Pe. Gaudron responde Mons. Bux sobre Arcebispo Mueller.

Por Blog do Angueth

Padre Mathias Gaudron, da FSSPX, em entrevista ao Gloria TV.

Padre Mathias Gaudron, da FSSPX, em entrevista ao Gloria TV.

O site do distrito alemão da FSSPX, pius.org, fez uma entrevista com Pe. Mathias Gaudron, um padre da Fraternidade de São Pio X que ensina teologia dogmática.

A discussão sobre as controvertidas afirmações do bispo (agora arcebispo) Gerhard Ludwig Mueller relativas à Virgindade de Nossa Senhora está atraindo atenção crescente. Uma gama enorme de portais na Internet apresentam contribuições que são a favor ou contra tais afirmações.

A coisa começou como um press release da agência de notícias da FSSPX (DAPD) relativo à nomeação do bispo Mueller.

O site pius.org verificou com o teólogo dogmático Pe. Gaudron se ele ainda sustenta sua crítica às afirmações do bispo Mueller.

pius.org: Pe. Gaudron, numerosas reações aos seus comentários defendem o bispo Mueller, afirmando que os trechos criticados (dos escritos do bispo Mueller) foram tomados fora de contexto. Esta é, por exemplo, a opinião do Mons. Bux, que é um membro da CDF (Congregação para a Doutrina da Fé). O que o senhor tem a dizer disto?

Pe. Gaudron: Trata-se aqui de um simples pretexto, como qualquer um pode comprovar ao ler as afirmações no contexto em que foram formuladas. Eu citei todas as afirmações de tal forma que elas pudessem ser verificadas facilmente. Os defensores do bispo Mueller são aparentemente incapazes de citá-lo esboçando as questões corretamente.

pius.org: Alguns lhe responderam dizendo que o livro Fundamentals of Catholic Dogma [Fundamentos do Dogma Católico], de Ludwing Ott, que não é considerado modernista, descreve que as particularidades relativas ao aspecto fisiológico da Virgindade de Nossa Senhora não são parte da fé da Igreja.

Pe. Gaudron: O livro de Ott explica, contudo, que Maria deu a luz a Jesus sem qualquer sofrimento corporal, preservando sua virgindade integralmente. Ele também apresenta as analogias dos Padres da Igreja, como a emergência de Cristo de um sepulcro lacrado, ou como a passagem da luz através do vidro.

A única coisa correta é que a Igreja não definiu as particularidades exatas do que foi diferente no nascimento de Cristo e dos outros seres humanos, como, por exemplo, se houve ou não dilatação do canal cervical, etc. Tal incursão indiscreta no mistério não é o que a Igreja deseja fazer. Contudo, o nascimento indolor, e também a integridade do hímen, foi sempre proclamado.

A. Mitterer parece ter sido um dos primeiros a querer negar as particularidades fisiológicas em seu livro de 1952, Dogma und Biologie der heilgen Familie [Dogma e a biologia da Sagrada Família]. Ott, a princípio, referiu-se a este livro [em seu Fundamentals], mas nas edições posteriores a referência desapareceu. Pode-se sugerir que isto esteja relacionado a um Monitum do Santo Ofício (de 1960) que, lamentavelmente, nunca foi publicado, mas apenas enviado a certo número de bispos e superiores de ordens religiosas. Este Monitum deplorava o surgimento de diversos escritos relativos à virgindade durante o nascimento que estavam em clara contradição com o ensinamento católico, e proibia a futura publicação de tais tratados.

pius.org: A virgindade antes do nascimento, que implica a concepção de Cristo pelo Espírito Santo, não é muito mais importante? O bispo Mueller não nega isto.

Pe. Gaudron: Sem dúvida. Mas, primeiramente, é o próprio bispo Mueller que disse recentemente que quem deseja ser católico deve aceitar toda a doutrina da Igreja e não deve escolher [o que lhe apetece]. Em segundo lugar, aqueles que negam a concepção virginal não raro argumentam tal como o bispo Mueller: a virgindade não se relaciona a fatos biológicos, mas ao fato de que Maria se deu completamente a Deus. Por exemplo, um professor universitário me disse certa vez que Maria era claramente virgem; mas devia-se refletir o que significava esta virgindade. Este pessoal consegue afirmar que Maria era uma virgem, embora sustente, ao mesmo tempo, que ela recebeu Jesus de José. A negação da virgindade no nascimento parece-me ser o primeiro exercício de relaxamento do dogma que apenas prepara outros mais severos.

pius.org: O que o senhor tem a dizer sobre a declaração do Mons. Bux de que a explicação do bispo Mueller acerca da Eucaristia foi apenas para evitar certo Cafarnaismo?

Pe. Gaudron: Também nesta reação posso tão somente ver um pretexto. O bispo Muller fala, de fato, sobre transubstanciação, mas suas explicações se inserem nas teorias de transfinalização e transignificação, teorias que o Papa Paulo VI rejeitara por serem insuficientes, em sua encíclica Mysterium fidei, mencionada por Mons. Bux.

