O alarmante estado da PUCPR.

Por Um Seminarista aluno da PUCPR

Manipulado: cartaz de divulgação de evento (à esquerda) retira as cruzes das ínfulas no brasão da PUCPR. À direita, o original, com as cruzes.

Manipulado: cartaz de divulgação de evento (à esquerda) retira as cruzes das ínfulas no brasão da PUCPR. À direita, o original, com as cruzes.

Não é de hoje que a PUCPR tem chamado a atenção da sociedade com seus desvios doutrinários. Quem não se lembra do Congresso de Teologia promovido pela instituição que contaria com a presença da ilustríssima senhora religiosa, Ivone Gebara, defensora do aborto?

Apesar das supostas repreensões que teria recebido naquela ocasião, a Universidade demonstra que nada aprendeu com aquele episódio, e continua caminhando pelas mesmas veredas tortuosas do vício relativista. Os acontecimentos recentes demonstram, mais do que nunca, o desinteresse da instituição, Pontifícia e Católica, para com a Igreja e sua Doutrina.

Não é possível permanecer calado diante de tudo o que está acontecendo. O Católico que tem consciência de sua missão sente profundamente, e precisa manifestar-se, profeticamente. A situação mais recente é a seguinte:

Há um professor do Curso de Filosofia, Sr. Francisco Verardi Bocca, ateu declarado e militante do ateísmo freudiano. Nas aulas passadas, ocorreu um fato lamentável, que está gerando revolta por parte dos alunos, religiosos e leigos, da PUCPR. Este professor, em sala de aula, na turma do 3° ano, disse:

“A Eucaristía é um baseado, que o padre vai passando de mão em mão… É uma droga lícita…”

Isso é simplesmente blasfêmia! É inadmissível que um professor de uma Universidade Católica e Pontifícia diga isso abertamente em sala de aula e a instituição não faça nada. Tal fato foi denunciado à direção do curso, à reitoria e ao arcebispado, contudo, nenhuma atitude foi tomada.

No ano passado, este mesmo professor levou os alunos a um auditório e passou um filme em que aparecia uma cena de uma mulher nua, como se estivesse dando à luz, numa expressão de gozo (no sentido sexual atribuído por Freud). O dito professor disse aos alunos:

“Este mesmo gozo é o gozo da Pietá, ao ter o filho morto em seus braços”.

Muitas outras são as piadas difamatórias e os comentários blasfemos, seja sobre Jesus Cristo, a Santíssima Virgem, e também o Santo Padre o Papa, quando disse:

“Esse Papa é tão ruim, que nem Deus gosta dele. Até se esqueceu dele, porque foi escolhido para ficar só alguns dias e está aí, há tantos anos…”

Para comprovar a veracidade destas blasfêmias, basta perguntar a qualquer aluno do Curso de Filosofia.

E o que dizer disso? Com razão os alunos ficam indignados. E onde fica a coerência das palavras do Reitor com a realidade em sala de aula? E as orientações da Igreja, para que servem?

Onde fica a Ex Corde Ecclesiae? E o Código de Direito Canônico, que no Cân. 810 contundentemente afirma:

“A autoridade, que seja competente segundo os estatutos, tem o dever de providenciar para que nas universidades católicas sejam nomeados docentes que, além da idoneidade científica e pedagógica, se distingam pela integridade da doutrina e pela probidade de vida, de forma que, se faltarem estes requisitos, e observado o processo estabelecido nos estatutos, sejam removidos do cargo“.

É importante salientar que, como o curso de Filosofia é requisito para o sacerdócio, mais de 10 congregações religiosas confiam seus formandos a essa instituição. E sabem quais são os maiores grupos de estudos do Curso, que a Universidade financia? Sobre Nietzsche e Freud!

Prova disso é o Livro Ética: abordagens e perspectivas (Ed. Champagnat [editora oficial da PUCPR], publicado em 2010). E já está na 2ª edição. Este livro tem afirmações que simplesmente estão na contra-mão de todo discurso evangelizador da Universidade Católica. Entre tais afirmações, por exemplo, pode-ser ler logo na introdução (assinada pelo organizador da obra, o professor Cesar Candiotto, do Curso de Filosofia):

“Se nos ativermos aos princípios que orientam nossas ações morais na atualidade, observaremos que eles estão diretamente relacionados à época moderna, quando começou a derrocada do poder político e religioso medieval” (p. 15).

