Discurso do Papa ao Conselho para a Nova Evangelização. Mas os consultores…

O Santo Padre, o Papa Bento XVI, recebeu hoje os participantes da primeira plenária do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização. Dentre outras colocações, destacamos a seguinte afirmação do Sumo Pontífice:

A crise que vivemos traz consigo os traços da exclusão de Deus da vida da pessoa, de uma generalizada indiferença para com a própria fé cristã, até à tentativa de marginalizá-la da vida pública. Nas últimas décadas, ainda era possível encontrar um geral senso cristão que unificava o sentir comum de gerações inteiras, crescidas à sombra da fé que havia modelado a cultura. Hoje, infelizmente, assistimos a catástrofe da fragmentação que não consente mais em ter uma referência unificadora; ademais, verifica-se freqüentemente o fenômeno de pessoas que desejam pertencer à Igreja, mas são fortemente moldadas por uma visão de vida em contraste com a fé.

Dos que “desejam pertencer à Igreja” com “uma visão de vida em contraste com a fé”, constariam alguns membros do referido Conselho?

Apresentamos abaixo nossa tradução de um artigo publicado no site Catapulta no último dia 26.

* * *

Destes consultores, livrai-nos Senhor!

Leio no Aica que o Sumo Pontífice nomeou como consultores do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização Kiko Argüello (Espanha), líder do Caminho Neo-catecumenal, a Irmã Sara Butler (Estados Unidos), da Ordem das Servas Missionárias da Santíssima Trindade e a Dra. Chiara Amirante (Itália), fundadora e diretora da Associação “Novos Horizontes”

(A lista completa dos consultores está em http://aica.org/front.php?id=26713)

Vejamos quem é quem:

1) KIKO ARGÜELLO

Kiko Argüello

Kiko Argüello

O “Caminho Neo-catecumenal” é um dos movimentos mais poderosos originados na  “mania associacionista” pós-conciliar, sob cujo guarda-chuva qualquer leigo mais ou menos amigo da Hierarquia pôde ter o seu próprio quiosque. (E cada quiosque com o seu “carisma”, por certo). Porém, o caso do “Caminho” é particularmente grave, porque, segundo indícios significativos, professa uma doutrina secreta com nuances  heréticos. Um dos que deram o grito de alarme foi o sacerdote passionista Enrico Zoffoli, em seus três livros Eresie del Cammino Neocatecumenale, Catechesi neocatecumenale e ortodossia del Papa, Verità del Cammino Neocatecumenale, que causaram indignação entre os Cardeais  amigos de “Kiko”.Uma das maiores acusações é que os “Neo-catecumenais” têm uma liturgia judaizante (A missa é celebrada no sábado à  tarde, e ao que parece, nenhuma ao domingo). Pode-se encontrar um valioso material sobre os “Kikos” em um blog tradicionalista, “Núcleo da Lealtad”,)

(Ver http://nucleodelalealtad.blogspot.com/2008/06/kiko-miente.html)

As fotos de uma missa neocatecumenal celebrada no sul da Itália permitem perceber que a liturgia é judaizante, sem dúvida.

http://mater-et-magistra.blogspot.com/search?q=camino+neocatecumenal

Recordemos que já há bastante tempo ele se armou com a proteção que João Paulo II concedeu ao corrupto Padre Maciel, embora suas faltas estivessem relacionadas ao uso múltiplo de sua braguilha. O que acontecerá quando a toda a verdade sobre “Kiko” e seus caminhantes for revelada?

2) SARA BUTLER

Sara Butler

Sara Butler

Embora tenha revisto a sua posição, nos anos 80 a Irmã Butler foi uma das cabecinhas das “teólogas feministas” que pediam a ordenação de mulheres. Será que ela se retratou por motivos tácticos ou por convicção sincera?

Não teria sido mais prudente escolher outra candidata?

(http:/rorate-caeli.blogspot.com/)

3) CHIARA AMIRANTE

Esta graduada em Ciências Políticas também foi beneficiada com a “mania associacionista”, com a sua Comunidad Nuovi Orizzonti, dedicada à Evangelizzazione di strada (evangelização de rua) entre os marginalizados e imigrantes, com as mensagens facinhas e sentimentalóides, transmitidas através das canções de Chiara?

Não se pode buscar algum sacerdote ou monja católica, com ampla experiência missionária, ou será que já não restou ninguém?

