o mundo seja tão mau e tão nefasto. Basta escutarmos as mensagens de Nossa Senhora. Veremos aí o grande conselho que Ela nos dá e perceberemos que nossa mãe quer de nós confiança, conversão e obediência, assim como nas demais apariçoes.

  7. Não foi nesta pretensa aparição que N. Senhora teria dito: “É preciso respeitar cada pessoa na sua fé. Nunca se deve desprezar alguém por causa de suas convicções. Os crentes se separaram uns dos outros; mas Deus dirige todas as confissões, como um rei os seus súditos, por meio de seus ministros. Somente Jesus Cristo é o Mediador da salvação.”???

  8. Caro Pe. Mateus,

    Creio não ser prudente dizer que “a opinião do bispo local não vale nada”.

    Veja que em outras Aparições reconhecidas pela Igreja a própria Virgem Maria fazia questão que o vidente se dirigisse ao bispo e lhe respeitasse (em Guadalupe, por exemplo). Se a opinião do bispo local não vale nada porque haveria de valer a de outro bispo que não o Papa?

    O documento que o senhor citou não constitui o Magistério, sendo, portanto, uma opinião pessoal igualmente.

    A verdade é que décadas se passaram e até agora nada. Nunca houve na história um caso de aparições tão duradouras e com mensagens tão repetidas.

    Também estive em Medjugorie, há muitos anos atrás, percebi um clima de muita oração, bem como um ambiente pacífico, mas INEGAVELMENTE, um fenômeno está totalmente ligado e promovido pela Renovação Carismática, com tudo o que esta tem direito.

    Ademais, por que os fenômenos celestes que se diz lá ocorrerem são vistos apenas por algumas pessoas e não a todas, como ocorreu em Fátima, onde crentes e não crentes viram igualmente o sol rodopiar?

    Faço esses comentários comm estima e respeito, pois acompanho o seu trabalho e reconheço o seu enorme amor a Jesus, sua Mãe e a Igreja.

  9. Taí!

    As “aparições” de Nossa Senhora em Medjugorje foi a “aparição” que o clero modernista e vendido queria dentro da Santa Igreja. Concordo com o Ferdinand em seu comentário mais acima.

    Medjugorje foi tudo uma criação dos inimigos da Santa Igreja para que os católicos não tenham contato com AS VERDADEIRAS APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA EM LA SALETTE E FÁTIMA.

    O Concíclio Vaticano II criou a sua versão das aparições de Nossa Senhora. Medjugorje foi uma farsa sem tamamho que até hoje a Santa Sé não quer dar um parecer claro. Por quê?

    Será que a Santa Sé já sabe das farsas e armações das “aparições” de Medjugorje mas tem medo de falar temendo a revolta de um bando de católicos mal-informados e por isso fica sempre nessa avaliação?

  10. Padre, seu comentário me pareceu muito rebelde. E da mesma rebeldia que mostram os ditos videntes. Maria Ssma. jamais permitiria isso. Para o senhor e para os supostos videntes a hierarquia é balela e “não vale nada” (sic).

  11. A falta de fé realmente é nefasta! Tendo em vista que Nsa. Sra. só pode estar sem muita coisa útil para fazer, pois ficar aparecendo sei lá se todos os dias, mas durante todos esses anos, é um absurdo. Isso nunca aconteceu antes! E o segundo ponto, é que Nsa. Senhora nessas aparições não é muito católica, sendo que uma dessas revelações ou sei lá o que, contradizem a doutrina da Igreja. Vejam que em Fátima Nsa. Senhora mesmo sabendo que os Papas não iriam revelar o segredo, ele submeteu seu desejo – que é o desejo de Deus – à autoridade papal, simplesmente porque ela não pode se contradizer. Já essas aparições de Medjugorje…

  12. perunta sincera: Por que não à medjurgoje?

