Revolução, Jesus! O que nos espera na Jornada Mundial da Juventude de 2013.

Matéria da Globonews sobre o evento “Folia com Cristo” realizado no último domingo, 5, no Rio de Janeiro. De fato, o bloco não é só uma folia, é um ultraje, um vilipêndio com Cristo. Mais informações e fotos.

45 Comentários to “Revolução, Jesus! O que nos espera na Jornada Mundial da Juventude de 2013.”

  1. Não clicarei no Play porque não desejo acabar com minha manhã, pois fico extremamente triste. O que mais me entristece, porém, é o fato de esse evento ter sido anunciado, a pedido do arcebispo, nas paróquias da arquidiocese, como se fosse completamente sadio. Nos avisos paroquiais de uma das missas que assisti no mês passado, chegaram a ir jovens com o “abadá” do evento, a fim de fazer o convite.

    Virgem Santíssima, intercedei por vossa Igreja!

  2. E é esse tipo de coisa que gostam de utilizar para dizer que a Igreja tem de ser (ou é) uma Igreja “viva”, “vibrante” — como se a vivificação dela não estivesse em rezar como rezaram os santos e os mártires, mas na redução de todo o sagrado a… isso, que não sei sequer descrever.

  3. Plagiando a Ana Maria: “Dá-lhe plena comunhão….”

    …Comunhão com o diabo, com o comunismo, com a maçonaria, com o homossexualismo, com a total degeneração do mundo cristão ocidental.

  4. Eles estão em plena comunhão e com o apoio do bispo, logo, roma locuta, causa finita est.

  5. O vídeo postado não é necessariamente o problema, vejam os da barra lateral do you tube. Tem até os saradões da folia ….

  6. Diante dessas aberrações chega-se a conclusão que os santos e mártires “perderam o seu tempo” e não gozaram a vida, se privando das coisas “boas” ela oferece.

  7. Mais uma vez: nada demais. É claro que esse tipo de evento (assim como a JMJ) está sujeito a ter gente de todo tipo (Não foi o mesmo Cristo que disse “Eu não vim chamar justos, mas a pecadores”?). Não vi nenhum vilipêndio. Gostaria realmente que essas postagens fossem mais explícitas quanto ao que seria o vilipêndio, a blasfêmia ou a heresia em questão. Costumo muitas vezes concordar com as opiniões expressas no Fratres, mas desde o post “Uma Igreja feliz, sem lefebvristas” tá difícil, viu…

    • Caro Vinícius, existe um mandamento que diz: “Não tomarás o nome de Deus em vão”. Se isso não é tomar o nome de Cristo Senhor em vão, banalizando-o, profanando-o…

      Veja um comentário a este mandamento traduzido por Dom Antonio Rossi Keller:

      “Deus é santo, e seu nome também o é, porque o nome representa a pessoa. Assim se explica que, se alguém pronuncia de forma irreverente o nome de uma pessoa querida, sintamos indignação. Essa é a razão pela qual, quando nomeamos a Deus, não pensemos em umas letras que compõem uma palavra, mas no mesmo Deus, Uno e Trino. Por isso, temos de santificar seu nome e pronuncia-lo com grande respeito”.

      […]

      “Em atenção ao nome de Deus, que de alguma maneira ostentam, temos de respeitar os lugares, as coisas e pessoas a Ele consagrados. São lugares sagrados os templos e os cemitérios, que exigem um comportamento cheio de respeito e dignidade. São coisas sagradas o altar, o cálice e outros objetos dedicados ao culto” [neste caso, o mesmo espaço em que se celebrou a missa foi palco para os cantores] .

      […]

      “Além dos pecados de perjúrio ou de não cumprimento de um voto, os pecados contra este mandamento são: pronunciar com ligeireza ou sem necessidade o nome de Deus…”

      http://www.saojorgemartir.com.br/curso/catecismo46.php

  8. “Estamos reunidos em nome da Igreja”…

    É pra acabar…

  9. Quem te viu, quem te vê. A outrora baluarte da moral e dos bons costumes se encontrar numa decadência dessas.

    Ana, devemos esperar mais o quê?

  10. Parabéns senhor Ferreti pela bela citação de Dom Antonio Rossi Keller. Como diz um padre conhecido meu, Dom Antonio é, sem dúvida, um dos poucos bispos católicos do Brasil. Deus lhe pague Dom Antonio.

    Mas, sobre o post. Realmente não consegui terminar de assistir tamanha loucura, e pensando nas palavras de Dom Antonio, fico a imaginar como temos desrespeitado o Santo nome do Senhor. Se querem louvar o Cristo, que não é artista de cinema ou um ídolo, que dobrem os joelhos diante o Santíssimo Sacramento, se querem propagar o nome de Deus, que vivam plenamente os ensinamentos do Senhor e não transformem nossa fé nessa loucura que beira o paganismo, pois, de fato, tudo isso se assemelha às grandes e escandalosas celebrações que escravizavam os pagãos e os deixavam, no final da “folia”, tão vazios quanto antes.

    Para quem acha que tudo isso é lindo, não confundam alegria, com desrespeito.

    “Em atenção ao nome de Deus, que de alguma maneira ostentam, temos de respeitar os lugares, as coisas e pessoas a Ele consagrados”

    Que Deus tenha misericórdia de todos nós.

  11. Normalmente, os Missais quotidianos dos fiéis possuem as orações de desagravo ao Santíssimo Coração de JESUS EUCARÍSTICO. Assim, peço aos leitores deste blog que rezem ou todos os dias ou nas quintas e sextas-feiras.

    In CHRISTO,
    A VIDA SACERDOTAL

  12. ORDO AB CHAO

    “Eles estão em plena comunhão e com o apoio do bispo, logo, roma locuta, causa finita est.” hahaha
    A mesma coisa aqui em João Pessoa antes de ontem, tenha dó!

    Plena comunhão com João Paulo II e com o pula-pula, não do Gugu, mas do Pe. Marcelo Rossi hahahaha

    É essa a juventude feliz, alegre, saltitante como gazelas, mas vazia, que querem dizer que são os novos católicos. Aiaiai.

