Foto da semana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dom Wilmar Santin, O. Carm., nomeado prelado de Itaituba há pouco menos de um ano, administra o Sacramento do Crisma — com uma mitra muito original — na aldeia Muiussu, rio Cururu, no estado do Pará.

Tags:

43 Comentários to “Foto da semana.”

  1. Esse bispo tinha que ser deposto!!

  2. Quando vi a foto antes de ler o que estava abaixo pensei que fosse o cacique da tribo.

  3. Um carmelita? Desculpe, senhor bispo, mas o que o sr. chama de inculturação eu chamo de blasfêmia.

  4. Ué, pode um negócio desse ?

    Está aparecendo aqueles aztecas,maias !!

    Meu Deus !!

  5. A concorrência entre bispos para ver qual é o mais ridículo tá ficando pesada.

  6. Esse aí, provavelmente, faz parte da imensa maioria dos bispos que tira a batina do armário para a ad limina, e só. Se essa é a mitra, nem quero imaginar o báculo e o solidéu…

  7. Tem que ter muita Fé!

  8. Misericórdia, Senhor!!! Que falta de respeito!

  9. Nossa!!!! Lindo o modelito do bispo, bem inculturado ele, hein?

    Mas ele tem traços “conservadores”, uma vez que usa ainda a casula, paramento antiquado, em total destonância com os calores tropicais.

    Para as próximas celebrações, ele além do “cocar-mitra”, usará tanga e uma casula de folhas tropicais, para ficar mais intimamente unido ao “povo de Deus”…

    Bem, ao voltar para sua residência, esta não é (e nem pode ser “inculturada”), como as casinhas do “Povo de Deus”, geralmente palafitas, devendo ele, o companheiro bispo (hoje: coordenador da comunidade diocesana – linda esta versão!) fazer uso dessas invenções, nada inculturadas e repugnantes do capitalismo consumista alienante: ar condicionado, internet, freezer e micro ondas… Claro, e evidentemente que o carro de último tipo, ainda que popular, as passagens aéreas tanto nacionais, como para o estrangeiro (para buscar recursos para as pastorais, lógico, e não para um “pasturismo” como afirmam os “reaças”), sempre em classe executiva nos vôos…

    Este grande prelado não é daqueles Bispos antigos, com todos aqueles paramentos antiquados, impostos pela romanização… ostentando o luxo e a aliança entre a Igreja e as elites…. uma Igreja aristocrática, sem o conceito real e profundo do “Povo de Deus”!

    Graças ao concílio Vaticano II, toda essa “romanização” acabou, estes paramentos pomposos e estranhos à nossa cultura mestiça foram substituídos por algo mais pé no chão, mais inculturados, que “falam a realidade do povo simples da periferia”…

    Este sim é um legítimo representante da igreja conciliar, cujo inspirador é o apóstolo JUDAS ISCARIOTES e seu pai, o criador de todo ecumenismo e inculturação: LÚCIFER.

    Bem que se pudesse, goataria de perguntar ao companheiro Wilmar Santin, coordenador da caminhada da comunidade diocesana de Itaituba:

    – O que Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz diriam desse “filho” deles???

    De toda falsa modéstia e de toda apostasia, livrasi-nos Senhor!

  10. Qual foi o papa que deixou índios seminus comungarem?
    Então, o bispo entra pro coro: Dá-lhe plena comunhão da primavera conciliar!!

    Foi ordenado num estádio de esportes:

  11. Pois eu digo que o referido bispo obedece ao rito romano ordinário e é sensível às inúmeras exortações da Santa Sé para a prática da inculturação. Está em plena comunhão e sente com a Igreja.
    joão

  12. Vergonha alheia. É o único sentimento que tenho para com este senhor.
    Detalhe: o chapéu que ele usa é da Bolívia! e não do Pará, embora esteja decorado com penas coloriadas.
    Talvez o bispo fantasiado de índio esteja apenas tentando se parecer – ou prestar homenagem – a alguém que ele admire e tenha como ídolo.
    Pela parecença, quem sabe este aqui:
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/veja-4-cocaina-o-mal-que-o-querido-de-lula-evo-faz-ao-brasil/
    .
    Ou aqui com um amigo da mesma fé:

  13. Por isso que o rito romano ordinário não pode ser nada além de “ordinário” mesmo…

  14. Carmelita ??? Meu Deus, como as ordens religiosas estão perdidas!

  15. EU AINDA MONTO UM CIRCO!!!…

  16. Como dizem: antes, o clero catequizava os indígenas; agora, os indígenas é que estão catequizando o clero…

  17. É maravilhoso o esforço apostólico desse Bispo! Ele, sim, está levando as almas para Jesus. Os tradicionalistas deviam lavar a boca antes de se atreverem a criticá-lo. Mas é inútil esperar qualquer espécie de caridade por parte dos tradicionalistas… Queria ver eles indo lá para o meio dos índios, em vez de só ficarem atirando pedras nos outros…
    Irmão Afonso – do blog Luz e Calor

  18. Pode isso, Arnaldo?

  19. Que gracinha! (Hebe Camargo, XX d.C.)

    Mode Neoconservative ON:

    Gente, vejam pelo lado bom, ele está trajando a casula gótica. Dom Casaldáliga usava cocar e tanguinha (apenas) em certas ocasiões.