  13. Há um excelente artigo no site da Radio Cristianidad, da Argentina, explicando porque Medjugorje é uma farsa.

    Depois de lê-lo, você nunca mais cogitará a possibilidade de aquilo ser realmente vindo da Virgem.

    http://www.cristiandadfm.com/documentos/desmitif_Medjugorje01.htm

    Seria muito bom que esse material fosse traduzido para o português.

    Nem pense que é pequeno, é quase um livro, e o que não falta nele são argumentos, provas, fatos que desmascaram tudo das ditas aparições.

    O probleminha é que rola uma grana pesada lá, quem diria que veríamos franciscanos metidos nesse tipo de coisa.

  14. Acho curiosa esse precupação dos senhores em prestigiar os Bispo Diocesano de Medjugore. Basta ver os comentários de muitíssimos dos à respeito dos Bispos do Brasil para saber que respeito à autoridade diocesana não é o forte dos senhores.

  15. Eu sei qual será o sinal: a beatificação de JPII e o milagre será a árvore – abençoada e planta por por Bento XVI no jardim do VATICANO – que o papa mandará para a Alemanha, tudo isso coroada em Assis2.

    A presidentA já mandou retirar o crucifixo e a Bíblia do gabinete.

    A rede local de tv – afiliada da rede globo – aqui de sjcampos, está passando uma vinheta onde diz que a Igreja que n tem o direito de ensinar sobre sexualidade.

    Seremos caçados!

  16. N é esse padre que estava tendo momentos diante do Santíssimo e sendo conduzido a celebrar a rito antigo?

  17. Caro Willians, pois eu lhe digo o “porquê” da desconfiança com relação à Medjurgorje… Se não me engano Nossa Senhora teria dito nessas aparições que deve-se respeitar as outras confissões e religiões pois Deus as rege e governa como um Rei… ora, mas isso contraria a Doutrina da Igreja e inclusive outras aparições Verdadeiras da mesma Virgem Maria, ou seja, reconhecidas pela Igreja (como Fátima por exemplo).. Seria possível Nossa Senhora ter mudado (ou mais, Deus ter mudado, uma vez q nas aparições a Santíssima Virgem transmite a mensagem de Deus)?

  18. Salve Maria!

    Assim como quiseram transformar o Vaticano II num superconcílio, querem transformar Medjugorje na ‘super aparição’ de Nossa Senhora, aquela que supera todas as anteriores.

    Talvez o Pe. Mateus seja desrespeitoso ao Bispo de Medjugorje já que sua ‘ordem’ é vinculada às aparições e o mesmo não fala aquilo que ele gostaria de ouvir. Afinal, a obediência, para alguns, apenas serve para seus interesses.

    Pax Christi!!!

  19. Creio que a hierarquia até hoje não pôs um ponto final nisso, porque apontar os erros ecumênicos de Medjugorje seria um contracenso, visto que seria a mesma coisa que anatematizar a própria agenda ecumênica pós conciliar.
    Não nos misturemos com este fermento, caríssimos… É pouco o que foi revelado em La Salette, Lourdes e Fátima?
    Os olhos não cansam de ver, os ouvidos, de ouvir… Medjugorje, apesar de todo esse clima de oração de odor fortemente carismático que é de conhecimento de todos, no entanto vem bem a calhar com o triunfo dos modernistas no Concílio.
    Não basta o que está na Sagrada Escritura? Não basta o que já foi ensinado em todos esses milênios, acerca da escatologia, dos novíssimos, das virtudes e dos pecados? Só a controvérsia que divide tão profundamente os católicos em uma aparição que nem sequer é obrigatória para a salvação da alma (assim como nenhuma revelação posterior à morte do último apóstolo) traz tanta divisão, não seria um sinal visível da ação de Satanás, que deseja fragmentar tudo o que está inteiro?

