Assis, as intervenções dos delegados da religião ioruba, hinduísta e budista.

ASSIS 2011 — AWIS AGBAYE (Ioruba): “RESPEITO PELAS RELIGIÕES INDÍGENAS”

(Assis, por nossos correspondentes)

Praça vazia -- Assis, em torno do meio-dia, pouco antes do fim das atividades do período da manhã: ao contrário do que informou o Vatican Information Service, que falou de uma multidão acompanhando o evento por telões na praça, pouco mais de 500 pessoas compareceram. Foto: La Porte Latine.

Praça vazia. Assis, em torno das 12h, pouco antes do fim das atividades do período da manhã: ao contrário do que informou o Vatican Information Service, que falou de uma multidão acompanhando o evento por telões na praça, pouco mais de 500 pessoas compareceram. No discurso de encerramento, o Papa também agradeceu à "multidão de jovens" presente. Foto: La Porte Latine.

“Chegou a hora para os líderes de todas as religiões do mundo de ter um novo quadro conceitual em que às religiões indígenas seja dado o mesmo respeito e consideração das outras religiões. Não podemos ter paz no mundo quando não respeitamos, abusamos ou desprezamos os nossos vizinhos”. Quem pediu isto foi Wande Abimbola, Awise Agbaye[1] que, para Assis, levou os cumprimentos dos povos da África e dos membros da religião ioruba[2] no mundo, da qual é porta-voz. Em seu discurso na Basílica de Santa Maria degli Angeli[3], Agbaye lembrou que “uma condição fundamental para a paz é que todas as pessoas de fé tenham respeito e amor umas pelas outras. Nos relacionamos com as pessoas pelo caráter que têm — disse — não com base na religião que praticam. Trabalhemos todos juntos por um maior respeito, amor e justiça, enquanto, ao mesmo tempo, continuamos fiéis às doutrinas das religiões que abraçamos”. Pelo porta-voz também chegou um apelo ao pluralismo religioso, “a nossa religião, bem como as religiões praticadas por outras pessoas, são válidas e preciosas aos olhos do Todo-Poderoso” e ao respeito pela natureza, “enquanto à natureza não for dado o devido respeito e honra em nossos pensamentos e ações, os seres humanos não poderão encontrar a verdadeira paz e a tranquilidade que todos nós estamos procurando”.[4]

ASSIS 2011 — GOSWAMI (HINDU): “PAZ NÃO SE ALCANÇA COM MEIOS VIOLENTOS”

(Assis, por nossos correspondentes)

“A paz nunca pode ser alcançada através de meios violentos” é a mensagem levada à jornada de Assis por Acharia Shri Shrivatsa Goswami[5], indiano, representante da religião Hindu[6], que lembrou, em seu testemunho à basílica de Santa Maria degli Angeli, as figuras de Krishna[7], Buda[8], Mahatma Gandhi[9], Martin Luther King[10] e o bispo Tutu[11], “todos peregrinos da paz que afirmam que não há um caminho para a paz. A própria paz é o caminho. Nosso comum objetivo de paz pode ser alcançado através do nosso compromisso com a verdade. Para Mahatma Gandhi, a Verdade era Deus”. “Este compromisso — acrescentou Goswami — mesmo obstaculizado ou impedido, encontra igualmente o seu caminho através da não-cooperação não-violenta. A história dá testemunho de sua força”. Vinte e cinco anos após a reunião em Assis quista pelo Papa João Paulo II, “devemos refletir sobre nosso progresso nessa estrada. Por que não chegamos mais perto de onde ele queria estar? Estamos em falta na parte interior da viagem? O diálogo – enfatizou o representante hindu — será um exercício fútil se não o empreendemos com humildade, paciência e o desejo de respeitar o outro, e isso sem esperar o mesmo em troca. Isto nos fará capazes de dizer ‘não’ à injustiça. Isto requer muita coragem e essa coragem virá somente pela oração”.