    Bem diferente da juventude citada aos pés do Altar, na Santa Missa…
    (Mas bem, talvez seja, não é? Afinal o Novus Ordo renovou tudo, não é?)

    Quero dizer, não precisamos ser Arautos, parecendo militares carrancudos, não, mas também não somos um monte de foliões que pulam atrás do trio elétrico na Bahia e depois adentram as igrejas nesse mesmo clima. Mas é o calor humano que contagia a “nossa”(?) “juventude” hoje em dia… Manda fogo! hahaha

    Vinícius, meu caro, tenha dó…
    Por aqui – onde moro – se dizia que Nosso Senhor pregava em qualquer lugar, inclusive prostíbulos… Nunca soube disso, o que sempre aprendi foi que Nosso Senhor pregava àqueles que queriam converter-se.

    “Ah! Mas temos de atrair os jovens!”, aí eu pergunto, com o perdão da expressão, “Atrair com a p*…orcaria que eles já estão acostumado a viver em meio?” Eles acham que a Igreja ‘É’ isso: não é incrível? Sim, é inacreditável, tanto quanto nojento…

    Ferreti, até dou uma continuada no que dizes: afinal, para o Vinícius – você vai me perdoar, meu caro, se te “ofender” com minha linguagem curta e grossa, coisa que não pretendo – que não sabe, eu lembro, usa[vá]mos chapéu, e, ao se pronunciar o Nome de Nosso Senhor e de Nossa Senhora devemos tirá-lo da cabeça e baixar a mesma em sinal de respeito, o mesmo ao passar defronte a um clérigo ou religioso(a), também quando passamos defronte ou entramos numa igreja… Mas isso já não mais se conhece atualmente… Não se conhece mais o respeito… Sob o pretexto de mudar-se o tempo e os costumes, de não se usar mais chapéu… Ora, meu irmão usa boné e, aos 11 anos, faz a mesma coisa que sempre fizeram… É desculpa esfarrapada para esconder ou tentar não ver o que está ao nosso redor.

    Entre numa igreja antiga, veja quantas inscrições, se ainda restarem, não é?, quantos sinais… Mas não, isso deve ser ornato, coisa de algum – como eu – arquiteto que gostava de ver tudo bonitinho… “A Igreja é o povo de Deus,” não é mãe dele…

    ***

    Nossa! Eu tava comentando ser ter visto o vídeo, agora estou ainda mais estupefato, não tinha visto tamanha coisa nojenta, “Estamos em nome da Igreja (…) um carnaval que não é um carnaval do mundo (…)”, agora eu faço como um seminarista amigo meu ao passar defronte às lojas maçônicas: escarro e cuspo no chão.
    Dizer que aquilo é sacro, meu pai: “Ai que dó”. Eu tenho pena, mais do que raiva. antes era o contrário, mas aprendi que na maioria das vezes esses foliões aí estão assim por conta da OMISSÃO de muitos que dizem: “Mais uma vez: nada demais.(…) Não vi nenhum vilipêndio”.

    E più non dico.

    Salva nos, fons pietatis.
    Higor R. da Costa, p.

  13. Sim, o que eu ía dizer antes e esqueci:

    Mas essa é a juventude que [João Paulo II] queria ver…
    (Bem, eu espero que não, mas ao que tudo indica).

    Eu prefiro muito mais ir a um clube de carnaval de idosos, pular carnaval como outrora, do que ir a esta palhaçada. Seria um carnaval em família, da melhor idade, com todos cobertos, bem modestos, até com máscaras [hahahahaha]. E sem ter de desrespeitar ninguém, sobretudo a Quem se deve toda Honra e Glória.

    Isso daí e aqueles desfiles nojentos se assemelham com os desfiles que exaltavam a condição ariana, isso durante o regime nazista na Alemanha…

    Paciência, paciência.

  14. * “sem ter visto o vídeo (…).”
    ** “Eu tenho pena, mais do que raiva: antes era o contrário (…).”

    É nisso que dá assistir à “tamanha demonstração do vazio” e tentar escrever depois…

  15. Nossa Senhora de Fátima disse à irmã Lúcia que era um desejo de Deus que os bispos portugueses organizassem retiros na época do carnaval, para rezarem e oferecerem sacrifícios pela conversão dos pecadores, porquanto esta é a época do ano em que mais se comete pecados e, consequentemente, é o tempo em que Deus é mais ofendido e ultrajado.

  16. “Se não me engano, , dizia-me Nosso Senhor na quinta-feira, às 11 da noite: Se o Governo português, em união com o episcopado, ordenasse, para os próximas dias de carnaval, dias de oração e penitência, com preces públicas pelas ruas, suprimindo as festas pagãs, atrairiam, sobre si e sobre a Europa, graças de paz”.

    Serva de Deus Irmã Lúcia dos Santos
    Carta ao seu Senhor Padre Superior
    “O Segredo de Fátima”

  17. Esse é o catolicismo impulsionado pela Renovação Carismática Católica. Uma “igreja” que baseada no sentimentalismo, na palhaçada, um catolicismo da modernidade. Ao invés de estar de joelhos frente do sacrário, esses jovens estão pulando atrás de um trio elétrico. Se esse é o jovem católico do século XXI, eu quero voltar ao século XIX, quando não havia “Axé Santo” .

  18. Se no carnaval daquela época, em Portugal – que se ressalte – já era tão cheio de pecados e de blasfêmias, sobretudo da parte dos que tinham um “pensamento à frente do seu tempo”, que não se dirá de hoje? Sobretudo de querer misturar o que nos vem do alto com essa lama mundana sob o pretexto de “atrair” os jovens…

  19. Caro Ferreti,

    obrigado pela citação. Realmente muito instrutiva e edificante. Que as coisas más sejam denunciadas, mas com a ressalva de não colocarmos tudo no mesmo saco.

    • Vinícius caríssimo, com certeza precisamos ter esse cuidado. E muitas vezes a intervenção (e oração) dos leitores é preciosa justamente por nos alertar disso! Obrigado pela participação de sempre. Abraços.