    Mode Neoconservative OFF.

  20. Irmão Afonso…..esse povo ai deveria ir não só no meio dos indios como tbm no meio das grandes favelas, no meio dos drogados,no meio do povo de rua…..ai sim a realidade é bem diferente p se falar de Jesus…….

  21. Quem primeiro evangelizou os índios? Com missa em latim, que absurdo. O país era mais católico antes do que hoje.
    Entrar no meio da floresta hoje é fácil. Queria ver os progressistas desbravando terras, sem remédios ou anti ofídicos, como em 500 anos atrás. Queria ver os progressistas deixarem Cristo falar mais alto para os índios e não ficarem apenas no respeito pelo paganismo.

  22. “Queria ver eles [tradicionalistas] indo lá para o meio dos índios, em vez de só ficarem atirando pedras nos outros…”

    Eles já estiveram lá, irmão Afonso, no tempo da colonização (e evangelização), enfrentando onças e flechas para ensinar a santa doutrina aos silvícolas. Os “missionários” modernos lobbystas da teologia da libertação passam ali somente para desmanchar o serviço.

    Legal o irmão querer ver tradicionalistas nas missões da floresta, mas será que o BISPO gostaria de vê-los lá também?

  23. Os jesuítas, como o Pe. José de Anchieta, da época da colonização é que faziam um belíssimo trabalho de evangelização entre os índios sem contar com qualquer tipo de recurso. Quem quiser conhecer um pouco desta história basta visitar a cidade de Anchieta (E.S.). Ou então vejam o filme “A Missão” com Robert de Niro.

  24. PODE ISSO ARNALDO???

  25. Gostaria de lembrar – especialmente ao Irmão Afonso – a seguinte matéria publicada aqui no Fratres:

    https://fratresinunum.com/2010/07/28/o-cacique-o-padre-e-a-missa/

  26. É muito excesso de criatividade litúrgica. Do que já tenho visto na Igreja do Brasil, já nem me espanto. Estamos colhendo os frutos da tão querida no Brasil, teologia da libertação, que tirou Deus do centro e colocou o povo, a comunidade, o pobre, e espiritualidade passa longe. O Espírito Santo quer visitar a Igreja do Brasil, mas não estão querendo deixar ele por que dão ‘preferência aos pobres’ e ao ‘povo’. Afinal, ‘a Igreja é do povo, não é?’ O Senhor precisa voltar a ser centro da Igreja.

  27. Senhores, mais devegar por favor. O uso de um chapéu estranho durante a celebração e camiseta fora dela são lamentáveis mas não é motivo para depor o Bispo nem chega a ser uma blasfêmia. Algumas críticas aqui me parecem áridas demais, o clero progressista (supondo que o Bispo em questão seja dele) não deve se converter para nós em saco de pancadas ou em uma malhação de judas.

    É possível assimilar algo da cultura da população que se está catequizando quando este algo não ofende a doutrina católica. Houve um grande missíonário verbita na China o Pe. José Freinademetz (1852-1908) que no final da vida mais parecia um chinês que um europeu até na maneira de cortar a barba e usar um chapéu redondo preto típico de chinês. Usava sempre a batina é verdade mas junto com ela usava muitas vezes uma espécie de casaco preto muito característico da china pré-comunista. Sua ortodoixa nunca foi posta em dúvida, pelo contrário, quase morreu porque combatia o paganismo dos mandarins e dos boxers (a seita da faca preta).

    Oração e penitência pelo clero.

  28. Manda ele pra festa do Boi Bumbá!!

  29. Prezado Irmão Afonso;

    Realmente você tem razão, companheiro.

    Esses “reaças” ficam falando de coisas bizarras, como hábito religioso, Missa (em latim, evidentemente), hóstias, comunhão de joelhos e na boca, devoções hipócritas e ultrapassadas, como rosários, Sagrado Coração de Jesus… coisas muito ultrapassadas, realmente… também defendem coisas absurdas, como a castidade, o celibato, são anti gay e anti aborto, uma vez que o corpo pertence à mulher!