E continua seu texto, numa declarada apologia ao niilismo:

“Daí a importância do niilismo, que designa tanto a desconstrução genealógica daqueles valores historicamente perenizados e naturalizados, como também a abertura de um vazio a partir do qual novos valores possam ser criados” (p. 20).

Pode-se ler, ainda, no capítulo assinado pelo professor Jorge L. Viesenteiner, do Curso de Filosofia:

“O século XIX é marcado pela falência generalizada das principais narrativas teóricas que sustentam a cultura ocidental (…) No caso da ética, esse colapso é percebido principalmente através do esvaziamento de significado das perspectivas e valorações morais que foram cultivadas ao longo dos séculos (…) [que culminou na] gradual supressão de um fundamento religioso que garantia a retidão humana”  (p. 89).

Resta ao homem, afirma o autor, “o esvaziamento da vida num mundo sem significado” (p. 93). Depois de parágrafos de apologia a Nietzsche, o autor continua: “O diagnóstico do colapso dos valores morais, o niilismo, é de tal modo grandioso que a incompreensão dos homens em relação a esse evento” (p. 99) é um dos destaques da filosofia de Nietzsche. Sem receio algum, o autor faz um convite explícito a que todos nós adotemos o niilismo como uma atitude ética:

“É certo que ainda não somos capazes de compreender a real dimensão dessa crise, pois somos demasiado covardes para realizar uma profunda incursão pelo outro de nós mesmos e do mundo. Talvez, após essa incursão pelos rincões mais longínquos da alma humana, possamos experimentar em nós o frio do vazio que é sentido após o reconhecimento de uma vida sem qualquer valor, lançada num mundo sem significado algum” (p. 100).

E ainda afirma: “Nesse paulatino avanço, os valores cultivados pela tradição cristã no Ocidente vão retirando uma conclusão após outra, até culminar no derradeiro juízo sobre si mesma, vale dizer, que seus valores se esvaziaram” (p. 100). Por essa razão, são suas últimas palavras, “precisamos, doravante, de novos valores” (p. 100).

No capítulo redigido pelo atual Diretor do Curso de Filosofia, Jelson Roberto de Oliveira, pode-se ler uma passagem de explícita desvalorização da ética cristã e de crítica à própria mensagem evangélica:

“Assim, os adágios éticos demonstram os limites da ética tradicional e a sua insuficiência para a conjuntura do mundo contemporâneo. Hans Jonas aponta, por exemplo, os limites de imperativos como ‘ama o teu próximo como a ti mesmo’, ‘faze aos outros o que gostarias que eles fizessem a ti” (p. 192).

A crítica aberta à mensagem cristã continua nas páginas daquele livro. O professor Francisco Bocca, já citado, que se declara ateu, assim escreve: “O propósito de que o homem seja feliz não está contido no plano da Criação” (p. 107).

Portanto, esse é o cenário da Pontifícia Universidade Católica do Paraná: fora dos trilhos. Enquanto uns tentam resgatar a identidade católica, e são perseguidos, outros (e com o apoio da Instituição), aumentam cada vez mais seu caráter ateu e niilista.

É preciso fazer algo. Não queremos denegrir a Universidade, mas sim resolver essas questões para o próprio bem da PUC. Queremos que haja mais coerência e fidelidade da instituição à Igreja. Não queremos prejudicá-la, pelo contrário, pois se quiséssemos, deixaríamos as coisas como estão, sem nos expor, pois os acontecimentos em si já estão prejudicando e minando a instituição.

62 Comentários to “O alarmante estado da PUCPR.”

  1. Pena que aqui no Brasil não temos um Cardeal Cipriani!

  2. Estão enganados,pois desde o pós vatII que PUC não significa mais Pontifícia Universidade Católica, e sim na verdade Pontifícia Universidade Comunista!

