A saga continua: “A função específica do sacerdote é oferecer o sacrifício e proclamar a verdade”.

Com informações de Aaron Bracamontes, de El Paso Times, e Rosario Salgado Halpern, de Presidio International e The Big Bend Sentinel.

Pe. Michael Rodriguez.

Pe. Michael Rodriguez.

Para os leitores que têm acompanhado os sofrimentos e lutas do valoroso padre Michael Rodríguez, exilado por seu bispo por defender a santidade do matrimônio e combater o pecado da sodomia, informa-nos o sítio Big Bend Now o seguinte:

“Rodriguez chegou à cidade de Presidio no sábado passado e falou esta semana sobre as mudanças que pretende fazer na paróquia de Sta. Teresa. As leituras e os sermões serão em espanhol e inglês, de acordo com a Missa que estiver sendo celebrada. Ele introduzirá gradualmente a Missa em Latim”.

“O que estou planejando é oferecer uma Missa Tradicional em Latim”, disse ele. “A Missa em si será diferente, à parte do idioma latino. Ela será conforme o rito antigo, aquele do missal de 1962.”

Muitas missas são celebradas de acordo com o missal de 1970. Ao ser indagado do motivo por ter optado pelos ritos antigos, ele disse: “Estou tentando recuperar a fé católica.”

O catolicismo mudou com o tempo, ele enfatizou.

“Perdemos muito da fé católica,” disse Rodriguez. “O matrimônio é visto de maneira diferente. Muitas pessoas e crianças não sabem como rezar. Muitos não sabem sobre o Dia do Juízo. Muitos elementos se perderam, e é nisso que vou me concentrar.”

O sacerdote tem a intenção de fortalecer o culto seguindo ritos antigos.

“Recuperarei o culto e o rito antigo,” disse. “Vista-se com modéstia – Todos esses aspectos constituem exemplos de que temos que recobrar a nossa fé católica a fim de prosseguirmos.”

Esses pontos de vista se estendem aos papéis da mulher como leitores e acólitos.

“Vamos tentar proporcionar gradualmente um melhor entendimento para todos de seu papel na Missa. E o mais importante não é o que você está fazendo por fora, mas sim uma compreensão verdadeira de que estamos na presença de Deus no sacrifício da Cruz no Calvário. Os elementos diferentes dos ritos antigos vão nos auxiliar nisso. Com o tempo, as pessoas irão perceber que o lugar próprio dos leigos durante a Missa não é no presbitério, mas sim nos bancos da igreja.”

Há uma razão para isso, disse Rodriguez.

“A função específica do padre é oferecer o sacrifício e proclamar a verdade,” observou o sacerdote. “O papel dos fiéis é levar a verdade para o mundo.”

Rodriguez não achava que essa convicção faria com que as mulheres deixassem [a paróquia de] Sta. Teresa.

“Trabalharei com o padre Hinojosa (o pároco), e ele será o encarregado. As coisas não mudarão do dia para a noite. Tentarei conquistar as mentes e os corações de alguns fiéis, tentando recuperar a fé católica.”

O padre Michael Rodriguez não sabe quanto tempo permanecerá em Presidio.

“Há alguns motivos legítimos para a minha transferência de San Juan Bautista em El Paso para Santa Teresa em Presidio. Mais do que eu não posso comentar.”

13 Comentários to “A saga continua: “A função específica do sacerdote é oferecer o sacrifício e proclamar a verdade”.”

  1. Ah! se a maioria dos padres de hoje soubessem o que é ser sacerdote de Deus, como bem sabe o Pe. Michael Rodriguez.

  2. Ah!Se ele fosse punido e mandado para o Brasil!Como eu iria agradecer!!

  3. Esse ínclito sacerdote é uma luz forte nas densas trevas que desceram sobre a Igreja nos últimos 50 anos. Por isso que ele incomoda os padres infiéis e incompetentes e o seu bispo hipócrita . Mas é a Mão Divina Quem traça o percurso de seus filhos e se o querido Padre Rodriguez está em uma paróquia em Presidio é porque alí Deus fará grandes coisas através de seu apostolado sacerdotal. Como dizia São Francisco de Sales: “Onde Deus nos plantou aí devemos florescer.”