    Realmente irmão, o companheiro tem razão!

    Esses “reaças” são muito alienados, nunca irão ao combate pela terra, já que “Terra de Deus, Terra de Irmãos”, não são favoráveis à inculturação e nem aos valores do povo! Tampouco lutam pela Ecologia, já que a “Terra geme pela violência da agricultura e da pecuária”…

    Esses “reaças” nem se importaram com o calor que o pobre prelado carmelita enfrentou usando aquela casula, totalmente destonante do clima tropical, uma cruel e brutal imposição romanizante!

    Sim irmão, você está coberto de razão!

    Infelizmente essa turma de “reaças” tem-se mostrado um tanto forte, mas nosso companheiro e irmão de caminhada, Jesus de Nazaré (o Jesus histórico) irá expulsar esse grupo de aliados da burguesia, submissos às idéias romanas ultrapassadas, da comunhão cristã, hoje em plena comunhão com os irmãos separados, o “Sonho de Deus”, anunciado pelo grande Lutero!

    Realmente irmão, você está correto, pois, essa atitude do companheiro prelado, coordenador das pastorais daquela comunidade diocesana a caminho, está perfeito, em plena comunhão com os cristãos engajados, como ensina a Gaudium et Spes, a Mater et Magistra e os Grandes Documentos Conciliares do Vaticano II.

    Perfeitamente correto, irmão! É evidente que esses “reaças” estão totalmente enganados!
    A VERDADE CONCILIAR lhe mostra a certeza de que o companheiro prelado está perfeitamente correto!

    Saiba, irmão, que esses “reaças” estão errados, eles estão ligados ao ensinamento superado feito por um tal Cristo, um alienado que não tomou as armas para fazer a Revolução contra os invasores romanos, e seguem o que o grupo de 11 (onze) Apóstolos, bem submissos e alienados que continuaram a ensinar pelos séculos essa mensagem acomodada!

    Essas crenças dos “reaças” são desse povo, gente que durante quase dois mil anos vivia essa maneira errada de ensinar o que eles chamavam de Fé!

    Esse pessoal estava tão imbuído de conceitos opressores que destruíram a cultura indígena, a fé dos ancestrais, as pajelanças, e ensinaram que só quem é católico se salva, coisas completamente ultrapassadas!

    Irmão, realmente, graças ao Concílio a Igreja pôde rever seus conceitos e sua ação pastoral, graças aos grandes Documentos conciliares, a Igreja reavaliou seu ensinamento e agora segue o único Apóstolo que entendeu a verdadeira mensagem do camarada Jesus de Nazaré (não mais usamos o conceito Cristo – um tanto opressor e desrespeitoso para com as comunidades de fé greco-romana). O Apóstolo que foi ultrajado e perseguido pelos outros 11 (onze) submissos, o único Apóstolo que sabia e ensinava que somente a luta armada (ele era oriundo de um grupo de luta – um núcleo de resistência ao opressor), o grande divulgador da Verdade que Liberta, o exemplo da Teologia Moderna e Liberal: JUDAS ISCARIOTES, que tem na CNB do B sua comunidade ideal.

    Isso mesmo irmão, sigamos este seu ideal, este que você defende diante desses “reaças”!

    Vamos à luta companheiro! Porém, lembrando que outros, durante séculos já viram esta verdade, ensinada pelo Apóstolo ISCARIOTES e, como ele, foram perseguidos, mas sobreviveram e inspiraram o Grande Concílio Vaticano II: Simão o mago, Ario, Nestório, os resistentes Abigenses, Lutero, Calvino, Henrique VIII e Isabel I de Inglaterra, o santo Marquês de Pombal, Karl Rahner, Yves Congar, Allan Kardeck, Suenens, Roncali e Montini, Helder Câmara, Arns e Pedro Casaldáliga, entre tantos outros irmãos e companheiros!

    Companheiro, lute com todas as suas forças para que a Verdade do camarada Jesus de Nazaré, ensinada por ISCARIOTES e codificadas pelos companheiros Marx, Engel, Gramischi e Mao, vivenciadas na fantástica Ilha de Cuba possam se estabelecer prontamente!
    Porém, como os “reaças” têm se mostrado unidos, e, claro, ” a luta continua” (veja só o exemplo Iscariótico-evangélico da ocupação da USP) penso que você deva ir se tornar missionário em Cuba ou na Venezuela, onde nossos irmãos e companheiros Fidel e Chávez tentam implantar a Verdade Iscariótica!
    Desculpe-me a extensão deste recado de força, companheiro! Mas é realemte preciso, pois você está seguindo a Verdade Iscariótica! Fale com os companheiros da CNB do B e eles providenciarão sua passagem para Cuba, Venezuela e para um mês de inserção ecumênica no Irã!
    Avante companheiro!
    Viva Marx, Engels, Chê, Fidel, Mao e Chavez!
    Viva Iscariotes!
    Viva o Concílio Vaticano II!
    Viva o Ecumenismo!
    Viva o pai de tudo isso: o Capeta!