    Existem católicos hoje em dia que duvidam das aparições de La Salette, Fátima e Lourdes, mas duvidam simplesmente por acharem que foi alucinação ou invencionice dos videntes. Só que nenhum se queixa das aparições do ponto de vista doutrinal. Entretanto, Medjugorje é extremamente polêmica, nem tanto pela aparição, se é verídica ou não, mas por seus ensinamentos destoantes, e mesmo relativistas… E o carismaticmo que tanto propaga essa aparição, o que é? Um corpo totalmente estranho, um enxerto descaradamente protestante, que todo mundo sabe de onde veio e como se comporta. Diz-me com quem andas…

  20. Ah, off topic:
    Em postagens anteriores, quando falei no bispo de Franca, errei.
    Quis dizer o bispo de Limeira, pois houve uma época de troca de farpas entre um grupo católico e a diocese, coisa que aliás eu nem sei como terminou.
    O bispo de Franca, se não me engano, até já assistiu a Missa Tradicional no trono.
    Foi um erro, falei dele pensando no outro. Mas que sirva de lição para mim e para quem se sente muitas vezes apressado em tecer julgamentos precipitados.
    Não coloquei um guarda na língua. Ela falou demais, devo ter me esquecido de quem sou. Teria aí muito mais motivos para reclamar.

    Errei a pessoa, mas não censuro quem reclamou, porque se o bispo foi trocado, no entanto a correção foi correta.

  21. Dom Peric mencionou esse fato contraditório (há também outros fatos) desta paróquia da antiga Iugoslávia tanto quanto Dom Pavic mencionara antes. Não são bispos excelentes e muito menos ortodoxos, mas fizeram a parte deles (e Dom Peric continua fazendo). Foram zelosos, pelo menos, sobre os acontecimentos bizarros desse local.Enfim,é uma questão de justiça realça que faz de bom Dom Peric.

    Portanto, caros senhores, isso que todo católico tradicional espera de seu bispo ordinário. E muito menos “ser obediente naquilo que convém”, como tentam “embolar o meio campo” os falsitatis contra a Tradição, mas valorizar o que a Fé sempre ensinou o que se deve obedecer e realçar.

  22. Caro Bruno, salve Maria!

    Se tu queres saber sobre os católicos de Limeira (interior de São Paulo), eis um e-mail de uma pessoa que os conhecem bem e que me esclareceu o que tu queres saber agora:

    semoliveira@yahoo.com.br

    Tomara que eu tenha te ajudado. Fico por aqui.

  23. Caros amigos, a paz!!

    Me impressiona o fato de muitos fazer nascer de novo uma espécie de Inquisição dentro da Igreja Católica, nestes últimos anos, tendo em vista que não foram idéias subversivas que propagandeavam heresias ou contestavam o Magistério Pontifício, mas antes aqueles que gostariam de colocar sob a inquisição a pessoa de Nossa Senhora, que ousa manifestar-se sem a permissão deles. Me impressiona o fato de muitos colocarem “A Virgem sob suspeita”.

    Em favor das aparições de existem cuidadosas indagações científicas, conduzidas sobre os videntes durante as aparições, e sobre a estatueta, indagações que excluem categoricamente todo tipo de trapaça ou de auto-sugestão. Existe também a enorme quantidade de conversões e de curas inexplicáveis que aconteceram e continuam acontecendo (todos os testemunhos estão documentados). Percebe-se, nestes Santuários, a perfeita comunhão com a Igreja Católica e com o sucessor de Pedro. E, junto à devoção de milhões de simples cristãos, se constata a devoção convicta de muitos sacerdotes, bispos e cardeais. Sobretudo aquela de João Paulo II que manifestou de modo inequívoco muitas vezes, também por escrito, a sua pessoal convicção sobre a autenticidade das aparições de Medjugorje.

    No inicio das aparições, quando o regime comunista detonou contra as aparições com prisões, maus tratos e violências, as seis crianças foram levadas à força na frente de psiquiatras de plena confiança dos comunistas, os quais, porém, tiveram que admitir a perfeita saúde mental e a boa fé das crianças. No final, até alguns médicos se converteram, junto com alguns policiais que estavam ali para reprimir.

