O Beijo de Judas Iscariotes: Palavras claras e corajosas sobre a Crise na Igreja.

Iniciamos hoje a publicação de uma série de três artigos de autoria do Reverendíssimo Padre Michael Rodriguez, sacerdote da diocese de El Paso, EUA.

* * *

O Beijo de Judas Iscariotes: O Inimigo está Dentro 

Parte I

Por Padre Michael Rodriguez

Em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Dignáre me laudáre te, Virgo sacráta. Da mihi virtútem contra hostes tuos. Benedictus Deus in sanctis suis. Amém.

Padre Michael Rodríguez.

Padre Michael Rodríguez.

Tenham cuidado! O inimigo está bem dentro da Santa Igreja Católica Romana. Na noite mais sagrada da história da humanidade, quando o Filho de Deus instituiu a Eucaristia e o Sacerdócio… a serpente estava lá, sussurrando no ouvido de Judas Iscariotes.

(1) Santo Evangelho segundo São Mateus, Capítulo 26: 46-49: “Levantai-vos, vamos! Aquele que me trai está perto daqui. Jesus ainda falava, quando veio Judas, um dos Doze, e com ele uma multidão de gente armada de espadas e cacetes, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo. O traidor combinara com eles este sinal: Aquele que eu beijar, é ele. Prendei-o! Aproximou-se imediatamente de Jesus e disse: Salve, Mestre. E beijou-o.”

(2) São Paulo, o grande Apóstolo, falando aos bispos e clero em Êfeso, Atos 20: 28-30, “Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o seu próprio sangue. Sei que depois da minha partida se introduzirão entre vós lobos cruéis, que não pouparão o rebanho. Mesmo dentre vós surgirão homens que hão de proferir doutrinas perversas, com o intento de arrebatarem após si os discípulos.”

(3) Em uma carta escrita em 4 de dezembro de 1970, Ir. Lúcia, de Fátima, escreveu: “Nossa Senhora solicitou e recomendou que o Rosário fosse rezado todos os dias, tendo repetido isso em todas as Aparições como se ela estivesse nos advertindo de que, nesses tempos de desorientação diabólica, não devemos nos deixar enganar por falsas doutrinas que diminuem a elevação de nossa alma a Deus através da oração.”

(4) Juntamente com São Basílio, São Gregório Nazianzeno e Santo Atanásio, São João Crisóstomo é tido como um dos quatro grandes Doutores Orientais da Igreja.

São João Crisóstomo nasceu em 344 A.D. e passou a maior parte de sua vida em Antioquia, a cidade onde os sete macabeus foram martirizados e onde, pela primeira vez, homens foram chamados de “cristãos”. Em 398 A.D, São João Crisóstomo foi consagrado Arcebispo e Patriarca de Constantinopla.

São João Crisóstomo foi simplesmente o oposto de seu predecessor, o afável bispo Nectário. São João começou a “limpar a casa,” dando ao clero mais trabalho e insistindo na necessidade de mais oração. Ele exigia que os monges retornassem a seus mosteiros em vez de ficar vagando, como alguns faziam. São João não dava banquetes, comia uma refeição frugal à noite, vestia-se modestamente, vendeu o rico mobiliário do palácio episcopal e deu o dinheiro, comida e roupas aos pobres.

Dois de seus maiores inimigos eram bispos, Severiano, Bispo de Gabala, na Síria, e Teófilo, Patriarca de Alexandria. Com a ajuda e suporte da Imperatriz, Eudóxia, Teófilo reuniu um grupo de  bispos do Egito e eles realizaram um Concílio falso para depor São João Crisóstomo. Eles levantaram acusações falsas e frívolas contra ele — de que ele havia deposto um diácono para surrar um funcionário, de que ele havia chamado vários de seus clérigos de homens sem categoria, de que ele havia ordenado sacerdotes em sua capela doméstica, de que ele havia vendido bens que pertenciam à igreja, de que ninguém sabia o paradeiro de suas receitas, e de que ele fazia suas refeições sozinho. Eles também o acusaram de traição contra o imperador. O imperador emitiu uma ordem para bani-lo, mas esta foi desafiada por seu povo, que se reuniu ao redor da igreja para proteger o seu pastor.  Em um sermão de despedida aos fiéis, São João Crisóstomo exclamou:  “Tempestades violentas me rodeiam de todos os lados, ainda assim não tenho medo, porque  estou firmado em uma rocha. Embora o mar se agite, e as ondas se elevem bem alto, elas não podem afundar o navio de Jesus. Não temo a morte, que é um ganho para mim, nem o exílio, porque toda a terra é do Senhor, nem a perda de bens, porque vim ao mundo nu e devo deixá-lo na mesma condição. Cristo está comigo, a quem temerei?”