    Vá estudar e meditar, e um último conselho, “irmão”, cuidado com a diarreia mental!

    Vou rezar e fazer penitência por você, a fim de que possa ver o mar de lama e o mundo de trevas no qual você está tristemente inserido!

    Que o Coração de Jesus, fonde de Vida e Luz o ilumine, a fim de que se converta e creia no Evangelho!

  30. “É maravilhoso o esforço apostólico desse Bispo!”

    Deixem o Pica-Pau apostolar minha gente!

  31. A regra é clara, Galvão…

  32. Cada vez mais me persuado de que os tradicionalistas são realmente os legítimos sucessores dos fariseus… Deve ser por isso que seus corações estão petrificados e seus olhos cegados: é que sobre eles pesa a mesma maldição que Cristo lançou contra os fariseus de outrora… Só neo-fariseus mesmo poderiam apedrejar todo o trabalho apostólico de um Bispo simplesmente por causa duma mitra diferente… Os missionários de nossa história nada tem haver com as atitudes farisaicas de vocês!

  33. De fato, é de horrorizar-se com tamanha blasfêmia e desrespeito ao sagrado. Se uma coisa dessa acontecesse nos tempos de Pio XII com certeza esse bispo seria excomungado para servir de exemplo para outros engraçadinhos que queiram fazer o mesmo. Outro dia eu estava assistindo uma missa do pe. Marcelo, por acidente quando troquei de canal, eu o vi aspergindo o povo: diga-se de passagem, uma aspersão entre aspas, porque o que ele estava fazendo era encher baldes e mais baldes d’água e jogar nas pessoas, que por incrível que pareça estavam pedindo para jogar mais.
    Alguém deveria gravar todas essas aberrações num vídeo e mostrar para o papa quando ele vier aqui, quero ver com que cara esse pessoal vai ficar quando receber as condenações papais por tamanho sacrilégio!

  34. Por raquel_

    Do IHU Online

    Impunidade no Pará. ‘Uma mancha do governo Dilma’. Entrevista especial com Dom Frei Wilmar Santin

    Os assassinatos por causa de denúncias de ilegalidade ambiental continuam aterrorizando os moradores do Pará. Depois da morte de Dorothy Stang, em 2005, vários assassinatos se sucederam no Norte do país, ampliando a descrença na justiça. No dia 22 de outubro, o bispo da Prelazia de Itaituba, no Pará, Dom Frei Wilmar Santin, comunicou a morte do líder comunitário João Chupel Primo. “Tudo indica que a morte foi encomendada por causa das denúncias que ele vinha fazendo em relação à extração ilegal de madeira em uma reserva florestal. Foi uma execução covarde e muito bem planejada, por pessoas altamente profissionalizadas no crime de extermínio”, contou à IHU On-Line, em entrevista concedida por telefone.

    Dom Frei Wilmar Santin (foto) foi nomeado bispo há seis meses e diz que, nesse período, escuta com frequência a pergunta: “Será que nós vamos voltar ao tempo do faroeste?”. Para ele, a segurança e a prostituição são os principais problemas sociais de Itaituba, e só serão resolvidos quando houver intervenção estatal. Na entrevista a seguir, ele cobra a atuação do governo federal. “Nas eleições, Dilma prometeu intensificar a segurança, e portanto precisa disponibilizar meios necessários para elucidar esse crime. (…) A Polícia Federal tem que ajudar nas investigações e colocar um basta nesse negócio de encomendar morte dos outros”.

    Dom Frei Wilmar Santin, frei carmelita, é bispo da Prelazia de Itaituba, no Pará.

    Confira a entrevista.

    IHU On-Line – Quais foram as razões da morte do líder comunitário João Chupel Primo? Como o senhor recebeu a notícia?

    Dom Wilmar Santin – Tudo indica que a morte foi encomendada por causa das denúncias que ele vinha fazendo em relação à extração ilegal de madeira em uma reserva florestal. Foi uma execução covarde e muito bem planejada por pessoas altamente profissionalizadas no crime de extermínio. Mataram-no com um único tiro no meio da testa.