  4. Padre Michael ainda que não conheça muitos de nós, saiba que nos encontramos sempre no Cristo e a Ele unidos lutaremos, cada um em suas circunstâncias, pela restauração da fé católica.

  5. Vamos olhar para o lado bom da “coisa”! “A antiga serpente”, “o coisa ruim”, “o tinhoso” na sua empreitada contra a Fé entrou na Igreja usando as pequenas comunidades com suas respectivas paróquias. Através dos seus agentes (Exmp.Leonardo Boff. frei Beto,Ivone Gebara e outros tantos.) satanás fez a sua obra enganando os mais simples e se infiltrando nas paróquias mais distantes, e foi subindo, subindo até chegar aos Bispos e por fim todos sabem, chegou e tomou acento no Concílio Vaticano II. Assim afirmou o Papa que encerrou o dito concílio. “A fumaça de satanás entrou na Igreja” disse Paulo VI. Estamos acostumados a ver as coisas pelo prisma das grandes cidades com suas arquidioceses, dioceses. grandes paróquias e padres “saindo pelo ladrão”, porem, no interior la bem longe nos “cafundós do judas” onde as pessoas só veem um padre uma vez por mês a “coisa” é bem diferente. O “lado bom” é que essa paróquia (Santa Tereza em Presidio) acaba de receber um Padre verdadeiramente católico. Bom é para essa comunidade de Presidio tê-lo como sacerdote. É preciso pensar que as pessoas simples também tem necessidade de um sacerdote bem formado, de uma boa homilia e de um Padre que eleve o nível espiritual, moral e por que não cultural dessas comunidades?!… Nasci em uma pequena cidade do interior da Paraiba e sei o que estou dizendo. Um Padre vinha nos ver uma vez por mês ou a cada dois meses. Quando os agentes da nona igreja chegaram em 1968 já foram mostrando a que vieram e a primeira obra deles foi derrubar o Altar e colocarem a mesa de cozinha no presbitério. Eu assisti essa cena malvada! No mês de maio se fazia novenas a Nossa Senhora mas não se podia mais colocar muitas flores na mezinha (O altar foi derrubado) onde se colocou a Imagem pois o padre não gostava de flores nas imagens. Na realidade aquele padre não gostava nem da Imagem de Nossa Senhora. Era um padre dessa “turma”: “padre SJ”. Em seguida chegou uma dupla ou um casal pois até hoje não consigo saber o que era “aquilo” Era um padre e uma freira vindos da Holanda. Ai o “bicho pegou”! Era um escândalo só… Esta mulher andava “pra cima e pra baixo” usando uma saia justa na “altura do joelho” com a cabeça descoberta e um corte de cabelo masculino, introduziu nas missas essa “música” maluca que se canta até hoje, e se metia a reger a assembléia num frenético balançar de braços como fazem os protestantes (Eles vinham da Holanda) em frente a mesa de cozinha no presbitério. Como se fosse pouco dormiam sozinhos num andar superior a sacristia que era reservado aos padres quando visitavam a cidade. Soubemos depois que esse padre largou a batina (Força de expressão ele nunca usou batina) e se casou. Contei um pouco de tudo que vi nos anos 60 e 70 naquela cidadezinha para dizer que se não temos padres católicos nas pequenas e distantes localidades o diabo toma conta. Começou nos lugares mais remotos e acabou no Concílio Vaticano II em Roma. Não devemos “lamentar” a ida deste grande Sacerdote para “Santa Tereza” em Presidio pois pode ser a vontade de Deus Nosso Senhor.

  6. Olha, nesse último anos tive a graça de saber que existem dois padres fiéis (ao meu ver, pelo menos): ele, e o padre Paulo Ricardo. Estamos numa nova geração, os novos sacerdotes, grande parte, têm tendência de ser, realmente, mais fiel a tradição. Louvado seja!

  7. Me tornei admirador do Pe. Rodriguez apôs tomar conhecimento sobre ele aqui no Fratres.Destaco aquela excelente entrevista que ele deu ao Fratres.Gostaria de saber quais os motivos legitimos de sua transferência que ele diz no final.Quem sabe saibamos no futuro.

    Que Deus o aguarde,e que atravês deste belo trabalho que se propõe a realizar na nova paróquia colham-se muitos frutos.Quisera termos no Brasil milhares de Pe.Rodriguez.