    A respeito de Medjugorje, o Secretário de Estado do Vaticano, o Cardeal Tarcisio Bertone, logo que foi nomeado, explicitou a posição deste pontificado, precisando que as peregrinações para Medjugorje, obviamente não oficiais, “estão permitidas” e aconselhou até “um acompanhamento pastoral dos fieis” por parte dos sacerdotes. Além do mais, definiu ainda uma vez, para aquelas pessoas que não querem entender, as “pessoais” declarações “fortemente criticas” do Bispo de Móstar e indicou como certa a posição dos Bispos da ex Iugoslávia que “deixam a porta aberta para futuras indagações”. Todas estas coisas o Cardeal Bertone não se limitou a dizê-las verbalmente mas as colocou por escrito no seu livro “A ultima vidente de Fátima” (ed.Rai-Rizzoli) que todos podem ler.

    Também o grande número de aparições que ainda estão acontecendo não são um obstáculo, já que a Igreja reconheceu recentemente as aparições de Laus, onde Nossa Senhora, a partir de 1647, se manifestou por bons 54 anos, longamente e cotidianamente.

    Portanto, os milhões de fieis católicos que tem uma devoção mariana podem ficar tranqüilos. Além do mais, o Santo Padre Bento XVI, está revelando, com os seus gestos muitos significativos, quanto ama a unidade da Igreja e recentemente o mostrou da maneira como resolveu paternamente os problemas do movimento neo-catecumenal e do modo com o qual estendeu as suas mãos aos tradicionalistas com o retorno à antiga liturgia, pedindo com firmeza aos bispos franceses para acolhê-los e não discriminá-los! Como um verdadeiro pai, quer de todas as maneiras afastar divisões e desorientações entre os fieis. Enfim, também a devoção e a estima que ele tem para com o papa João Paulo II o induz a defender Medjugorje e Civitavecchia. Portanto, está excluído que o futuro diretório seja contrário a estes dois Santuários.

    Graças a Deus o nosso querido Papa Bento XVI não quer de jeito nenhum “extinguir o Espírito e desprezar as profecias” (1 carta aos Tess.5,19-20) como gostariam alguns teólogos e alguns curiais, mas deseja exatamente o contrário: já quando Cardeal, alertou os católicos a não se tornar “deístas”, isto é, aqueles que não acreditam de verdade “em uma ação de Deus no nosso mundo” e portando se iludem que “devemos nós criar a Redenção, criar um mundo melhor, um mundo novo. Se se pensa assim, o cristianismo está morto”.

    “A Igreja – explicava Ratzinger – enfrenta os desafios graças à presença do Espírito Santo que nos momentos cruciais abre a porta para intervir”. Historicamente o fez através dos grandes Santos que eram também profetas, mas antes através de Nossa Senhora. Existe uma antiga tradição patrística que chama Maria não de sacerdote mas de profeta. O titulo de profeta na tradição patrística é por excelência o titulo de Maria. Poder-se-ia dizer, em um certo sentido, que de fato a linha mariana encarna o caráter profético da Igreja. Portanto, a “Rainha dos Profetas” deve ser escutada e não colocada sob suspeita!

    Sobre a perguna que fizeram se este padre era o mesmo que gostaria celebrar missa tridentina, afirmo que sou eu mesmo, pois independente de crer em Medjugorje, amo a Igreja, e busco ser fiel a Ela, sendo que o fato de crer o não em Medjugorje, não me faria mais ou menos indigno de celebrar no rito tridentino, pois celebrando nele ou não, por fé ou devoção, ou até mesmo para atender os meus fiéis, isto não me faz mais ou menos indigno, pois sou sacerdote e tenho todo o direito de celebrá-la.