    Ainda não podemos fazer acusação, mas tudo indica que a morte foi encomendada por quem estava vendendo a madeira na região. Ele era conhecido como João da Gaita (foto), gostava de cantar, tocar sanfona, era muito animado, uma boa liderança na região. Não consigo entender como a situação chegou a esse ponto.

    IHU On-Line – O senhor conhece o Assentamento Areia? João Primo denunciava o corte e a venda de madeira ilegal que acontecia nesse local?

    Dom Wilmar Santin – Nessa região foi criada uma área de preservação. Entretanto, a informação que tenho é de que 15 a 20 caminhões retiram madeira do local durante a noite. João foi assassinado porque passou a denunciar essa situação.

    IHU On-Line – Há quanto tempo o senhor vive em Itaituba? Quais foram suas impressões ao chegar à região, especialmente no que se refere à condição de vida das pessoas e aos problemas sociais?

    Dom Wilmar Santin – Estou na cidade há seis meses. Nasci no estado do Paraná e, nos dois últimos anos, morei em Manaus, nas paróquias São Lázaro e Coração Imaculada de Maria do Morro da Liberdade. Tomei posse como bispo no dia 10 de abril deste ano. Então, ainda não conheço toda a região.

    Itaituba cresceu muito nos anos 1980, 1990, devido ao garimpo, mas hoje não há tanto ouro na região. Apesar disso, os principais problemas sociais estão relacionados a esta atividade. Quando a extração de ouro diminui, permanece a pobreza. Recentemente escutei a expressão “no tempo do garimpo se matava cinco por noite e se amarrava mais cinco para matar no café da manhã”. De uma maneira poética e bem humorada, as pessoas dizem que a situação antigamente era ainda pior. Toda noite tinha briga, rixas nos garimpos. A violência é bastante parecida com outros lugares do país. O que mais me choca é a desagregação familiar provocada pela prostituição. Outro dia encontrei uma mulher com sete filhos de sete pais diferentes. De certa maneira, essa situação é consequência dos garimpos.

    IHU On-Line – Qual a reação da população diante do assassinato de pessoas que denunciam as ilegalidades da região?

    Dom Wilmar Santin – Tenho escutado frequentemente esta expressão: “Será que nós vamos voltar ao tempo do faroeste?”. A polícia do Pará conseguiu prender os assassinos da Ir. Dorothy, e tenho esperança de que consigam prender o assassino de João Primo. Em função da repercussão internacional, acredito que a polícia está se empenhando mais nas investigações para elucidar esse crime e, principalmente, para limpar o nome do país e do Pará.

    Fiz e reitero o apelo à nossa presidente. Nas eleições, ela prometeu intensificar a segurança, e, portanto, precisa disponibilizar meios necessários para elucidar esse crime. Se esses crimes que estão acontecendo no Pará ficarem impunes, o governo dela ficará manchado. A Polícia Federal tem que ajudar nas investigações e colocar um basta nesse negócio de encomendar morte dos outros.

    No mês de setembro estive na Itália, e os amigos perguntaram se eu morava próximo do local onde Ir. Dorothy foi assassinada. Expliquei que residia em uma cidade mais tranquila, onde os conflitos eram menos acentuados e, de repente, João Primo é assassinado. A morte dele ganhou repercussão internacional e, desde então, tenho recebido muitos e-mails de pessoas que moram no exterior.

    No final de agosto, os bispos do Pará se reuniram com o governador. Nós apresentamos as problemáticas das nossas regiões e sugestões de como resolver certos problemas. Percebi que ele tem boa vontade em resolver as questões. Quando falamos sobre a segurança, principalmente no chamado sul do Pará, ele disse que, infelizmente, os recursos que chegam para o estado não são suficientes para investir mais em segurança porque o Pará é grande demais.

    IHU On-Line – E o senhor é favorável à divisão do Pará em três estados (o novo Pará, Tapajós e Carajás)?

    Dom Wilmar Santin – Para ir até Belém é uma epopeia; é longe demais. O acesso é difícil: a passagem de avião é muito cara, e a estrada não é asfaltada. A geografia da região dificulta o acesso de uma cidade à outra.

    A história do Brasil recente demonstra que a criação de novos estados é positiva para o desenvolvimento das regiões. Um exemplo disso é a divisão entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

    Hoje, devido à falta de recursos o Pará está abandonado. Com a criação de Tapajós, será possível estabelecer um canal de proximidade geográfica entre as regiões. Por outro lado, os paraenses de Belém se opõem em relação à criação de Carajás. Eles alegam que todas as riquezas ficarão para o novo estado de Carajás: a hidrelétrica de Tucuruí, e as grandes jazidas. Sou favorável à criação do estado do Tapajós e acredito que, com a divisão, o povo será favorecido, pois o estado terá mais recursos para investir em segurança.