  20. Quem não vê nada de mais nessas imagens – e em outras semelhantes postadas neste mesmo site – perdeu totalmente o sensus catolicus, não tem mais jeito, sua sensibilidade se protestantizou completamente.

  21. A Igreja Católica fica tão descaracterizada que até mesmo a legenda da Globo News afirma: “Bloco Folia com Cristo atrai foliões cristãos”.

  22. Fazendo gancho no comentário do Higor, conta-se que Santa Faustina Kowalska teve uma visão, dada por Nosso Senhor, de todas as diversões que ocorriam nos dias de carnaval, e a santa desfaleceu! Penso que no século XIX, e na Europa, os festejos carnavalescos eram bem mais ingênuos que os de hoje.

    Quanto à fuzarca “sagrada” aí no video, penso que se a CNBB resolver fazer-se de atriz novamente, posando de “ortodoxa” como na última visita do Pontífice, a nossa típica baderna eclesial terá limites impostos pelos próprios bispos, devidamente embatinados, ao menos nesses dias enquanto o patrão os visita.

  23. Osires, há muito por vir antes de aparecer o anticristo e lá em Tessalonicenses diz entre parênteses sobre uma apostasia quase geral dos fiéis, a minha Bíblia é de 1955 traduzida pelo padre Matos Soares, queria digitar para vc todo o capítulo, mas troquei o óculos e tô enjoada. Pode me enviar um email, caso queira.

  24. É triste, mes amis, mas esse evento foi incomparavelmente pior que o apresentado no vídeo. Um verdadeiro circo do demônio com o Santo Nome.

  25. O celeiro de heresias espera 40 mil foliões para o carnadomal em 2012.

    Quem vai se infiltrar e fazer fotos?

  26. Eu faço minha conversão todos os dias, porque busco a minha Salvação. Eu busco repetidamente a minha religação com DEUS, porque a todo momento estou me desligando Dele. Quando rezo meus olhos se enchem de lágrimas de alegria porque não perdi a esperança de encontrá-Lo.
    Sinto não poder fazer nada pelas outras pessoas, a não ser incluí-las em minhas orações.
    Que a Virgem Santíssima interceda por nós.

  27. Essa vai para alguns “católicos” de hoje em dia :

    Os SANTOS e o CARNAVAL

    Santa Faustina Kowalska diz:

    “Nestes dois últimos dias de carnaval, conheci um grande acúmulo de castigos e pecados. O Senhor deu-me a conhecer num instante os pecados do mundo inteiro cometidos nestes dias. Desfaleci de terror e, apesar de conhecer toda a profundeza da misericórdia divina, admirei-me que Deus permita que a humanidade exista” (Diário, 926).

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    Santa Margarida Maria Alacoque escreve: “Numa outra vez, no tempo de carnaval,
    apresentou-me, após a santa comunhão, sob a forma de Ecce Homo, carregando a cruz,
    todo coberto de chagas e ferimentos. O Sangue adorável corria de toda parte, dizendo com voz dolorosamente triste: Não haverá ninguém que tenha piedade de mim e queira compadecer-se e tomar parte na minha dor no lastimoso estado em que me põem os pecadores, sobretudo, agora?” (Escritos Espirituais).

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    São Francisco de Sales dizia: “O carnaval: tempo de minhas dores e aflições”. Naqueles dias, esse santo fazia o retiro espiritual para reparar as graves desordens e o procedimento licencioso de tantos cristãos.

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    São Vicente Ferrer dizia: “O carnaval é um tempo infelicíssimo, no qual os cristãos cometem pecados
    sobre pecados, e correm à rédea solta para a perdição”.

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    O Servo de Deus, João de Foligno, dava ao carnaval o nome de: “Colheita do diabo”.

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    Santa Catarina de Sena, referindo-se ao carnaval, exclamava entre soluços: “Oh! Que tempo diabólico!”

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    São Carlos Borromeu jamais podia compreender como os cristãos podiam conservar este perniciosíssimo costume do paganismo.

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA?
    Não! Ele é realmente a FESTA de SATANÁS.

    Santo Afonso Maria de Ligório escreve:

    “Não é sem razão mística que a Igreja propõe hoje à nossa meditação, Jesus Cristo predizendo a sua dolorosa Paixão. Deseja a nossa boa Mãe que nós, seus filhos, nos unamos a ela na compaixão de seu divino Esposo, e o consolemos com os nossos obséquios; porquanto, os pecadores, nestes dias mais do que em outros tempos, lhe renovam os ultrajes descritos no Evangelho. Nestes tristes dias os cristãos, e quiçá entre eles alguns dos mais favorecidos, trairão, como Judas, o seu divino Mestre e o entregarão nas mãos do demônio. Eles o trairão, já não às ocultas, senão nas praças e vias públicas, fazendo ostentação de sua traição! Eles o trairão, não por trinta dinheiros, mas por coisas mais vis ainda: pela satisfação de uma paixão, por um torpe prazer e por um divertimento momentâneo. Uma das baixezas mais infames que Jesus Cristo sofreu em sua Paixão, foi que os soldados lhe vendaram os olhos e, como se ele nada visse, o cobriram de escarros, e lhe deram bofetadas, dizendo:
    Profetiza agora, Cristo, quem te bateu?

    Ah, meu Senhor! Quantas vezes esses mesmos ignominiosos tormentos não Vos são de novo infligidos nestes dias de extravagância diabólica? Pessoas que se cobrem o rosto com uma máscara, como se Deus assim não pudesse reconhecê-las, não têm vergonha de vomitar em qualquer parte palavras obscenas, cantigas licenciosas, até blasfêmias execráveis contra o Santo Nome de Deus. Sim, pois se, segundo a palavra do Apóstolo, cada pecado é uma renovação da crucifixão do Filho de Deus. Nestes dias Jesus será crucificado centenas e milhares de vezes” (Meditações).

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA? Não! Ele é
    realmente a FESTA de SATANÁS.

