Brasil, “Duelo teológico” entre JMJ, Concílio e a Teologia da Libertação.

Os jesuítas brasileiros organizam um congresso internacional sobre a teologia da libertação, programado para ocorrer entre 8 e 11 de outubro, exatamente um ano antes da grande reunião mundial dos jovens.

Giacomo Galeazzi – Vatican Insider | Tradução: Fratres in Unum.com

Leonardo Boff e Jon Sobrino.

Leonardo Boff e Jon Sobrino.

Agitação no país com mais católicos no mundo. A sede da próxima JMJ (Rio de Janeiro, de 18 a 23 de julho de 2013) foi anunciada por Bento XVI na conclusão da mega reunião de Madri. E enquanto a Santa Sé designa ao Brasil a Jornada Mundial da Juventude de 2013, os jesuítas brasileiros organizam um congresso internacional sobre a teologia da libertação, programado para ocorrer entre 8 e 11 de outubro de 2012.

Como na Espanha, também no Brasil o “Woodstock católico” será precedido pelas “Jornadas Diocesanas”, isto é, a confraternização entre as dioceses do país anfitrião e aquelas dos países de onde virão os jovens. Enquanto isso, um ano antes da JMJ, os “adversários teológicos” de Joseph Ratzinger (que como prefeito do antigo Santo Ofício havia reconduzido à ordem os teólogos da libertação que tinham se inclinado em direção ao marxismo) voltam à cena através de um congresso mundial dedicado à esquerda terceiro-mundista católica. Os responsáveis pela promoção no sul do Brasil são os Jesuítas da “Humanitas Unisinos”, o instituto da Universidade Unisinos especializado em diferentes áreas de estudo: antropologia, direito, teologia, ciências sociais e políticas, filosofia e música.

A universidade jesuíta do Vale do Rio dos Sinos (quarenta mil estudantes) é um prestigioso centro difusor de cultura para toda a América do Sul, e recentemente promoveu uma série de seminários internacionais para analisar o projeto de globalização desenvolvido pela Companhia de Jesus desde os primórdios até a época contemporânea, com suas repercussões ao longo dos séculos. O objetivo, em particular, é se concentrar na ação e na participação da ordem religiosa na formação e difusão da cultura moderna, e em seu rol espiritual e cultural no Brasil e na América hispânica através do apostolado missionário e do compromisso educativo. O país com a maior quantidade de católicos no mundo (140 milhões) se encontra na situação de ter que lidar com uma difícil convivência entre a Igreja Católica e as chamadas seitas de matriz cristã (em sua maioria, pentecostais) que reúnem cada vez mais fiéis, sobretudo nas camadas mais baixas da população. Em maio de 2007, o primeiro encontro do Papa com os jovens colocou em evidência as dificuldades que atravessa a Igreja Católica no Brasil: os organizadores esperavam por setenta mil jovens (quarenta mil no estágio e trinta mil fora).

Na realidade, os números foram definitivamente inferiores: no estádio ficaram vários espaços e lugares vazios, enquanto que na parte de fora os jovens eram poucos. No total, os participantes foram 35 mil, segundo os dados fornecidos pelos próprios organizadores: não muito, quando se tem em conta que São Paulo tem 11 milhões de habitantes. Do todo modo, o estilo Ratzinger, sóbrio e essencial, se impôs também na viagem de 2007 ao Brasil. O Papa não se preocupou com os números, mas se concentrou na mensagem. Despreocupado com as deserções, Bento XVI dirigiu aos jovens um discurso longo e desafiante, no qual lhes convidou a deixar de lado os medos e a ter confiança em Cristo, guardar a castidade e defender o valor do matrimônio, reagir à violência e evitar toda forma de corrupção. A única concessão aos temas mais sentidos pelos jovens: o pedido de salvar a Amazônia, juntamente com a oferta de duzentos mil dólares doados pelo Papa para salvar a mata e para projetos de desenvolvimento das populações indígenas. De resto, Bento XVI não buscou o consenso, mas se esforçou em lançar mensagens claras. A visita incluiu a missa de canonização, em São Paulo, do beato Frei Galvão (o primeiro santo nascido no Brasil) e o encontro no santuário mariano de Aparecida (a 170 quilômetros de São Paulo) para a inauguração da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, que foi a razão principal da viagem do Pontífice ao Brasil. “Junto a outras organizações teológicas – explica Moisés Sbardelotto, porta-voz do Instituto ‘Humanitas Unisinos’,– nossa universidade está organizando um congresso teológico continental para 2012, que ocorrerá nas dependências da universidade, para celebrar o 50º aniversário de convocação do Concílio Vaticano II e o 40º aniversário da publicação do livro de Gustavo Gutierrez, Uma teologia da libertação. Mas a idéia, observa Moisés Sbardelotto, “não é somente a de celebrar a memória, mas também a de propor novas perspectivas para uma teologia progressita do continente americano”.

Ontem foi lançado oficialmente o sítio do evento em inglês e espanhol (http://www.unisinos.br/eventos/congresso-de-teologia/), e os organizadores estão planejando “reunir teólogos como o próprio Gustavo Gutierrez, Leonardo Boff, Jon Sobrino e outros ‘pais’ da Teologia da Libertação”. “Será um momento muito especial para nossa Igreja – afirma Moisés Sbardelotto –. E confiamos que também na Europa haja interesse em divulgar esta boa nova do Espírito”.

Em maio de 2007, uma incomum batalha judicial acompanhou o encontro de Bento XVI com os jovens brasileiros. Os organizadores haviam escolhido o pequeno estádio municipal do Pacaembu para este encontro, um dos momentos mais significativos da visita do Papa a São Paulo, no Brasil. Mas, apenas duas semanas antes, o mesmo estádio havia sido palco de um grande encontro promovido por uma das igrejas pentecostais que estão atraindo uma quantidade cada vez maior de fiéis arrancados da Igreja Católica (nos últimos trinta anos, a porcentagem de católicos brasileiros, sobre o total da população, caiu de 91,7 a 73,8 %, ao passo que a porcentagem de fiéis das igrejas protestantes evangélicas subiram de 5,5 a 17,9%). Os pentecostais haviam organizado um evento muito concorrido de música e oração, que tinha paralizado completamente a região. Por este motivo, os residentes recorreram à justiça federal, pedindo que o encontro com o Papa fosse cancelado ou transferido para outro lugar, a fim de evitar que em poucos dias o bairro se encontrasse novamente submergido no caos.