    IHU On-Line – Como os indígenas que vivem no Pará estão se manifestando diante do Complexo do Tapajós?

    Dom Wilmar Santin – Os indígenas vivem em terras demarcadas, em uma área da cabeceira do rio Tapajós. Dias atrás ouvi a notícia de que eles prenderam alguns funcionários da Funai, tendo como objetivo pressionar o governo para um diálogo. O planejamento de construir cinco represas hidrelétricas na região está criando uma certa intranquilidade entre as comunidades, porque essas obras irão atingir a reserva indígena. Dois caciques estão sob proteção da Política Federal porque estão sendo ameaçados de morte.

    IHU On-Line – Como o senhor vê o projeto de Belo Monte, no Pará? Como a população tem se manifestado diante da liberação para construir essa obra?

    Dom Wilmar Santin – Em relação a Belo Monte, existe, de um lado, a propaganda, que diz que a obra é necessária; e, de outro, existe a realidade concreta. Dom Erwin tem se empenhado na luta contra Belo Monte e explicou, recentemente em um encontro dos bispos da região, que mais de 30 mil pessoas estão sendo arrancadas de suas casas e não sabem para onde ir. Não há diálogo e nem indenizações. As pessoas são retiradas de suas moradias na base da pressão. Os moradores saem da região que será inundada e mudam para Altamira. A cidade está um caos, porque mais de 30 mil pessoas estão sem trabalho, sem casa, sem escola, sem hospital, sem luz, sem água. A violência e a prostituição aumentaram. Além disso, os técnicos dizem que as 40 condicionantes foram cumpridas, mas isso é mentira. Não sei o que fazer para mudar essa situação. Tentamos todas as formas de diálogo, mas nada adiantou. O governo federal está desdizendo tudo o que prometeu em campanha. Parece que Dilma jogou no lixo a luta pela justiça. Agora ela está comprometida com o capital internacional.

    IHU On-Line – Qual é a distância entre Itaituba e Altamira? Belo Monte pode impactar Itaituba também?

    Dom Wilmar Santin – A distância entre as cidades é de aproximadamente mil quilômetros. Indiretamente, a obra de Belo Monte pode causar algum impacto na cidade à medida que as trinta mil pessoas que estão em Altamira não tiverem mais condições de sobreviver no município. Certamente elas migrarão para outros lugares e poderão vir para Itaituba. Talvez aconteça uma migração relevante de cinco a dez mil pessoas para a cidade.

    IHU On-Line – Itaituba também tem recebido empreendimentos do PAC?

    Dom Wilmar Santin – Será construído um porto do outro lado da cidade, em Miritituba. Itaituba está na margem esquerda do rio Tapajós e Miritituba, no lado direito. Por enquanto as pessoas vão de balsa de uma cidade à outra. A informação que temos é de que será construído um porto para escoar a soja colhida no Mato Grosso. Apesar de ser um porto destinado à atividade comercial, acredito que ele irá favorecer a população, pois serão criados novos empregos.

    IHU On-Line – Qual tem sido a atuação da Igreja na região em relação aos grandes empreendimentos financiados pelo governo?

    Dom Wilmar Santin – A Igreja sempre tenta desenvolver um trabalho de conscientização, de união do povo, de dizer o que está acontecendo. Estamos tentando alertar a população para os problemas que serão gerados em função da construção das hidrelétricas. Pessoalmente, acredito que podemos falar o que quisermos, mas, se o governo federal já está comprometido com grandes empresas, as hidrelétricas vão sair de qualquer jeito. Não adianta lutar contra.

    Vamos lutar para que as indenizações sejam justas e que os impactos ambientais sejam pequenos. Em Itaipu não previram os impactos. Poderia ter construído uma inclusa para navegação e transporte fluvial, mas nada foi feito. Tenho informações de que boa parte das pessoas que perderam as suas terras não foram bem indenizadas.

  35. “Irmão”, companheiro Afonso;

    Axé!

    Creio que você está correto, como falei-lhe antes, sua ideia está totalmente coerente com o Concílio Vaticano II.

    O nosso problema, “nosso” porque sou Católico, por isso, você e seus companheiros nos intitulem “Tradicionalistas, reaças ou fariseus”. Sem nenhum problema, uma vez que como Católico penso totalmente diferente de você e de sua “Nova Igreja”.
    Temos nossos fundamentos em Cristo, nosso Senhor e Rei Eterno, nos ensinamentos dos Santos Apóstolos e na vivência dos Santos, por quase dois mil anos.
    Você segue a “experiência e a novidade conciliar”, baseada em Rahner, Congar, Von Balthasar, Sobrino, Boff entre outros.
    Muito bem.