  3. Meu marido foi professor de filosofia da PUC-PR e, com a graça de Deus, não está mais lá. É uma situação lastimável e insustentável para um católico. Há cerca de uns 10 ou 15 anos atrás, muitas congregações da Arquidiocese tiraram seus seminaristas da UFPR e os colocaram na PUC-PR acreditando ser esta uma opção mais “católica”. Ouvi isso de um superior na época. Ledo engano.
    Ali não se ensina. Se deforma.

    Em Cristo,
    Patricia Medina

  4. No Brasil, um grande número de instituições chamadas de Univerfsidades Católicas( com Pontifícia ou não na frente) não são instituições católicas apostólicas romanas.
    Não são nem mesmo Católicas Apostólicas Anglicana, Antioquina, Grega ou o que seja.
    São focos de cultivo e disseminação do que se chama “Ideologia de Gênero”( ver o livro de J.Scala sobre isto).
    Promovem ‘debates’sobre temas incontroversos do ponto de vista Católico Romano, fazendo militância hábil e intensa a favor da admissão do assassinato de bebes ainda não nascidos, inocentes e indefesos, estimulam uma ‘visão alternativa’a favor da perversão e doença mental chamada homossexualismo( passar a dizer homossexualidade não muda nem a patologia nem a teologia, nem a sã filosofia). Em muitos casos, atendendo interesses ocultos de multinacionais que já estão controlando nossa vida política, nossos minerais, nossa economia, nossos costumes, promovem, implicitamente, as ideias: rico= mau, pobre= bom e, e com isto contribuem intensamente para o aumento de uma imensidão de pobres explorados, vários deles através de “bolsas família”e similares.
    Focalizam aquilo que os explorados percebem confusamente sobre o “grau três”” dos não pobres, incrementando hostilidades a pequenos e médios fazendeiros, a pequenos e micro industriais, a profissionais liberais que são de classe média, deixando os agentes das multinacionais ocultos, totalmente protegidos e acobertados.Trabalham, em variados graus, para fazer crer que existe uma crescente onda de violência “homofóbica”, que é simplesmente um artefato duma mídia comprometida e engajada na enganação, assim como a fazer crer que um “estado”artificial, criado em terras roubadas dos Palestinos, e que faz violências aos estados vizinhos e a muitos estados no mundo inteiro, é um país como outro qualquer, quando não é, e não veio para “reparar injustiças históricas anteriores”( com o chapeu dos outros), mas simplesmente para consolidar um projeto de poder que já tem bem mais de cem anos. Estas universidades deveriam tirar a máscara, e deixar de usar o designativo”católico”. E as autoridades eclesiásticas que nada fazem a respeito, estão comprometidas neste coluio,conscientemente ou não.
    Alguns “prelados”, eu o sei, estão comprometidos conscientemente.São, ideologicamente, a favor de concepções não católicas romanas, nem mesmo cristãs, no genérico.

  5. Nossos Bispos do Brasil são medrosos… Os Bispos do Paraná tem medo de cara feia de padres e leigos (exceto alguns). Tivemos esperança quando foi nomeado Dom Rafael p/ Ctba, lamentamos o trabalho dele… Nosso Arcebispo só viaja! Vive em avião e não pisa no chão do terrorismo que vive a nossa universidade. Lamentável! O desejo é desistir!!!!!

  6. Fui aluno da PUCPR, onde fiz Filosofia, no início da década de noventa. Já não era uma Instituição Católica e muitos dos meus professores eram verdadeiros detratores do catolicismo. Fui muito perseguido destes, como me recordo. Todos os cursos têm uma aula de Teologia: vergonhosas aulas, geralmente entregues a quem nada sabe da Fé verdadeira. Melhor que não existissem! Os Irmãos Maristas, que cuidam da PUCPR, simplesmente não dão a mínima para estas questões e só cuidam das coisas materiais e administrativas. Acho difícil que algo possa mudar sem que mude o sentido do que seja de verdade uma Universidade Católica no Brasil.