Não houve o que fazer: o governo interveio para contestar, afirmando que o encontro com o Papa era de interesse nacional e que se desenvolveria de qualquer modo. Por outro lado, teria sido incrível se, a menos de dez dias da visita de Bento XVI, o encontro com os jovens fosse cancelado por causa de uma associação de bairro. O episódio, entretanto, foi sintomático do díficil clima que se respira na Igreja e na sociedade brasileira. Os cristãos de base atribuem a João Paulo II e a seu guardião da ortodoxia, Joseph Ratzinger, o haver “normalizado”, nos anos 80 e 90, o clero e o episcopado sul-americano, e de tê-lo enchido de expoentes do Opus Dei e dos Legionários de Cristo, marginalizando aqueles teólogos da libertação que haviam desviado muito para a esquerda o centro de gravidade da Igreja, dialongando com aquele comunismo que, por sua vez, o Vaticano estava combatendo no Leste Europeu. E a atual, dramática hemorragia de fiéis para as seitas evangélicas seria o fruto também da marginalização dos sacerdotes que estavam mais em contato com as classes populares e com as massas das favelas.

* * *

[Atualização: 29 de agosto de 2011, às 08:26] Após realizarmos esta tradução no domingo, chegamos, na manhã desta segunda-feira, ao conhecimento da seguinte matéria:

Publicamos aqui a nota de esclarecimento enviada ao jornalista italiano Giacomo Galeazzi, do sítio Vatican Insider e do jornal La Stampa, após a publicação da notícia Brasil, ‘duelo teológico’ entre JMJ, Vaticano II e teologia da libertação, que esteve em destaque na capa do sítio Vatican Insider, publicado em italiano, inglês e espanhol, neste domingo (imagem abaixo).

A notícia fazia referência ao Congresso Continental de Teologia, que será realizado na Unisinos em 2012, e contém importantes imprecisões, às quais a nota enviada faz referência.

Eis o texto.

Estimado Sr. Galeazzi,

A partir da publicação da notícia «Brasile, “duello teologico” tra Gmg, Vaticano II e teologia della liberazione», em destaque neste domingo na página inicial do sítio Vatican Insider, esclarecemos:

1. O Congresso Continental de Teologia não é organizado pelos “jesuítas brasileiros”, nem pela Unisinos, universidade jesuíta. A idealização e a promoção do evento são da Fundación Ameríndia (www.amerindiaenlared.org), que convidou diversas outras instituições para colaborar na preparação e na organização do evento. Dentre elas, encontram-se: Conferência Latino-Americana de Religiosos (CLAR, Colômbia); Instituto Teológico-Pastoral para América Latina (Itepal, Colômbia); Pontifícia Universidade Javeriana (PUJ, Colômbia); Red Teológico-Pastoral (Guatemala); Sociedade de Teologia e Ciências da Religião (Soter, Brasil), Agência de Informação Frei Tito para a América Latina (Adital, Brasil); Associación de Teólogos de México (ATEM, México).

2. Essas diversas organizações convidaram a Unisinos para sediar este evento acadêmico. Isso se deu por intermédio do Instituto Humanitas UnisinosIHU. Afirmar que ‘os jesuítas brasileiros’ organizam o evento é um despropósito.

3. O Congresso quer celebrar os 50 anos de convocação do Concílio Vaticano II e os 40 anos da publicação do livro de Gustavo Gutiérrez Teologia da Libertação. Perspectivas.

Os seus leitores merecem este esclarecimento. Esperamos que lhes seja concedido.

Agradecemos a atenção e lhe enviamos as nossas saudações.

57 Comentários to “Brasil, “Duelo teológico” entre JMJ, Concílio e a Teologia da Libertação.”

  1. Teremos um cenário difícil para os próximos anos na Igreja brasileira. Os vermelhinhos estão se organizando novamente para uma próxima batalha. E quem sofre com estas disputas internas é justamente o povo que migra incessantemente para as seitas na esperança de ouvir um sermão sobre Deus. Sem dúvida precisamos de orações e jejuns pela Igreja no Brasil que agoniza cada dia mais nas mãos da satânica Teologia da Libertação.

    E não se enganem…os jesuítas estão metidos nessa história até a goela. Dizer que NÃO ORGANIZARÃO o congresso, mas SEDIAREM o congresso para mim dá na mesma. É quase um patrocínio com louvor ao evento. E ainda há quem espere 5 milhões de jovens para a próxima JMJ…

  2. Onde está o Bispo do RJ? Onde está a Santa Sé?

  3. “Os cristãos de base atribuem a João Paulo II e a seu guardião da ortodoxia, Joseph Ratzinger, o haver “normalizado”, nos anos 80 e 90, o clero e o episcopado sul-americano, e de tê-lo enchido de expoentes do Opus Dei e dos Legionários de Cristo, marginalizando aqueles teólogos da libertação que haviam desviado muito para a esquerda o centro de gravidade da Igreja,…”

    Agora eu sei do porque da situação desesperadora na America Latina.

    Combater a satânica teologia da libertação com os Legionários de Cristo e Opus Dei?!
    Não é à toa que chegamso nessa situação catastrófica!

    Vamos parar com essa história de dizer que no pontificado de João Paulo II se combateu a Teologia da Libertação, pois não é verdade. FOI AO CONTRÁRIO: NO PONTIFICADO DE JOÃO PAULO II AUMENTOU A INFLUÊNCIA DA TL.

  4. Isso é o fim.. eles querem atenção, sabendo que o Brasil irá sediar a JMJ.. Absurdo!

  5. “reunir teólogos como o próprio Gustavo Gutierrez, Leonardo Boff, Jon Sobrino e outros ‘pais’ da Teologia da Libertação”. “Será um momento muito especial para nossa Igreja – afirma Moisés Sbardelotto ”

    Realmente, é uma invocação totalmente particular quando diz “nossa igreja”, diferente da Católica Apostólica Romana, com o sumo pontífice como fiel vigário de Cristo.

    Entendam que enquanto nós dormirmos, eles trabalham incessantemente…a esquerda já organiza a “volta-por-cima” sobre o aborto e outros temas, com debate na câmera e no senado.

    A presidente não mais falará sobre o assunto, mas o legislativo com seus sequazes, vão com tudo.
    E estes encontros, não fomentarão outra coisa que o laixismo latino americano onde tudo pode e tudo é direito, “somente a fome é o pecado” como ouvi de outro padre um dia destes.