    Santa Teresa dos Andes escreve: “Nestes três dias de carnaval tivemos o Santíssimo exposto
    desde a uma, mais ou menos, até pouco antes das 6 h. São dias de festa e ao mesmo tempo de tristeza. Podemos fazer tão pouco para reparar tanto pecado…” (Carta 162).

    Católico, diante do escrito acima, pode-se dizer que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA? Não! Ele é
    realmente a FESTA de SATANÁS.

    CATÓLICO, não FIQUE de BRAÇOS CRUZADOS, mas PROTESTE contra essa FESTA do DEMÔNIO!

    Savonarola e o protesto contra o carnaval

    Conta-se que, em represália aos excessos do carnaval florentino, organizou Savonarola em 1496 uma procissão de 10.000 jovens, que desfilou pelas ruas principais da cidade cantando hinos religiosos de penitência. Chegando a uma praça, onde se erguera uma grande pirâmide de livros maus, recolhidos com antecedência, a um sinal dado, colocaram-lhes fogo. Ao mesmo tempo soavam as trombetas da “Signoria”, repicavam os sinos de São Marcos e a multidão prorrompia em aclamações. Encerrou-se a função com uma missa solene no meio da praça, onde foi erguido um grande Crucifixo.

    Será que os Excelentíssimos senhores Bispos e os Reverendíssimos senhores padres fazem o
    mesmo hoje? Será que possuem essa coragem e convicção?

    São Pedro Claver e o carnaval

    Um oficial espanhol viu um dia São Pedro Claver com um grande saco às costas.

    — Padre, aonde vai com esse saco?
    — Vou fazer carnaval; pois não é tempo de folgança?

    O oficial quer ver o que acontece: acompanha-o.
    O Santo entra num hospital. Os doentes alvoroçam-se e fazem-lhe festa; muitos o rodeiam, porque o Santo, passando com eles uma hora alegre, lhes reparte presentes e regalos até esvaziar completamente o saco.

    — E agora? – pergunta o oficial.
    — Agora venha comigo; vamos à igreja rezar por esses infelizes que, lá fora, julgam que têm o direito de ofender a Deus livremente por ser tempo de carnaval.

    http://filhosdapaixao.org.br/carnaval/carnaval.htm

    Obs: é por isso, que a juventude perde muito rápido a fé.
    A fé dura só enquanto a banda toca.

    Cor Jesu Sacratíssimum,
    Miserere Nobis.

  28. A folia católica ocorrida domingo é mostra do espírito de nosso tempo : o sagrado e o profano se misturam cada vez mais.A Igreja sempre frisou a diferença entre essas duas esferas – diante de Deus não se pode ter as mesmas atitudes que temos no nosso dia a dia.Diante dele exige o máximo de reverencia e piedade.Quanto se permite louvar a Deus com batuques de carnaval , com danças , pulos e gritos q…ue lembram as comemorações de uma torcida, então já não se sabe mais quem é Deus.Será que diante de um general nos portamos como se estivessemos diante de um soldado? Deus merece excelência – os gestos reservados ao louvor de Deus são especilissimos , não podem ser profanos.Imagine um marido que tratasse sua esposa com a mesma forma que trata outras mulheres ? Com a esposa se deve ter amor supremo e tal amor tem que se expressar de modo especial e reservado só a ela.è assim com Deus.Quando se usa gestos profanos para louvar a Deus que é Santo o resultado é que Deus é rebaixado ao nível das criaturas e sua majestade profanada.E daí vem que sacralizam as coisas mais profanas , mais reles , mais baixas.

    Ademais a questão é mais que isso – creio que o pior efeito dessas folias nem é tanto estimular os movimentos pecaminosos da carne , mas sim imprimir uma nova concepção de cristianismo desconectado da cruz e do sacrifício- representa na verdade uma espécie de espiritualidade new age onde vigora o emocional e o sentimento de fazer parte da massa, uma religiosidade pagã onde se celebra a vida física e suas alegrias.Assim sendo tais festivais estão longe de serem cristãos;podem no máximo serem qualificados como festas naturalistas e mais nada.Ademais qual santo ou Papa no passado estimulou ou mesmo promoveu folias “católicas” como meios de expressão da fé ? Como bem disse São PIO X na Pascendi : o espírito de novidade é a raiz de todas as heresias.Ou seja o evento em questão é bem pior que simples expressão de imoralidades mas representa um perigo a fé !

  29. “Eminentíssimo Senhor Cardeal, Nosso Senhor está descontente e amargurado com os pecados do mundo e com os de Portugal, queixando-se da falta de correspondência, vida pecaminosa do povo e em especial da tibieza, indiferença e vida demasiado cómoda que levam a maioria dos sacerdotes, religiosos e religiosas; Nosso Senhor deseja que em Portugal sejam abolidas as festas profanas nos dias de Carnaval e substituídas por orações e sacrifícios com preces públicas pelas ruas.

    Rogo pois a Vossa Eminência se digne em união com todos os Excelentíssimos Senhores Bispos promovê-las, não esquecendo que Nosso Senhor, ao prometer uma protecção especial à nossa Nação a declarou também culpada e lhe anunciou algo que sofrer também; Nosso Senhor deseja que atraiamos assim a paz não só sobre Portugal mas sobre as demais nações.”

    (Carta da Irmã Lúcia ao Patriarca de Lisboa – 12 de Fevereiro de 1940)

    Encontrei, há alguns dias, esta ORAÇÃO PARA OS DIAS DE CARNAVAL:

    “Meu Jesus, que sobre a Cruz perdoastes àqueles que nela Vos chagaram, e desculpastes diante do Vosso Pai o seu delito. Vós que da Cruz lançastes um olhar de piedade ao ladrão que expirava sobre o patíbulo e o convertestes e salvastes; Vós que entre as agonias da morte declarastes ter ainda sede de padecimentos para tornar mais copiosa a universal Redenção, tende piedade de tantos infelizes que seduzidos pelo espírito da mentira nestes dias de falsos prazeres e de escandalosa dissipação correm risco de se perder.