(5) São João Eudes fundou a Congregação de Jesus e Maria. Juntamente com Santa Maria Margarida Alacoque, foi o fundador e iniciador da devoção do Sagrado Coração. Nasceu na Normandia, França, em 1601, e faleceu em 1680. “A marca mais evidente da ira de Deus e o castigo mais terrível que Ele pode infligir ao mundo são manifestos quando Ele permite que seu povo caia nas mãos de padres que são sacerdotes mais no nome do que em atos, sacerdotes que praticam a crueldade de lobos vorazes em vez da caridade e afeição de pastores devotos.”

(6) La Salette ainda hoje é uma pequena aldeia no alto dos Alpes franceses próximo de Grenoble. Em 19 de setembro de 1846, duas crianças pobres, Melanie Mathieu, de 14 anos e Maximin Giraud, de 11 anos , viram uma Senhora extraordinariamente bela enquanto vigiavam o gado na montanha. Ela lhes disse para não temerem, e que ela tinha vindo para dizer-lhes algo de grande importância. Cinco anos mais tarde, esta Aparição da Santa Mãe de Deus foi aprovada pela Igreja Católica. De 1858 até 1877, Melanie disseminou a mensagem de Nossa Senhora de La Salette, e a pôs por escrito em 1878.

De acordo com a Mãe de Deus em La Salette, “Os sacerdotes, ministros de meu Filho, os sacerdotes, por suas vidas perversas, por sua irreverência e sua impiedade na celebração dos santos mistérios, por seu amor ao dinheiro, seu amor a honras e prazeres, os sacerdotes se tornaram fossas de impureza. Ai dos sacerdotes e daqueles dedicados a Deus que através de suas vidas  perversas estão crucificando o meu Filho novamente!”

(7) O Papa Leão XIII reinou por vinte e cinco anos (1878-1903) e morreu na idade de 93, no ano de 1903. Durante o seu pontificado, ele tomou conhecimento da infiltração maciça do ateísmo, ocultismo e de todas as formas do mal penetrando a sociedade. Ficou particularmente perturbado pela influência dos maçons, cujo objeto era a ruína da Igreja Católica. Ele teve uma experiência mais que extraordinária com relação ao mal. Enquanto se consultava com vários cardeais na capela privada do Vaticano, em 13 de outubro de 1884 (exatamente 33 anos antes do “Milagre do Sol”, em Fátima), ele acabou passando diante do altar, onde parou subitamente e pareceu perder toda a consciência do que estava ao seu redor. Sua face delgada ficou pálida, seus olhos ficaram estarrecidos de terror e ele ficou imóvel por vários minutos até que as pessoas que estavam ao seu redor pensaram que ele estivesse prestes a morrer. Seu médico correu para o seu lado, mas em um ou dois momentos o Papa se recuperou e quase de maneira dolorosa exclamou: “Oh! Que palavras terríveis eu ouvi.” O Papa então compôs a famosa oração a São Miguel Arcanjo.

Depois de um tempo, o Papa Leão XIII confidenciou o que havia ocorrido em sua visão. O demônio, com voz gutural, se gabou a Deus de que ele poderia destruir a Igreja se ele tivesse mais tempo e mais poder. Então, ele pediu a Deus 75 anos, depois 100 anos. Sua solicitação foi concedida por Deus, com o entendimento de que haveria uma punição quando ele falhasse.

Como forma de implorar a proteção divina contra Satanás, o Papa Leão XIII ordenou a recitação das Três Ave-Marias e a oração a São Miguel Arcanjo após toda Missa Rezada. A recitação dessas orações após a Missa foi descontinuada em muitas paróquias após o Vaticano II.

(8) Em sua Carta Encíclica, Pascendi Dominici Gregis, de 8 de setembro de 1907, na qual ele condenou a heresia do modernismo, o Papa São Pio X escreveu que os hereges “não estavam apenas dentre os inimigos declarados da Igreja; mas, o que é mais assustador e deplorável é que eles estavam em seu próprio seio.” Ele chama esses modernistas de “os mais perniciosos de todos os adversários da Igreja”. Salienta que eles buscam destruir a Igreja a partir de dentro e escreve que esse perigo “está presente quase nas próprias veias e coração da Igreja.”

(9) De 1958 até 1964, o Pe. Malachi Martin atuou em Roma como padre jesuíta, onde ele tinha contato próximo com o cardeal Augustin Bea e dois Papas, João XXIII e Paulo VI. De acordo com o Pe. Martin, uma cerimônia diabólica chamada “A Entronização do Arcanjo Decaído Lúcifer” foi realizada na Capela de São Paulo dentro o Vaticano e esteve relacionada a ritos satânicos que ocorreram simultaneamente nos EUA (muito possivelmente, em Charleston, Carolina do Sul), em 29 de junho de 1963, quase uma semana após a eleição do Papa Paulo VI.  Satanás foi então formalmente entronizado no Vaticano.