    São ataques contínuos por todos os lados…nos resta resistir muito, intensificar nossas devoções e rogar a onipotência suplicante, Virgem Maria, por nossas almas acima de tudo!

    Não tardais Senhor! Não tardais!

    Salve Maria!

    E.M. RVGarcia

  6. Estive na UNISINOS em 2007. A Universidade vinculada aos padres da Companhia de Jesus tem um Campus enorme e moderno, com lojas de grifes e artigos esportivos, elevadores, estacionamentos e restaurantes caríssimos. Nós, os pequenos-burgueses estudantes de História tínhamos que almoçar em São Leopoldo, pois era preciso desembolsar uma vultuosa quantia para comer no restaurante onde costumam almoçar os teólogos da libertação e onde almoçou o próprio Hans Küng em 2008. Sendo o ninho da Teologia da Libertação, os “oprimidos” por ali são apenas objetos de estudo teórico. Durante o Simpósio da ANPUH (Associação Nacional dos Professores Universitários de História), o Reverendíssimo Padre Reitor ofereceria um jantar aos participantes, e os INGRESSOS estavam à venda! Me consolou ler uma faixa pregada na faixada de um dos bares do Câmpus: “Santo Inácio pregou a caridade, a UNISINOS prega a lucratividade: viva o espírito jesuíta!”

  7. N coloquem a culpa só nos tomba lata (teologia da libertação). Eles n foram banidos, aniquilados pq Roma n quis. Qual o documento OFICIAL que os condena contra?
    Quem é o homem deles forte no Brasil que se dá ao luxo de dar entrevistas blasfêmicas na mídia? Pq n excomungaram boff?????? Pq Roma n quis!

    Observo um detalhe que parece está passando batido: a cnbb está de cabeça nas comemorações do CVII em 2012, o bispo de Jales (olho nele, está com força total), escreveu um livro que será subsídio para as comemorações – aí o papa ‘escolhe’ o Brasil em 2013 para a próxima balada. Pra mim em agradecimento à cnbb!

    Outra coisa que me irrita, toda vez que o papa fala ou faz algo, dizem que n foi ele, mas algum assessor. Quem escolheu o Brasil pra sediar a balada em 2013? Os mesmos que fazem vistas grossas com as denúncias contra a cnbb.

  8. Eu quis dizer: Qual o documento OFICIAL que os condena ?

  9. Por que esses comunistas: Jon Sobrino, Gustavo Gutierrez, frei Betto ,Leonardo Boff e outros artífices da TL não são excomungados. Esse grupelho está afundando a Igreja no cone Sul. No fundo acho que essa é , realmente , a intenção deles, para implantar o “socialismo” por aqui. A Igreja Catóica é o inimigo a ser destruido. Essa gente já participa do “Forum de São Paulo”, inaugurado pelo molusco Lula. Se puderem, e deixarmos, implantam no Brasil um modelo de governo cubano.

  10. Eu pensei que seria no RJ! Bem, os progressistas não falam bem do pontificado do beato joão Paulo II, logo, isso significa que o papa também reprimiu a TL, seria paradoxo não aceitar esse fato!

  11. Os teólogos da libertação pregam a pobreza, mas vivem como ricos. São eternos demagogos. A Má companhia de Jesus, já deveria ter sido extinta a muito tempo, pois atualmente vai de encontro aos princípios do seu fundador. As universidades ditas católicas é uma verdadeira fábrica de ateus e inimigos da Igreja.

  12. Prezados,

    Antes do meu comentário efetivo, duas palavrinhas: eu simplesmente abomino a intrusão de qualquer esquerdopatia no pensamento católico. É o que critico há anos em meu site e nos lugares nos quais circulo. Desse modo, de antemão ficam vedadas qualquer possibilidade de me apontarem como um destes que, ignorando o que disse Nosso Senhor, acham possível fazer pacto com o mundo sendo cristão.

    Dito isso, vamos aos comentários:

    1) Pedro Pelogia, muito me admira seu comentário. Sou de São Paulo mas estou em São Leopoldo fazendo meu doutorado em Filosofia justamente na UNISINOS. E o que vejo aqui é algo bem diverso do que você relata. Não tenho dever ou procuração para defender a universidade, mas o que você fala simplesmente não condiz com os fatos. Se quem é da verdade escuta a voz do Senhor, ela deve ser falada. A UNISINOS tem, para além dos programas das agências de fomento, um dos programas de bolsas mais dadivosos que conheço na universidade brasileira. A Bolsa Milton Valente e o programa Pró-Mestre fornecem descontos que superam em muito os programas das universidades pontifícias do país (fiz mestrado na PUC-SP e conheço diversas PUCs pelo Brasil. Para não falar dos incontáveis serviços que a universidade presta à sociedade dos municípios do entorno de seu campus.

    Mas outras coisas me chamaram atenção no seu comentário: um campus enorme, com excelente infra-estrutura, uma biblioteca que é um prédio enorme de 6 andares é um defeito? A UNISINOS segue o padrão e o modelo de universidades americanas jesuítas de ponta, como a Fordham, em Nova Iorque. Acho estranho você comentar num ambiente totalmente contrário à esquerdinha enquanto reclama das “grifes”… Para não falar do seu louvor à faixa provavelmente colocada por estudantes super-ortodoxos…

    Quanto à alimentação no campus então, o seu comentário me soa ridículo. A Universidade conta com um restaurante universitário self-service (e não um bandeijão nojento como se vê na USP, por exemplo) que custa R$ 12,00 o kilo e no qual encontro o Reitor, Pe. Marcelo Aquino, almoçando todos os dias e pagando o preço para professores e funcionários (R$ 15,00). Estranho mesmo seu comentário…

    Para finalizar o comentário sobre a UNISINOS, devo dizer que é a ÚNICA UNIVERSIDADE CATÓLICA QUE JÁ VISITEI NO PAÍS, a ter, em seu centro geográfico, uma bandeira do Estado do Vaticano hasteada todos os dias, ao lado da bandeira do Brasil, do Estado do RS e do município. Visitem a PUC-SP ou a PUC-PR e vejam lá se encontra algo parecido nestas universidades “pontifícias”.

    2) Quanto ao Congresso, devo dizer uma coisa: a Universidade tem como vocação primordial ser o ponto, ao mesmo tempo, sintetizador e irradiador de conhecimento. Quanto mais uma universidade católica deve sê-lo. Assim, abrigar um congresso dessa natureza deve ser, por excelência, função de uma universidade e vou dizer o porquê.

