O lobby anti-Bertone e o possível novo secretário de Estado.

IHU – O homem que está pronto para assumir o posto do cardeal Tarcisio Bertone como secretário de Estado tem sua escrivaninha na Praça Pio XII, nº. 3, praticamente em frente à Praça de São Pedro. Ele não move um dedo, não faz complôs. Está ali e se apresenta como um fidelíssimo do Papa Ratzinger, doutrinalmente seguro à prova de bombas e além disso… eficiente. Chama-se Mauro Piacenza (foto), prefeito da Congregação para o Clero.

A reportagem é de Marco Politi, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 16-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um grande órgão do porte da Santa Igreja Romana, que reúne mais de um bilhão de fiéis, é uma estrutura que, como todas, segue o seu instinto de sobrevivência. Nas crises, se manifesta sempre um núcleo duro de “servidores da instituição”, que se põem o problema da alternativa. De quem colocar no timão, se, no painel de comando, forem verificadas disfunções. Diante da evidente crise da gestão Bertone, muitos olham para o cardeal Piacenza.

Se Bento XVI – com alguns pensamentos voltados para os venenos na Cúria – também afirma, na audiência geral, que “Jesus pede ao Pai que perdoe aqueles que o estão crucificando e nos convida ao difícil gesto de rezar até por aqueles que nos fazem mal, nos prejudicaram, sabendo perdoar sempre”, no Vaticano, muitos se perguntam por quanto tempo ainda será possível seguir em frente assim.

Bertone completará 78 anos neste ano, a idade em que o seu antecessor, Angelo Sodano,  deixou a liderança da Secretaria de Estado. Se um pontífice é permitido a envelhecer e avançar na casa dos 80 anos (Ratzinger completa 85 em poucas semanas), um secretário de Estado tem o dever de não ser muito idoso e de manter a sua energia juvenil. Piacenza tem a idade certa para os gostos curiais: 67 anos.

Nascido em Gênova, ele faz parte daquele time da Ligúria, que nos últimos anos, abriu cada vez mais espaço na cúpula da Santa Sé e da Igreja italiana: do vice-ministro das Relações Exteriores vaticano, Mons. Ettore Balestrero, ao recém-nomeado patriarca de Veneza, Dom Francesco Moraglia. Piacenza, com João Paulo II, foi presidente da Pontifícia Comissão para os Bens Culturais e da Comissão de Arqueologia Sacra.

Mas o percurso de carreira que o aproxima de Bento XVI foi o realizado na influente Congregação para o Clero. Nomeado subsecretário do “ministério dos padres” em março de 2000, ele deu um salto à frente em maio de 2007. Por quê?

Acontece que, nem sete meses antes, Bento XVI nomeou prefeito da Congregação para o Clero o cardeal brasileiro Cláudio Hummes. O purpurado veio da arquidiocese de São Paulo, com uma grande e forte experiência pastoral. O mundo católico espera dele uma abordagem nova no combate à profunda crise do clero. E Hummes partiu cheio de entusiasmo. Antes de embarcar no aeroporto em São Paulo, declara à imprensa que o celibato não é um dogma. Ele nem sequer tem tempo de aterrissar em Roma e já tem que desmentir oficialmente (com um comunicado humilhante) qualquer intenção de inovação. Piacenza, nomeado seu braço direito, praticamente desenvolverá o papel de comissário.

Hummes emudece. Depois de apenas quatro anos, o cardeal brasileiro abandona a Congregação para o Clero, com um Bento XVI excessivamente solícito para acolher a sua renúncia por ter atingido os 75 anos de idade.

No dia 7 outubro de 2010, o Papa Ratzinger nomeia Piacenza para a presidência da Congregação e, no dia 20 de outubro, impõe-lhe o barrete cardinalício. Uma carreira relâmpago. Agrada a Bento XVI a extrema ortodoxia doutrinária de Piacenza, unida à capacidade de organização, assim como agrada ao papa a sua posição de acusação contra o mundo moderno, a sua defesa do modelo sacerdotal assim como é, sem sombra de tentações reformistas. Em uma publicação recente, o cardeal Piacenza reapresentou o padre como “testemunha do Absoluto” e falou de ataques contra o celibato eclesiástico como provenientes de “contextos e mentalidade completamente alheios à fé (…) muitas vezes coordenados nos tempos e nos modos por comandos nem mesmo muito ocultos, que visam ao progressivo enfraquecimento”de um dos elementos mais eficazes do testemunho da Igreja. Essa é a tese mais de moda na Cúria ratzingeriana, a ideia de uma conspiração contra a Igreja.

Entre 2009 e 2010, quando Bento XVI convocou o Ano Sacerdotal, Piacenza fez com que não fosse organizado um único momento de reflexão vaticano sobre os efeitos práticos da crise das vocações e sobre como enfrentar estruturalmente o problema das paróquias sem liderança.

Nestas horas, a estrela de Piacenza está crescendo, assim como Bento XVI, pela primeira vez, está em um sério conflito com o cardeal Bertone. O Papa Ratzinger não lhe perdoa por ter freado a política de absoluta transparência internacional do IOR [o chamado “Banco do Vaticano”] buscada por Gotti Tedeschi e pelo cardeal Nicora. E não lhe perdoa por ter exposto a Santa Sé – com a caçada a Viganò – à suspeita de tolerar negócios de corrupção nos contratos das obras vaticanas. É muito para um pontífice alemão, embora lento para decidir.

5 Comentários to “O lobby anti-Bertone e o possível novo secretário de Estado.”

  1. Seria a melhor nomeação de todo o pontificado!

  2. Creio que, se isso se concretizar, Piacenza passaria a ser um fortíssimo candidato ao próximo papado, junto com Scola.

  3. Se o Papa é o Vigário de Cristo na terra, talvez o Secretário de Estado tenha se tornado o “vigário do demônio” de tempos pra cá: Bertone, essa enxurrada de acusações. Dom Angelo Sodano, se diz que subornava prelados com vinhos e queijos em favor dos Legionários e de Maciel. Cardeal Jean Villot, secretário de 3 papas, tem seu nome inscrito na lista da P-2 e suspeita-se que tenha tramado a morte de João Paulo I e o atentado ao II. Não é de se admirar que Pio XII tenha decidido ficar sem Secretário após a morte de dom Luigi Maglione em 1944.

  4. Caro Pedro,

    Louvado seja Jesus!

    Houveram, é fato, também os bons: Merry Del Val, Gaspari e o próprio Pacelli. É cedo ainda para citar Casaroli, mas penso que a história devotará ao sucessor de Villot o mérito de sua atividade em vista da queda do comunismo.

    Sem dúvida, o Cardeal Piacenza seria uma boa pedida, ainda que a revelia dos progressitas!

  5. Eu, de fato, espero que essa mudança seja feita e que o Papa também escolha um ótimo novo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, para dar novos passos – largos – na reforma da reforma.