(10) No início dos anos 60, durante a época do Concílio Vaticano Segundo, nossa Mãe Santíssima apareceu em Garabandal, uma pequena aldeia nas montanhas a nordeste da Espanha. Ela apareceu a quatro moças: María Loli, Conchita, Jacinta, e María Cruz. Apesar das aparições não serem formalmente aprovadas pela Igreja, o Santo Padre Pio as apoiou 100%, e o bispo local confirmou que não havia nada na mensagem que fosse contrária à Fé Católica. Nossa Senhora de Garabandal disse: “muitos cardeais, bispos e sacerdotes estão na estrada para o inferno e arrastam muito mais almas junto consigo.”

(11) No nono aniversário de sua coroação como Papa, na Festa dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, em 29 de junho de 1972, o Papa Paulo VI pregava:  “Acreditamos que após o Concílio  viria um dia de sol brilhante para a história da Igreja. Porém, invés disso veio um ida de nuvens, tempestades e de escuridão… e como foi que isso aconteceu? Há um poder, um poder adversário. Chamemo-nos pelo nome: o demônio. Parece que por alguma rachadura misteriosa a fumaça de Satanás entrou no templo de Deus.”

(12) O Papa João Paulo II, em 7 de fevereiro de 1981, apenas alguns anos em seu pontificado, afirmou: “Devemos admitir realisticamente  e com sentimentos de profunda dor que os cristãos hoje em dia em grande medida se sentem perdidos, confusos, perplexos e até mesmo decepcionados; idéias opostas à verdade revelada e sempre ensinada estão sendo espalhadas em abundância no exterior; heresias, no sentido pleno e próprio da palavra, foram espalhadas na área de dogma e moral, criando dúvidas, confusões e rebelião; a liturgia foi adulterada. Os cristãos são tentados pelo ateísmo, agnosticismo e pelo cristianismo sociológico destituído de dogmas definidos ou uma moralidade objetiva.”

(13) Em 17 de março de 1990, o Cardeal Oddi deu o seguinte testemunho ao jornalista italiano Lucio Brunelli, “O Terceiro Segredo não tem nada a ver com Gorbachev. A Virgem Maria nos alertou contra a apostasia na Igreja.”

(14) Em uma entrevista de 1992 com o Pe. Malachi Martin, ele disse o seguinte: “Não há dez bispos que concordem com alguma coisa. Não há duzentos padres que concordem com alguma coisa. Não há coesão sobre a presença real do Santíssimo Sacramento, sobre a devoção a Nossa Senhora, sobre o valor do celibato, sobre o valor da pureza, sobre o valor do matrimônio, ou sobre o valor da vida humana. Estamos divididos pela dissensão. A maioria dos católicos romanos da América aceitam a contracepção. A maioria aceita o aborto como opção. Um elevado percentual aceita o homossexualismo. O que é isso? Temos o homossexualismo nos seminários, dirigidos pelos bispos. Temos hereges ensinando nos seminários, dirigidos pelos bispos. Pera lá! A Igreja como a conhecíamos não existe mais! E Roma não pode fazer nada a respeito. O Cardeal Ratzinger não pode fazer nada a respeito. O Papa não pode fazer nada a respeito. Eles sabem disso tudo, mas eles não podem fazer nada a respeito. Então, descobrimos que há um anel de sacerdotes na Arquidiocese de Chicago, que tem praticado pedofilia satânica entre si e assassinado qualquer membro dissidente de seu próprio grupo. Por quanto tempo isso tem ocorrido? E ninguém tem feito nada a respeito! Pera lá, a organização é uma fachada! A Igreja não existe como antes.”

(15) A edição de novembro de 2000 do periódico Christian Order continha a seguinte informação: “Nos anos 30, a liderança comunista emitiu uma diretriz mundial sobre a infiltração na Igreja Católica. Enquanto que no início dos anos 50, a Sra. Bella Dodd também fornecia explicações detalhadas da subversão comunista da Igreja. Falando como ex-oficial de alta patente do Partido Comunista Americano, a Sra. Dodd dizia: Nos anos 30 colocamos mil e cem homens no sacerdócio a fim de destruir a Igreja a partir de dentro.” A idéia era que esses homens fossem ordenados e progredissem em seus cargos de influência e autoridade, como Monsenhores e Bispos. Doze anos antes do Vaticano II ela afirmou que: “Justo agora eles estão nos lugares mais altos da Igreja”—onde eles estavam trabalhando para mudar a Igreja. Ela disse que essas mudanças seriam tão drásticas que “vocês não reconheceriam a Igreja Católica.”