    É só em um ambiente aberto, como o da Universidade, que eu ou qualquer um de vocês podem se inscrever no congresso, questionar e debater aberta e cientificamente. É só porque ele será realizado numa universidade que vocês ou eu podem ir lá e dizer meia-dúzia de verdades a um Sobrino ou um Boff (eu prometo que o farei com gosto!). Que outra instituição que não a universidade possibilitaria o uso da palavra para o debate e o enfrentamento de ideias?

    Concluo dizendo que não me agrada o tom “festivo” que foi dado ao encontro. Tenho asco do pensamento de Sobrino e de Boff (autores dos quais, ao contrário de grande parte da auto-proclamada “ortodoxia” católica, li os livros e tenho condições de citar as páginas nas quais constam heresias grosseiras). Mas algumas coisas devem ser ponderadas nisso tudo.

    U.I.O.G.D

  13. Poderiam mudar o nome do instituto para:

    Uniasinos

    rs

  14. Pois é. A depender de alguns iluminados, a Igreja jamais teria criado a Universidade…

  15. Amigos(as),

    Não sei porque a estranhesa com esse encontro.Já não está claro que o Inferno fará “hora extra” para diminuir o brilho e o triunfo dos Jovens Católicos do mundo todo no brasil em 2013? O Inimigo de Deus e e de todo gênero Humano (como bem falou Pe.Paulo Ricardo) não descansa, os bons é que dormem.

    Desde as reuniões do Foro de São Paulo que Brasil será o lugar onde os Comunistas conquistarão o que foi perdido no Leste Europeu, para daí irradiarem para o mundo sua Satânica Utopia.Será também no Brasil que a ala TL da CNBB e das arquidioceses ajudarão esse plano infernal, correndo atrás do tempo perdido.Será uma luta grandiosa: a Igreja e a Anti-Igreja, e o terreno será no Brasil.Esqueçam danado de Copa do Mundo, Olímpiada, etc…o Brasil sérá o “centro” de uma luta com competidores muito mais fortes e obstinados: os Exécitos Celestes e as hordas infernais!De que lado você está? É morno ou frio?

    Eu rezo irmãos! Rezo para que o Ferreti e tantos outros blogueiros Católicos, jovens cheios de fidelidade à Igreja, consigam se manter fiéis denunciando o erro e o desamor à única e Santa Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo por parte de tantos.Rezo para que o meu mal humor e minha impaciência não consiga me vencer, rezo para que eu chegue em Paz no ano de 2013, com mais empenho e luta, rezo pela minha noiva e minha futura familia, rezo pela Missa Tridentina no Brasil, que já tem feito um bem a tantos e tantos!

    É a hora de rezar irmãos(as)!Muito!MUITO! Rezar, lutar, denúnciar, rezar mais um pouco!

    Joelho no chão!
    Terço na mão!
    Maria como mestre do coração!
    E Jesus Eucarístico diante de Si!
    O Papa como Pastor Universal!

    Quem? Quem pode contra nós???

    Em Cristo,

  16. A Unisinos tem a bandeira do estado do Vaticano hasteada no seu campus. Puxa! Nossa! Vejam só! Quanta catolicidade! Fiquei boquiaberto…

  17. Ahn, Rodrigo, nada como um comentário fragmentário para se identificar uma razão fragmentada.

  18. Excomungar Dom Lefebvre e “passar a mão na cabeça” de Boff é a maior prova de como foi desastroso o pontificado de João Paulo II.
    Pior é o intróito do motu proprio que publicou a excomunhão: “Ecclesia Dei adflicta”. Só faltou rasgar as vestes.
    Santidade, a Igreja está aflita há muito tempo, com o pupular de hereges a exemplo de Boff, que encontram campo fértil para empestear o ambiente católico com seu lixo teológico.

  19. Gabriel,vejo que o problema está mais acima,está no Vaticano,ao não ser definitivo em condenar a TL excomungando essas pessoas.Gabriel,se essa posição definitiva da Igreja ocorresse seria possivel um evento desses numa univesidade católica? Veja que no item 3 diz que eles irão “CELEBRAR” a publicação do livro de Gustavo Guttierez.

    Veja que no momento em que tu acha normal um congresso da TL numa univesidade católica porque tu vai poder ir lá e dizer 2 palavrinhas contra,ao mesmo tempo deverão ter umas 1.500 palavrinhas a favor louvando a TL durante o congresso.No momento em que tu aceita um congresso,um debate sobre a TL numa universidade católica,tu está dando respeitailidadede as idéias dessas pessoas,portanto podendo levar os desinformados a pensar:Poxa,se a TL é digna de debate num universidade católica,suas idéias podem ser dignas de respeito e aceitação por católicos,talvez eles estejam certos mesmo e a TL seja um caminho.

    Esse bom mocismo e respeitabilidade com idéias que vão contra a Igreja está nos matando.Como disseram alguns comentadores acima,os marxistas e comunistas são incansáveis,estão trabalhando 24 hs por dia pela revolução cultural.E contam,para isso,com o bom mocismo de muitos e com o ar de respeitabilidade que dão as suas idéias,achando normal que se celebre a TL numa universidade católica.

    ESTAMOS EM GUERRA,E ESTAMOS PERDENDO A GUERRA!

    Quem explica bem isso tudo é o prof.Olavo de Carvalho.Vou enviar o link do fratres com essa noticia para ver se ele comenta no seu programa TO do dia 31.

    Fiquem com Deus.

    Flavio.

  20. Unisinos é a Notre-Shame, ops, Notre-Dame do Brasil. Lá nos EUA o Obama foi convidado a proferir o discurso de abertura do ano letivo e receber o título de Doutor em Direito. Muitos fizeram oposição, inclusive bispos. Mas o argumento era justamente esse: na universidade dever haver espaço para o “diálogo” de idéias. No entanto, é exatamente o que o Flávio comentou: 1500 palavras dos hereges (que, mais do que diálogo, querem doutrinar) e 2 de uma pessoa bem intencionada e aberta a um debate saudável, com direito a contraditório (coisa odiada pelo pessoal da TL, vide o episódio “boffetada” no Paraná).

    No discurso do Obama, ele fez uma apologia à “ditadura do relativismo”. As únicas palavrinhas de oposição neste insigne espaço de discussões abertas e sadias que é a universidade foram de um único indignado que, ao protestar, foi retirado do recinto… por isso, caro Gabriel Ferreira, cuidado com os seguranças da Unisinos.