  7. E o diretor do curso de Teologia da PUCPR defendendo o PT, o Lula e a Dilma em 2010, dizendo que eles não eram a favor do aborto? http://blogdopealex.blogspot.com.br/2010/09/interessante-posicao-do-professor-cesar.html

  8. Sou sacerdote Católico. Ainda fico admirado como vocês têm forças para acreditar. Já não acredito, apesar de que ainda temos um Santo Padre que luta pelo bem da Igreja. Vivo em uma diocese cuja Catequese já não existe mais, cuja tradição se perdeu com os dois bispos anteriores e o que está agora no governo apenas pensa no lado financeiro… Quando fazemos algo pelo bem da Igrejas somos reduzidos a um nada de mãos atadas. Hoje pouco acredito em melhoras no que se refere ao respeito pela doutrina sã e tradição da Igreja. Muitos de nós estamos de mãos atadas. E quando se fala em abandono do sacerdócio os fiéis se espantam… Um dia fui feliz como padre, pena que durou pouco.

  9. As puques são o que de mais baixo se faz em termos de apostasia, de heresias, são verdadeiros lixões ou ferro-velhos onde grassam as sucatas do Concílio, doutores e mestres que são de fato, mas em mentiras e enganações. Se tem bispo por aí que fica quietinho diante de tamanha agressão à Fé, certamente, é porque recebe $$$ o bastante para garantir seu conforto material.

  10. E enquanto vocês estão enchendo os sítios de internet católicos com muita confusão (que e coisa de satanás) estão esquecendo de rezar pelo Clero e pelos Bispos… E cada vez que lemos coisas assim, mas nos afastamos, mas nos decepcionamos…

  11. Se o egrégio Pe. Leonel Franca SJ estivesse vivo e presenciasse o curso que as PUCs adotaram, sem dúvida se envergonharia de ter fundado a primeira delas e tomaria todas as providências para fechá-las imediatamente.

  12. Aí vai:

    ARQUIDIOCESE DE CURITIBA
    Dom Moacyr José Vitti – Arcebispo
    Rua Francisco Juglair, 324
    Fone: (41) 2105-6300
    Mossunguê – 81200-230 – Curitiba-PR
    Email – Assessoria de Comunicação: vozdaigreja@arquidiocesecwb.org.br

    NUNCIATURA APOSTÓLICA

    Excelência Reverendíssima Dom Giovanni D’Aniello, Núncio Apostólico
    Av. das Nações, Quadra 801 Lt. 01/ CEP 70401-900 Brasília – DF
    Cx. Postal 0153 Cep 70359-916 Brasília – DF
    Fones: (61) 3223 – 0794 ou 3223-0916
    Fax: (61) 3224 – 9365
    E-mail: nunapost@solar.com.br

    SECRETARIA DE ESTADO DA SANTA SÉ:

    Eminência Reverendíssima Dom Tarcisio Cardeal Bertone
    Palazzo Apostolico Vaticano
    00120 Città Del Vaticano – ROMA
    Tel. 06.6988-3438 Fax: 06.6988-5088
    1ª Seção Tel. 06.6988-3014
    2ª Seção Tel. 06.6988-5364
    e-mail: vati026@relstat-segstat.va; vati023@genaff-segstat.va ; vati032@relstat-segstat.va

    CONGREGAZIONE PER IL CULTO DIVINO E LA DISCIPLINA DEI SACRAMENTI

    Eminência Reverendíssima Dom Antonio Cardeal Cañizares Llovera, Prefeito desta egrégia Congregação, Palazzo delle Congregazioni
    Piazza Pio XII, 10
    00120 CITTÀ DEL VATICANO – Santa Sede – Tel. 06-6988-4316 Fax: 06-6969-3499
    e-mail: cultidiv@ccdds.va; vpr-sacramenti@ccdds.va

    CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

    Excelência Reverendíssima Dom Gerhard Ludwig Müller
    Palazzo del Sant’Uffizio, 00120 Città del Vaticano
    E-mail: cdf@cfaith.va – Tel. 06.6988-3438 Fax: 06.6988-5088

    CONGREGAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO CATÓLICA – DOS SEMINÁRIOS E DOS INSTITUTOS DE ESTUDO:

    Eminência Reverendíssima Dom Zenon Cardeal Grocholewski:
    Piazza Pio XII, 3 00193 – Città del Vaticano – ROMA
    Tel. 06.6988-3438 Fax: 06.6988-5088