(16) No outono de 2002, o Pe. Nicholas Grüner, perito de Fátima mundialmente conhecido, escreveu: “Deus também nos fala através da Mensagem de Fátima que Ele punirá o mundo através de quatro castigos —guerra, fome, perseguição à Igreja e perseguição ao Santo Padre. O que a maioria das pessoas não sabe, incluindo aqueles na Igreja, é que a perseguição à Igreja é o que estamos enfrentando atualmente. Isso é um castigo terrível. A Santa Madre Igreja atualmente está sendo perseguida pela infiltração de homens perversos; homens hereges; homens apóstatas, como, por exemplo, maçons, comunistas e, particularmente, pela rede de pedofilia e homossexuais. A perseguição da Igreja é um castigo espiritual muito pior do que todos os castigos materiais. É esse castigo espiritual que está na raiz do escândalo de pedofilia na Igreja hoje em dia.”

(17) Em anos recentes, vimos a renúncia dos arcebispos de Atlanta e Santa Fé, que deixaram suas sés devido a assuntos envolvendo mulheres; dois bispos de Palm Beach, Flórida, em sucessão renunciaram sob a acusação de ter abusado de rapazes; um bispo em Santa Rosa, CA, renunciou após acusações sérias de ter molestado sexualmente um de seu sacerdotes e ter falido a sua diocese; um bispo em Springfield, IL, renunciou sob as acusações de promiscuidade homossexual; um bispo auxiliar de Nova York morreu de AIDS após anos de reabilitação intermitente de drogas; um outro bispo auxiliar de Nova York renunciou após ter admitido relacionamentos com mulheres; um Arcebispo de Milwaukee renunciou repentinamente depois que o pagamento de $450.000,00 a um rapaz veio à luz; um bispo de São Petersburgo confessou que um acordo de $100.000,00 foi feito com um funcionário que o havia acusado de assédio sexual.

Suub tuum præsídium confúgimus, sancta Dei Génetrix; nostras deprecatiónes ne despícias in necessitátibus nostris, sed a perículis cunctis líbera nos sempre, Virgo gloriósa et benedícta.

29 Comentários to “O Beijo de Judas Iscariotes: Palavras claras e corajosas sobre a Crise na Igreja.”

  1. Ótimo sermão!

  2. Meu Santo Deus! Como não chorar diante de palavras tão verdadeiras e perturbadoras; como não sentir o coração ferido pela negligência dos bons e a ousadia dos maus.

    Que os céus nos ajudem, e oremos pelo Papa.

    Sancte Michael Archangele, Defende nos in Praelio

    Ora pro nobis, sancta Dei Génitrix. Ut digni efficiámur promissiónibus Christi.

  3. Excelente! Gostaria muito que esse padre voltasse ao Brasil. Precisamos de padres santos e corajosos como o padre Michael. Ele é um exemplo claro da verdadeira caridade cristã.

  4. Os santos pareciam anjos falando, mas o pe. Michael Rodriguez parece anjo digitando. rs
    Muito bom artigo, ótimo pra abrir os olhos pro verdadeiro problema da Igreja. As pessoas, os jornais, só falam de Bertone, de IOR, de JMJ e blá blá blá… e enquanto isso, o demônio não poupa esforços pra derrotar a Igreja… e os resultados são muito bons pra ele!

    São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate.

  5. “Não hà nada de novo sob o sol…” A História mostra que a Igreja sempre foi assim.Cheia de santos e pecadores,cheia de contradições e fraqueza de seus membros.
    Não é por causa de concílio A ou B que a Igreja passa por momentos difíceis.
    Em La Salette ,a Santa Mãe de Deus já se queixava dos sacerdotes.Isso,muito antes do Concílio Vaticano ll.
    Como estava a Igreja nos tempos de São Francisco de Assis?
    A Barca de Pedro,sempre estará em “mares revoltos”.

  6. O beijo, a traição, o judas ainda estão presentes nos dias de hoje. Quantos padres, bispos, arcebispos e cardeais não pregam uma nova era, uma nova igreja??? Devemos continuar orando com Nossa Senhora para que a Igreja catolica volte e ser o que era. CATOLICA

  7. Esse artigo é incrível!

  8. Uma família unida não faz propaganda dos erros de um irmão. Por que é que “Fratres in Unum” espalha fofocas e calúnias sobre pecados reais ou imaginários de padres e bispos que não adotam a cartilha da “fraternidade”? Deixem que os inimigos da Igreja cuidem de espalhar o lixo acumulado em quase vinte séculos de Igreja e as coisas negativas de hoje!
    Divergências de opiniões e opções diferentes no agir diante de problemas complicados, e também erros e pecados de leigos e de padres e de bispos, sempre haverá numa Igreja que já teve um traidor entre os primeiros apóstolos escolhidos com cuidado por Jesus.
    Para que servem as condenações que um grupo de “irmãos unidos” (irmãos para a unidade?) procura fazer contra a grande maioria dos católicos e dos dirigentes atuais da Igreja? Vocês não são os primeiros que pretendem ser mais católicos que o Papa, nem serão os últimos.

