Itália: Fundador da Comunidade de Santo Egídio faz parte do novo Governo.

Lisboa, 17 nov 2011 (Ecclesia) – O fundador da comunidade católica de Santo Egídio [ndr: a mais poderosa e obscura promotora do sincretismo religioso infiltrada na Igreja Católica], Andrea Riccardi, tomou posse esta quarta-feira como ministro da Cooperação Internacional e Integração do novo Governo italiano.

Professor de história contemporânea, Riccardi, de 61 anos, mediou vários numerosos processos de paz, como aconteceu em Moçambique, contribuindo para o fim de 16 anos de guerra civil, em 1992.

“Num momento difícil, de prova para o país, onde está a decorrer um esforço comum para enfrentar a crise atual, aceitei o convite do presidente [do Executivo italiano] encarregado, Mario Monti, para fazer parte do novo Governo, na esperança de ajudar a obra de recuperação nacional”, declarou o ministro, citado pela página oficial da Comunidade de Santo Egídio.

A comunidade católica está presente em 73 países, incluindo Portugal, com projetos no domínio da cooperação internacional e da promoção da paz.

Andrea Riccardi recebeu o Prémio Carlos Magno (KarlPreis), em 2009, galardão atribuído a “pessoas e instituições que se distinguiram de forma particular na promoção de uma Europa unida e na difusão de uma cultura de paz e de diálogo”.

Tags:

3 Comentários to “Itália: Fundador da Comunidade de Santo Egídio faz parte do novo Governo.”

  1. Comunidade católica, leia-se seita. Dirigida por um “professor” leigo (ou ex-padre?). A Itália está cheia destes movimentos, alguns com grupos amigos, no Brasil.

  2. No Brasil, deputado do governo petralha comunista pro gay, aborto e afins é o mais novo membro da comunidade canção nova que tem selo do Vaticano.
    Já ia esquecendo: os petralhas são muito “Católicos” quem disse isso para eles foram: helder câmara, luciano mendes, casaldáliga, cardeal frei arns, frei boff, frei betto, frei tito ….nunca antes na história descepaíz um comunistas ‘católico’ tinha dito: sou um homem sem pecados.

  3. ecumenismo + política liberal = franco-maçonaria