Washington, Oslo, Roma, Pequim. Inquietações pelo mundo afora.

Por Pe. João Batista Costa

Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam. Se o Senhor não guardar a cidade, inutilmente se desvela a sentinela. Sl. 126.

O noticiário sempre causou espanto. Até mesmo os jornais mais sóbrios sempre tiraram a paz, tal o gosto que os domina de, por meio do artifício da exageração, impressionar a imaginação dos leitores e atrair-lhes o interesse.

No entanto, é preciso reconhecer que ultimamente os acontecimentos são mais alarmantes e merecem uma ponderação especial.

Sem dizer que seja o fim do mundo, que significado terá a crise econômica dos EUA que empurra a maior potência à beira do calote? Quais suas causas e conseqüências? E não são apenas os EUA que estão na lona, a União Européia também está ameaçada pela fragilidade do euro diante da enorme dívida pública de vários países do Velho Continente. Há quem diga que não se trata de mera crise econômica mas de uma crise das instituições políticas da democracia moderna. Seria um sinal de que a democracia e o chamado estado de bem estar social se esgotaram.

Igualmente o crime ocorrido em Oslo há poucos dias dá o que pensar. Dizer simplesmente que se trata da obra de um louco sem mais é um truísmo cretino. Lendo os textos do atirador norueguês, vê-se que é uma pessoa com suas faculdades mentais perturbadas porque vê o seu mundo vilipendiado, os seus valores agredidos, sua identidade cultural demolida pela irresponsabilidade das autoridades políticas. Vê-se que o desespero o dominou diante da “traição dos clérigos”, da traição de todos os que tinham o dever de sustentar as coisas em seu devido lugar e preservar a ordem. A revolução cultural o levou à insanidade mental. Talvez escandalize ao eventual leitor destas linhas dizendo: a meu ver, é mais uma vítima do que um criminoso.

Não bastassem esses problemas, vislumbra-se em um horizonte tenebroso e bem próximo dos nossos olhos uma perigosa disputa da China pela ocupação dos mares do sul. Tudo indica que o tigre vai avançar sobre seus vizinhos e outras pequenas ilhas da região e não se sabe o que resultará. Por outro lado, cabe perguntar se o grande interesse de Pequim em atrelar a Igreja Patriótica Chinesa aos interesses do partido não será, como fazia a Rússia comunista, ter um recurso para intimidar Roma na hipótese não muito remota de um conflito com os EUA.

Mais ainda. Em setembro deverá ocorrer o reconhecimento do Estado Palestino pela ONU. Parece-me uma coisa muito justa que aqueles pobres infelizes, que vivem a humilhação de ver diariamente ali, bem pertinho, Israel esbanjando luxo, riqueza, arrogância sob unção política dos EUA e da Europa, venham a ter sua nação reconhecida como um Estado. Mas isso, certamente, não se dará sem muita dor e lágrima. E não nos esqueçamos de que o Irã está cada vez mais perto da produção de armamentos nucleares.

Não sendo economista nem analista político, mas um simples curioso observador desse mundo infernal que é a barbárie da modernidade, limito-me a juntar a minha pobre voz à de tantos outros inconformados com a insensibilidade, irresponsabilidade das nossas autoridades que não querem ver a natureza mais profunda da nossa crise: uma crise moral, uma crise religiosa. Uma crise que resulta da pretensão de organizar o mundo sem valores, ou sem o valor radical que é a verdade. Uma crise que não será sanada enquanto se tentar conciliar as coisas mais disparatadas: entre o delirar da ciência humana e a fé divina, entre a incerteza frívola do mundo e a majestosa constância da Igreja, como dizia São Pio X em admirável encíclica sobre Santo Anselmo.

Sinceramente, não sei quem está mais louco: se o alienado assassino de Oslo ou se os burocratas da União Européia ou se os repugnantes e degenerados jovens tatuados e mutilados de piercing que transitam dopados pelas ruas das capitais européias sem perceber que a civilização construída com tanto sacrifício e heroísmo por seus maiores desmorona. E o pior ainda é que a esse mundo moderno, a esse doente que desfalece no deserto dos princípios perenes, a esse débil mental que não sabe mais de onde veio e para onde vai e morre por inanição da verdade plena, se queira em outubro próximo aplicar uma dose maciça de veneno com a realização da assembléia multiculturalista de Assis III sob a batuta do Santo Padre.

Não pretendo ser profeta nem filho de profeta. Tampouco amaldiçôo a ninguém. Pois nem sequer São Miguel Arcanjo amaldiçoou Satanás, mas cingiu-se a dizer-lhe que Deus o reprimisse. Todavia, digo que desta vez o príncipe do Gattopardo erraria se dissesse que algo há de mudar para que tudo continue como está.

Anápolis, 26 de julho de 2011.