    • Excelência Reverendíssima, Laudetur Iesus Christus!

      Primeiramente, é uma honra recebê-lo por aqui.

      O artigo acima não cita nenhuma “fofoca e calúnia” sobre pecados “reais ou imaginários de padres e bispos”. As únicas menções de pecados dizem respeito à crise da Igreja nos EUA, acometida por homossexualismo e pedofilia, e são fatos de conhecimento público. Todos as ditas “fofocas e calúnias” foram apuradas pelo judiciário americano, os “caluniados” foram devidamente punidos. São, antes de mais nada, criminosos. A Conferência Episcopal Norte-Americana reconheceu a infeliz política de simplesmente transferir padres criminosos de região em região, a famosa praxe do acobertamento sistemático por parte dos bispos. Fizeram um mea culpa. Infelizmente, no Brasil, em muitos lugares ainda vigora a mesma postura por parte do episcopado.

      Enfim, a Santa Sé recentemente realizou um Simpósio (se não me engano, no mês passado) sobre os abusos e defendeu uma nova postura: a da tolerância zero, inaugurada pelo Cardeal Ratzinger enquanto ainda era Prefeito para a Doutrina da Fé.

      Nela, reconhece-se que, para o bem da Igreja e a salvação das almas, não deve haver a mínima lenidade para com aquilo e aqueles que buscam destruir a Igreja (em vão, pois as portas do inferno não prevalecerão — o que também não justifica ficar de braços cruzados, como querem alguns).

      O que não significa agir com falta de caridade para com os criminosos, o que o Padre Rodríguez, em momento algum, fez em seu artigo. Afinal, ele não citou mais que fatos públicos, reconhecidos pela própria Conferência Episcopal dos EUA. Nenhuma fofoca, murmúrio, calúnia, difamação. Que fique bem claro!

      Há 7 anos, um Cardeal também era acusado de querer ser “mais católico” que o Papa. Mormente, por membros de uma cúria romana que sistematicamente escondia os crimes e protegia, num corporativismo abjeto, os criminosos (recordemos o caso Marcial Maciel).

      Este Cardeal, que seria eleito Papa poucos meses depois, disse as seguintes palavras na Via crucis de 2005:

      “… Mas não deveríamos pensar também em tudo quanto Cristo tem sofrido na sua própria Igreja?
      Quantas vezes se abusa do Santíssimo Sacramento da sua presença, frequentemente como está vazio e ruim o coração onde Ele entra!
      Tantas vezes celebramos apenas nós próprios, sem nos darmos conta sequer Dele! Quantas vezes se contorce e abusa da sua Palavra! Quão pouca fé existe em tantas teorias, quantas palavras vazias!
      Quanta sujeira há na Igreja, e precisamente entre aqueles que, no sacerdócio,
      deveriam pertencer completamente a Ele! Quanta soberba, quanta auto-suficiência!
      “Senhor, muitas vezes a vossa Igreja parece-nos uma barca que está para afundar, uma barca que mete água por todos os lados. E mesmo no vosso campo de trigo, vemos mais cizânia que trigo. O vestido e o rosto tão sujos da vossa Igreja horrorizam-nos.”

      Enfim, Excelência, é fácil compreender como este Cardeal era considerado antipático e “mais católico que o Papa”, quando em uníssono até hoje se louva uma pseudo “nova primavera da Igreja”. Alguns até responderiam (muito confortavelmente): “Ah, mas sempre foi assim mesmo! A Igreja sempre teve maus membros. Não adianta ficar divulgando ‘fofocas e calúnias'”.

      Dom Cristiano, o primeiro passo para um doente ser curado é reconhecer a sua doença. É ver que as coisas vão mal. Talvez as palavras do Cardeal acima poderão ajudá-lo a compreender que estes pobres Fratres in Unum querem transparência, querem retidão, querem amor à Santa Igreja de Deus e a Nosso Senhor. Que eles estão cansados de décadas de tolerância com o pecado, de corporativismo hipócrita da parte da hierarquia, de uma adulação demagógica para com todos.

      Nosso amado Senhor expulsou os vendilhões do templo; os judeus seguramente o consideraram um “radical”. Não somos Jesus, é claro. Nós nos colocamos em nosso devido lugar. Mas pretendemos apenas, preservada a caridade para com o nosso próximo, fazer com que os simples católicos reconheçam o estado de calamidade atual da Igreja. E que, com isso, rezem mais, se santifiquem, se sacrifiquem por Ela.

      E aos hierarcas que nos lêem (graças a Deus, são muitos), além de rezar e se santificar, que trabalhem para uma verdadeira reforma na Igreja. Que reconheçam as coisas como são: que ao bem, chamem de bem, e ao mal, de mal. Que saiam do conto de fadas em que vivem. Que arregacem as mangas e pastoreiem essas ovelhas abandonadas, verdadeiramente sem pastor. Os fiéis gritam pelos senhores, bispos! Assumam os seus deveres. Governem e santifiquem o povo! Preguem a verdadeira doutrina! Defendam a moral!