Chiara Amirante

Chiara Amirante

Perón dizia que a melhor maneira de impedir que algo andasse bem era criar uma Comissão ad hoc. Desta vez dou razão ao General: o Conselho Pontifício está absolutamente de sobra.

Nota catapúltica

Para o cúmulo dos males, o Conselho é presidido pelo Monsenhor Rino Fisichella, a quem, quando estava a frente da Pontifícia Academia pela Vida, muitos de seus membros fizeram muitas queixas por sua postura inicial pró-aborto no famoso caso da diocese de Recife, no ano de 2009. (Ver  http://infocatolica.com/?t=noticia&cod=5586)

Como aconteceu com a Irmã Butler, Dom Rino se retificou à exaustão, porém, o dano já estava feito.

Conclusão do Artilheiro: segue a confusão nos mais altos níveis do Vaticano.

10 Comentários to “Discurso do Papa ao Conselho para a Nova Evangelização. Mas os consultores…”

  1. Que falta faz a Inquisição!

  2. O que seria um Conselho para a Nova Evangelização?

    Eis mais um exemplo do conceito latitudinarista que estreou no Concílio Vaticano II e que foi denunciado por Dom Antônio de Castro Mayer e Dom Lefebvre. Estas são as ideias peregrinas que deveriam ser rechaçadas pelos bispos atuais.

  3. Interssante notar que foi o Sumo Pontífice que nomeou como consultores do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização o Kiko Arhuello e Sara Butler. Terá o Santo Padre errado nessas escolhas ? Será que o Santo Padre não conhece essas duas realidades presentes na Igreja ? Pelo que me consta quando ainda era padre na Alemanha o então Ratzinger permitiu a presença do Caminho Neocatecumenal na sua Paróquia. Ainda no passado também me parece que todas as catequeses dos Neocatecúmenos foram estudadas pela Santa Sé e foram aprovadas definitivamente. Então, será mesmo que não devemos confiar na Igreja, no Santo Padre ?

  4. Se n for uma graça de Deus, um ato de misericórdia dele para conosco continuaremos a viver no circo VII, notem que a tenda do circo é um círculo, só muda o local e os personagens do espetáculo.

  5. Caríssimos,

    Fiz o Neocatecumenato por treze anos (afastei-me há cerca de dois anos por ter me aproximado da Tradição da Igreja) e posso afirmar que as fotos acima não são de uma liturgia neocatecumenal. Há, de fato, um quê de judaizante nas “eucaristias” (jamais usam o termo “Missa”) do Caminho, mas nada que se aproxime do que vemos nos quadros acima.

    Abraços,

    Alexandre.

  6. Orlando Fedeli tinha razão sobre o “Kiko”. Acho que o papa está se deixando envolver, se deixando influenciar pelos seus auxiliares diretos. Está havendo uma infiltração maligna entre os cardeais que o rodeiam. Depois do CVII muita porcaria apareceu no seio da Igreja. Acorda, Bento XVI!

  7. Eu não achei prova nenhuma, de que a ceia judáica na paróquia San Paolo Apostolo em Crotone, Itália, tem haver com os Kikos.

    A ceia judáica está sendo celebrada em várias lugares no Brasil. O Padre Ney Brasil Pereira de Florianópolis S.C. é autor do livro litúrgico, `A Ceia Pascal Cristã’:


    http://www.livrariaresposta.com.br/v2/produto.php?id=98856&origem=1

    No ITESC (Instituto Theológico de Santa Catarina) todos os (e as?) seminaristas celebram a ceia judáica deste o começo do instituto. É uma iniciativa do Padre Ney Brasil Pereira:


    http://www.itesc.org.br/2010/10/ceia-pascal-crista-no-itesc/

    No ITRA em Marília S.P. (Instituto Teológico Rainha dos Apóstolos) celebram a ceia judáica também:

    No google.com se acham diversos videos e fotos usando as palavras chaves “ceia judaica”.