    Olhando o Pe Rodriguez e a foto anterior dos religiosos da FSSPX,ve-se como se perdeu quando se deixou a batina de lado.Dou um simples exemplo: Um padre,que tem que se deslocar pela cidade,se usasse batina,seria de fácil percepção para as pessoas,que tendo acesso ao padre nos trajetos dele pela cidade,poderiam buscar junto a ele,uma benção,um acoselhamento,etc…Mas como hoje os padres são anônimos,isso se perdeu.

    Só pude ver muito recentemente um padre de batina com o advento da missa de sempre na minha cidade,quando ele passa para colocar os paramentos pouco antes do começo da missa.Pude constatar a sobriedade,e ao mesmo tempo,a grandeza que o uso da batina traz consigo.

    Este é um aspecto as vezes considerado menor,mas que par mim é um dos grandes indicativos da grave crise que vivemos.

    Fiquem com Deus.

    Flavio.

  8. Dom Luciano, bispo de Nova Iguaçu, é italiano, poderia o Papa nomear o pe. Michael, assim que D. Luciano se aposentar, para bispo de Nova Iguaçu. Morte à TL na cabeça.

  9. “Trabalharei com o padre Hinojosa (o pároco), e ele será o encarregado. As coisas não mudarão do dia para a noite. Tentarei conquistar as mentes e os corações de alguns fiéis, tentando recuperar a fé católica.”

    O Padre Michael não foi apenas transferido; ele foi rebaixado de Pároco de San Juán Bautista para vigário paroquial do padre Hinojosa, este sim, Pároco da Paróquia de Santa Teresa.

    Se querem entender o mal disso tudo, é só lembrar do que dizem os padres que estão em situação semelhante:

    “Vigário paroquial: melhor não sê-lo e nem tê-lo”

    Que a Virgem Maria socorra esse seu filho sacerdote que recomeça bem longe de onde estava e com as mãos atadas.

  10. ”Ah!Se ele fosse punido e mandado para o Brasil!Como eu iria agradecer!!”[2]

    Adorei isso!!

  11. “Com o tempo, as pessoas irão perceber que o lugar próprio dos leigos durante a Missa não é no presbitério, mas sim nos bancos da igreja.”

    Ao ler isto, me lembrei de Santo Ambrósio. Em certa ocasião, estando o Imperador em Milão para a Missa, ele sentou-se no presbitério (como era costume no oriente). Vendo Santo Ambrósio isto, foi até o presbitério e expulsou-o de lá, sem nenhuma explicação. Embora muito tenha se falado entre um casamento entre o trono e o altar, reis e imperadores nunca se assentaram no presbitério (pelo menos aqui no ocidente), como os leigos na Missa de Paulo VI!

    Parabéns ao Padre Michel!

  12. “Em seguida chegou uma dupla ou um casal pois até hoje não consigo saber o que era “aquilo” Era um padre e uma freira vindos da Holanda.”
    Deus no defenda das “pérolas” vinda da Holanda no pós concílio…
    Na Holanda, e aqui também, fizeram fogueiras com os altares, com as imagens, com os paramentos, com os púlpitos, e o pior, com a doutrina. Não é de lá o tal catecismo holandês, um verdadeiro e genuíno manual das mais pútridas heresias abomináveis?
    A Holanda, a Bélgica, etc…de canteiros de santas vocações, viraram, ainda que em extinção, graças a Deus, um covil dos mais baixos e sórdidos heresiarcas. Mas, como toda a trupe dessa maldita “teologia” da maldição e da maldita e degringolada “teologia” liberal, estão fadados ao fracasso…
    Que Nossa Senhora Aparecida abençõe o Pe. Michel na sua nova missão, não importa onde, o importante é que Nosso Senhor e sua Santa Igreja sejam anunciados na verdade e integridade da nossa fé divina e católica.

  13. Também fui testemunha ocular do que um padre holandês fez na paróquia que eu frequentava.
    Na missa nova que ele celebrava, introduziu uma “brilhante inovação”.
    Na comunhão ele ia para o ambão e cantava… cantava. E deixava no altar o “corpo e o sangue de cristo” (o diminutivo é intencional), para que os fieis se “servissem” e comungassem por si próprios.