      Esses são os nossos propósitos.

  9. Ótimo sermão, franco e claro, sem ambiguidades ele denuncia o processo de demolição da Igreja desde dentro através da apostasia da fé . Gostaria apenas de destacar que essa apostasia da fé na Igreja é CASTIGO de Deus profetizado em Fátima.

  10. Excelência. Reverendíssima.

    Rogo sua benção e, humildemente, peço que Vossa Excia. se inspire nos
    exemplos de Santo Atanásio e São Gregório Nazianzeno, ambos Bispos da Igreja.
    O último chamava alguns de seus irmãos Bispos de gralhas efeminadas, tal conduta
    em prol da fé da Igreja edificou tanto que hoje ele é honrado nos altares. São Atanásio, outro
    exemplo de virtudes, foi de fato mais católico que o Papa.
    Mas o que interessa é reconhecer que esses dois Bispos não se calaram diante da iniqüidade, antes apontaram os erros e aqueles que o propagavam. Ao que me consta, esse blog presta esse relevante serviço, qual seja, de apontar os erros e identificar os detratores.
    Do contrário, se este blog disser que é erro o correto e que é pecador o inocente, por favor corrija-o.

  11. Excelentíssimo Dom Cristiano,

    Acho que talvez algum sentimento prévio de preconceito ou antipatia contra o blogue tenha influenciado o seu comentário. O artigo do padre Rodríguez só está dizendo a verdade. Ele não está inventando nada. Esse padre tem sofrido grandes perseguições por seu amor à doutrina católica e defesa do matrimônio. Como o blogue estaria dizendo fofocas e calúnias ao postar o artigo de um padre tão corajoso, lúcido e santo como o padre Rodríguez?

    Como o ônus da prova cabe ao acusador, gostaria que o senhor dissesse aqui em que o padre Rodríguez está fofocando ou caluniando. O que ele diz já foi dito por vários jornalistas católicos que amam a Igreja e sofrem por ela e com ela. Infelizmente muitos dos problemas da Igreja só são resolvidos quando são revelados publicamente pela imprensa (vide o caso escandaloso do padre Pinto na Bahia, que por anos e anos fez da casa de Deus um palco para suas performances depravadas). Muitas vezes os bispos são notificados dos problenas e ao invés de agir com diligência procrastinam a solução até que a imprensa notifique.

    E ainda por cima esse padre é diocesano, o que aumenta seu mérito ainda mais.

  12. Talvez Dom Cristiano esteja sugerindo que o Fratres aborde assuntos mais úteis às almas, como as hidroelétricas amazônicas ou plantar flores no sertão.

  13. Tenho vergonha da hierarquia da Igreja.

  14. Excelente comentário Feretti.
    Se os senhores Bispos estivessem mais preocupados em corrigir o erro do que passar a mão na cabeça dele, a Santa Igreja não estaria nesta situação terrível que se encontra.Passar bem.

  15. Parabéns ao Ferreti pela excelente resposta e que Nosso Senhor Jesus e Nossa Senhora continue abençoando este blogue para que ele continue existindo.
    Sagrado Coração de Jesus dái-nos santos sacerdotes e bispos .

  16. Quando se mete o dedo na ferida, comete-se calúnia e fofoca, quando se faz vistas grossas para este câncer que varre de ponta a ponta a Igreja, se está em plena comunhão. Curiosa contradição…
    Adotar a “cartilha da fraternidade” é bem melhor, trata-se de uma “cartilha” que nos traz o beabá do Catolicismo há anos dispensado e desprezados por quem deveria por obrigação ensiná-lo ao povo. Mas, parece mais pedagógico ensinar a cartilha nojenta da CNBB que oferece lições de como se perder a Fé.

  17. Faço minhas as palavras do Ferreti.

    Fiquem com Deus.

  18. Dom Cristiano, ao invés de entrar aqui no Fratres in Unum e nos insultar, Vossa Excelência deveria fazer penitência pela décadas de apoio dado pela CNBB a este partido maldito chamado PT.

