“Não temais, pequeno rebanho”.

“Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino” (Lc, 12, 32)

Paris, sábado, 30 de junho de 2012 – “Nem casamento nem adoção”, diz a faixa levantada por Católicos dentro do pátio da Igreja de Saint Nicolas du Chardonnet, da FSSPX. A manifestação de cerca de 50 pessoas, que causou inclusive a intervenção da polícia, deixou em polvorosa a multidão que desfilava na Parada do Orgulho Gay deste ano em Paris. De acordo com a RF1, “o desfile desse ano tem um significado especial para os participantes, já que o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, afirmou nesta sexta-feira que o direito ao casamento e à adoção será instituído na França, mesmo sem especificar um data. A ministra da família, Dominique Bertinotti, que estava presente na abertura do desfile, disse estar confiante que uma nova lei possa ser votada em 2013. Créditos: Le Forum Catholique.

6 Comentários to ““Não temais, pequeno rebanho”.”

  1. Pena que aqui no Brasil os católicos não tenham a mesma coragem.

  2. Pena que aqui no Brasil os católicos não tenham a mesma coragem.
    (2)

  3. Que bom seria se tivéssemos dezenas de faixas como essa por onde essa legião de celerados passasse; se católicos estendessem faixas assim nas janelas da Paulista enquanto rezassem o rosário para exorcizar-nos de tanta abominação! Ah, se houvesse coragem em vez de tanta tibieza… Parabéns a esses corajosos!

  4. Foi uma minoria que derrubou o Chalita e outros comunas católicos assumidos da Canção Nova, isto é, estavamos escondidos atrás do computador.

    Imagina se fossemos às ruas com a mesma “coragem” que as vadias e os sodomitas fazem suas passeatas, fizessemos as marchas pela vida que muitos povos católicos estão fazendo mundo afora, os revolucionários não teriam este poder sobre o rebanho outrora católico como possuem no Brasil.

  5. Juliano, se não me engano, em São Paulo a parada gay passa bem em frente a uma paróquia jesuíta na av. Paulista.

    Se a minha memória não me falha e a paróquia for jesuíta mesmo, é claro que seria mais provável que os padres se juntassem à parada do que que ergam faixas como essas.

    Agora, eu não acho graça naquela piadinha “aposto que eles não precisam assinar um preâmbulo doutrinal”, mas bem que os jesuítas precisavam mesmo.