  21. “Pois é. A depender de alguns iluminados, a Igreja jamais teria criado a Universidade…”

    Meu caríssimo amigo Gabriel, para que universidade se agora já existe: o tradicional Theology and medieval Philosophy for Dummies.

  22. Não tenho tempo de escrever muito, mas:

    Frei Boff, hoje Genésio, foi levado a silêncio obsequioso (pelo Cardeal Ratzinger) e por consequência expulso da ordem franciscana da qual foi “militante”. Para bom entendedor, a Santa Igreja age com que o problemático, abdique do seu cargo.

    Agora, excomunhão, ele já o está “latae sententiae” pelas suas posições heterodoxas…mas quanto mais ele é tipo excomungado, mais esta sociedade nefasta o eleva.
    Não muda nada, aliás, piora se o papa ratificar o que já é facto!

    Att.,

    Salve Maria.
    E.M. RVGarcia

  23. ***
    “Amerindia es una red de católicos de las Américas con espíritu ecuménico y abierta al diálogo y cooperación interreligiosa con otras instituciones.”
    O Congresso será uma ocasião especial para celebrar dois fatos significativos para a Igreja na América Latina e Caribe: os 50 anos da inauguração do Concílio Vaticano II, celebrada pelo Papa João XXIII, e os 40 anos da publicação do livro Teologia da Libertação. Perspectivas, de Gustavo Gutiérrez,****

    Mais um encontro dos comunistóides, disfarçados de teólogos.
    A única esperança é que: o “Sr. Tempo” é implacável. Eles estão envelhecendo, morrendo..
    Quem sabe daqui uns 10 anos (otimista) a situação seja melhor !!
    Tenhamos Fé (e saúde) ! Que viver poderá respirar ares melhores.
    São José, proteja a Igreja !

  24. Um debate acadêmico requer, antes de mais nada, igualdade de condições e abertura de mentes.

    Haverá igualdade de condições entre Leonardo Boff, Sobrino, Gutierrez, à esquerda, e Gabriel Ferreira à direita? Se houvesse, não seria plausível que, para compor a mesa de trabalhos, fossem convidados expoentes da “oposição”? Por que não convidam um padre conservador para expôr as deficiências e erros da teologia da libertação?

    Enfim, resta apenas uma única questão: este evento é realmente um espaço para o desenvolvimento intelectual através de um debate de idéias de maneira apropriada e científica, ou um mero encontro de frustrados que querem celebrar sei lá o que e “just get together”? O erro não tem direitos e simplesmente não pode ser objeto, não de estudos, mas de promoção, como é, a meu ver, este caso, por parte de uma universidade católica.

  25. Pois é, meu pobre comentário fragmentado, minha pobre razão fragmentada…Deus me ajude!
    Ainda não fui contaminado pelo marxismo leproso da TL….Deus me ajude!
    Agora, para quem se agrada em andar com os jesuitas heterodoxos e vermelhos, só resta dizer:
    Si cum Iesuitis non cum Iesu itis…

  26. Caro Pe. Bruno.
    Os “dummies” aos quais Vossa Rvma. alude tão caridosamente, preferem não perder a fé nas ditas universidades católicas que existem por aí (com bandeiras do Vaticano, inclusive) e que estão tão antenadas com o ensino tradicional da Igreja quanto Leonardo Boff com a ortodoxia em seus escritos.

  27. Prezado Antonio,

    Você – ao menos alguém – toca num ponto crucial. e aqui devo reiterar o que disse ao final no meu primeiro comentário: acho mesmo lamentável o tom festivo que parece pairar sobre o encontro. E, óbvio, isto se manifesta(rá) no fato de que – creio – não haverá igualdade de condições, até porque, sabemos, o debate sério de ideias – tanto filosóficas quanto teológicas – não é lá o forte dessa turma. Ou fogem ou censuram. No que diz respeito a isso, volto a dizer, a coisa é lastimável.

    Mas o seu comentário nos leva a tratar outro aspecto fulcral. Quando você diz: “O erro não tem direitos e simplesmente não pode ser objeto, não de estudos, mas de promoção…”, acerta o ponto de maneira irretocável. É absolutamente fundamental fazer a distinção que você faz, entre o estudo dos “erros” e a pura promoção. Não há mesmo nenhum problema em a Universidade abrigar o primeiro (ou não se deveria mais estudar Platão, Aristóteles, Kant ou Hegel?). mas incorre em grave erro se descamba para o segundo. A única coisa a dizer é que, se isto fosse feito num curral X ou Y, a portas fechadas, eu temeria mais. Mas a partir do momento em que se gira em torno de livros e ideias, em uma universidade, permanece a possibilidade, sempre em aberto, da réplica e do debate, ainda que modesto.

    PS: Pois é, Pe. Bruno. Agora fazem-se tradicionalistas de fornada. Daqueles que nunca pegaram sequer um volume da Summa nas mãos e que seriam incapazes de entender as primeiras linhas de um De ente et essentia…

  28. desculpas pelos erros de digitação de minha parte no outro post, mas devo ter expressado a ideia.

    Meu caro e velho amigo Gabriel,
    acho que o aviso de cuidado eh a unica coisa boa que mandaram por aqui para ti. Visto que no site desta Unisinos ja vi cada aberração, como igualar as seitas à verdadeira religiao, logotipos que lembram a PJ de SBC e/ou Santo Andre – TL, como sabemos nós, oriundos desta Diocese – além de comentários nada edificantes (digo, da alma, pq da física eles não erram).

    Sucesso na empreitada contra os hereges!

    A.M.D.G.

    E.M. RVGarcia

  29. Robson,

    A Santa Igreja tem que ser clara e não se preocupar com que o mundo vai dizer e achar.Tem que ser clara para os católicos e para quem quiser ver.

    Senão a gente fica como na situação atual,em que qualquer um pode dizer: O fulando de tal não foi excomungado nãaao,ele só levou um pito discreto,tanto que o fulano de tal está ai pelas universidades católicas participando de congressos.As idéias dele não são tão ruins assim,só tem uma inprecisão aqui e ali,a prova é que ele somente levou um pito do papa.

    Fiquem com Deus.