    CONGREGAÇÃO PARA OS INSTITUTOS DE VIDA CONSAGRADA E SOCIEDADES DE VIDA APOSTÓLICA

    Eminência Reverendíssima Dom João Braz de Aviz:
    Piazza Pio XII, 3 00193 – Città del Vaticano – ROMA
    Tel. 06.6988-3438 Fax: 06.6988-5088
    Senhor Prefeito: +39. 06. 69884121
    Senhor Arcebispo Secretário Joseph William Tobin, C.SS.R.: +39. 06. 69884584
    E-mail: civcsva.pref@ccscrlife.va (Prefeito)
    civcsva.segr@ccscrlife.va (Secretário)
    vati059@ccscrlife.va (informação)

    CONGREGAÇÃO PARA O CLERO

    Eminência Reverendíssima Dom Mauro Cardeal Piacenza:
    Piazza Pio XII, 3 00193 – Città del Vaticano – ROMA
    Tel: (003906) 69884151, fax: (003906) 69884845
    Email: clero@cclergy.va (Secretário)

    SUPREMO TRIBUNAL DA ASSINATURA APOSTÓLICA

    Eminência Reverendíssima Dom Raymond Cardeal Leo Burke.
    Piazza della Cancelleria, 1 – 00186 ROMA
    Tel. 06.6988-7520 Fax: 06.6988-7553

  13. Ao PADRE que escreveu no dia18 outubro de 2012, às 12:06 pm. Compreendo sua situação, seu desânimo, seu desalento. E eu mesmo, um pobre coitado, pecador miserável, jamais poderia julgá-lo por tal aridez. Mas não desista. Se Deus o chamou (vocação), é porque tem um plano para o Sr. Ele precisa de operários na messe – e já são poucos – para salvar as incontáveis almas que se perdem pelo tempo de desolação em que vivemos. Não sei qual é sua situação particular, com qual apoio o Sr. pode contar. Mas deixo aqui um conselho que julgo oportuno. Procure a FRATERNIDADE SACERDOTAL SÃO PIO X (http://www.fsspx.com.br/), pois eles poderão ajudá-lo, orientá-lo, dar-lhe conforto e suporte. A sã doutrina existe, ainda que por vezes não vejamos, e Deus e Nossa Senhora vão restaurá-la na Igreja, quando chegar o tempo certo, que só Deus conhece. Não desanime, Padre, precisamos de operários na messe e eles devem ser santos, para ajudar na santificação do povo de Deus. Tente entrar em contato com a FRATERNIDADE SACERDOTAL SÃO PIO X (http://www.fsspx.com.br/). Penso que poderá ser um alento. Por fim, peço-lhe que reze por mim, por minha conversão e pela conversão de minha família.

  14. Engraçado, alguns dias atrás liamos a matéria de um Bispo que dizia para os católicos nao colocarem seus filhos e instituições de outras religões. Agora, para onde irão esses alunos? Não temos, ou muito poucos, colégios, institutos, Universidades que tiveram origem Católica, mantido por associações, congregações Católicas, que realmente o SÃO. As poucas que tem, são perseguidas por serem da FSSPX, onde há o juramento antimodernista que foi banido das instituiçoes Católicas. Senhores, realmente há algo de errado na barca de Pedro. Rezemos ao Mestre para que ele erga sua mão sobre essa mar tormentuoso e tudo se acalme. Mas fiquemos já atentos, que muitos já serão lançados fora desse Barca.

  15. A situação na UNICAP- Universidade Católica de PE, acredito que esteja pior. Tem um sacerdote lá, chamado Pe.Clóvis que, durante as missas celebradas por ele, durante a elevação da óstia, ele não diz “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” e sim: “Eis, o moreno da Galileia que tira o pecado do mundo”.

    Ele é a favor da cultura Gay, etc.

  16. Rev. Padre

    Concordo com o sr. quando solicita nossas orações em favor dos padres e dos bispos. No entanto, temos sim que fazer muito barulho e confusão nos sites em relação aquilo que está errado na Igreja. O silêncio significa aceitação ao que essa imunda instituição que se diz católica realiza. São almas que estão em jogo, não podemos ser omissos.

