Medjugorje, a história definitiva (II): A defesa de um Padre imoral.

Os "videntes" de Medjugorje.

Os "videntes" de Medjugorje.

Antes de expor a documentação para provar a falsidade das supostas aparições, lhes darei dois exemplos do grau de credibilidade que deveria ser dado aos ditos videntes de Medjugorje. O primeiro incidente foi documentado numa declaração do Monsenhor Zanic [então bispo diocesano de Medjugorje] de 1990, que foi impressa em sua totalidade em maio de 1990.  Essa declaração diz respeito a um padre franciscano, expulso da Ordem Franciscana por uma ordem direta do Papa João Paulo II. Padre Vego seduziu uma freira, irmã Leopolda e, quando ela engravidou, ambos abandonaram a vida religiosa e começaram a viver juntos perto de Medjugorje, onde o filho dos dois nasceu. Eles agora têm dois filhos.

Mas, antes disso, o padre Vego se recusou a aceitar a sua expulsão e continuou a celebrar Missa, a administrar os sacramentos e a conviver com sua amante. Mas por que mencionar este fato desagradável? O motivo é que os videntes alegaram que Nossa Senhora apareceu a eles 13 vezes afirmando que o padre Vego era inocente, que ele tinha direito de celebrar Missa como qualquer outro padre e que o bispo era duro demais!

Qualquer leitor com uma verdadeira noção do ser católico, um sensus catholicus, não precisará ler mais nada para perceber a amplitude da desonestidade dos videntes, uma desonestidade que não pode ser desculpada com base na defesa de que eles foram manipulados por seus mentores franciscanos. Que credibilidade pode-se dar aqueles que alegam que a Mãe de Deus lhes disse repetidamente que um padre imoral, expulso de sua Ordem por ordem do próprio Papa, é inocente, e que o bispo, que agiu da única forma adequada, é a parte culpada?! E como um teólogo supostamente respeitável, como o padre René Laurentin, que ganhou muito dinheiro com livros sobre Medjugorje, reage quando confrontado com tais fatos? O Monsenhor Zanic nos dá a resposta. Laurentin implorou a ele que não publicasse os detalhes do incidente.

Monsenhor Zanic afirmou que esta tem sido a posição consistente do padre Laurentin – esconder a verdade e defender a falsidade. Apesar da verdade sobre o Padre Iviva Vego não poder mais ser negada, seu livro de orações ainda é vendido em Medjugorje e em outros lugares às centenas de milhares de cópias!  Os propagandistas de Medjugorje ainda insistem que Ivica Vego é a parte inocente e que o bispo é o culpado. A “prova” que os defensores têm é que Nossa Senhora supostamente disse para Vicka que este é o caso e, no que lhes diz respeito, qualquer afirmação da vidente Vicka é uma verdade auto-evidente. Num livreto pró-Medjugorje publicado em 1991, Nossa Senhora supostamente diz o seguinte, no dia 3 de janeiro de 1982:

Ivica não é culpado. Que ele mantenha a fé ainda que seja expulso. Eu não cesso de repetir, “paz, paz, paz” e, no entanto, a agitação aumenta. Ele não é culpado (Nossa Senhora repetiu isso três vezes). O Bispo não mantém a ordem. É por causa disso que ele é responsável. A justiça que vocês não viram, voltará. [1]

Medjugorje depois de 21 anos – 1981-2002 – A História Definitiva, Michael Davies. Tradução de Patrícia Medina.


[1] Bishop Zanic – What Went Wrong? (Saint James Publishing, P.O.Box 380244 – Birmingham, Alabama), p.5

9 Comentários to “Medjugorje, a história definitiva (II): A defesa de um Padre imoral.”

  1. Eu fico abismado com essas coisas! E por que o Vaticano ainda não deu nenhuma palavra definitiva sobre o assunto? Temer alguma divisão na Igreja pós-conciliar que não obedece mais ao Papa?

  2. Não seria interessante também alguns artigos explicando um pouco sobre o “Movimento d’Amore San Juan Diego”, da Conchiglia e sei lá mais o que? Vi algo esses dias na internet sobre isso e fiquei um tanto aturdido. Porém é muito escasso o material sobre isso, ao menos numa primeira busca. Afinal, quem são essas pessoas e de onde vem esse movimento?

  3. Nosso Senhor Jesus Cristo diz: “E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano.”(Mt 18, 17).

    E a própria Mãe de Deus diz: “Fazei o que ele vos disser”(Jo 2, 5).

    Então, se o Magistério da Igreja não aprova as tais aparições de Medjugorje, o que é fato, segundo o que sei, estão em conformidade com a Mãe de Deus os que não dão crédito a essas supostas aparições.

    Se o Magistério da Igreja não reconhece provas das supostas aparições, é porque não existem provas. Se não existem provas, não podemos dar crédito.

  4. Inocentando um padre desta extirpe??? Culpando um Bispo pela adequada punição??? Descaracterizando uma ordem direta de um Santo Papa???
    Será uma fantasiosa aparição da mãe de Nosso Senhor ou será Satanás em um de seus inúmeros disfarces???

  5. que triste, os franciscanos fazendo uma coisa dessas; S. Francisco deve estar com um terrível peso no coração por ver sua ordem se deteriorar assim

  6. Eu gostaria de saber como vivem os videntes.
    Isso contribuiria muito para desmascarar (ou não) as aparições.
    Já li em sites que um deles (Ivan) mora nos EUA, casou com uma ex-miss e tem uma bela casa com piscina. Não consigo encontrar detalhes nem sobre eles nem sobre os videntes de Garabandal.
    Nem santa Bernadette nem a irmã Lucia enriqueceram com as aparições.
    Pelo que sei nem as videntes de La Salette também.
    Esse é um diferencial grande! Nenhum mentiroso (ou sem virtude) vai aceitar ficar na pobreza.
    Vejam os pastores protestantes, por exemplo (tem um que pediu até um “trízimo” e diz que por inspiração divina!).
    Se alguém souber de alguma fonte confiável de onde e como vivem os “videntes” de Mediugórie e Garabandal, ficaria muito grato.

  7. Nossa Senhora Marija Bistrica, esta sim verdadeiramente a Nossa Senhora da Croácia, rogai por nós!

  8. Carismáticos, leiam e aprendam!
    Viva a tradição católica!

  9. Isso deveria ser impresso e entregue em tantas igrejas que hoje são infestadas com esse câncer que teima em macular a Santa Igreja, chamado renovação carismática.
    Pobres fiéis que são até hoje ludibriados e alienados por essa seita maldita.