    Flavio

  30. Caríssimo e saudoso amigo Robson,

    Sei bem das aberrações que o IHU comete. Aliás, eu já os corrigi publicamente, escrevendo a eles, quando de um erro grosseiro. Foram, ao menos, honestos e publicaram minha correção. Dito isso, você bem sabe o quanto eu não temo ser mal visto por aqueles que insistem em macular a mãe Igreja. Só não posso nunca aquiescer com certas ideias torpes que, caso tornadas realidade, fariam da universidade um clubinho da casa da árvore de meia-dúzia de iluminados. Gente que pensa que a filosofia e a teologia começaram e encontraram seus termos no século XIII; que vetaria meu doutorado porque o filósofo em questão é protestante (ainda que, filosoficamente, seja relevante); em suma, que baniria da alta cultura grande parte de seus maiores gênios pelo fato de não professarem o Símbolo Niceno-Constantinopolitano.

    No mais, minha posição é aquela de minha resposta ao Antonio, com o qual concordo de modo quase inteiro.

    Em Cristo.

  31. “Pois é, Pe. Bruno. Agora fazem-se tradicionalistas de fornada. Daqueles que nunca pegaram sequer um volume da Summa nas mãos e que seriam incapazes de entender as primeiras linhas de um De ente et essentia… ”
    nem preciso dizer mais nada.
    em tempo: as pessoas quando clamam por caridade na verdade querem dizer o seguinte: caridade somente para mim, para os demais ferro e fogo.

    PAX

  32. “Agora, excomunhão, ele já o está “latae sententiae” pelas suas posições heterodoxas…mas quanto mais ele é tipo excomungado, mais esta sociedade nefasta o eleva. Não muda nada, aliás, piora se o papa ratificar o que já é facto!”

    caro Robson PAX
    vc se esqueceu de mencionar uma pequena consequência prática da excomunhão do Leo Boffetada; o preço de suas palestras pularia de 20 mil para 50 mil reais. espero que se isso ocorrer ele se lembre de quem tanto batalhou por isso, e lhes oferte uma pequena comissão.

  33. Pe. Bruno, ele teria razão em aumentar, pois precisaria recompor o rombo que causaria o fato de não poder mais dar conferências em universidades/dioceses católicas, o que deve perfazer 90% da sua audiência total. Acho que não sobraria nada para comissão, pois Boffeta estaria Boffequebrado.

  34. “as pessoas quando clamam por caridade na verdade querem dizer o seguinte: caridade somente para mim, para os demais ferro e fogo.”

    É que não leram a Summa com a mesma profundidade dos ilustres comentadores que a citaram.

  35. Verdade Flávio,

    Gostaria realmente que fosse assim, não por mim somente, mas pela saúde da alma de muitos.

    Mas, infelizmente, não ocorre e não funciona assim.

    O Santo Padre também não “arrebentou” com o Sobrino? E lá estará ele também neste evento.
    “Católicos da Geral” também não sabem nada disso…só sabem distinguir entre novo e velho.

    Meu caro, eu ouvi (não me contaram esta) um mitrado – parodiando Santo Antônio – dizer “vou encontrar o papa no mês X e vou querer saber dele PORQUE ESTE DOCUMENTO DA LIBERAÇÃO DA MISSA?”

    Se na nossa frente, foi este o comentário, o que será longe de nós?
    Minhas preces ao sucessor dos apóstolos, sempre.

    Grande problema e velho dilema deste país nada sério e sempre sub-desenvolvido.

    Os filhos da serpente são mais astutos, rápidos e serão sempre mais eficazes neste mundo, pois, este mundo não será sempre “um vale de lágrimas”?

    Vejamos como desenrola isto.

    Viva o Papa!

    E.M. RVGarcia

  36. Vossa benção Pe. Bruno,

    Verdade…esqueci do lado business que é mais saboroso para os que já se afastaram da ortodoxia a muito tempo.
    Salve Maria!

    E.M. RVGarcia

  37. vc se esqueceu de mencionar uma pequena consequência prática da excomunhão do Leo Boffetada; o preço de suas palestras pularia de 20 mil para 50 mil reais. espero que se isso ocorrer ele se lembre de quem tanto batalhou por isso, e lhes oferte uma pequena comissão.

    O que importa se o fulano vai ganhar 20 ou 50 mil? O importante é a Igreja posicionar-se cla
    ramente para todos os católicos e para quem quiser ver,e não viver nessa confusão que pode levar muitos católicos ao erro.

    Fiquem com Deus.

    Flávio.

  38. o diabo estará solto. só nos cabe começar a rezar para São Miguel Arcanjo destruí-los.

  39. Os teólogos da libertação pregam a pobreza, mas vivem como ricos. Taí a comprovação.

    O preço de suas palestras pularia de 20 mil para 50 mil reais. Fora venda de livros, etc.. etc…

  40. Prezado Gabriel Ferreira:

    Você declara que abomina a intrusão da esquerdopatia no pensamento católico. Deste modo, deve estar sendo um tormento sua jornada acadêmica, visto que optou pela sede latino-americana do pensamento “católico” de esquerda, pelo local abominável que se destaca por sua “elegante rebeldia” contra Roma e seu Bispo.

    Sinceramente desejo bom êxito em sua graduação, só acho que sua aversão à esquerdopatia e sua opção acadêmica pelo nascedouro das idéias esquerdopatas são coisas que não se coadunam.

    Conheço a Biblioteca da UNISINOS e também fiquei maravilhado com ela, e de modo algum estou criticando o fato de uma Universidade ter um campus grande, moderno e confortável. Apenas ressalto a hipocrisia dos libertacionistas em criticar a história da Igreja por seu suposto acúmulo de riquezas, apontando o dedo por exemplo para a existência de templos dourados suntuosos no passado, e ao mesmo tempo fingindo não saber que um campus universitário também foi construído com dinheiro.

    Dou razão à você ao dizer que criticar a existência de grifes é coisa de “esquerdinha”. Mas é justamente a “esquerdinha” católica jesuíta que dirige aquele centro de grifes e simultaneamente vai à internet, aos plenários e mesmo aos altares vociferar contra o “sistema capitalista” e fazer lobby de movimentos sociais. E sobretudo, semeiam mais “esquerdinhas” pelos trigais de nosso Deus.

    Houve uma manifestação estudantil na primeira noite de palestras no Simpósio do qual participei, na porta do suntuoso auditório da Universidade. Não cabia mais gente apesar do tamanho da sala e, digamos, o súbito líder daquela improvisada manifestação gritou aos seguranças: “Se os padres gastassem menos com este Shopping Center, haveria lugar para mais gente”. Confesso que sorri interiormente ao ouvir isso: a esquerda “católica” fica sabendo assim que nem sempre pode agradar a esquerda “laica” como tanto deseja. E a faixa, sim, foi afixada num dos botecos internos do campus por estudantes liberais, o que para mim foi ótimo, pois tratou-se de uma saudação dos socialistas-materialistas aos socialistas “espiritualizados”.