  17. desabafo…

    bom a faculdade que estudo não é pontificia, mas é confecional, é tem os mesmos problemas, a filosofia é de detencia marxista moderada, com raras exceções entre os professores. como, no passado, fui militante marxista (pstu) consigo encontrar o marxismo na fala dos professores, e cloca-lo as claras para meus colegas de turma. e creio ter cumprido bem o meu papel nesses anos. e buscando é claro aprofundamento filosofico sobretudo no Dr Angélico, afinal o curso não é totalmente perdido.

    Agora vou pra teologia, é nesse curso o desrespeito ainda é pior, pq sai da boca de padres, que alias, ja não tem mais fé alguma, negam a virgindade de nossa senhora, que Jesus seja o verbo, que a presença na eucaristia seja real (é só simbolo), que Jesus tenha realmente ressucitado, que a missa seja a renovação do sacrificio, e muitas vezes com linguagem vulgar como no caso do professor da puc citado no texto do meu colega.

    ja pensei em mudar de ares, é buscar uma formação mais ortodoxa para meu ministério, contudo não consigo discernir se esta é a vontade de Deus, as vezes penso que ele quer que fique aqui e lute na minha diocese pela ortodoxia, que esta em estado catastrofico. essa situação, que eu e tantos outros colegas seminaristas passmos é angustiante, peço as vossas orações para mim e para meus irmãos de vocação, e que continuem lutando, pois se no seminario ou com o clero, falarmos as coisas que se fala nos bons canais da blogosfera catolica, estaremos na rua no outro dia.
    Deus abençoe!!!

  18. Ela não pode mais utilizar o nome católica como a Igreja Católica no Brasil também não mais pode usar deste adjetivo.

    Não há mais catolicismo, que foi flagelado, coroado de espinhos e morto por crucificação.

    Mas como foi dito em Fátima a Igreja renascerá e ficará patente que Deus existe.

  19. Resumindo; A CRISE É DOS BISPOS, MESMO. Quem deveria guiar o seu rebanbo não está nem aí.

  20. É simplesmente chocante o que acabo de ler aqui.Difícil acreditar na falta de ética dos professores independente de seus alunos serem seminaristas ou não. O que me assusta é a inversão de valores que corre solta pelo mundo,ainda mais com o apoio das Universidades que se dizem católicas ou evangélicas, o que importa é o resgate da humanidade e o caminho certamente não é este que vem sendo adotaddo.

  21. Para o Padre: nem todas as pessoas que comentam aqui ou ali, deixam de rezar. Eu, por exemplo, n ligo a net se n rezar , ao menos um terço antes. Os que usam a net para expor suas ideias e n vivem de acordo com elas, são membros de uma gangue.

    Padre, se o senhor está desanimado e n cre mais em nada, a culpa é sua! O senhor está rezando menos. O padre Pio tinha lutava corporal todo noite com o demônio e n desanimou. Pq crise a Igreja sempre teve, está certo que esta é a pior delas. Mas, o senhor já pensou se São João Maria Vianney tivesse desanimado? E se santo Atanásio tivesse desanimado?

    Pelo amor de Deus padre! Se ler blogues está fazendo mal ao senhor, pare de ler. Visite mais Jesus no sacrário e reze o terço, Nossa Senhora irá desatar as suas mãos amarradas. Espanta esse desânimo, tenha fé. Rezarei pelo senhor.

  22. Toda esta sujeira começa pelo reitor, Sr. Clemente Ivo Juliato, que faz questão de omitir, em qualquer manifestação, que é Irmão consagrado.

  23. Padres e Seminaristas, não desistam! Leiam livros do catolicismo ante-conciliar e doutrinas sãs.

    Busquem apoio em leigos simpatizantes da ortodoxia catequética, litúrgica e devocional. Quem reza às antigas e demonstra respeito eucarístico, litúrgico e com as coisas da Igreja, dá bons sintomas de serem potenciais bons colaboradores. Unam-se!