  19. Mensagem enviada a Dom Cristiano pelo site da diocese de Jequié.

    “Ex.mo Sr. Bispo de Jequiá, BA,

    Meu nome é Rogério Amaral Silva, sou leitor assíduo do blog Frates in Unum, portanto, o que vou dizer a Vossa Excelência é de minha inteira e exclusiva responsabilidade, isentando-se, portanto, os editores do referido blog.
    Em relação aos comentários infelizes de Vossa Excelência na matéria “O Beijo de Judas Iscariotes: Palavras claras e corajosas sobre a Crise na Igreja”, digo que eles atingiram não somente a honra dos mantenedores do Fratres in Unum, mas, também a minha e também, tenho certeza, de inúmeros outros leitores que aderem à corajosa denúncia do Padre Michael Rodriguez, da diocese americana de El Paso, estado do Texas. Aliás, muito bem citada as palavras de Nossa Senhora de La Salette: “Os sacerdotes, ministros de meu Filho, os sacerdotes, por sua má vida, por suas irreverências e sua impiedade em celebrar os santos mistérios, por amor do dinheiro, das honras e dos prazeres, os sacerdotes tornaram-se cloacas de impureza”.
    Excelência, ao invés de entrar no blog do Fratres in Unum e nos insultar, Vossa Excelência deveria fazer penitência pela décadas de apoio dado pela CNBB a este partido maldito chamado PT. O mesmo PT, o partido do aborto, do homossexualismo e tantas outras abominações e imoralidades condenadas pela Santa Igreja. O episcopado da CNBB deveria ter vergonha de ter, por tanto tempo, dado auxílio a este partido amaldiçoado que tem as mãos sujas de sangue pelo assassinato de tantas crianças no ventre de suas mães. As mãos dos Bispos da CNBB estão sujas de sangue. O clero brasileiro faz jus às palavras de Nossa Senhora de La Salette. O Clero está podre, e só Nossa Senhora mesmo para ter piedade dos castigos que podem sobrevir sobre aqueles que tem a missão de pastorear o rebanho de Deus com o verdadeiro ensinamento, mas corrompe a Fé até a pior vileza. A Fé brasileira está ladeira abaixo para a lama, por culpa de um clero corrupto, que só pensa em política e o que é pior, na política suja ao apoiar esse partido satânico.

    Que Nosso Senhor Jesus Cristo, por intercessão de Nossa Senhora de Aparecida, tenha piedade do episcopado brasileiro.”

  20. De modo geral, as considerações são excelentes. A única observação a se fazer é com relação à suposta aparição de Garabandal. Examinado o conteúdo correlato, encontramos uma exaltação do Concílio Vaticano II como algo absolutamente benéfico para a Igreja e para as almas. Isso se verifica, por exemplo, nesta afirmação:

    “Nossa Senhora informou Conchita que o Concílio e o futuro Milagre irão ajudar na conversão de todo o Mundo”.

    Ora, sabemos que Concílio foi a grande causa da apostasia preconizada por Fátima, segundo revelaram o Cardeal Oddi, Ciappi e Eugênio Pacceli.

    Garabandal também louva o ecumenismo perpetrado pelo Concílio:

    “Um dos principais pontos do Vaticano II reside na perfeita unidade de todos os cristãos”.

    Como assim perfeita unidade? Sabemos que o Concílio pretendeu unir todos os credos numa nova religião, renunciando as missões e a própria conversão.

    A “vidente” Conchita teria dito ainda:

    “Porque criticas os protestantes, uma vez que em breve eles estarão reunidos connosco”.

    Sobre isso poderíamos tecer inúmeras críticas, sobretudo com a Suma de Santo Tomás. A priori, basta ressaltar que profecias não dispensam a caridade. Nosso Senhor profetizou a conversão dos judeus, mas nem por isso os santos deixaram de atacar o judaísmo. E contra esses que censuram as críticas aos hereges, diz o Papa Pio XI:

    “Acaso não é justo e de acordo com o dever – costumam repetir amiúde – que todos os que invocam o nome de Cristo se abstenham de recriminações mútuas e sejam finalmente unidos por mútua caradade?” (Moralium Animos).

    Garabandal também garante que Nossa Senhora ficaria mais conhecida e amada pela realização do Concílio:

    “Disse também que graças ao Concílio, mais pessoas ficariam a conhecê-La e a amá-La melhor”

    Imagina! Foi o Concílio que evitou tratar de modo especial de Nossa Senhora para não prejudicar seus projetos ecumênicos.

    Por tudo isso, podemos inferir que Garabandal é o contrário de Fátima. Enquanto esta consiste em denunciar o Concílio, aquela assume uma defesa explícita do Concílio.

    Com quem ficar então? Fátima ou Garabandal? Sabemos que até certos “tradicionalistas” abraçam os delírios ecumênicos de Garabandal. E Dom Williansom está entre os devotos dessas aparições.

    Uma pena!

    Robson.

  21. Caro Robson,

    excelente observação faz em seu comentário.
    O tradicionalíssimo padre Nicholas Gruner do Fatima Cruzader crê também em Garabandal !Mistério!