O mesmo pode ser dito acerca do relacionamento dos protestantes com a Igreja. Ninguém nega que um batismo válido cria certa orientação na direção da Igreja e que se deve também ter uma atitude amigável com os cristãos separados; todavia, que estes deveriam ser completamente integrados à Igreja é algo que nem o novo Código Canônico diz.

pius.org: O senhor não vê, então, suas afirmações refutadas?

Pe. Gaudron: Todo o processo parece-me sintomático de nossas relações com o Vaticano. Submetemos um problema e alguém nos responde com pretextos ou com apelos à obediência.

A Fraternidade [de São Pio X] diz que há um problema se o Prefeito da CDF advoga teses que contradizem as doutrinas da Igreja. Mostramos isto de modo factual e não usamos os termos “herege” ou “heresia”, conforme certas mídias afirmaram. Como reação, obtivemos declarações de que devíamos ter fé no Papa, porque um bispo que é nomeado pelo papa nunca poderia ter ensinado algo errado.

Ocorre o mesmo com o Concílio. Dizemos que há problemas com ele, porque certas passagens dos documentos do Concílio claramente contradizem o Magisterium anterior da Igreja. Aqui, também, sempre obtemos a resposta de que não pode haver contradição, portanto, não as há. Isto, em certo sentido, vai contra toda a lógica.

5 Comentários to “Pe. Gaudron responde Mons. Bux sobre Arcebispo Mueller.”

  1. Muito prezado Ferretti, Salve Maria!

    Duas observações que me parecem dignas de nota sobre esta oportuníssima tradução, se me permite:

    A primeira diz respeito ao link, logo no início, apontando para a tradução anterior, feita também pelo Prof. Angueth, do comunicado de imprensa da FSPX quando da nomeação do bispo Müller para a CPDF:

    http://angueth.blogspot.com.br/2012/07/bispo-mueller-uma-analise-da-fsspx.html

    Penso que teria sido melhor apontar aí para a tradução desse mesmo comunicado feita pelo Fratres in Unum:

    https://fratresinunum.com/2012/07/07/fsspx-alemanha-pede-ao-novo-chefe-da-cdf-que-se-retrate/

    A razão disso é que a tradução do Fratres é mais fiel ao original alemão da declaração de Müller negando o dogma da virgindade in partu, citada na quinta nota de rodapé dos links acima.

    Adianto-me em notar que a culpa disso não é do benemérito Prof. Angueth, mas antes da tradução para o inglês em que ele se baseou, a qual parece buscar deliberadamente atenuar a heresia em questão, como foi notado até mesmo em debates no blogue Rorate Caeli:

    http://rorate-caeli.blogspot.com/2012/07/mgr-bux-on-muller-these-complainers-are.html?showComment=1341576950878#c4279720990711007754

    O que nos traz à minha segunda observação:

    O Pe. Gaudron afirma nesta tradução: “Mostramos isto de modo factual e não usamos os termos “herege” ou “heresia”, conforme certas mídias afirmaram.”

    Na tradução deste mesmo texto que publiquei faz cinco dias, baseando-me da versão para o inglês (que porém me pareceu ligeiramente tendenciosa) do blogue Rorate Caeli, verti esse ponto assim: “Nós expusemos isso de maneira factual e não fizemos menção a “herege” ou “heresia”, como outros meios de comunicação apresentam a questão.”

    A razão disso é que, no comunicado oficial do distrito italiano da FSPX, reproduzido também pelo site La Porte Latine do distrito francês, faz-se menção expressa a três “heresias” (eresie, hérésies) ensinadas pelo bispo Müller:

    http://www.sanpiox.it/public/index.php?option=com_content&view=article&id=689:riguardo-le-nuove-nomine-di-benedetto-xvi&catid=53:attualita&Itemid=50

    http://www.laportelatine.org/vatican/sanctions_indults_discussions/entretiens_doctrinaux/03_07_2012_regards_sur_les_nominationsde_de_benoit16.php

    Enfim, eu teria outras observações a fazer em questões menos centrais, mas provavelmente seria pernóstico comparar outra tradução com a minha: afinal, a gente sempre tende a achar que o nosso filho é que é o mais bonito de todos, não é mesmo? :)

    Abraços cordiais,
    Em JMJ,
    Felipe Coelho

    • Felipe caríssimo, Salve Maria! Obrigado pelas observações sempre oportunas. Quanto ao link indicado, procurei manter estritamente o que é feito pelo artigo que reproduzimos. Não prefiro fazer “aportes” nos artigos tomados de outros sites. Grande abraço.

  2. A clareza do Pe. Gaudron é admirável! Como estamos cansados dos contorcionismos verbais de muitos membros da Igreja (arcebispos e cardeais meu Deus!) que tentam distorcer / destruir a doutrina. Pe. Gaudron falou o óbvio: o rei está nu. Márcio – Goiânia-GO.

  3. Infelizmente o arcebispo fez afirmações de um herege. Não se retratou. Logo … .

  4. A vitória de Satanás sobre muitíssimas almas se dará pela obediência! Mas que obediência? A obediência ao erro! Este é o golpe de mestre de Satanás! Fazer o vício parecer virtude…