ASSIS 2011 — JA-SEUNG (BUDISMO): “UMA FRATERNIDADE EM FAVOR DA VIDA”

(Assis, por nossos correspondentes)

“Não há lugar para a violência ou o terrorismo na religião, que enfatiza como cada vida é preciosa e deve ser amada. Cada uma de nossas vidas é uma bela flor que faz do mundo uma única flor e o torna um lugar glorioso e magnífico”. São as palavras de Ja-Seung[12], presidente da “Jogye Order” (Budismo coreano[13]), dirigidas aos líderes religiosos presentes hoje em Assis. Contra a violência e o terrorismo, Já-Seung lançou a proposta de “uma fraternidade em favor da vida, para eliminar as raízes da violência e da guerra conduzida em nome da religião ou da ideologia; uma fraternidade em favor da paz, de modo que a coexistência harmoniosa e o respeito mútuo se tornem possíveis neste mundo, independente da religião, da raça e da cultura”. “Além do mais — continuou — devemos aceitar nossas diferenças culturais e superar os conflitos culturais através da compreensão mútua e do crescimento espiritual”. Disto a necessidade de “uma fraternidade em prol da cultura e em favor da partilha, para ajudar aquelas pessoas que ainda sofrem com a pobreza, a fome e a injustiça”. Finalmente, concluiu, “gostaria de propor uma fraternidade em favor da ação, para que todos nós possamos experimentar esta verdade pessoalmente e ajudar a tornar este mundo puro e perfumado como uma flor”.

Fonte: Papa Ratzinger blog

Tradução: Giulia d’Amore di Ugento


[3] NdTª.: Continuaram usando os Sagrados Templos Católicos para homenagear, com discursos ao invés de orações, os ídolos e os demônios.
[4] NdTª.: O discurso dele, dentro da Basílica, é um manifesto anticatólico.
[5] NdTª.: Breve biografia.
[6] NdTª.: Religião Hindu. Os hindus acreditam num ‘espírito supremo cósmico’, que é adorado de muitas formas, representado por divindades individuais. O hinduísmo é centrado sobre uma variedade de práticas que são vistas como meios de ‘ajudar o indivíduo a experimentar a divindade que está em todas as partes’, e ‘realizar a verdadeira natureza de seu Ser’. Eles cultuam 330 mil divindades diferentes.
[7] NdTª.: De acordo com a tradição Hindu, Krishna é o oitavo avatar (manifestação corporal de um ser imortal, por vezes até do Ser Supremo, pode ser uma manifestação humana, animal ou uma combinação dos dois) de Vishnu (juntamente com Shiva e Brama formam a trimúrti, a trindade hindu, na qual Vixnu é o deus responsável pela manutenção do universo). É considerado, segundo o Movimento Hare Krishna (ISKCON), a Suprema Personalidade, sendo assim, a origem de todas as encarnações seguintes. Krishna e as suas histórias aparecem nas diversas tradições filosóficas e teológicas hindu. Embora, algumas vezes diferentes nos detalhes, ou até mesmo contradizendo as características de uma tradição particular, alguns aspectos básicos são compartilhados por todas elas. Estes incluem uma encarnação divina, uma infância e uma juventude pastoral e a vida como um guerreiro e professor. A imensa popularidade de Krishna fez com que várias religiões não-hindus que se originaram na Índia tivessem as próprias versões dele.
[8] NdTª.: Buda (Desperto, Iluminado) é um título dado na filosofia budista àqueles que despertaram plenamente para a verdadeira natureza dos fenômenos e se puseram a divulgar tal redescoberta aos demais seres. A palavra “Buda” denota não apenas um mestre religioso que viveu em uma época em particular, mas toda uma categoria de seres iluminados que alcançaram tal realização espiritual. As escrituras budistas tradicionais mencionam pelo menos 24 Budas que surgiram no passado, em épocas diferentes. De acordo com a tradição vixnuísta (os adoradores de Vixnu), o Buda é considerado o nono avatar de Vixnu.
[9] NdTª.: Mahatma Gandhi foi o idealizador e fundador do moderno Estado indiano e o maior defensor do Satyagraha (princípio da não-agressão, forma não-violenta de protesto) como um meio de revolução. Também inspirou gerações de ativistas democráticos e antirracismo, incluindo Martin Luther King e Nelson Mandela.
[10] NdTª.: Martin Luther King foi um pastor protestante e ativista político estadunidense. Morreu assassinado.
[11] NdTª.: Desmond Mpilo Tutu, bispo anglicano. Ao lado de Nelson Mandela, Desmond Tutu foi uma das figuras centrais do movimento contra o Apartheid.
[12] NdTª.: Breve biografia.