    Abraços!!
    http://nossasenhorademedjugorje.blogspot.com/

  24. “Acho curiosa esse precupação dos senhores em prestigiar os Bispo Diocesano de Medjugore. Basta ver os comentários de muitíssimos dos à respeito dos Bispos do Brasil para saber que respeito à autoridade diocesana não é o forte dos senhores.”

    Obediência à autoridade diocesana se deve à obediência ao Magistério e não à pessoa do bispo. Estará ele sendo fiel ao magistério? Então devemos obediência. estará ele indo contra o que sempre ensinou a Igreja? Então devemos combater tais erros ferrenhamente, e não abanar o rabinho como cachorrinhos… Talvez este seja o seu forte.

    Pax Christi!!!

  25. Há um livro excelente do finado Michael Davies, chamado Medjugorje: A Warning. É um livro que aponta todos os problemas doutrinais que esta suposta aparição apresenta (e não são poucos!). Infelizmente, não o estou encontrando online. Lembro-me de tê-lo lido, antes que virasse livro, no seguinte site: http://www.remnantnewspaper.com/index.htm
    abs,
    em Cristo,
    Patricia

  26. E, junto à devoção de milhões de simples cristãos,
    Eis o problema. Abusam da simplicidade da massa.
    Querem nos dar uma Virgem Conciliar: relativista e colorida.

    se constata a devoção convicta de muitos sacerdotes, bispos e cardeais.
    É na igreja conciliar isso n quer dizer muita coisa ou melhor diz sim: plena comunhão da desobediência.

  27. Ninguém está perseguindo o Bispo de Mostar, estou apenas dizendo um dado de fato dado diretamente pela Santa Sé, na pessoa do seu Secretário de Estado, como porta voz do Papa, o qual disse que as declarações do Bispo de Mostar são “pessoais”… além do que o Cardeal Ruini, não quis o Bispo de Mostar na sua comissão…..
    Quanto ao Bispos de Brasil, conheço vários a favor e muitos desinformados sobre o assunto.

    Pe. Mateus Maria

  28. “Quanto ao Bispos de Brasil, conheço vários a favor e muitos desinformados sobre o assunto.”

    Então, segundo o Pe. Mateus, os que não concordam são ‘desinformados’… curioso isso, não???

    E os ‘a favor’ também não estarão ‘desinformados’ sobre as supostas aparições, hein Padre???

    Pax Christi!!!

  29. Pe. Mateus: – sua opinião não vale nada!

  30. Eu particulamente acho que os motivos da Santa Sé não condenar abertamente as “Apariçãos de Nossa Senhora” em Medjugorje são dois:

    O primeiro, e claro, o mais obvio é que a Santa Igreja Católica estando contaminada de modernismo, não tem forças para enfrentar a propagação dessa farsa.

    E o segundo motivo para mim é que se condenar as “aparições de Nossa Senhora” em Medjugorje terá de condenar os movimentos radicais modernistas carismáticos que foram os maiores propagadores dessa farsa.

    Mas como Bento XVI deu o famigerado “reconhecimento pontifício” para esses movimentos carismáticos radicais modernistas, ele deve estar sem jeito de condenar uma farsa propagada pelos próprios.

  31. Uma coisa é verdadeira: os liberais detestam definições ou soluções definitivas. Por mais que existam evidências que pesem contra essas aparições, dificilmente alguma definição seria tomada, seja para posteriores investigações, seja para não afastar da Igreja os fieis devotos dessas aparições. Então, o fato de não haver nenhuma condenação para essas aparições, não quer dizer absolutamente nada. Mas não é normal, nas obras da divina providência, agir contra todo o senso íntimo dos fiéis.

  32. “Me impressiona o fato de muitos fazer nascer de novo uma espécie de Inquisição dentro da Igreja Católica, …”

    É Pe. Mateus, que falta faz uma SANTA INQUISIÇÃO hoje dentro da Santa Igreja Católica!

    Gracinahs e distorções vindas do Reverendo estariam sendo respondidas a altura.

