Na festa de São Luís, Rei de França.

Ensinamentos de São Luis, Rei de França, a seu filho, o princípe Filipe.

Caro filho, antes de tudo começo por ensinar-te a amar o Senhor, teu Deus, com todo o coração, com todas as tuas forças, porque sem isso ninguém tem valor.

Filho, deves evitar tudo quando sabes desagradar a Deus, quer dizer, o pecado mortal, de tal forma que prefiras ser atormentado por toda sorte de martírios a cometer um pecado mortal.

Ademais, se o Senhor permitir que te advenha alguma tribulação, deves suportá-la com serenidade e ação de graças. Considera suceder tal coisa em teu proveito e que, talvez, a tenhas merecido. Além disso, se o Senhor te conceder a prosperidade, tens de agradecer-lhe humildemente, tomando cuidado para que nesta circunstância não te tornes pior, por vanglória ou outro modo qualquer, porque não deves ir contra Deus ou ofendê-lo valendo-se de seus dons.

Ouve com boa disposição e piedade o ofício da Igreja e enquanto estiveres no templo, cuida de não vagueares os olhos ao redor, de não falar sem necessidade, mas roga ao Senhor devotamente quer pelos lábios quer pelo coração.

Guarda um coração compassivo para com os pobres, infelizes e aflitos e, quando puderes, auxilia-os e consola-os. Por todos os benefícios que te foram dados por Deus, rende-lhe graças para te tornares digno de receberes maiores. Em relação a teus súditos, sê justo até ao extremo da justiça sem de te desviares para a direita nem para  esquerda: e põe-te sempre de preferência da parte do pobre mais do que do rico, até estares bem certo da verdade. Procura com empenho que todos os seus súditos sejam protegidos  pela justiça e pela paz, principalmente as pessoas eclesiásticas e religiosas.

Sê delicado e obediente  à nossa mãe, a Igreja Romana, ao Sumo Pontífice, como pai espiritual.  Esforça-te por remover de teu país todo pecado, sobretudo o das blasfêmia e da heresia.

Ó filho muito amado, dou-te enfim, toda bênção que um pai pode dar a um filho; e toda a Trindade e todos os santos te guardem do mal. Que o Senhor conceda a graça de fazer sua vontade de forma a ser servido e honrado por ti. E assim depois desta vida, iremos juntos vê-lo, amá-lo, louvá-lo sem fim. Amém.

Tags:

3 Comentários to “Na festa de São Luís, Rei de França.”

  1. Gostaria de saber se o que a Wikipedia contém a respeito das relações dele com os judeus procede, como por exemplo: “Em 1269, em aplicação de uma recomendação do Quarto Concílio de Latrão de 1215, impôs a obrigatoriedade de usarem sinais vestimentares distintivos. Para os homens a rouelle ou estrela amarela ao peito, e para as mulheres um chapéu especial. Estes sinais permitiam diferenciá-los do resto da população e ajudar a impedir os casamentos mistos.” Isso não confere com a imagem que temos deste grande monarca.

  2. Ferdinand

    Considerando que a Wikipédia é de livre editoração, precisa ver qual fonte foi usada para tal afirmação. E o que não faltam são fontes anti-católicas sobre os mais variados temas.

  3. Ferdinand: quando a filosofia do Evangelho governava as nações (cf. Leão XIII), era exigência da Igreja e da sociedade de que os não-cristãos, notadamente os judeus, se diferenciassem dos cristãos na vestimenta e morassem em bairros separados, haja vista que quase todas as capitais européias possuem milenares BAIRROS JUDEUS, prova cabal de que a Igreja e os terríveis tempos medievais lhe permitiam a existência. Com isto eram até protegidos pois, sinalizados, não estavam obrigados aos dias de jejum e abstinência de carne dos católicos, por exemplo.

    Já os governos laicos (laicistas, na verdade) atuais, não querem que determinada religião se identifique: querem é proibir os símbolos religiosos para facilitar o advento da religião do Anticristo.

    Quanto mais estudo sobre a vida dos piedosos reis e governantes cristãos de outrora, mais me questiono sobre que benefícios nos conferiu o Estado laico. Podemos ter conforto material, mas a humanidade moderna possui o conforto espiritual dos súditos de São Luís? Como não compará-lo ao distribuidor de camisinhas e lubrificantes Luiz Inácio?