Foto da semana.

Sua Eminência Reverendíssima, o Cardeal Raymond Leo Burke, Prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, recebe a benção do neo-sacerdote que acabara de ordenar para o Instituto Cristo Rei, em 5 de julho de 2012.

8 Comentários to “Foto da semana.”

  1. Belíssima foto, pena que ela esconde uns bastidores não muito claro para que a FSSPX possa assinar qualquer papel proposto pela Santa Sé.

  2. Linda foto! :-)
    Profundamente comovente! São verdadeiramente homens de fé, como devem ser todos os bons sacerdotes e bispos. Louvado seja Deus por esses servos seus!

  3. Essa foto demonstra uma verdade de fé. O sacerdócio e o poder de abençoar a ele vinculado é um dom totalmente gratuito recebido de Deus, ao qual ninguém tem o direito de sentir-se dono desse poder. (“O que recebestes de graça dai de graça”, diz o Evangelho.)
    Não queria puxar um assunto ruim atráves dessa foto tão bonita e edificante, mas o que se vê hoje em dia é que tantos sacerdotes se sentem donos do dom espiritual que receberam (o sacerdócio em Cristo) e se acham senhores, ou melhor, tiranos cujos gostos devem ser satisfeitos e não servos humildes , separados do mundo por Cristo e em Cristo para a salvação do mundo, não por si mesmos, é claro, mas como “embaixadores de Deus”, usando uma expressão de São Paulo.
    Que Deus possa ter misericórdia da sua Igreja, enviando a ela sacerdotes conforme o seu coração. Chegua de “sacerdotes” que só pensam em si mesmos!

  4. – Vejam, Senhores Bispos da CNB do B, nossa Igreja permanece em pé, viva, apesar dos Senhores.

    – Hoje não consegui assistir a Santa Missa, impossível, a igreja mais parecia uma feira árabe, bem ruinzinha, uma anarquia. As pessoas vão para a igreja para conversar, entram, não notam nenhum ambiente sagrado, Jesus no Sacrário, coitado, só e abandonado, nem é visto.

    – Moro em Goiânia e, infelizmente, numa Arquidiocese tão grande , nós os órfãos do funesto Concílio, nem com apoio do Papa conseguimos um só padre para celebrar a Santa Missa de S. Pio V, Tridentina, Rito Romano.

    – Um só padre, não conseguimos! Somos obrigados a frequentar a anarquia litúrgica pós-funesto Concílio onde o padre é apenas o presidente da Assembleia, bem no gosto de Lutero, sem liturgia, sem fidelidade ao Missal Romano, ao Ritual Sagrado, padre sem paramentos, muita improvisação , palmas, parabéns, um Deus-Nos-Acuda. No Ofertório, meu Deus, parece mais terreiro de macumba, só falta oferecer farofa e galinha preta.

    A anarquia no barraco (igreja) estava tão grande que, pedi desculpas a Jesus, dei um esculacho nas madames matracas do meu lado e muito chateado me retirei da Igreja, ou melhor, da baderna.

    Fui para assistir a Santa Missa, rito de Paulo VI, não concordo com a forma em que é celebrada, profana e desrepeitosa mas é válida porque o sacerdote é legítimo, mesmo sofrendo , não consegui.

    Que tristeza!

    Em contraste, que foto maravilhosa.

    Que maravilha, mais um sacerdote católico, fiel a Cristo e a Sagrada Tradição Apostólica. Fico feliz , pois, isto me diz que, graças a Deus, nossa Santa Igreja ainda está viva.

    São grandes as forças satânicas que se uniram na tentativa de destruí-la por completo. Conseguiram arruiná-la, mas não por completo, há um pequeno rebanho fiel a Nosso Senhor Jesus Cristo, fiel a Pedro, na pessoa do Papa, e disposto a morrer se for preciso em sua defesa.

  5. Caro Sebastian Baldi, me identifiquei com seu (triste) relato sobre a Missa do último domingo…
    Recentemente (domingo 12/08) passei por situação semelhante, para não dizer pior. Como vivo em São Paulo, sempre que possível vou à Santa Missa Tradicional, porém devido à distância entre minha residência e os locais onde Ela é celebrada, por vezes sou obrigado a assistir Missa nova. Confesso que a assisto com peso na consciência, quando vou a alguma mais fiel ao novo missal e sem muita baderna já me sinto feliz diante de algumas celebrações tão escandalosamente sacrílegas.
    Pois bem, saí de casa já preparado para assistir a uma Missa nova que por si só já não favorece muito a piedade e o recolhimento, quanto mais se celebrada com os abusos habituais… E, para minha surpresa, ao adentrar a Igreja, em meio a palmas e dancinhas ridículas percebo que o padre não está no presbitério próximo à mesa-altar, mas sim um dos leigos “ministros extraordinários da comunhão” a presidir a celebração, ladeado por duas “ministras”.
    Após os “ie ie ies” e as dancinhas e palmarias, o “ministro” leu o Evangelho, fez a “homilia” e na sequência batizou algumas criancinhas. Nesse ponto eu já estava tomado pelo mal estar… Pra que serve o sacerdote se um leigo pode “celebrar” missas e batizados? Seguramente é o que deveriam estar pensando muitos dos pobres e ignorantes fiéis presentes. Não consegui continuar naquele recinto, acabei saindo da Igreja antes do término da “celebração”… saí pior do que entrei, triste, chateado, com grande mal estar, sem saber se pequei ou não, se cumpri preceito ou não, mas uma coisa é certa: Sem assistir ao Santo Sacrifício da Missa e sem receber o Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Tristes tempos…

    José Lima

  6. José Lima, acho que essa celebração a que tu presenciaste é a chamada Celebração da Palavra. Tem muito disso aqui nas paróquias onde o padre não atende com frequência. O ministro extraordinário faz tudo o que o padre faz nessa celebração, menos a consagração. Ele distribui hóstias consagradas previamente. Eu não frequento mais as missas novas. Moro longe da paróquia da FSSPX mas se vou ir a uma missa, tenho que ir a uma missa católica de verdade, então gasto um pouco mais, mas vou à FSSPX. Não adianta ir a uma celebração onde você sai pior do que entrou, e o pior, sem ter a certeza de estar comungando Jesus ou um simples pedaço de pão pois o sacerdote pode ser validamente ordenado, mas se ele não acredita no Sacrifício e na Presença Real, não há transubstanciação nem sacrifício, e os fiéis comungam pedaços de pão! Pode-se santificar o domingo mesmo sem assistir à Santa Missa, rezando o rosário ou outras orações. Lógico, faz falta, mas isso aumenta ainda mais o desejo de participar com fervor de uma missa de verdade assim que possível!

  7. intrigantes as “caras” que alguns fazem no fundo…

  8. Alguém pode me ajudar? Por favor, quero entender melhor. Vejo muitas críticas aos padres, o que é bastante comum, compreendo. Acontece que também percebo aqui muitas críticas aos bispos do Brasil. Não conheço bem a realidade mundial do episcopado. Daí sugem duas questões:
    1 – Os bispos brasileiros, de fato, são um problema? Diferentes do restante da Igreja .
    2 – Pelo que sei quem os elege é o núncio, a Congegação para o Bispos (do Vaticano) e o papa. O problema seria, então, em quem os escolhe?

    Por favor, colaborem com suas reflexões.