    Relamente creio que você está certo, uma vez que “sua igreja” assim ensina e você recebe essa “doutrina”, ou melhor, este conjunto de ideias sobre o companheiro Jesus de Nazaré, já que o termo “doutrina” soa muito opressor…
    Bem, companheiro, faço uma pergunta e espero que você medite sobre ela.
    Há muitos séculos a Igreja Católica envangelizava e realmente convertia os índios e outros povos pagãos, retirando-os de suas crenças idolátricas e primitivas, mostrando-lhes o esplendor de Verdade de Cristo.

    Hoje, a “Nova Evangelização”, com o “Novo Catecismo”, com a “vivência e inculturação” parecem não converter, muito pelo contrário, são um excelente meio para os hereges, digo, “irmãos separados” divulgarem suas heresias, digo, seu modo de compreender a Verdade, já que, segundo os últimos Censos, o número de Evagélicos cresceu de tal forma na região amazônica que em algumas povoações superaram o número de católicos, vide Folha de S. Paulo.
    Com toda sinceridade, companheiro, responda-me:

    Quem está ganhando almas para Cristo? Ou melhor, deixe-me traduzir em conciliarês para você entender melhor:

    Quem está anunciando Jesus Cristo com sua vida?

    Um prelado como este companheiro, sério candidato a ser sucessor de Bozo e Ronald Mac Donald’s, “apóstolos” da alegria, ou um “fariseu” como Padre Anchieta ou Padre Manuel de Nóbrega?

    Disse Jesus Cristo, nosso Senhor:

    “Quem comigo não semeia, espalha” e noutra passagem: “Ide para o fogo eterno, pois, não os conheço…”

    Reze, pense e medite…

    Como dizem os hereges, quer dizer, seus “irmãos separados”: A Verdade o libertará!

  36. Se há 30, 40 anos se dissesse que uma “mitra diferente” não passaria de uma estratégia de converter os silvícolas, de retirá-los das trevas do paganismo que leva ao inferno, então poderia-se ser INGÊNUO, afinal de contas o Concílio ainda estava recente, e as pessoas, acostumadas até há pouco em confiar em seus pastores, poderiam dar a eles este voto de confiança, afinal de contas São Paulo havia recomendado que, COMO ESTRATÉGIA, importava aos missionários “fazerem-se gregos entre os gregos”. Mas tudo isso com o propósito de salvar as almas daqueles pagãos, fazerem o nome de Jesus Cristo ser conhecido, e converter a Terra à religião verdadeira, ou seja, ensinar aos ignorantes o conjunto dos deveres que estes têm para com Deus, e ensinar como servir a Deus da forma que convém, ou seja: DA FORMA COMO ELE QUER SER SERVIDO, e não ao nosso bel-prazer.
    Tudo bem, há anos atrás poderia-se justiificar a ingenuidade das pessoas.
    Só que hoje ninguém é tão BURRO, tão IDIOTA para cair nesta CONVERSA FIADA que o tal Irmão Afonso tenta fazer crer. Até agora, a totalidade de todos os bispos transformistas revelou exatamente os trajes grotescos que os mesmos usam nos ofícios religiosos: esses bispos não confirmam ninguém na fé, ao contrário: vêm para desmanchar tudo o que havia de católico e impor esta nova e descartável crença pós-conciliar, onde se prega o diálogo até com Satanás, mas onde o que é verdadeiramente católico e tido por pré-conciliar é varrido impiedosamente.
    O Concílio veio e alterou toooooooooooooodas as coisas possíveis para adaptar a Igreja ao mundo moderno, e o clero e episcopado progressistas se multiplicaram de tal forma, que amordaçaram os conservadores medrosos, e perseguiram brutalmente os católicos tradicionais, como monsenhor Lefevbre, excomungado por manter a fé que lhe foi transmitida, e que em 5 anos, deixou de ser a fé comum para ser tratada como coisa maldita.
    E estes 50 anos, que frutos trouxeram? A Igreja sangra, sangra, sangra. Malditos sejam todos os que colocaram o homem no lugar de Deus! Malditos sejam vocês, hereges, comunistas, miseráveis destruidores, que fartos da Sã Doutrina, impuseram ao povo esta religião maçônica, igualitária, insossa, indigesta.
    Se vocês, clérigos traidores, gostam tanto de se fantasiar de periquitos, cacatuas, palhaços, e ainda por cima profanar a Missa de Deus adaptando-a ao bel prazer dos assistentes, então porque diabos não procuraram uma profissão que se adequasse aos seus gostos? Porque não procuraram um circo, uma boate de drag queens, um programa infantil? Precisamos de padres PADRES, chega de palhaçada, chega de bagunça!

