Novo passo na “reforma da reforma”: comunhão apenas na boca em Missa do Papa em San Marino.

Cerca de dois terços da população de San Marino assistiram a Santa Missa celebrada pelo Papa Bento XVI neste domingo, em sua rápida visita ao pequeno país europeu. Missa celebrada com as já conhecidas práticas do atual cerimonial pontifício: amplo uso do latim, canto gregoriano, cânon romano, etc. Mas a deste domingo traria ainda um novo passo no programa de “reforma da reforma” que está sendo implementado gradativamente por Bento XVI, por ora ainda com medidas que visam dar exemplo. Foi anunciado logo no início da celebração:

“Neste domingo da Santíssima Trindade, nossa Igreja diocesana se encontra unida com o Sucessor de Pedro para a celebração da Santa Missa, fonte e cume da vida nova em Cristo. Queremos viver este momento em comunhão com a Igreja universal, presidida na caridade por Sua Santidade, o Papa Bento XVI. Por esta razão, chamamos a atenção agora sobre o modo de receber a Sagrada Comunhão. (…) Os fiéis que, depois de ter confessado, se encontram atualmente em estado de graça e que, então, apenas eles, podem receber o Santíssimo Corpo do Senhor, se aproximarão do ministro que lhes estiver mais próximo. A Comunhão, segundo as disposições universais vigentes, será distribuída exclusivamente na língüa, a fim de evitar profanações mas sobretudo de educar a se ter uma sempre maior e mais alta consideração para com o Santo Mistério que é a Presença Real de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não será permitido a ninguém receber a Comunhão em suas próprias mãos. Após ter feito a devida reverência, adoremos a Hóstia que então é apoiada sobre a língua. Aos que não estão impedidos por motivos de espaço ou de saúde, a Comunhão pode ser recebida também de joelhos“.

Vale ainda recordar que o bispo diocesano de San Marino, Dom Luigi Negri, é um dos bispos mais ardorosos na defesa da “linha Ratzinger” [ver aqui] e discursou no recente congresso sobre o Concílio Vaticano II promovido pelos Franciscanos da Imaculada.

14 Comentários to “Novo passo na “reforma da reforma”: comunhão apenas na boca em Missa do Papa em San Marino.”

  1. Glória a Deus! Eu acredito na Reforma da Reforma!

  2. Esperemos que em breve haja por parte do Santo Padre, a decisão de distribuir a Santa Eucaristia somente na boca, em todo o mundo.

  3. Maravilha!

  4. Que Deus Nosso Senhor apresse o dia em que o Papa proíba, de uma vez para sempre, a comunhão na mão, modo horroroso de se receber o Santíssimo Sacramento do altar. O próprio Paulo VI, que não tinha nenhuma firmeza pastoral, deixou claro na “Mysterium fidei”, de 1965, após mostrar os vários modos pelos quais passou a distribuição da Eucaristia na Igreja, afirmando:
    “Nem devemos esquecer que antigamente os fiéis, quer se encontrassem sujeitos à violência da perseguição, quer vivessem no ermo por amor da vida monástica, costumavam alimentar-se mesmo diariamente da Eucaristia, tomando a sagrada comunhão com as próprias mãos, no caso de faltar um sacerdote ou diácono.
    Isto não o dizemos para que se altere, seja no que for, o modo de conservar a Eucaristia ou de receber a sagrada comunhão, segundo foi estabelecido mais tarde pelas leis eclesiásticas ainda em vigor, mas somente para todos juntos nos alegrarmos por ser sempre a mesma a fé da Igreja.”
    GRAÇAS E LOUVORES SE DÊEM A TODO MOMENTO, AO SANTÍSSIMO E DIVINÍSSIMO SACRAMENTO…

  5. Só esse termo reforma da reforma é horrível, e assim vai reforma , reforma , reforma… porquê…? por que na nova teologia a igreja evolui evolui evolui.
    Isso quer dizer que não há nada de magistério, ou algo que venha dos céus significa que é tudo coisas das mãos e mente dos homens para necessitar tanta reforma.

  6. Exemplo é sempre bom.

    Mas um decreto também seria muito bem vindo…

  7. Prezados,
    Salve Maria.

    Enquanto isso aqui no Brasil ainda veremos por um tempo missas como a do blog abaixo e a XII Maria Fest ( profanação completa) :
    http://www.cpjovem.blogspot.com/

    OBS : vejam no detalhe de uma foto , um jovem com uma camisa esotérica com o símbolo Yin Yang.

    In Corde Iesu et Mariae semper.
    Gustavo.

  8. Bento XVI poderia sim, em breve, apresentar um documento falando sobre os modos de receber a Sagrada Comunhão.

  9. Documento? Para ser engavetado e desobedecido? Há tempos a santa sé determinou trocar o “todos” por ‘muitos” e nada mudou nas missas por aqui. Se não colocar um supervisor ou fiscalizador em cada diocese, documento de ROMA será mesmo que nada.

  10. Muito bom seu comentário Marcelo, é horroroso receber Nosso Senhor nas mãos.
    Mais horroroso é um padre dar nas mãos das pessoas, horroroso também é um padre consentir com tal vício.

  11. “Que Deus Nosso Senhor apresse o dia em que o Papa proíba, de uma vez para sempre, a comunhão na mão”

    Caro Marcelo: Deus Nosso Senhor já quer isto, e pra ontém – o Papa é quem está hesitando, adiando, procrastinando…

    Já é um grande progresso que ele tenha conseguido impor a Comunhão na boca em suas Missas. Isto nos tranquiliza e prova que Sua Santidade tem autoridade pelo menos na Missa que ele próprio celebra! Há pouco tempo atrás também conseguiu autoridade para escolher os paramentos que vestir. Rezemos que recupere sua autoridade sobre a Cúria Romana, sobre os bispos italianos, sobre as conferências européias, que depois disso sua autoridade cruze o Atlântico também… antes pingar que secar!

  12. O exemplo do Santo Padre é um ótimo passo. Que ele leve aos demais sacerdotes do mundo inteiro a copiá-lo.

    Um pouco fora do assunto, mas, não me conformo com a Missa com duas cruzes (como podemos ver na foto). Na Missa tradicional a cruz processional, após a entrada, é colocada ao lado do presbitério, e de frente para a parede para não confundir com a Cruz única, central, para onde se convergem todos os olhares, do celebrante e dos fiéis.

  13. Salve Maria! Vida longa a Bento XVI.