    Ah! pelos méritos de Vosso preciosíssimo Sangue e da Vossa morte não os abandoneis como merecem nem permitais fique sem remédio o miserável estado em que se vão precipitar. Reservai para eles um dia de misericórdia e de salvação. Vós que a Pedro estendestes prontamente a mão para sustentá-lo, quando submergia, socorrei também a estes infelizes que estão para cair no abismo infernal; acordai-os, sacudi-os, iluminai-os, convertei-os e salvai-os.

    Tende, pois, sempre firme sobre nós a Vossa Mão, para que nunca sejamos seduzidos por tantos escândalos que nos rodeiam; pelo contrário, a semelhança de José e de Tobias que vivendo num ambiente supersticioso, nunca se afastaram da verdade e da justiça, mereçamos nós o Vosso amor, ao passo que outros provocam o Vosso desdém e nos apliquemos nos exercícios de piedade enquanto ela é esquecida pelos ingratos filhos do século que terão de chorar para sempre a sua actual imprudência.

    Pai-Nosso, Ave Maria e Glória.”

  30. Caros leitores, atenham-se ao assunto do post. Comentários gratuitamente maledicentes serão excluídos.

  31. Lendo o livro que a Ana Maria Nunes sabiamente recomenda sempre: “O Derradeiro combate do demônio”, a gente consegue entender muito bem a situação:

    Criou-se uma nova realidade em que uma “nova Igreja” traz novos costumes, e isso foi feito de forma tão sutil que hoje as pessoas afirmam que tudo isso é normal, que faz parte, e nem se dão conta que estão apoiando situações condenadas pela Doutrina Católica desde sempre, atos que não se coadunam com o adjetivo: “CATÓLICO”.

    Perdoem-me as linhas mal escritas, mas é apenas uma tentativa de expressar minha tristeza ao ler comentários favoráveis a eventos que deformam a igreja.

  32. Se fazem essa folia ‘com Cristo’ (sic) que não poderiam fazer com o demônio?
    Lúcifer que se cuide e prepare o requebrado!

  33. E o mais engraçado é: Cerveja não pode…rs
    Ainda por cima são puritanos…cada vez mais protestantismo…

  34. É por essas e outras que eu sempre digo: tenho medo do castigo! É vilipêndio demais, blasfêmia demais, por toda parte e agora até mesmo por muita gente que se diz católica.

    O Rafael Queiroz disse bem: “imprimir uma nova concepção de cristianismo desconectado da cruz e do sacrifício- representa na verdade uma espécie de espiritualidade new age onde vigora o emocional e o sentimento de fazer parte da massa, uma religiosidade pagã onde se celebra a vida física e suas alegrias.” É isso o que está sendo feito. Querem enterrar a verdadeira espiritualidade católica e substituir por esse espírito protestante-new age.

    Quem não consegue enxergar o horror desse tipo de evento, desse tipo de coisa, já não sabe o que é Igreja Católica!

  35. Thiago de Moares,

    só agora é que eu me toquei nisso.

    – Não tem cerveja ?!!!

    Nããããão! Sem cerveja não dá.

    Além desse pessoal tirar uma onda de católico, ainda proíbem a cerveja?

    Sei não,

    Mas se é pra pular o carnaval é melhor fazer do jeito do mundo.

    Ao menos não se brinca com o que é Sagrado e ainda se pode tomar uma cervejinha.

  36. Santa Faustina Kowalska diz:

    “Nestes dois últimos dias de carnaval, conheci um grande acúmulo de castigos e pecados. O Senhor deu-me a conhecer num instante os pecados do mundo inteiro cometidos nestes dias. Desfaleci de terror e, apesar de conhecer toda a profundeza da misericórdia divina, admirei-me que Deus permita que a humanidade exista” (Diário, 926).

    Gostei da citação, até porque era a santa de devoção do Papa João Paulo II, que, inclusive, criou o Domingo da Misericórdia (no mesmo dia da Pascoela, in Albis, ou Quasimodo). Os organizadores deste evento poderiam ler detidamente este diário de Santa Faustina.

  37. Thiago de Moraes, essa foi ótima!

  38. Essa é longa mais vale a pena, uma boa leitura…

    Vejamos o que diz Santo Cura D’ars:

    Sobre bailes e danças
    .
    Seja um religioso ou seja um condenado

    Há sempre alguém que vem me dizer: “Padre, que mal existe em uma pessoa se divertir um pouco? Eu não faço mal a ninguém… Eu não sou um religioso e nem pretendo sê-lo! Se eu não puder sequer dançar um pouco, eu estarei passando a minha vida nesse mundo como se fosse um morto!”
    Meu caro amigo, você está muito errado. Ou você se torna um religioso, ou você será um condenado. E o que é ser uma pessoa religiosa? Nada mais é do que uma pessoa que cumpre com todos os seus deveres como Cristão. Você me diz que eu não vou conseguir nada tentando convencê-lo a respeito do mal que existe nas danças e que você não vai se tornar por isso, nem mais e nem menos indulgente a esse respeito.
    Mas eu lhe digo: você está errado novamente, pois ao ignorar e desprezar as instruções do seu pastor, você atrai sobre si a ira e os castigos de Deus, e eu pelo meu lado, serei recompensado por ter cumprido com os meus deveres. Na hora da minha morte, Deus não vai me perguntar se você cumpriu ou não com as suas obrigações, mas sim, se eu lhe ensinei ou não o que você deveria fazer para cumprir com seus deveres.
    Você também me diz, que eu nunca conseguirei quebrar a sua resistência, a ponto de fazê-lo acreditar que existe algum mal em divertir-se dançando. Você não quer mesmo acreditar que existe algum mal nisso, não é verdade? Bem, isso é problema seu. Que eu saiba, é suficiente pra mim, falar-lhe num modo, que me assegure que ao fazê-lo, estarei fazendo aquilo que como pastor eu deveria fazê-lo. Portanto, que isso não lhe irrite! Seu pastor está apenas cumprindo com o dever.
    Mas você me dirá:

    Nem os 10 Mandamentos e nem tampouco toda a Sagrada Escritura proíbe alguém de dançar!

    Talvez você diga isso porque não os examinou atentamente.