Festa de Sant’Ana

10 Comentários to “Washington, Oslo, Roma, Pequim. Inquietações pelo mundo afora.”

  1. Este mundo pode desabar, desde que a IGREJA FIQUE DE PÉ.

  2. A maior preocupação hoje, ainda não pecebida por muitos, é que a situação de crise econômica e agitação social – que só tende a aumentar no mundo todo – abrem espaço para políticas socialistas, e fortalecem o discurso do comunismo. Numa situação de alto desemprego, miséria, e caos governamental, a velha utopia de Marx recupera suas forças e é apresentada (e aceita) como única opção viável.
    Nesse caso, teríamos o cumprimento da profecia de Nossa Senhora em Fátima: “a Rússia espalhará seus erros pelo mundo”.

    Rezemos.

    Rezemos muito!

  3. Pe.João,peço sua benção!

    Recomendo ao sr e demais esse recente artigo o prof.Olavo de Carvalho sobre o caso de Oslo.A partir deste caso ele nos mostra quem hoje tem o dominio cultural no mundo e que está nos levando a essa realidade que o sr.aborda no seu texto.

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/12278-quem-ai-le-noruegues.html

    Fiquem com Deus.

    Flavio.

  4. A covardia dos clérigos – A coragem dos mártires
    Medo da mídia e da opinião pública – Destemidos frente a reis, impérios e poderes pagãos
    Conforto, luxo e prazeres – Padres do Deserto, monges eremitas e missionários colonizadores
    Carreirismo – Humildade
    A fonte de dúvidas e questionamentos – A luz do mundo
    Amiga do mundo – Inimiga do mundo
    Tolerante e acolhedora – Firme e inexpugnável
    Pedófilos, afeminados, vaidosos e amigos da galera – Santos
    Psicólogos e terapeutas – Confissão, penitência, exorcismo
    Teólogos modernos humanistas – São Tomás de Aquino e demais doutores da Igreja
    Relativismo – Sim sim, não não
    CVII e Assis – Contra reforma, Concílio de Trento
    Carismáticos – Escolástica
    Primavera – Sal, luz e fermento.
    Jesus histórico, filósofo, psicólogo, sociólogo, libertador social – Jesus Cristo, Nosso Senhor, Salvador do mundo
    Escolhas imperdoáveis que estão nos custando a saúde e a salvação das almas, e que certamente nos levará ao colapso social.
    RAÇA DE VÍBORAS!

  5. WAGNER

    Excelente comparação.Parabéns!!

  6. De fato, o que vemos é a crise de uma concepção político-econômica fundada numa moral (ou melhor, imoralidade) onde se quer colocar o Estado como o grande deus redentor do gênero humano.
    Se os irmão leitores deste blog prestarem atenção, verão que em toda crise desta modernidade, sempre se embatem as correntes de tendências liberais e marxistas, os primeiros a apregoarem o deus mercado, o segundo, o deus estado. São os mercadólatras e estatólatras de plantão. Por isso, repito: tomem cuidado e não confiem e nenhum deles, principalmente nos liberais do tipo Olavo de Carvalho e Júlio Severo, ambos do Mídia Sem Máscara, site liberal, ecumênico, portanto, pseudocristão. Eles não são aliados da Igreja de Cristo. Apenas se aliam a nós, porque fazem parte de uma revolução já ultrapassada: a revolução liberal.

  7. A derrocada da democracia liberal é fruto do extermínio do princípio de subsidiariedade, ensinado pela Doutrina Social da igreja, de toda a organização social. Com a Revolução Francesa, o indivíduo se viu sozinho de frente ao monstrengo estatal, quando antes era inserido em Corpos Sociais Intermediários a decidir que intriduziam-no nas decisões da sociedade, para consecução do bem comum.
    Trabalhei este princípio no meu trabalho monográfico de graduação na Universidade Católica de Brasília.
    Convido todos a acessarem em http://subsidiariedade.files.wordpress.com/2010/03/monografia.pdf

  8. Interessante a comparação feita pelo Wagner S.

    Osires Costa,
    Penso que a nossa civilização ocidental está desmoronando justamente porque a Igreja Católica, ao menos essa igreja nascida do concílio vaticano II está desmoronando como afirmou o Papa Paulo VI :

    ” a abertura ao mundo tornou-se uma verdadeira invasão da Igreja pelo pensamento mundano. Fomos talvez demasiado fraco e imprudente.” Mas já três anos depois do Concílio o Papa Paulo VI tinha admitido que “A Igreja está num período agitado de autocrítica, que poderia antes chamar-se auto-demolição”.

  9. Sempre leio, com muito gosto, os escritos deste Padre. Olavo de Carvalho é inteligente, mas fala palavrão demais.

  10. E eu que, na minha adolescência (não faz tanto tempo) era fissurado pelo tema da Guerra Fria e suspirava chateado: que época sem emoção a minha, depois que desabou o Muro de Berlim…

    Acabaram-se os Estados comunistas, mas não o Comunismo.

    Um pouco mais calejado da vida e apercebido das coisas, olho mais desconfiado ao meu redor com o receio de que a qualquer hora isto irá desabar. Tantas são as profecias, análises e palpites, mas o amanhã é sempre um graúdo ponto de interrogação para mim.

    O presente já é uma opaca interrogação – como o Cardeal Ratzinger, autor da “Dominus Jesus” e conhecedor do Terceiro Segredo irá, agora como Papa Bento XVI, repetir o swing multirreligioso de Assis?

    Padre João Batista, excelente como sempre!