O recuo dos Legionários de Cristo.

Por Andrés Beltramo Alvarez

Vatican Insider – Tradução: Fratres in Unum.com

Os Legionários de Cristo se viram obrigados, nos últimos meses, a fechar seminários menores, a unificar comunidades religiosas, a transferir escolas e encerrar uma universidade no maior retrocesso institucional de seus últimos anos. A maior reestruturação interna desde os escândalos envolvendo seu fundador, Marcial Maciel Degollado

Até não muito tempo, a Legião era considerada o instituto religioso de maior crescimento, tanto econômico como em número de membros, nos anos posteriores ao Concílio Vaticano II. Bastaram apenas cinco anos e um fundador culpável de toda espécie de atos imorais – inclusive abusos sexuais contra menores – para que a máquina diminuísse drasticamente seu ritmo.

O porta-voz da congregação em Roma, Andreas Schoggl, confirmou que as medidas de ajuste respondem à falta de vocações, ao impacto da crise econômica internacional, à necessidade de maximizar os recursos e aos escândalos públicos.

“Sem dúvida, se nota um certo recuo embora também seja possível vê-lo como uma mudança de estratégia. No passado demos passos muito grandes e agora é tempo de ajustar nossas tarefas, mas não temos problemas com isso”, afirmou.

Em 15 de julho passado, Sylvester Heereman, diretor territorial para a Europa, anunciou em uma carta o fechamento de um noviciado em Dublin (Irlanda). “Os motivos que levaram a esta decisão dolorosa são a escassez de vocações irlandesas nas últimas duas décadas, somada à dificuldade atual de manter o noviciado com vocações provenientes de outros países”, escreveu.

O fechamento deste noviciado se somou à suspensão de outros dois seminários menores: um em Sacramento, Estados Unidos, e outro em Porto Alegre, Brasil. Já em 2010, o diretor territorial na Espanha havia anunciado o encerramento das atividades do seminário menor em Valência.

Deve-se acrescentar a estas medidas a fusão de comunidades religiosas em diversas partes do mundo, já que, nos últimos anos, a política geral tem sido a de unir casas para se obter um maior e mais estável número de legionários por núcleo.

Nos últimos dois anos, 42 sacerdotes e 151 seminaristas (entre religiosos e noviços) abandonaram as fileiras da Legião, enquanto o proselitismo vocacional se viu sensivelmente afetado. Grande parte por causa do escândalo Maciel e pelo processo de reforma encabeçado pelo Cardeal Velasio De Paolis.

Segundo cifras oficiais, enquanto que em 2009 o número total de membros da congregação era de 3389, em 31 de dezembro de 2010 era de 3265, isto é, uma redução de 124 unidades. Os Legionários contam atualmente com três bispos, 889 sacerdotes, 1244 religiosos e noviços, assim como 1129 candidatos, pré-candidatos e apostólicos.

Estes números estão fadados a diminuir ainda mais, pois nos últimos meses (não considerados na estatística) vários sacerdotes e seminaristas decidiram se afastar da congregação, enquanto outros padres se encontram fora de suas comunidades para um discernimento.

Desde a crise causada pelo caso Maciel, a ordem perdeu 5% de seus sacerdotes, dado significativo quando se pensa que – em toda sua história de pouco mais de 70 anos – cerca de 100 padres deixaram suas fileiras (aos quais se devem somar os 42 mencionados).

Mas as dificuldades não se expressaram apenas em matéria de vocações e casas religiosas, mas também quanto a instituições educativas. Em 13 de julho, o sacerdote Robert Presutti teve de informar, em uma carta a doadores e benfeitores, o fechamento da Universidade de Sacramento, criada em 2005, por problemas financeiros e administrativos.

“Os Legionários de Cristo devem afrontar outras prioridades e desafios e simplesmente não pode se permitir a continuar como havia planejado”, explicou o reitor da casa de estudos.