    O Grande Oriente do Brasil decorou o Padre Ney Brasil Pereira como `Garante de Amizade’:

    http://www.osmarromao.edm1.com.br/2011/04/padre-ney-brasil-pereira-ministra-palestra-na-a-r-l-s-osmar-romao-da-silva/
    http://www.gob.org.br/gob/index.php?option=com_content&view=article&id=2839:padre-ney-brasil-pereira-ministra-palestra-na-arls-osmar-romao-da-silva-no-3765&catid=177:2011

    O que é um `Garante de Amizade’? Os maçons explicam:

    http://www.samauma.biz/site/portal/conteudo/opiniao/sq008garante.html

    Adolescentes também estão sendo iniciadas em Floripa:

    http://www.boaviagem.org.br/detalhe_00500.php?cod_select=631&cod_002=5

    Dom Luciano Bergamin, bispo dicesano de Nova Iguaçu, pessoalmente preside a ceia judáica:

    Ceia Judaica no Seminário Paulo VI em Nova Iguaçu - RJ

    Abraços,
    Faber

    Desculpem o meu pobre conhecimento da lingua portuguêsa.

  8. Mais uma informação:

    Pe. Ney Brasil Pereira é membro da Comissão Pontifícia Bíblica desde 2002.

    http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/pcb_documents/rc_con_cfaith_doc_20090302_elenco-membri_it.html

  9. Caro Alexandre,

    O fato de alguém não ter visto algumas ou muitas das coisas retratadas nas fotografias acima não quer dizer necessariamente que elas não existam no neocatecumenato. Isto é óbvio, e estou certo de que você concorda comigo. Digo isso, portanto, apenas como prefácio do que tenho relatar. Minha esposa também participou dessa seita durante uns 12 anos e, diferentemente de você, ela viu em algumas ocasiões vários dos elementos mais excêntricos contidos nas fotografias acima. Por exemplo, o pano judaico da fotografia – nome do qual ela não se recorda, fora visto cobrindo o ambão em celebrações de lugares ou paróquias nos quais o Neocatecumenato tem grande presença, como também em casamentos, durante os quais os recém-casados estendiam sobre si este mesmo pano depois de sacramentado o Matrimônio. Não é comum, segundo ela, porque nem todos os catecúmenos e lugares da prática desses cultos têm o referido pano. E provavelmente também porque tenha seu uso restrito a circunstâncias mais “especiais” às quais você teve a graça de não ter participado, e que estão muito além de terem apenas um “quê” de judaizante. Sobre a Menorá, chegou ela a incumbir-se de comprar um nessas andanças neocatecumenais pelo mundo, assim como restou a ela em várias circunstâncias providenciar e manipular o azeite para o acendimento do ícone judáico.

    Quanta blasfêmia, quanta profanação! Em suma, ela me relata que não há nada nessas fotografias que já não tenha [ela própria] visto algumas ou muitas vezes na prática litúrgica neocatecumenal. Curiosamente, nem tudo o que é ensinado e praticado por Kiko e seus sequazes chega a todos os catequistas mundo afora, em decorrência também do caráter semi-secreto (uma vez secreto) e gradativo (dado aos poucos, em etapas) de certas apostilas. E, quando chega, nem sempre e/ou em todo lugar é praticado. Daí o porquê de certas peculiaridades litúrgicas ainda mais extravagantes, heresias e práticas metodológicas dessa seita serem vez ou outra negadas ou desconhecidas por catecúmenos ou ex-catecúmenos. Também, ora por inconveniências, ora por providenciais negligências, catequistas ou “presbíteros” deixam de dar vazão ou aplicação a essas coisas. Terrivelmente simples assim.

    Por fim, resguardo-me ao dizer que essas fotos podem excepcionalmente não ser de uma celebração neocatecumenal, embora, como já disse, não há nelas nenhum elemento que também não seja adotado por essa seita.

    Abraço,

    Antonio

  10. Caro Emerson,

    A indicação de Kiko para uma comissão pontifícia não é objetivamente boa simplesmente porque Kiko é um heresiarca. Sempre me surpreende que você volte nesse blog e repita as mesmas alegações legalistas e sofismas de autoridade, extrapolando em muito a infabilidade papal e seu suposto grau de conhecimento e assentimento das heresias de Kiko e os erros metodológios, doutrinários e litúrgicos da seita neocatecumenal. Suas tentativas aqui restam poucas frutíferas, porque é de se inferir que uma parte não pequena da audiência desse blog saiba, diante da crise doutrinária e moral em que se encontra a Igreja, ser bem possível que uma ou algumas pessoas de um dicastério romano submetam ao papa, à sua assinatura, documentos ou indicações ruins como estas acima. Evidências disso são, em matéria até bem mais grave que essas nomeações de consultores, algumas das pessímas nomeações de bispos e arcebispos, que ninguém consegue negar, nem com um dantesco arroubo de legalismo, que não tenham sido ruins e contrárias mesmo ao que o papa ensina quase diariamente. Esses argumentos, reitero, sendo inertes à audiência à qual são dirigidos, soam como provocações. Contra tais, devo rebater citando, por exemplo, apenas uma heresia de Kiko. A que ele nega o caráter propiciatório da Missa:

    (das apostilas de Kiko e de Carmen)
    “Por isso quando na idade Média começa-se a discutir o sacrifício, no fundo discutem coisas que não existiam na eucaristia primitiva. Porque sacrifício na religião é ‘sacrum facere’, fazer o sagrado, colocar-se em contato com a divindade através de sacrifícios cruentos. Neste sentido não há sacrifício na eucaristia: a Eucaristia é sacrifício, mas em outro sentido, porque na eucaristia há sim, a morte, mas há também a ressurreição da morte. A Eucaristia é Páscoa, passagem da morte à ressurreição. Por isso dizer que eucaristia é sacrifício é certo, mas é incompleto. A Eucaristia é sacrifício de louvor, um louvor completo de comunicação com Deus por meio da Páscoa do Senhor.”

    Além de imprecisões históricas terríveis, que põem a cristandade desinformada contra sua própria história, Kiko arremata afirmando que a Eucaristia não teria o caráter propiciatório tanto ensinado pela Igreja. Mas, em lugar, apenas é um sacrifício de louvor. Essa doutrina é herética e caracterizou fortemente a revolução protestante do século XVI. Essa tese foi — e, com menos frequência, ainda é — condenada pela Igreja. A Eucaristia do Neocatecumenato, concebida por Kiko, é o que é também porque tem o objetivo, e/ou o atinge, de reforçar essa doutrina herética. Leia o que o Concílio de Trento infalivelmente disse a respeito:

    “Se alguém disser que o sacrifício da Missa é somente um sacrifício de louvor e de ação de graças, ou mera comemoração do sacrifício cumprido na cruz, porém que não é propiciatório; ou que ele aproveita apenas a quem o recebe; e que não deve ser oferecido pelos vivos e pelos defuntos, pelos pecados, penas, satisfações e outras necessidades, seja anátema”.

    Ora, Kiko cai perfeitamente na materialidade da condenação acima. Se ele ensina e pratica essas coisas em grau máximo de consciência e adesão de vontade, só Deus sabe, em razão do que me isento de tecer maiores comentários.

    Esse é só para citar UM, dentre dezenas, dos erros e heresias professadas por Kiko. E você vem sempre querendo envolver o papa nisso!? Com base em que você afirma que o papa conhece e assente com esse erro, se o papa ensina e pratica doutrina diametralmente oposta a essa? Até João Paulo II, em que pese tantas coisas ruins e contraditórias que praticou ao longo de seu papado, reforçou o correto dogma a respeito do caráter propiciatório da Missa, sobretudo nos últimos anos e documentos de seu reinado. E se o papa atual sabe, será que ele aceita, ou será que apenas tolera? Se aceita, você deve provar isso, sob pena de estar atribuindo temerariamente uma heresia ao papa cujas evidências que publicamente deixa são contrárias a essa tese [da cumplicidade herética com Kiko]. Se apenas tolera, poder-se-ia até discutir a prudência de fazer vistas grossas a essas coisas. Mas, ante a contínua ameaça de cisma aqui e acolá, e ante a influência política da rede de padres, bispos e cardeais que o Neocatecumenato formou por simpatia ou coisa pior, não é inverossímil que ele apenas tolere toda essa situação a título de mal menor.

    Enfim, você deveria tomar ciência ou reestudar tantos e tantos excertos extremamente comprometedores nas apostilas de Kiko e de Carmen, antes de vir aqui defendê-los, e ainda envolver o papa nisso. E no pior das hipóteses, se o papa SOUBESSE e ACEITASSE alguns, muitos ou mesmo todos os erros e heresias do Neocatecumenato, ainda assim tal adesão não os legitimaria enquanto desafiam a doutrina infalível da Igreja. Pois a Autoridade está abaixo da Verdade, sendo uma serva da outra. Este é um ensinamento evangélico, diante do qual não deveríamos inverter a ordens das coisas.

    Em Cristo e Maria,

    Antonio