  37. O problema é que nós, tradicionalistas, ante o cocar, vemos problemas piores que ele… o cocar indígena é apenas a ponta do iceberg! Será que os progressistas e neocons não enxergam isto?

  38. Irmão Afonso ou melhor Rodrigo Maria. O único fariseu aqui é você. De pseudo-tradicionalista, passando pelo sedevacantismo e agora da corriola dos progressistas só pode demonstrar que não sabe exatamente em qual roupa se enquadra. Qual será sua próxima fantasia? Talvez uma igual a do bispo em questão.

  39. Uhu!! Falando em fariseu irmão Afonso, achei sua antiga versão, bem melhor que a atual fashion de melo, que tal: http://odioaheresia.blogspot.com/

    Quem é fariseu aqui?

  40. Belo comentário Felipe Leão, quem sabe outros que o ler possam acordar deste terrível pesadelo.

    Caro Irmão Afonso já é algo muito bom ter saído da heresia do sedevacantismo e retornado ao seio da Santa Igreja, mas temo que voltaste para o lado errado, que pena.

  41. Tive, sim, um dia, a grande desgraça de ser aluno (seguidor) de Orlando Fedeli. E, sem dúvida, foi o extremismo dele que me colocou no caminho para o sedevacantismo… Mas melhores reflexões me livraram das trevas do tradicionalismo, seja em sua versão fedeliana, seja em sua versão fsspx, seja em sua versão sedevacantista ou em qualquer outra. O que a Igreja necessita é da realização de um Concílio Vaticano 3º, para completar de vez a modernização que o 2º apenas começou… Fora dos Dogmas não há infalibilidade: logo, tudo o que não é Dogma estritamente falando, pode mudar.

  42. A impressão que passam as autoridades “inculturadas”, é a de que “aprendem” demais com a cultura, a qual deveriam evangelizar. Um dos movimentos de inculturação mais famosos, foi o movimento dos Padres Operários, onde uma grande parte aprendeu tanto com os operários, que acabou largando a batina para ser sindicalista ou acabaram se tornando Padres de passeata.

    O irmão do Boffetada acusou a Teologia da Libertação de colocar os pobres no lugar de Cristo. Não digo no caso do Bispo em questão, por considerar apenas a Mitra indígena (que parece um chapéu do Chaves com penas) insuficiente, mas digo no caso do CIMI (Conselho Missionário Indigenista) que eles colocam os índios no lugar de Cristo, eles colocam. Isto está claro nos objetivos do CIM, vejamI:

    O objetivo da atuação do Cimi foi assim definido pela Assembléia Nacional de 1995: “Impulsionados(as) por nossa fé no Evangelho da vida, justiça e solidariedade e frente às agressões do modelo neoliberal, decidimos intensificar a presença e apoio junto às comunidades, povos e organizações indígenas e intervir na sociedade brasileira como aliados (as) dos povos indígenas, fortalecendo o processo de autonomia desses povos na construção de um projeto alternativos, pluriétnico, popular e democrático.”

    Os princípios que fundamentam a ação do Cimi são:

    – o respeito a alteridade indígena em sua pluralidade étnico-cultural e histórica e a valorização dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas;
    – o protagonismo dos povos indígenas sendo o Cimi um aliado nas lutas pela garantia dos direitos históricos;
    – a opção e o compromisso com a causa indígena dentro de uma perspectiva mais ampla de uma sociedade democrática, justa, solidária, pluriétnica e pluricultural.

    E para esta nova sociedade, forjada na própria luta, o Cimi acredita que os povos indígenas são fontes de inspiração para a revisão dos sentidos, da história, das orientações e práticas sociais, políticas e econômicas construídas até hoje. http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=paginas&conteudo_id=5685&action=read

    Como pode se ler, o objetivo deles não é catequisar os índios, mas aprenderem a ser índios, para indigenizar a sociedade. É espantoso que após a denúncia da idolatria da TL, nenhum Bispo tenha se levantado contra a condução da TL a idolatria (ao culto do homem). Como pastores eles deveriam zelar pelo rebanho, mas nada fazem para protegê-lo dos lobos. Pelo contrário, parecem abrir a porteira e com boas-vindas autorizá-los a trucidar as ovelhas…

  43. “O que a Igreja necessita é da realização de um Concílio Vaticano 3º, para completar de vez a modernização que o 2º apenas começou…”

    Hehehe…não me admira essa sua opinião boffética, afinal, entre tantos pérolas, o ilustre Irmão Afonso escreveu em seu blog:

    “Todos os pecados são fruto de algum problema psicológico”.