‘Ecclesia Dei’ e as Missas na FSSPX: Uma cana agitada pelo vento.

Rorate-Caeli publicou ontem uma carta de Monsenhor Guido Pozzo, Secretário da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei [PCED], que supostamente trata do cumprimento do preceito dominical nas missas da Fraternidade São Pio X. Vamos primeiro à carta:

Clique para ampliar.

Clique para ampliar.

Prezado __________.

Esta Pontifícia Comissão o agradece por sua gentil carta de 19 de fevereiro de 2012, na qual o senhor apresentou duas dúbia:

1)      Considerando estritamente o supracitado cânon (1248 §1), um Católico estaria apto a cumprir seu preceito dominical ao assistir a Santa Missa nesta capela de “Amigos da Fraternidade São Pio X, chamada _______________?

Responsum: Negativo

2)      Em caso de resposta negativa à primeira questão, um Católico peca ao assistir a Santa Missa na supracitada capela?

Responsum: Negativo, exceto se o Católico substitui seu preceito dominical por ela.

Com meus sinceros melhores votos em Cristo,

Mons. Guido Pozzo

Secretário

A carta do consulente americano à Ecclesia Dei pode ser lida aqui.

Inicialmente, o próprio Rorate-Caeli assim interpretou a resposta de Mons. Pozzo como uma “aparente reversão das declarações anteriores da época em que Dario Cardeal Castrillon Hoyos estava à frente da PCED, especialmente na carta de 2003 à Una Voce America assinada pelo Monsenhor Camille Perl [ndr: então secretário da Comissão] e afirmando explicitamente, também “em estrito senso”, que a assistência às Missas da FSSPX eram suficientes para cumprir a obrigação de preceito dominical. E da mesma forma que as declarações na época do Cardeal Castrillon Hoyos revertiam declarações ainda mais antigas da PCED que condenavam fortemente a assistência às Missas da FSSPX (especialmente a carta de 1995, também assinada pelo Monsenhor Perl), assim, ficamos a imaginar se essa declaração mais recente também será revertida em um prazo não muito distante”.

No entanto, poucas horas depois, Rorate-Caeli recebeu o seguinte esclarecimento: “fomos informados pelo Distrito Americano da Fraternidade de São Pio X (FSSPX) que a capela citada na carta mencionada abaixo não é uma capela da Fraternidade e que, embora seu nome específico tenha sido expressamente citado pelo remetente na carta excluída, ela NÃO está incluída na lista de capelas, incluindo aquelas ‘capelas independentes’ identificadas publicamente pela Fraternidade como ‘amigas da Fraternidade São Pio X’. É muito possível que essa informação, facilmente pesquisável online no site do Distrito Americano, possa ter levado alguém na Comissão a acreditar que a capela fosse um local sem qualquer afiliação à FSSPX e assim levado a essa avaliação diferente por parte da Comissão”.

Enfim, o assunto permanece nebuloso. Para o Cardeal Ratzinger, certas expressões são meramente “uma espécie de disposição provisória” do magistério. É óbvio que não pretendemos equiparar uma carta privada de um secretário a um ato magisterial. Contudo, na Ecclesia Dei, mais que provisórias, as opiniões parecem ser sazonais. O fato é que, como afirmou o editor de Rorate, a história desta Comissão “é uma história de reversões e instabilidade, que é um sinal típico da falta de qualquer seriedade e tradição (com ‘t’ minúsculo) sólida”.

Vale a pena, ainda, recordar o post de 2006 de Rorate: Ecclesia Dei: Padres e fiéis da FSSPX não estão excomungados.

8 Comentários to “‘Ecclesia Dei’ e as Missas na FSSPX: Uma cana agitada pelo vento.”

  1. Na realidade, o rorate já esclareceu a situação. Trata-se de uma capela que não é da FSSPX e nem é uma capela amiga. Por isso a negativa de cumprimento do preceito.

  2. Boa tarde,
    o cânon é o 1248§1 e não o 1428 §1 conforme está na transcrição da carta de Mons. Guido Pozzo.

  3. Puro retrocesso.

  4. Fica a pergunta: será que ainda há gente que se preocupe com essas questiúnculas, com mesquinharias, com essas hipocrisias. Infeliz de quem ainda se sentir vinculado a uma cartinha com sinete do Vaticano! Não compreendeu nada da vida nem da fé.
    João

  5. 1) Considerando que as missas no rito de Paulo VI no Brasil e em quase todos os lugares do mundo são eivadas de erros , abusos , profanações e heresias o católico cumpriria o preceito dominical ao assistir uma missa nesse estilo , fora das rubricas estipuladas pela sagrada autoridade ?

    2) Considerando que vários peritos protestantes ajudaram na confecção do novo rito , não sendo ele expressão literal da Sacrosanctum Concilium , seria legítimo mantê-lo sem uma reforma substancial que o aproximasse do uso antigo ?

    Gostaria que a Comissão respondesse essas perguntas !

  6. Eu conheço e frequentei por muito tempo a tal Capela e afirmo que a informação de Thiago é falsa.

    Trata-se da Capela St. Michael the Archangel em Jacksonville-FL, e apesar dela não estar no website nacional da SSPX, ela se encontra(va) no website do Priorado da SSPX na Flórida.

    Mas acabei de olhar e a página encontra-se sem links, por terem retirado, indico que contactem o Priorado para indagarem se o website da capela amiga estava realmente lá até poucos dias se não acreditarem no que digo,ou consigam um google cache da mesma.

    A Guerra contra a tradição só vai aumentando…. acordem enquanto a tempo.

  7. Segundo me consta, não é pelo fato de uma capela ser ou não da FSSPX que assistir a missa dominical nela não cumpre preceito. É pelo fato de ser capela. Eu nem sabia disso até bem pouco tempo. Quem me disse foi uma pessoa que considero muito bem preparada. Não tenho mais detalhes nem as fontes dessa questão. Pareceu-me que devemos considerar que apenas se a capela for pública é que cumpre preceito (não sei se é necessário algum outro requisito. Uma capela ser declarada pública depende, ao que me parece, de autorização do Bispo.

    Interessante é a questão se quem assiste missa, dominical ou não, em uma capela da FSSPX, segundo a tal Comissão, peca ou não. E a resposta é não! Mas não acho que seja algo para se animar.

    Se houver algum equívoco nisto, por favor, corrijam.
    Att.
    Flávio Mamede