    Siga o meu raciocínio por um momento e eu lhe mostrarei que não existe um só mandamento, ao qual as danças não levem à transgressão e não existe um só sacramento que não seja profanado por causa das danças.

    Você sabe tão bem quanto eu, que essas folias e extravagâncias selvagens, acontecem principalmente nos domingos e feriados. Que você me diz então daquele jovem ou daquela jovem que decidiram ir a um baile ou a uma festa dançante? Qual o amor que eles tem por Deus? Suas mentes estarão totalmente ocupadas com os preparativos para chamar a atenção daqueles com os quais eles estarão misturados.
    Suponhamos que eles já tenham feito suas orações. Com que espírito essas orações foram feitas? Só Deus sabe! Por outro lado, que tipo de amor a Deus uma pessoa pode sentir, quando seu coração está suspirando e pensando somente nos prazeres e nas criaturas? Nesse ponto você terá que admitir que é impossível agradar a Deus e ao mundo ao mesmo tempo. Aliás, isso nunca será possível!
    Deus também proíbe “juras”. Sabe Deus, quantas querelas, quantas juras e blasfêmias são proferidas como resultado das ciumeiras que se levantam entre a juventude, quando eles estão reunidos nesses encontros! Vai me dizer que não acontecem freqüentemente, disputas e brigas nesses locais? Quem poderia contar quantos crimes são cometidos nesses encontros diabólicos?
    O Terceiro Mandamento, manda-nos guardar os dias santos e nesse caso, o Domingo em particular. Será que alguém poderia realmente acreditar, que um rapaz que passou várias horas do Domingo com uma garota, com o coração aceso como uma fornalha, estaria realmente satisfazendo esse preceito? Santo Agostinho tem boas razões em dizer que um homem faria melhor coisa em passar o dia inteiro trabalhando na terra e as garotas, tecendo, do que irem para esses encontros dançantes. O mal seria bem menor. O Quarto Mandamento diz que os filhos devem honrar seus pais. Esses jovens que freqüentam bailes, será que possuem o respeito e a submissão que eles devem a seus pais? Não, certamente que não. Eles causam a seus pais maior preocupação e desgosto do que você pode imaginar! Tanto pelo modo com o qual eles ignoram seus desejos e pelo mal uso que fazem do dinheiro, como também por criticarem e zombarem de seus pais chamando-os de “fora-de-moda”.
    Quanta dor tais pais devem sentir!– isto é, se a fé deles ainda não se extinguiu por completo–, ao verem seus filhos se lançarem em tais prazeres, ou pra dizer de um modo mais claro, nesses caminhos licenciosos! Esses filhos não são mais abençoados por Deus, mas estão sendo engordados para o Inferno. Mas suponhamos que esses pais já tenham perdido a fé… Coitados… eu sequer ouso ir mais adiante… Quão cegos são esses pais! Quão perdidos são esses filhos! Pode por acaso existir algum outro lugar, ou tempo ou ocasião em que tantos pecados são cometidos contra a pureza, do que nos salões de bailes e danças? Não seriam nesses encontros que as pessoas são incitadas mais violentamente contra a santa virtude da pureza? Onde mais os sentidos são tão fortemente impulsionados em direção da excitação dos prazeres? Se formos aprofundarmos ainda mais, deveríamos morrer de horror diante dos muitos crimes que são cometidos ali! E não são nesses encontros, que o demônio furiosamente acende o fogo da impureza no coração dos jovens, de modo a aniquilar neles a graça do Batismo? E não são nesses locais que o Inferno escraviza tantas almas quanto deseja?
    Imagine então: Apesar da ausência de ocasiões de pecado e do auxílio de tantas orações já é tão difícil perseverar na virtude da pureza de coração, como poderia então ser possível preservar tal virtude no meio de tantas fontes de corrupção?
    São João Crisóstomo diz: “– Olhe aquela jovem mundana e leviana, ou melhor, olhe para aquela pequena chama do fogo diabólico, que com sua beleza e gestos “flamboyants”, acende no coração daquele jovem, o fogo da concupiscência. Você não os vê? Um mais do que o outro, buscando atrair-se mutuamente pelos seus charmes e toda a sorte de truques e ardis? Se você puder, pode contar, Ó infeliz pecador: o número de seus maus pensamentos, ou maus desejos e suas ações pecaminosas! Não é nesses lugares que você ouve aquilo que agrada aos seus ouvidos, que inflama e queima os corações, fazendo dessas assembléias fornalhas de “falta-de-vergonha”? E não é por acaso ali, meus caros irmãos, que os rapazes e moças, bebem diretamente na fonte do crime, a qual logo, logo, se transforma num rio que transborda o seu leito, arruinando e envenenando tudo à sua volta? Pois eu digo; continuem! Sigam em frente, pais e mães desavergonhados! Sigam para o Inferno, onde a justiça e a fúria de Deus os aguarda com todas as ações que vocês praticaram, permitindo aos seus filhos correrem tais riscos. Pois sigam em frente, porque eles não demorarão muito a se reunirem com vocês, já que vocês deixaram a estrada pavimentada para eles. Sigam em frente e contem o número de anos que seus filhos e filhas perderam! Apresentem-se diante do Supremo Juiz para prestarem contas de suas vidas e ali vocês verão que o seu pastor tinha toda a razão ao proibir essa espécie de prazer diabólico! Você me dirá: –Ah! Você está apresentando as coisas maiores do que elas são realmente! Pois bem, você acha que eu estou falando demais? Então ouça o que os Santos Padres da Igreja dizem a esse respeito! São Efraim diz-nos que a dança é a perdição de moças e mulheres, a cegueira dos homens, o lamento dos anjos e a alegria dos demônios. Meu Deus! Será que alguém possui olhos tão enfeitiçados a ponto de acreditar que não existe mal nenhum nisso, enquanto essa é a corda com a qual o demônio arrasta a maioria das almas para o Inferno? Então continuem, sigam em frente pobres pais, cegos e perdidos! Sigam desprezando o que o seu pastor está dizendo para vocês! Continuem no caminho que vocês estão seguindo! Ouçam tudo e não tirem proveito de nada! Deixem entrar por um ouvido e sair pelo outro!