Ademais, a Legião suspendeu as atividades de dois de seus colégios americanos, um em Saint Louis e outro em Baltimore. Enquanto na Espanha permanece incerto o futuro do Colégio Everest-El Bosque de Madri, que enfrenta um importante passivo financeiro e que estava pronto para ser vendido. A instituição ainda pertence aos Legionários porque “o comprador não estava pronto”.

“Nestas horas, devemos ver quais são nossas prioridades e para isso é necessário dizer não a outros projetos que não sejam sustentáveis. Estão sendo tomadas as medidas necessárias. Não fomos feitos para manter casas, a congregação deve ser dinâmica. É um tempo para administrar os recursos e o pessoal da melhor maneira, é necessário fazê-lo com muita seriedade”, disse Schoggl.

12 Comentários to “O recuo dos Legionários de Cristo.”

  1. Triste ver a crise de uma congregação que ordenava 50 sacerdotes PARA A IGREJA todo ano…

    A mim, membro do movimento Regnum Christi firme na caminhada e consciente dos erros do fundador, só resta rezar pelo êxito da reforma que o Santo Padre já iniciou. Tenho muitíssimo a agradecer pelo que tenho vivido no movimento até hoje. Além disso, sempre que encontro um padre legionário relembro: obrigado pela tua vocação!

  2. Salve Maria!

    Ainda que o fundador tenha sido um criminoso, já faleceu e Deus é seu Juiz. Os padres legionários não são culpados pelos atos de seu fundador, mas há cumplices que terão que responder em juizo. As consagradas e membros do Regnum Christi, idem. O que posso dizer é que se estou hoje na Tradição Católica, é graças à minha passagem pelo Regnum Christi, que foi quem me possibilitou conhecer bons padres legionários, os exercícios espirituais, a história da guerra cristera, etc. O que vem após isso é uma outra história, mas não raras vezes se vê pessoas fazendo duras críticas aos legionários e membros do movimento como se eles fossem responsáveis pelos atos de seu fundador. Acho que é necessário refletir um pouco nisso, pois na ânsia apaixonada de defender a tradição e acusar os lobos, acabamos combatendo contra pessoas que nem sabem o que é tradição católica e padecem de uma ignorância, não invencível, mas realmente não conhecem, assim como muitos leitores aqui um dia foram carismáticos, membro de pastoral da juventude, focolares e outros movimentos e pastorais progressistas. Senhores, como acham que dei passos para a Tradição Católica se não fosse a paciência de um ou outro irmão de caminhada da Tradição Católica? Como os senhores acham que foi o processo com os padres que deixaram o progressismo para abraçar a tradição? Eles precisaram de quem fizesse um apostolado próximo para mostrar-lhes com paciência, caridade o erro progressista e a enorme crise que a Igreja se encontra e como será eficaz o exercício de seu ministério enquanto um padre da tradicional, ou seja, verdadeiramente católico, mas isso tudo em um processo cuidadoso e paciente, cada coisa no seu lugar, e cada situação deve-se ter seu modo de tratar a questão. Com relação aos Legionários e aos demais que estão ligados à eles de alguma forma, as nossas orações poderão aliviar o sofrimento que estão passando, por culpa de seu fundador e mais alguns. O verdadeiro sentimento que move esses comentários é o que? Revolta? Quero pensar que não. O sentimento de revolta e indignação surge ao nos depararmos com um fato tão cruel como foi o do fundador, mas isso não nos dá o direito de travarmos guerra contra toda essa congregação. Também não significa cruzar os braços e ignorar. Penso que esses padres precisam de apoio no que tange ao seu ministério sacerdotal e um bom acompanhamento. Quem sabe podemos ter conosco padres vindo dos Legionários. Padre não cai do céu, então é preciso um apostolado nesse sentido. Com paciência, o que alguns acabam não sabendo o que significa. Bom, fiz esse comentário porque julguei ser importante, visto que em cada matéria publicada sobre os Legionários; chovem acusações. Cada coisa tem sua medida, com responsabilidade, com boa intensão, buscando solução para os problemas. Mas muito mais devemos nos preocupar com a salvação dessas almas. Por isso encerro com uma oração:

    Memorare, o piisima Virgo Maria, non esse auditum a saeculo, quemquam ad tua currentem praesidia, tua implorantem auxilia, tua petentem suffragia esse derelicta.

