São Pio X: a eucaristia, não prêmio, mas remédio à humana fragilidade.

(30 Giorni) Dia 8 de agosto passado o historiador Gianpaolo Romanato assinou um artigo, no L’Osservatore Romano sobre os documentos do Papa Pio X relacionados à comunhão eucarística. Apresentamos um trecho: “É necessário recordar que uma mentalidade enraizada de origem jansenista tinha desaconselhado os cristãos à assídua prática eucarística, como se fosse quase a coroação do caminho rumo à perfeição cristã, antes que um caminho para a alcançar, ‘um prêmio e não um remédio à humana fragilidade’ escreverá o Papa. Com a intuição daquele grande pastor de almas que foi e continuou a ser durante o pontificado, Pio X rompeu as hesitações, medos e perplexidades, ainda muito difundidos entre os teólogos, ao contrário promovendo e encorajando, com o decreto Tridentina synodus de 16 de Julho de 1905, a prática oposta: a comunhão com frequência, mesmo quotidiana. Cinco anos depois, com o decreto Quam singulari – do qual, como já recordamos, celebramos o centenário da publicação – completou o projeto global de reforma do cuidado das almas prescrevendo a antecipação da primeira comunhão das crianças por volta dos sete anos de idade, isto é, para usar as suas palavras, ‘quando a criança começa a raciocinar’. Com essas duas medidas foi superada e posta de lado uma cultura secular rigorista para voltar a uma prática já em vigor nos primeiros séculos cristãos e sucessivamente sublinhada, quer pelo concílio Lateranense IV em 1215, quer pelos decretos do concílio de Trento […]. Pietro Gasparri, que naqueles anos trabalhava por ordem do Papa na codificação do direito canônico, colocou este decreto entre os atos ‘memorandi’ do pontificado, e acrescentou: ‘Deus queira que seja observado em todos os lugares’”.

Tags:

2 Comentários to “São Pio X: a eucaristia, não prêmio, mas remédio à humana fragilidade.”

  1. Salve Maria!

    Nossa, foi providencial este artigo, faz dias que procuro fontes seguras sobre quantas vezes comungar num dia. Em documento pós conciliar fala-se em duas comunhões e São Pio X, o que diz?

    Obrigada.

  2. Cara Giovana,

    Disse-me o meu confessor – padre de doutrina segura – que não se deve comungar mais que uma vez por dia, pois caso contrário estar-se-ia amesquinhando as virtudes infinitas e salutaríssimas da Eucaristia, como se a segunda Comunhão do dia viesse a “complementar” ou “reforçar” a primeira – Deus nos livre e guarde de tamanha insensatez.

    Já documentos, não conheço nenhum.

    In Christo et Mariae.