[13] NdTª.: O budismo na Coréia do Sul é dominado pela Ordem Jogye, uma seita sincrética, tradicionalmente ligado à tradição Seon. Já-Seung é seu atual líder.

15 Comentários to “Assis, as intervenções dos delegados da religião ioruba, hinduísta e budista.”

  1. “a nossa religião, bem como as religiões praticadas por outras pessoas, são válidas e preciosas aos olhos do Todo-Poderoso” . É MESMO! FOI DEUS QUEM DISSE ISSO A ELE , FOI?

  2. ” Todos os deuses dos pagãos são demônios ” Salmo 95, 5

  3. Só uma aspa aqui “Nelson Mandela pacifista”?? Só se foi depois que ficou velho na cadeia pq antes era membro de entidades comunistas que promoviam ataques terroristas com bombas na Africa do Sul.

    De resto, esse evento todo está me dando um tremendo nojo, desgosto…

  4. Manchete apropriada para este triste e catastrófico evento:

    Bento XVI convoca adoradores de demônios para rezar pela paz !

  5. Tudo isso e nojento uma grande ofensa a Nossso Senhor Jesus Cristo unico que pode trazer a paz, o mundo nao a pode dar, e esse escandalo esta sendo patrocinado pela Igreja Catolica. Permitir que hereges discursem em templos cristaos fere profundamente o primeiro mandamento da lei de Moises. O dever da Igrejja e pregar o nome de Jesus, unico nome dado ao mundo por Deus e fora do qual ninguem pode chegar ao Pai. Igrejas hereticas patrocinam o erro e o erro e incompativel com a verdade e a coluna e o sustentaculo da verdade e a unica igreja fundada por Jesus. O papa deve dar testemunho da verdade e nao permitir que heresias se propague. Triste.

  6. … já os líderes das “demais religiões” continuam adotando um discurso “ecumênico”. Essa ideia de juntar a Igreja e as “demais religiões”, tão díspares entre si, tão incompatíveis, contra “um mundo secular e anti-religioso” parece uma boa tática, mas creio que seja impossível na prática.

  7. Osires, n foi Deus, foi desgraçadamente o papa da verdadeira Igreja. O papa nos amarrou, quebrou nossas pernas e nós perdemos, estamos nocauteados. Por nós só Deus!

  8. O papa deve confirmar os irmaos na fe, esta fe e no nome de Jesus e de seu evangelho dado ao mundo para que esse pudesse ser salvo. Os deuses dos pagaos sao demonios e seus sacrificios sao a demonios. O erro e a verdade nao caminham juntos. O papa deve ser o primeiro a pregar a verdade mas o que estou vendo sao hereges pregando as suas verdades enquanto que o unico que pode salvar e levar ao Pai e sequer mencionado… Isso e escandaloso… Fala se de buda,gandi, crishina mas de JESUS parece qe ta proibido mencionar…

  9. “Adorarás o Senhor teu Deus com todo o coração e com todas as tuas forças e somente à Ele prestarás culto”.

    Se todas as religiões fossem boas, Nosso Senhor não tinha ordenado as missões, as conversões dos povos.

  10. 500 pessoas… deu vontade de rir… Conseguiram um público superior ao que eu imaginava…

  11. «Não farás aliança com eles, nem com os seus deuses. Não habitem na tua terra para que te não façam pecar contra mim, servindo os seus deuses, o que certamente seria para ti um escândalo»
    (Êxodo, 23, 32-33 – Recomendações de Deus a Moisés antes deste subir ao Monte Sinai)

  12. Claro, agora a Verdade é posta em paralelo com a MENTIRA. Esta sim é a grande crise atual, o triunfo da mentira sobre a Verdade. Nossa Senhora da “Verdade”, rogai por nós e pela Santa Igreja.

  13. Ana, minha querida amiga de comentários, infelizmente tenho que concordar com vc.

  14. Sem contar Osires, que falar algo em favor da Igreja nas nossas famílias será praticamente fim da paz familiar, se for almoço de domingo, indigestão na certa.