    Quanto ao curso de Filosofia, por que os professores acreditam em nihilismo se isso representa uma queda da fé e um recuo nos valores que sustentavam uma vida equilibrada? Que insensatez!

  24. Padres e Seminaristas simpatizantes do Catolicismo (não das heresias), incluirei os senhores em minhas orações também. Que todos façamos o mesmo! Pediremos para que as mãos de Deus os sustentem, os guardem, e os abrase na caridade, e os ilumine com fé sólida e verdadeira.

  25. Me sinto mal pelo Santo Padre. Imagino como deve ser olhar nos olhos destes Bispos quando vão ao seu encontro para prestar contas e ver que estão mentindo descaradamente. Que “a Cruz Sagrada seja nossa luz” neste momentos terríveis que temos passado.

  26. Com profundo pesar eu faço essa citação:

    “A Eucaristia é um baseado, que o padre vai passando de mão em mão… É uma droga lícita…”

    Se fosse eu a ouvir tamanha blasfêmia eu teria partido a cara do infeliz “professor” ao meio!

    Eu sei que sou um imenso pecador, e por conta de meus pecados eu tenho me tornado frio espiritualmente, já fui um valoroso combatente, hoje nem tanto…

    Mas ainda sou católico e ainda não tombei nem desisti dessa luta…

    Agora ouvir algo de tamanha ofensa contra Deus e Sua Igreja, ofensa essa vinda de alguém que deveria ensinar a Fé, pois está numa universidade supostamente católica é algo de estremecer um cadáver!

    Seria pecado agredir aos socos e pontapés um “alma” podre como esse sujeito ?

  27. é amargurante saber que o “catolicismo” chegou nesse nível!

  28. Caro SEMINARISTA (peço perdão pela caixa alta), muitos aqui rezarão por ti e por seu futuro ministério.
    Que Deus lhe dê o discernimento necessário. Quanto ao “Padre” rezaremos por ti, para que se converta, que veja os erros e os combata.

  29. Se a internet pode dar muita ênfase aos problemas (que são verdadeiros), por outro lado
    ela propicia buscar/encontrar a Verdade.
    Pior antes, onde as pessoas eram (mal)doutrinadas e sequer tinha noção disso.
    Pelo menos, com o advento da net, temos a possibilidade distinguir entre o alimento verdadeiro
    e o lixo que muitas vezes nos oferecem.
    Enquanto a TL não for extinta, por aqui, continuará semeando joio.
    Nas paróquias, seminários, universidades,etc.
    Quem sabe o Sr. Arcebispo de Curitiba comece pela PUC-PR; o Cardeal de SP. idem, etc.

  30. Simples, desmascarem esse sujeito em público!!!
    Mostre a todo mundo que ele não sabe do que está falando, humilhe ele na frente dos alunos.
    Ele pode não perder o cargo, mas certamente perderá a autoridade.

  31. Devemos recorrer a Santa Sé porque aqui no Brasil a CNBB ja esta completamente contaminada pela fumaça do inimigo e Nuncio Apostolico que seria o representante do Papa não faz nada se deixa levar pelos Bispos da CNBB

    Rezemos a Nosso Senhor Jesus Cristo e a Maria Santissima para que tenha piedade dessa pobre alma.

  32. O que acaba com um religião não são as heresias ou blasfêmias, pelo contrario, elas a fortificam, o que acada mesmo é um refugio no fundamentalismo na alienação que aprisiona os seus fieis em um “mundo próprio”, sejamos mais sensatos.

  33. realmente nós seminaristas precisamos de apoio, ao entrarmos nas Puc’s, salesianos e outros desse vale de lágrimas sentimos medo e nojo… até quando meu Deus?

  34. Ao irmão “PADRE”: Ap 2,2-6 sobre a parte que lhe compete… o mais é procurar apoio em outros irmãos que também sofrem com os mesmos problemas. Se eu puder ajudar, conte comigo!

