Alois de Liechtenstein anuncia que vetará a lei do aborto mesmo se ela for aprovada em referendo.

O príncipe anunciou a medida solenemente no dia da Assunção, e alega, sobretudo, o extermínio de crianças com deficiências.

Alois de Liechtenstein.

Alois de Liechtenstein.

Por Religión en Libertad – Tradução: Fratres in Unum | Em 15 de agosto se celebra em Liechtenstein, país majoritariamente católico, não somente o dia da Assunção da Virgem, mas também a sua festa nacional.

E este dia foi o momento escolhido pelo príncipe herdeiro Alois para anunciar, na capital Vaduz, que se a legalização do aborto for aprovada em referendo em 18 de setembro, ele se oporá à lei e não a assinará, impedindo sua entrada em vigor.

Embora não seja formalmente o chefe de Estado, cargo desempenhado por seu pai, Hans Adam II, este  transferiu à  Alois em 2004 as competências correspondentes, entre elas a sanção das leis.

Alois, de 43 anos e católico praticante, destacou entre as razões de sua oposição “a problemática dos abortos de crianças deficientes“, um autêntico extermínio nos países onde o aborto é legal. Em Liechtenstein o aborto não é aprovado em nenhum caso, sendo punido com  um ano de prisão, inclusive se este se realizar no exterior.

Em junho o parlamento foi consultado a respeito, porém, somente 7 dos 25 deputados votaram a favor. A consulta se realiza, sem dúvida, por iniciativa popular, e prevê uma despenalização até a duodécima semana.

8 Comentários to “Alois de Liechtenstein anuncia que vetará a lei do aborto mesmo se ela for aprovada em referendo.”

  1. Deus, Papa, Rei. Trono e Altar.
    Se a humanidade tem futuro, este será monarquico.
    A república e a democracia nascidas da Revolução Francesa, são verdadeiros flagelos, só merecidos pelos nossos pecados. E o mais triste é que o Vaticano II ligou a Igreja a esses regimes espúrios.
    Como monarquista, regozijo-me com a notícia.
    Vida longa a Sua Alteza Sereníssima o principe católico Alois de Liechtenstein.
    João

  2. Que Nossa Senhora o ajude muito a perseverar nesse bom propósito! Para a maior glória de Deus e o bem de tantas criancinhas por nascer!

  3. Autoridade católica praticante é rara. Esse príncipe é uma esperança renovada e um exemplo a ser seguido. Aqui, no nosso Brasil, me digam quando e quem foi o dirigente (presidente, creio que nossos imperadores eram maçons) católico praticante que ocupou o governo federal? Nosso governo, quando não é ateu e/ou maçon, é comunista e ladrão, como agora e a vida não tem valor porque, se não cuidava melhor desse povo sofrido, sem eira nem beira.

  4. O fato é que os Lichtenstein, junto com os Saxe-Coburgo-Gotha da Bélgica e os Bourbon-Parma de Luxemburgo são as únicas boas famílias reais católicas reinantes. Detalhe: Alois é casado com SAR Sophie da Baviera, herdeira do trono Jacobita inglês – E, portanto superior aos infames Windsor. Que Deus proteja este príncipe – Um dos poucos bons entre muitos que nada valem!

  5. Poderiamos esperar o mesmo de D. Luís de Orleans e Bragança ou sua Alteza D. Bertrand, mas vivemos em um república, somos governados por comunistas, existem os católicos de IBGE…

  6. Tem um bom arcebispo por lá, não?

  7. Liechtenstein.

    Tão pequeno aos olhos do mundo e tão Grande aos Olhos de Deus.

    Que Deus os proteja e os conserve na Fé.

  8. cuanto me hubiese gustado que Colombia hubiera podido alcanzar a ser un imperio monárquico. el imperio refleja la estructura del cielo. un buen imperio podría liberar a nuestro mundo de la perdición.