    Nos tali animati confidentia ad te, Virgo Virginum, Mater, currimus; ad te venimus; coram te gementes peccatores assistimus.

    Noli, Mater Verbi, verba nostra despicere, sed audi propitia et exaudi.

    Amen.

    In Corde Jesu et Mariae,
    Maximiano Schreinert

    • Caro sr. Maximiano:

      O verdadeiro sentimento que move esses comentários é o que? Revolta?

      Que comentários? O seu é apenas o segundo comentário a este post…

      Quanto ao artigo, ele não apresenta acusações, mas fatos. Não há nenhum ataque nisso.

  3. Sr. Ferreti,

    “fiz esse comentário porque julguei ser importante, visto que em cada matéria publicada sobre os Legionários; chovem acusações. Cada coisa tem sua medida, com responsabilidade, com boa intensão, buscando solução para os problemas.”

  4. A notícia em si está ótimae é oportuna.

  5. Apesar da formação modernista, Bento XVI está enfrentando os lobos de forma cabaleante. É melhor ir devagar e sempre, do que a omissão de JPII em nome de uma falsa caridade. Aliás, em nome dessa falsa caridade é que os seminários em sua maioria ficaram conhecidos como as gaiolas das loucas.

  6. Caro Maximiano,

    Parece que o seu comentário está excessivamente defensivo. Creio que existe uma revolta sim, mas não por achar que “os padres da Legião de Cristo” foram responsáveis pelos atos do seu fundador, mas sim pelo acobertamento de alguns e negação obstinada da maioria.

    Veja que as práticas do Pe. Marciel Maciel já eram relatadas pela mídia muitos anos antes da confirmação. E quanto ao acobertamento de seus atos, podemos ter por certo que, pelo menos, no campo financeiro, ele não teria sugado o dinheiro da instituição para seus fins particulares (diga-se de passagem dinheiro doado por benfeitores não fora a conivência daqueles que eram responsáveis pela contabilidade). Além disso, o tal voto de silencio que ele impusera nas constituições seria o suficiente para deixar qualquer um de orelha em pé.

    A revolta se deve ao fato desta ser uma tragédia anunciada. Podemos aprender com os erros do passado. Não precisamos esperar que a bomba estoure.
    Veja o caso das chamadas emissoras católicas de TV, que, para obter audiência e lograr sustento financeiro, dão abrigo a estrelas propagadoras de doutrina heterodoxa. Os caras estão lá, falando o que bem entendem, defendendo o indiferentismo religioso, o apoio a partidos políticos com agendas contrárias ao catolicismo, a teologia água com açúcar e boa convivência e ninguém fala nada. Algumas dessas estrelas, por exemplo, omitem por completo a doutrina moral da Igreja ao abordar temas sérios da atualidade. Falam tão somente de “opções equivocadas”. Se acontece alguma coisa, alguns ainda têm a cara de pau de dizer que estão surpresos. Os elementos de valor, que não concordam com a patifaria, por sua, vez também se calam, pois mesmo crendo que podem ser fermento na massa, conhecem o provérbio “porta da rua é a serventia da casa”.
    De resto rezemos sim por todos os membros dos Legionários. São pessoas que entregaram suas vidas com a intenção de servir ao Reino de Deus. Os recentes sabem muito bem onde estão colocando os pés, mas isso provavelmente não deve ter acontecido com os mais antigos, pelo menos no início. Agora essas pessoas estão sem chão, em grande conflito. Muitas atingiram uma idade onde pode até ser mais difícil ingressar em outras comunidades religiosas. Que Deus as abençoe e ilumine, para que façam o que for melhor para bem servi-Lo. Essa é a minha oração.