    Se o sr. reparar bem no meu comentário sobre o preço do restaurante, verá que o tempo está no plural: “Nós, pequenos-burgueses, ÍAMOS a São Leopoldo” almoçar. Não era pão-durice exclusiva minha, mais colegas meus achavam aqueles preços elevados demais. Em se tratando do baluarte do pensamento libertacionista-católico, julguei que fosse encontrar algo no nível da USP onde a esquerda respaldaria seus postulados a começar pela arquitetura, e não um “shopping center” com altas taxas de alojamento, estacionamento e restaurante, dirigido por teólogos da libertação que clamam contra a Igreja que se esqueceu dos pobres…

    Por fim, se hastear a bandeira do Vaticano (não me lembro disso, não vi bandeira vaticana quando lá estive) assegurasse ortodoxia ou qualidade da Fé, penso que a Nunciatura em Brasília representaria um terror para a CNBB.

    Salve Maria!

  41. A outrora e grande baluarte da contra-reforma COM – panhia de JESUS, hoje, pode-se dizer que JESUS está em MÁ- companhia.

  42. Se vocês já estão assim com essa notícia, é porque nunca assistiram a missa celebrada pelos jesuítas na capela da Unisinos.
    Eu, que ainda estudo na universidade, frequentei muito essas celebrações quando ainda estava, digamos assim, pendendo para a ala progressista (Deus me perdoe).

    Nas missas, há um semi-círculo de cadeiras em volta do altar. O sacrário, óbvio, deslocado para a direita, longe do centro. Não há cruz em parte alguma. Os poucos que se ajoelham durante a consagração, recebem olhares indiscretos.

    A comunhão é na modalidade self-service, e nas duas espécies: o padre deixa o cálice e o cibório sobre o altar, e cada um se serve de uma hóstia, embebe-a no cálice, e comunga. Preferi não dizer corpo e sangue porque tenho minhas dúvidas da intenção do sacerdote em realizar o sacrifício.

    Certa vez, antes da missa, o padre nos disse que devíamos rezar para que o Papa Bento XVI tivesse mais juízo.

    Quando colocava na lista de intenções que os jesuítas voltassem a ser católicos, ele nunca lia, claro.

    Isso tudo sem contar uma porção enorme de heresias e ataques a fé que constituem os sermões. Quando eles são feitos, claro, já que pega mal querer ensinar alguma coisa a alguém.

    Ah propósito, nem falemos do Congresso sobre as contribuições do “grande” Martinho Lutero para a religiosidade moderna, organizado também pelo Instituto Humanitas ano retrasado.

    A bandeira do Vaticano deve ter sido hastiada por engano na Unisinos…

  43. EM TEMPO :(pode-se) leia-se; pode se.

  44. caríssimos. noticias como esta (TL, boff e caterva) costumam acirrar os ânimos. alguns sem dolo acabam por descarregar as suas armas nas próprias fileiras.

    caro Antonio. nem só de uni “católicas” vive o boff; seus livros e idéias transloucadas também são sucesso nas universidades públicas (embora seja difícil imaginar se ele pode fazer nelas mais estrago do que por si só já são). mas não se engane a excomunhão não evitara que ele continue a palestrar nas ditas Puc’s.

    caro Flavio. longe de mim afirmar que a Igreja não deve se posicionar claramente. a minha referencia aos valores monetários que o papai noel boff ganha com suas palestras é a simples constatação da realidade; ele nunca fez tantas palestras nem nunca vendeu tantos livros antes de sua condenação pela CDF (aliás, permita-me dizer que este é o sonho de consumo do frei beto). Houve um tempo em que a excomunhão de um escritor levava seus livros ao index, hoje os leva para a lista dos mais vendidos. Como disse longe de mim não querer que essa patota seja devidamente enquadrada. Mas como ex milico a minha cabeça pensa em parâmetros de estrategia de guerra; portanto nesse caso apenas elucubro qual a melhor estrategia para vencer a guerra e destruir o inimigo.

    Caro Rodrigo. desarme-se meu caro, ou melhor direcione a sua agressividade para a frente de batalha. Que tal se juntar ao Gabriel na UNISINOS e fazer com que a voz da catolicidade seja ouvida. Não leve a mal o que digo, não quero de modo algum ofende-lo, mas apenas sacudi-lo. Se a TL chegou onde chegou a culpa é em parte nossa. Nós esbravejamos (e com rezão) todas vez que sabemos que a quadrilha vai espalhar o seu veneno em uma Puc da vida; mas me diga o que realmente fazemos? vamos até lá para dizer nossas duas palavras? enfrentamos os leões? mostramos aos presentes as incoerências e a falta de logica da ideologia vermelha?
    não quero aqui me vangloriar de nada, apenas fiz minha obrigação, mas quando estudava em uma faculdade “católica” heterodoxa e for dummies nunca me deixei abater. Em toda palestra a primeira mão levantada para pedir a palavra era a minha; no começo ensaiavam vais, mas depois quando os presentes percebiam a incoerência e desonestidade de certos palestrantes, (que iam de freiras aborteiras a ex padres frustados) comecei a receber uns tímidos aplausos.
    Por isso te digo caro Irmão façamos nós a nossa parte, sempre que houver um evento demoníaco desses próximo de nós, nos façamos presentes e não tenhamos medo de desmascara-los. E o mais importante não precisa ter medo ou se preocupar com agressões, por experiência própria posso lhe assegurar que esse povo da TL são um bando de covardes; falam, falam, mas na hora H saem correndo como galinhas (eu particularmente já chamei uns 3 para resolver as coisas como homem, mas estou esperando até hoje).
    que Deus lhe abençoe

    .

  45. Vamos ser sinceros: Essa confusão toda é ou não é cria do Vaticano II?

    Como a Santa Sé não é clara em condenar a maldita TL, claramente seguindo o relativismo do Vaticano II, os teólogos da libertação, junto com os movimentos modernistas carismáticos, fazem a festa dentro da Santa Igreja.

    Vamso supor, pois já aconteceu, Bento XVI faça uma critica mais radical contra a maldita, não vai demorar para aparecer teologos da libertação defendendo a mesma porque João Paulo II, o tal beato, disse que ela “é justa e necessária”. Como hoje a Igreja Católica foi contaminada pela democracia liberal, os hereges da TL irão dizer que eles ficam com a opinião do “maior papa da história da Igreja”.