    Só para reforçar ,cito um trecho do trabalho do prof. Gomide:

    ************************
    II.9 – AS FALSAS REVELAÇÕES DE GARABANDAL DE 1961 A 1965

    Muitas aparições foram reivindicações por quatro meninas espanholas de 11 a 12 anos em Garabandal, Espanha, que começaram em 1961 e terminaram em 1965. Esta pletora de aparições, como em Medjugorje, já é suficiente para colocar essas videntes num freezer de extrema suspeita. “Sera Garabandal el Fátima español?”, pergunta que surgiu nas paragens hispânicas com inconfundível sabor nacionalista (41).

    (41) Mensaje en Garabandal. Impreso en Organizacion Cerrillos. Benites Moreno Hermanos. Corrientes 2322 – 6º piso, of. 606

    Na última aparição, S. Miguel teria revelado às “videntes” que um milagre aconteceria na região, seria visto por muita gente, inclusive pelo Papa Paulo VI e o Padre Pio onde eles estivessem (41). Isto foi anunciado em 18 de Junho de 1965. O Pe. Pio morreu assim como Paulo VI, e, não aconteceu nada. Tal como em Medjugorje, o milagre anunciado não chegou a ser verificado. Muito diferente do que acontecera em Fátima, onde se verificou o milagre prometido, e, testemunhado por milhares de pessoas. Fátima espanhol? Cáspite! Quero ainda consignar que no local das aparições foi construída uma horrendíssima capela (42) muito semelhante às modernas igrejas erigidas no “maior país católico do mundo”.

    (41) Mensaje en Garabandal. Impreso en Organizacion Cerrillos. Benites Moreno Hermanos. Corrientes 2322 – 6º piso, of. 606
    (42) Louis Even. Saint Michel à Garabandal. Vers Demain, Mai-Juin/1968. Roujemont, P. Québec

    Diferentemente do que aconteceu com as “mensagens” de Medjugorje, livremente divulgadas pelo mundo, as de Garabandal foram afogadas no nascedouro. O bispo de Santander, como o de Mostar, negou autenticidade às revelações das meninas espanholas. O Bispo Dom Vicente P. Montis, após uma análise das declarações das “videntes” concluiu (43):

    1º) Não houve nenhuma aparição, nem de S. Miguel, nem da Santíssima Virgem, nem de qualquer outro personagem celeste.

    2º) Não houve mensagem alguma.

    3º) Todos os fatos ocorridos na mencionada localidade têm uma explicação natural.

    O bispo de Santander enviou a documentação ao Cardeal Ottaviani, pró-prefeito do Sto. Ofício, o qual confirmou o resultado de Dom Vicente P. Montis (43). Lamentavelmente parece que o novo discatério, da década de 80 em diante não teve o mesmo zelo daquele no pontificado de Paulo VI. Por isso a vozearia em torno de Medjugorje perdura até hoje.

    (43) Mons. Vicente P. Montis. As “Aparições” de Garabandal, Revista Ecles. Brasileira, Vol. 27, p. 376, 1967

    fonte: http://www.ihp.org.br/lib_ihp/docs/fmg20050206c.htm
    ****************************

  22. Caro Luis Roberto,

    Muito pertinente essas considerações que denotam a falsidade de Garabandal, malgrado a adesão de certos tradicionalistas.

    Se não me engano, a mensagem também prevê o Papa Bento XVI como o útlimo pontífice da Igreja, acontecendo imediatamente o fim do mundo.

    Um patente absurdo!

    Robson

  23. Muito bem, Ferretti,

    Resposta excelente. O Bispo, ao invés de tomar atitudes, fica se queixando. Casos? ele sabe aos montes. Será que ele age realmente como pastor ou fica alisando as ovelhas?

  24. Dom Willianson crê nas aparições de Garabandal.
    O Pe Nicholas Gruner crê nas aparições de Garabandal.
    O Pe Michael Rodriguez crê nas aparições de Garabandal.
    O bispo local afirmou que elas não tinham nada de contrário à fé.

    Mas, coitados,…
    Não sabem eles que Robson e Luis Roberto, dois luminares de aparições marianas afirmam categoricamente a falsidade das aparições?

  25. Prezado João,

    De minha parte, apenas frisei que a mensagem de garabandal é evidentemente pró-modernista, ao contrário de Fátima, que consiste numa enfática crítica às mudanças perpretadas pelo Concílio Vaticano II.

    Como esses bispos e padres não perceberam o óbvio? Não sei! Eles simplesmente tomaram uma parte da mensagem e ignoraram o resto.

    Conheço casos semelhantes, mas prefiro não prolongar, em atenção ao pedido do moderador.

    Robson.

  26. Creio que o Robson e o Luis Roberto explicaram as preocupaçoes sobre Garabandal de maneira muito bem fundamentada, clara e respeitosa. Isso em nada desmerece o restante da excelente pregação do Padre Rodríguez. O fato de outras pessoas da Tradição (aliás poucas) apoiarem Garabandal não constitui argumento sério para atestatar a sua validade. O que tem que ser discutido é o conteúdo e não quem apoia ou desapoia.