    Mas como vivemos no “Espírito do Vaticano II”…

  33. Padre Mateus,
    Pelo fato de o senhor ser tão devoto da Ssmª Virgem, já é animador em si mesmo, pois um santo certa vez disse: “Nenhum devoto de Maria jamais perecerá”.

    O senhor vive em uma comunidade cujo carisma é exatamente pautado em Nossa Senhora, segundo o que sai de Medjugorje; portanto, é compreensível que o senhor seja particularmente obrigado a tomar uma posição, ao invés de suspender o juizo acerca deste tema.

    Mas o senhor demonstra ser um padre que busca realmente as coisas do Alto. Daí a Graça de Deus ter encontrado no senhor ocasião para florescer, tanto que o senhor já manifestou a vontade de rezar a Missa INEQUÍVOCA, a Missa de Sempre, a Missa Tradicional, inspirada pelo Espírito Santo e que sustentou nossos ancestrais por tantos séculos.

    Pois então, seguindo a lógica desta caminhada que se mostra em bom sentido, peço que o senhor persista na busca da Verdade e considere de forma honesta e séria a possibilidade de estudar os argumentos dos principais adversários católicos que se contrapõem a Medjugorje.
    Não digo tanto por nós, leitores de blog, mas percebi que algumas pessoas aqui indicaram livros e referências de estudos a respeito do tema. Creio que será benéfico ao senhor.
    Benéfico porque o senhor é padre e tem conhecimento da Doutrina Católica. E considere a outra possibilidade: se os argumentos forem furados ou insuficientes, então seria uma oportunidade para reforçá-lo nesta certeza, que afinal de contas não é um dogma, assim como nenhuma outra aparição.
    Mas tenha o espírito igualmente aberto para considerar a probabilidade de encontrar argumentos que possam trazer um abalo sério.

    Portanto, antes de qualquer coisa, de qualquer investigação, ore e peça ao Divino Espírito Santo que o faça apenas encontrar a Verdade, e o livre de qualquer traição.

    É o melhor a se fazer. Persistir em polêmicas aqui me parece inútil, pois sempre será um jogo de pingue – pongue.

    Quer ver um exemplo?

    O senhor falou no cardeal Bertone como referência favorável a Medjugorje.
    O problema é que Bertone tem feito coisas tão desastrosas, que é mais fácil o mesmo – APESAR DE SER SECRETÁRIO DE ESTADO – ser referência para descrédito, do que favorável à verdade.

    Porque digo tal coisa?
    Basta lembrarmos o caso Fisichella. O senhor se lembra? Está tudo aqui no Fratres, basta pesquisar…

    Para dar satisfação aos mundanos que rasgaram as vestes por causa do veredicto anatematizante de D. Sobrinho, o cardeal Bertone pediu que monsenhor Fisichella – então responsável pela pontifícia academia para a vida – colocasse panos quentes.

    Monsenhor Fisichella, ao invés disso, piorou a situação, desmentindo D. Sobrinho a ponto de escandalizar a maioria dos seus subordinados, todos membros da mesma academia.
    Estes pediram que o arcebispo se retratasse, e ele se negou. Dirigiram-se à Congregação para a Doutrina da Fé, e Tarcísio Bertone interferiu, guardando a carta assinada pelos manifestantes, porque foi ELE quem pediu que Fisichella escrevesse ao L’Osservatore.

    Pior ainda foi o que ouvi de D. Fellay em pessoa acerca das dificuldades impostas pela Secretaria de Estado ao progresso da Tradição e da inclusão canônica da FSSPX.

    D. Fellay citou o caso dos trapistas de Mariawald, que pediram ao papa para retornar às práticas católicas tradicionais, e o Santo Padre permitiu, mas a Secretaria de Estado não deixou chegar a resposta… De maneira que o abade precisou recorrer a amigos próximos ao papa, e descobrir que o Santo Padre já havia autorizado o pedido!