    Enquanto não se condenar o Concíclio Vaticano II, continuaremos vendo isso: Diálogos infrutiferos; TLs não encontrando resistências, e católicos abobalhados.

  46. Ah, tá …. o fato é mesmo assim: ratifica-se o erro e retifica-se o certo. Coisas da nova igreja, claro!

  47. O comentário do Fábio, me lembrou uma recente leitura de um texto de Don Curzio Nitoglia:

    “Mao Tse Tung o havia planificado: “faz do homem uma meia mulher e da mulher um meio homem. Assim governará facilmente sobre meias coisas”. Nos ambientes eclesiásticos fizeram dos “monsenhores”, meios “mon-senhores” e assim a “Sinagoga de Satanás” (Apoc., II,9) pode governar sobre “meias coisas”, a saber um híbrido o “judaico-cristianismo”. “Mala tempora currunt, sed bona tempora veniant”. Pio XII tinha intuido: “é todo um mundo a ser refeito desde o fundamento””.

    Popularmente isto seria: “em terra de cego quem tem um olho, é rei. Então, se você não conseguir furar os dois olhos do seu próximo, fure ao menos um, assim você tendo dois, reinará sobre aqueles que não tem nenhum e sobre aqueles que tendo um, terão meia-visão”.

    É difícil deixar as brincadeiras à parte, quando a realidade eclesiástica tornou-se uma brincadeira. Onde os leigos brincam ao serem meio eclesiásticos e os eclesiásticos brincam ao serem meio leigos. Mas o problema em si, é que eles querem contradizer Santo Tomás: “Um pequeno erro no princípio será um grande erro no fim”. Tanto a teologia da libertação, como os movimentos que podemos ler no artigo “Professor Ratzinger? Bom demais” (Leonardo Boff teve seus estudos patrocinados pelo próprio Professor Ratzinger), apresentam erros no princípio que evidentemente, se tornariam grandes no fim, se não fossem as infinitas correções da Congregação para a doutrina da fé. Percebam, eles mantém o erro no princípio, e ficam corrigindo, corrigindo e corrigindo até o infinito. Mas qual a razão disto? Creio que só Deus o saiba.

    Imaginem uma condenação da Teologia da Libertação nos moldes tradicionais, isto nos faria pensar e contemplar a verdade sobre a atual situação do Vaticano. Porque automaticamente nos perguntaríamos:

    Por que não se condenou a teologia da libertação no princípio? Para se cumprir a suprema lei da Igreja, não é preciso cortar o mal, pela raiz?

    Quando se deseja cumprir a suprema lei da Igreja, a salvação das almas, uma teologia que apresenta maus princípios, não pode nem mesmo em hipótese, ter liberdade para crescer. No entanto, quando confere liberdade a tais teologias, chega-se a conclusão, que a liberdade tornou-se a suprema lei da Igreja. Isto é bem como diz Santo Agostinho: “Que morte pior há para a alma do que a liberdade do erro?”.

    Fiquem com Deus e que ele lhes conserve, os dois olhos (a fé e a lei natural).

  48. Duvido muito que os jesuítas permitam que Boff, Gutierrez, e Sobrino venham ensinar na Unisinos. Eles pregam um catolicismo muito ortodoxo para os padrões da Universidade.

    Alguém antes perguntou sobre alguma atitude por parte do Bispo. São Leopoldo, cidade onde está a Unisinos, pertence a Diocese de Novo Hamburgo, cujo Bispo é Dom Zeno (domzeno@mitranh.org.br).

    Se alguém se animar a lhe mandar um e-mail, aproveite e solicite a Missa Tridentina aqui em Novo Hamburgo, pois os meus e-mails com esse pedido, assim como as denúncias de abusos litúrgicos, deram em nada.

    Entretanto, como várias mobilizações via Fratres in Unum já deram excelentes resultados, sigo tendo esperanças.

    Ah, e se alguém tiver tempo sobrando para perder e quiser reclamar ao reitor da Unisinos (o que é óbvio, não adianta nada), Pe. Marcelo Fernandes de Aquino, o e-mail oficial é reitor@unisinos.br. O particular é aquino@unisinos.br.

  49. Tendo em vista o Congresso de “Teologia” da Libertação em 2012, lançamos uma MEGA-PROMOÇÃO: Dê a sua ideia de manisfestação católica anti-TL! O autor da sugestão mais criativa e impactante será incluído nas intenções de um rosário, e pode ver sua ideia se concretizar na Unisinos durante o Congresso!

  50. Aproveitando o assunto, gostaria de deixar bem claro que o “TL” que eu uso é apenas abreviação do meu sobrenome…

  51. CITANDO:

    Gabriel Ferreira
    agosto 29, 2011 às 4:40 pm

    “A única coisa a dizer é que, se isto [Congresso de teologia da libertação] fosse feito num curral X ou Y, a portas fechadas, eu temeria mais. Mas a partir do momento em que se gira em torno de livros e ideias, em uma universidade [na UNISINOS], permanece a possibilidade, sempre em aberto, da réplica e do debate, ainda que modesto. ”

    10 linhas antes ele escreveu:

    “creio – não haverá igualdade de condições [na UNISINOS], até porque, sabemos, o debate sério de ideias – tanto filosóficas quanto teológicas – não é lá o forte dessa turma. Ou fogem ou censuram. No que diz respeito a isso, volto a dizer, a coisa é lastimável.”

    Ué, mas se as coisas são assim, qual a diferença com “um curral X ou Y, a portas fechadas”?

  52. Rev. Pe. Bruno, sem ressentimentos. Um abraço!

  53. Olá Ana, os documentos oficiais são as notas preliminares do então Cardeal Ratzinger de 1984 e duas Instruções do Santo Ofício cujo nome não me recordo.

  54. O que a sra. está procurando são anátemas e isso a sra. não vai achar por dois motivos. O primeiro é que a Teologia da Libertação é algo muito vago, ela não é um conjunto fixo e determinado de afirmações doutrinais. Ela é uma outra forma de pensar. O então Cardeal Ratzinger deixa isso muito claro em suas notas. Segundo porque as afirmações que os “teólogos” da libertação fazem já foram anatematizadas na prática em outros documentos anteriores, como por exemplo no Syllabus Errorum.

  55. Senhor A.Carlos, n sei o quê o senhor acha que procuro, pq para mim já achei e faz tempo: falta de pulso de alguns papas.