    Quer dizer que não existe mal algum nisso, não é? Digam-me então o que foi que vocês renunciaram no dia do seu Batismo? Ou sob que condições o Batismo lhes foi concedido? Será que não foi sob a condição de que ao fazerem seus votos diante do Céu e da Terra, na presença de Cristo sobre o Altar, vocês renunciariam a Satanás e todas as suas pompas e obras por todo o tempo de suas vidas? Em outras palavras, que vocês renunciariam a todos os prazeres e vaidades deste mundo? Não foi sob a condição de abandonarem tudo para seguirem ao Cristo Crucificado que vocês foram batizados? Sendo assim, não é verdade que vocês estão violando as promessas de seu Batismo e profanando este Sacramento da Misericórdia? Vocês não estariam também profanando o Sacramento da Confirmação, ao trocar a Cruz de Cristo que vocês receberam, por vaidades e roupas obscenas, envergonhando-se ao invés, da Cruz, a qual deveria ser para vocês, glória e felicidade? Santo Agostinho diz-nos que aqueles que freqüentam bailes, verdadeiramente renunciam a Jesus Cristo para poderem se entregar ao demônio. Como isso é horrível! Expulsar Jesus depois que vocês O receberam em seus corações! São Efraim nos diz: – Hoje vocês se unem a Jesus Cristo, para logo depois, amanhã, se reunirem a Satanás! Comporta-se exatamente como Judas Iscariotes, aquela pessoa que logo depois de receber Nosso Senhor Jesus Cristo, vai vendê-lo a Satanás nesses encontros, onde ela se reúne com tudo que existe de mais pecaminoso!
    E quando se trata do Sacramento da Penitência? Oh! Quanta contradição em tais vidas! Um Cristão que depois de um único pecado, deveria passar o resto de sua vida no arrependimento, pensa apenas em se atirar nesses prazeres mundanos! Uma grande maioria profana o Sacramento da Extrema Unção que receberam num momento de dor, entregando-se depois a tudo quanto é movimento indecente com os pés, as mãos e o corpo inteiro que um dia foi santificado com os Santos Óleos.
    Por outro lado, o Sacramento das Sagradas Ordens também é insultado pelo desacato e desprezo com os quais as instruções dos pastores são consideradas. Mas quando chegamos ao Sacramento do Matrimônio, que Deus nos ajude! Quantas infidelidades podemos contemplar nessas assembléias? Parece que tudo é admissível. Quão cego é aquele que ainda pensa que não existe mal algum nisso!
    O Conselho Municipal de Aix-la-Chapelle, proíbe danças, mesmo nos casamentos. E São Carlos Borromeo, o Arcebispo de Milão, dizia que deveriam ser dados 3 anos de penitência àqueles cristãos que freqüentassem bailes e mais, que se voltassem atrás, deveriam ser ameaçados com a excomunhão. Então, se é verdade que não existe nenhum mal nisso, será que a Igreja e os Santos Padres é que estariam errados?
    Mas quem é que diz que não existe mal algum nisso? Só pode ser um libertino, ou uma mulher leviana e mundana que está tentando aliviar seu remorso de consciência do modo mais conveniente possível.
    Bem, você poderia me dizer que há sacerdotes que não falam muito sobre isso durante a Confissão ou que embora admitam ser pecado, nunca se recusam em dar logo a absolvição para tal delito. Ah! Eu não saberia dizer se tais sacerdotes são ou não tão cegos, mas eu posso assegurar-lhes que todos aqueles que estão procurando por sacerdotes tão condescendentes, estão buscando um passaporte que os leve diretamente para o Inferno. Da minha parte, se eu mesmo tivesse freqüentado bailes, sei que não deveria receber absolvição a não ser depois de ter uma firme resolução de não voltar mais a freqüentar tais salões.
    Veja bem o que diz Santo Agostinho e depois você me dirá se as danças são ou não uma boa ação. Ele nos diz que “as danças são a ruína das almas, o inverso da decência, um espetáculo desavergonhoso e uma profissão pública do crime”. São Efraim chama as danças de: “ruína da boa moral e alimento do vício”. Já São João Crisóstomo: “Uma escola pública da falta de castidade”. Para Tertuliano, a dança era considerada: “O Templo de Vênus, O Consistório da Falta de Vergonha e a Cidadela de toda a depravação”. Santo Ambrósio disse uma vez:
    – Eis aqui uma moça que dança! Mas não se esqueçam de que ela é filha de uma adúltera, porque uma mãe verdadeiramente cristã, ensinaria à sua filha; a modéstia, um sentido adequado de vergonha e absolutamente nada a respeito de danças!
    E agora eu lhes pergunto; quantos jovens existem aqui, que desde que começaram a freqüentar esses bailes, não freqüentam mais os Sacramentos? Ou quando o fazem, fazem apenas para profaná-los? Quantas pobres almas existem que perderam sua religião e sua fé! E quantos mais, nunca conseguirão abrir os olhos para ver o estado infeliz em que se encontram, a não ser depois que já tiverem caído no Inferno!…