    Outra coisa foi o documento produzido pela Secretaria de Estado, assim que os bispos da FSSPX tiveram suas “excomunhões” revogadas: a Secretaria de Bertone fez um documento – que deveria ser assinado pelo Santo Padre, mas que graças a Deus não chegou a ser – em que se deveria esclarecer para o grande público que a Fraternidade “não existe e não goza de nenhuma posição legal na Igreja”, com padres “agindo ilicitamente”…
    Depois o cardeal Hoyos pediu que a FSSPX naquele momento mudasse as ordenações sacerdotais da Alemanha (cujos bispos fizeram de tudo para impedir a revogação das excomunhões) para a Suiça, e quando D. Fellay argumentou que segundo a Secretaria de Estado de D. BERTONE, a FSSPX “não existia”, e portanto, não precisava dar satisfações aos bispos, ouviu do mesmo que o papa não era do mesmo parecer da Secretaria de Estado.

    Em outras palavras: a Secretaria de Estado é muito mal-vista…
    É o que eu havia dito: se continuarmos neste pingue-pongue, será sempre argumentos e contra-argumentos que não darão em nada. O melhor é rezar – e investigar.
    Com sua benção

  34. O Bruno Santana se expressou muito bem, como de costume. De fato, temos que nos esforçar para alcançarmos esse nível de debate.

    Corroborando com o que ele disse, eu recomendaria o número 170 (agosto de 1984) do ‘The Catholic Counter-Reformation” – “Apparitions at Medjugorje? Decisive Documents”. Sao 35 páginas repletas de análise dos fatos e do que se disse, expondo algumas contradições ao longo dos anos pelos próprios videntes. É um doc um pouco maçante pelo tamanho, mas interessante para quem quer estudar o tema. Esse texto parece ser a tradução de uma edição francesa.

    Que há frutos de oração, como o padre Mateus afirma, isso não se pode questionar. Eu mesma estive lá, como disse, e constatei o show de Terços rezados em toda a aldeia. Zero pornografia nas ruas e confissões o dia todo. Talvez nesse sentido se possa falar de uma presença mariana no local. O que estamos discutindo é basicamente a questão das aparições, sua autenticidade e reconhecimento pela Igreja.

    Um livro escrito por um Secretário de Estado com suas impressões pessoais não constitui uma posição oficial do Magistério da Igreja.

  35. Sr. Jorge Luis.
    Eu não abano o rabo para os Bispos do Brasil nem para a Fraternidade Sacerdotal São Pio X. O que chama a atenção é que a obediência episcopal se adequa perfeitamente à certas conveniências.
    Não sei se Medjugore é ou não autêntica, nem se João Paulo II é ou não santo porque, ao contrário de alguns, não me considero autoridade para fazer interpretação do Magistério. Deixo isso para a autoridade de Pedro. Único com autoridade infalível para questões de fé e de moral católica, acredite o senhor.

  36. Sr. Jorge Luiz.
    Se quiser, em outra oportunidade continuamos o assunto e trocamos, eu e o senhor, algumas pulgas.
    Fique com Deus.

  37. Então, caro James, somos dois. Bom saber que não abanamos o rabo para quem quer que seja. E também acreditamos no mesmo: que é o Sucessor de Pedro quem detém a infalibilidade quando fala ex-cathedra e em assuntos de fé e moral.

    Ficarei feliz em trocar algumas pulgar com o sr. No momento que o sr. desejar, me escreva.

    Pax Christi!!!

    Caro Ferretti, poderia fazer o favor de fornecer meu mail ao James? Salve Maria!

  38. “… deixo isso para o Sucessor de Pedro. Único com autoridade infalível sobre questões de fé e moral”

    Pois é James, umas “pulguinhas” para você (tentar) dormir com elas: 1) aparições não são questões de fé e de moral; 2) o Papa não é infalível em questões de aparições; 3) ao dizer que tal ou qual aparição é verdadeira, o Papa não sua da fórmula canônica que usaria para definir questões de fé. Enfim, durma com tais pulgas e não me espere para o debate na internet. Se responder, o que é direito seu, eu exercerei meu direito de ficar quietinho e quem quiser que se ache o “máximo” e me tenha por “covarde”.