  7. Essa situação é triste e põe em cheque, ao menos na minha concepção, essa tendência de santificação dos fundadores de movimentos e outras estruturas jurídicas criadas com o Código Canônico. Quer dizer, há um voto de confiança, a estrutura criada é muito boa, não teria como imaginar a conduta pessoal do fundador. E por isso é um perigo essa tendência que vem sendo manifestada de querer logo proceder à beatificação e canonização para que a ordem religiosa, movimento secular, associação ou equivalente receber um “nihil obstat” (“o fundador é santo, então não tem erro!”). Creio que fica como lição do perigo que temos de causar escândalo e sobretudo não tem como deixar de vir à memória as palavras do Evangelho “a quem muito foi dado, muito será cobrado”. Enfim a conduta pessoal do fundador é claro que influi e pode levar a um desânimo geral, mas agora resta aproveitar o que ficou de bom. Afinal, quantas ordens religiosas fundadas por santos estão hoje em estado deplorável… enfim, muito triste. Afinal de contas, não inventaram ainda apostolado melhor que o exemplo.

  8. Sobre a matéria, não creio que nenhuma “acusação” é necessária. De fato, ela é “ótima e oportuna”. Soube também que o grupo Integer (o braço financeiro dos LC/RC), está fechando no México. Talvez aconteça o mesmo em outros países, o tempo dirá. Fechando a torneira financeira, a raíz da planta secará. É questão de tempo. Só sei que tenho outros números sobre a quantidade de padres LC que saíram (cerca de 80, desde os últimos meses). Não há guerra a ser travada, senão contra a mentira e o pai dela. Falar a verdade não é declarar guerra a quem sofre. Como não é guerra dar remédio amargo a quem está doente.

    Outro ponto interessante é o envio do padre L.G. Medina aos EUA. Ele é o homem do dinheiro, por assim dizer, e a sangria financeira dos LC/RC na América está sendo substancial. As escolas estão fechando, as universidades também. E os membros americanos do RC não estão nada contentes com o envio do padre Medina para tentar consertar a canoa furada. Muitos membros do RC talvez abandonem o movimento depois de mais essa decisão inoportuna dos diretores do movimento.

    Caro Maximiniano, gostaria de sugerir que o senhor pesquise sobre a guerra cristera por outras fontes, já que agora se sabe que o fundador mentiu sobre o que viu e sobre a própria participação nos acontecimentos. Por exemplo: o padre abusador não estava sequer na cidade quando o beato José Luís teve a sola dos pés arrancadas e foi posteriormente martirizado. O pe. abusador também não aplacou multidões furiosas anti-clericais. Tudo mentira.
    Eu sou muito devota dos mártires cristeros e creio que uma tal e virulenta perseguição não esteja muito longe do nosso futuro.

    Enfim, repetindo: a notícia do artigo é boa. Logo, só restarão os músicos tocando no deck do Titanic. O único culpado da história NÃO É SOMENTE o padre Maciel. A estrutura toda é macielista e viciada na raíz.

    E, claro, devemos receber os padres que sairam. Com amor e compreensão.

    Resta-me agradecer ao bom Deus! E rezar para que, assim como o de Porto Alegre, feche também o Seminário Menor de Curitiba. Creio que é mais seguro que os seminários menores dos legionários fechem, para segurança das crianças, enquanto a reforma segue seu curso.

    Vamos rezar pelo Santo Padre, pois ele está cercado por não poucos lobos.

    Em Cristo,

    Patricia Medina

  9. O fato de eu ter conhecido sobre a história dos Cristeros por meio dos Legionários não significa que estou crente na participação do Pe. Maciel. Devagar!

  10. A notícia em si está ótimae é oportuna. ( 2 ) ..
    E Trágico !!