    São Cura D’ars… Ora pro nobis.

    Isso tudo é radical? Porém a quem seguimos se não a Cristo Crucificado!

    Essa eu tomo de lição para mim…e vcs? O que acham, será que os santos morreram em vão? Ou sera que o relativismo Cristão Lavou o juizo das pessoas.

    Dai a Deus o que é de Deus.

    Leandro AC

  39. “Perigosíssimos” amigos deste nosso FRATRES!

    Ouvi isso que eu lhes repasso agora, com minhas palavras de um bom jovem, filho de funcionários de nossa fazenda, que estuda em uma Universidade federal, e, pasmem os senhores, é membro da RC”C” e atuante na “comunidade jovem” e da “CN”… É de se ficar pasmo!
    Pior, essa gente se diz “Católica”

    Tento “repassar” a “mensagem”:

    Estou escandalizado com a reação hiper ultra conservadora de todos vocês!!!
    Pra que usar desses mofados santos, coisas do passado, gente reprimida, todos certamente psicóticos, neuróticos e frustrados!
    Os novos (e verdadeiros) entendidos de bíblia, de ecumenismo e de moral, (tal como o grande, hiper, ultra moderno Marciano Vidal) falam que tudo é possível!
    O amor tudo salva! Deus é Dez!!!
    Aí, vocês vão ficar escrevendo coisas dessa gente ultrapassada, doente, reprimida que acredita que a comunidade cristã deve ser triste?
    Já diz o Mau$$enhor: “um $anto tri$te é um tri$te $anto!”
    E vocês citando essa gentalha antiquada, cheirando a mofo???
    Teremos “Carnaval de Jesus” em várias cidades deste país, e quiçá em todo o mundo!
    A Canção Nova terá até um acampamento de Carnaval, liderado pelo diábolo, digo, diácono…
    Tudo na maior alegria, na maior celebração de amor, vida e fé!
    Até a Ivete canta no fim dos quatro dias em Salvador, o hino do Senhor do Bonfim, afinal: “Deus é Dez!”!!!!!
    E vocês com essas histórias de freirinhas videntes, padrezinhos fanáticos, fradezinhos histéricos???
    Gentem!
    O mega acontecimento conciliar acabou com tudo isso!
    “Deus é Dez!”
    Vamos ter o carnaval de Jesus!

    E eles se acham “Católicos”… Nem os piores hereges tiveram a ousadia de fazer isso!
    Ah, mas o mega hiper evento conciliar ensina para os seus sequazes, digo, seguidores que Deus é Amor, que Deus tudo permite!
    Não mais vivemos na “castração” tridentina!
    A CNB do B vai promover vários blocos e até um desfile de fantasias!
    Teremos mitras penosas, padres fashion’s, padres barbies, de tuuuuudddooooooo! Um zoo”ilógico”, claro!
    Mas a fantasia que ganhará o prêmio de originalidade máxima será aquela de um bispo da CNB do B, adepto do mega evento conciliar, moderno, membro do diretório da petralha, conselheiro das CEB’s, do núcleo de reflexão da base, do diálogo ecumênico, imaginem, este cara vestido de batina roxa, com solideu, e rezando o breviário em latim!
    Isso é que seria uma fantasia original!
    Agora vocês falando mal desses verdadeiros discípulos do ISCARIOTES!?!?
    Não!
    Affinal o mega evento conciliar mostra que a igreja deve estar no mundo, sentir com o mundo!
    Esse é o aggiornamento de Roncali/Montini!
    Chegaaaaaa de falar de santos!
    Vamos falar só de alegria, de festa, afinal, “Deus é Dez!”
    É a linguagem da Juventude!
    Viva o Carnaval!
    Ah, só para vocês terem uma ideia, tivemos a confirmação de um participante ilustre nesse bloco:
    o pai do ecumenismo, o inspirador do mega evento conciliar, o reformador da liturgia, o pai-fundador e eterno dirigente-companheiro-camarada da CNB do B: Lúcifer.

    E ainda tem gente que fica nervoso quando eu pergunto: ESSA IGREJA CONCILIAR É SÉRIA?

    Outras perguntinhas básicas:
    ONDE ESTÁ O NÚNCIO PAPAL?

    O QUE ELE FALA DISSO?

    O PAPA CONCORDA COM ESSA BADERNA E O USO DO SANTO NOME DE DEUS EM VÃO?

    Depois desse bloco de carnaval, tomando o Santo Nome de Deus, profanado o Ensinamento de Cristo Nosso Senhor, debochando da vida de oração e de penitência, torna-se impossível não perceber que esses mentores da CNB do B e suas “ideias fantásticas” estão contruindo uma religião do ser humano, de suas vaidades e de seus prazeres, ou seja, têm diante de si outro deus: Baal.
    Essa gente não teme e muito menos ama Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor e Salvador nosso, Aquele a quem se dobram os joelhos no Céu, na Terra e nos Infernos!

    Ah, mais uma, “gentem”, eles podem realmente pular e estribuchar nesses carnavais da vida, afinal, inferno não existe, já disse um dos bispos dessa instituição modernista/maçônico-liberal!

    Valei-nos Arcanjo São Miguel!
    Senhor, tende piedade de nós!

  40. Estou chocado!!! Como assim não tinha cerveja para vender? Chegamos ao absurdo de proibir bebida monástica?

  41. Digamos que o carnaval era uma festa “cristã”, quando na véspera da 4.ª feira de cinzas as pessoas confraternizavam e se divertiam porque a partir do dia seguinte começaria o jejum da Quaresma. Claro que este costume foi se excedendo em divertimentos cada vez mais condenáveis, se transformando numa festa nociva às almas.

    Parece que os neo bárbaros querem reativar o constume só que imitando tudo aquilo que a Igreja sempre reprovou nestas festas cheias de excessos e ocasiões de pecado.

    Dom Antônio de Castro Mayer ensinava que é preciso lembrar sempre que as sequelas do pecado original permanecem em nossa alma, por isso, é necessário manter-se vigilantes com os costumes, vestes, ambientes… mesmo aqueles lícitos como: músicas, danças, praias, etc.

  42. Viram as freiras de hábito rebolando? kkkk Virgo Ora pro Nobis

  43. Eu assisti a essa reportagem no jornal esses dias. E o pior é que não é só esse bloco que escandaliza, em Niterói (região metropolitana do Rio de Janeiro) foi organizada uma festa chamada “Divina Folia”. Essa festa foi em uma comunidade católica chamada Divina Luz, no bairro do Fonseca. Quando passei e li a placa pensei “onde vamos parar?”. Carnaval não é festa católica, é festa do demônio, onde mulheres exibem seus corpos “esculturais”, saem “pegando” vários homens por aí, e os homens ficam embriagados, achando que são os “machões” porque se envolvem com verdadeiras prostitutas e sua excitação passa dos limites. É uma imbecilidade algumas pessoas apoiarem uma festa dessa, que exporta o Brasil com cara de prostíbulo imundo pra gringos idiotas verem e gozarem da cara da 6ª maior economia porca do mundo.