  39. Medjugorje me ajudou a buscar e desejar a santidade, ajudou-me também a buscar uma vida de oração e entrega ao Senhor; independentemente de estar em uma comunidade Mariana, em um Priorado Sui Iuris, aprovado pela Igreja, cuja as constituições e regras citam expressamente Medjugorje, sigo tais aparições porque me ajudam e porque creio, não porque sou obrigado….
    Dito isto, submeto-me totalmente a posição que a Igreja tomará, quando cessarem os fenômenos.
    Não tenho pretenção de converter ninguém a Medjugojre, pois ninguém é obrigado a acreditar… mas gostaria de saber se os leitores contra também se submeterão a Igreja e a posição ca Igreja caso seja aprovado os fenômenos Medjugorje?
    Deixo um abraço a todos, e não me importo se a minha opinião não vale nada como so Sr. Eduardo Gregoriano afirmou, o que importa é o que a Igreja diz e dirá e até o omento a Igreja não vetou Medjugojre e pelo contrário…
    Abraços!!!

    Pe. Mateus Maria

  40. Ah, padre, é tudo tão complicado…
    Depois do Concílio Vaticano II, não houve sequer um mínimo detalhe que não tenha sido revisado.

    O senhor note que até a maioria dos hábitos das freiras foi alterado. Se eles se preocuparam com coisinhas deste tipo, o que dizer do resto?

    Alteraram procedimentos para canonizações.
    Alteraram os ritos dos sacramentos.
    Alteraram o Código de Direito Canônico.
    Alteraram o catecismo.
    E o pior: através dos textos ambíguos do Concílio, deixaram abertas sempre e ao mesmo tempo as interpretações tradcionais e as revolucionárias.

    O resultado é visível: segundo uma entrevista que li aqui no Fratres (não sei se foi a D. Fellay) um cardeal americano havia dito que o papa tem que fazer um jogo de cintura imenso para que a sua POUCA influência se faça sentir entre o episcopado. Fica sempre a mercê… Quando indicou um bispo para Linz, teve que voltar atrás, e por aí vai…

    Mas o problema, considerando uma futura aprovação seria: uma aprovação baseada EM QUE? Que argumentos seriam utilizados para justificar a aprovação? Será que usariam os mesmos métodos de investigação utilizados pelas demais aparições aprovadas pela Igreja? Ou fariam como nas canonizações atuais, em que se passa por cima de um monte de procedimentos, e se apressa tudo, deixando no mínimo uma péssima impressão de descuido e avidez por atender a grupos interessados?

    No mais, eu o entendo. Eu não nasci na Tradição, antes de chegar até ela eu vivi no meio da TL, e depois conheci ambientes mais religosos, como a RCC e a espiritualidade conservadora dos beneditinos. Mas foram etapas, eram como degraus. O que em determinado momento, em virtude de minha ignorância me parecia aceitável, à medida em que fui compreendendo melhor, fui aos poucos superando, e sem rupturas bruscas. Quando descobri a Missa Tradicional, eu levava o missal para a Missa Nova e tentava ver o que se aproveitava… E do catolicismo tradicional à aproximação com a FSSPX decorreram muitos anos.
    A Santíssima Virgem sempre é especial, não importa onde ela apareça. E justamente por suas aparições verídicas serem preciosas, o demônio sabota-as fazendo com que pululuem falsas aparições, que geralmente trazem supertição, ou doutrinas falsas, ou desunião entre os fiéis.

  41. Posto o link que consta algumas opiniões de bispos, cardeais e inclusive o Arcebispo da Croácia, sobre Medjugojre
    http://nossasenhorademedjugorje.blogspot.com/search/label/Prelados%20em%20Medjugorje