    Ao “SEMINARISTA”: “Quando um seminarista se encontrar em situações contrárias a fé católica em seu seminário, este deve manter o seu olhar fixo na vida dos padres santos, estudar suas vidas e continuar fiel ao Magistério da Igreja de 2000 anos”… Isso é parte da resposta do Padre Paulo Ricardo sobre a realidade dos seminários mas pode ser igualmente aplicada nas faculdades. Eis o link do vídeo:

    http://padrepauloricardo.org/episodios/como-agir-em-um-seminario-heretico-liberal-ou-marxista

    Aos demais irmãos: Não desanimemos diante dos ventos contrários. Mesmo que o mundo inteiro afirme a mentira, isso não a faz se tornar verdade. Continuemos denunciando o mal, mandando e-mail, mostrando nossa indignação contra aqueles que traem a Cristo e, principalmente, rezando pela verdadeira renovação da Igreja: a eliminação da “fumaça”… eu creio que nossas ações e intenções têm uma transcendência que Deus não permite que mesmo os menores atos de amor a Cristo e de fidelidade à sua Igreja sejam em vão.

  35. “o que acada mesmo [com a religião] é um refugio no fundamentalismo na alienação que aprisiona os seus fieis em um ‘mundo próprio'”

    Luiz Gustavo, se assim fosse, o padre Pio de Pietrelcina – fechado no “mundinho” dele – teria sido um dos maiores líderes comunistas da História!

  36. É louvável o esforço do seminarista. Contudo, é triste ver a real situação da PUCPR. Triste também é ver que hoje em dia quem busca ser fiel à Igreja é chamado de fundamentalista. São os resquícios da TdL. Leiamos os pronunciamentos do Santo Padre, os Documentos da Igreja, a Sagrada Escritura! Isso tudo, escrito no artigo acima, vai na contramão.
    Oremos. Dialoguemos. Perseveremos na doutrina e na misericórdia.
    Parabéns, seminarista estudante da PUC. Deus te faça perseverante. E que Deus ajude a nós, pecadores e mortais, a sermos menos indignos de estarmos na sua Igreja.

  37. A PUC-SP também é lastimável com aquele comuna do Sakamoto falando groselha nas aulas….

    Bom, sei que é duro e lamentável ver tudo isso, mas não podemos desistir, jamais. Se esse é o combate em nossas vidas que venham. Esse professores, como diz Olavo de Carvalho, falam grosso, gostam de frases de efeito, sempre se calarão se forem desafiados. Estudem! Se ouvirem blasfêmias, retruquem, refutando ponto por ponto, acabem com a ideologia furada desses professores.

    Não podemos nos calar. Ainda acredito que esse lado podre dentro das instituições que se dizem católicas, são o lado com menos pessoas, mas o mais barulhento.
    Se os Bispos e reitores não fazem nada, façamos nós.

    Se essa é a cruz pra carregar, peçamos a Deus a força e resiliência. Jesus nunca nos abandorá em nossas tribulações.

    Fé e esperança! Abracemos a cruz, pois quem foge dela, não somos nós.

  38. Enquanto isso, na PUC do Rio de Janeiro, ensina gente como a “teálaga” (vamos ser bem feministas e trocar todos os “o” da ditadura patriarcal por “a”s, né gentem!) como a desqualificada que escreveu hoje o seguinte artigo no JB, louvando o herege Küng e atacando a Igreja, que ela chama de “casta meretriz”. Bem, de meretrício ele certamente entende, visto que é filha de uma e continua a tradição materna. Eis o artigo:

    Crise e salvação da e na Ireja
    Jornal do Brasil
    Maria Clara Bingemer*

    Figura polêmica na Igreja por suas posições ousadas e provocativas, o teólogo católico suíço Hans Küng não deixa de ser uma das cabeças teológicas inteligentes dos dias de hoje. A teologia deve a ele algumas obras importantes de seu acervo de pensamento, muito concretamente no que diz respeito ao papel das religiões no mundo de hoje e às propostas para uma ética global. Antes disso, Hans Küng se ocupou com questões candentes de eclesiologia, tendo escrito inclusive um livro questionando a infalibilidade papal. Chamado à ordem e advertido inúmeras vezes pelo Vaticano, Küng perdeu a “missio canonica”, ou seja, a permissão eclesiástica para ensinar em qualquer faculdade de teologia católica. No entanto, continuou a publicar e permaneceu ligado à Universidade de Tübingen, Alemanha, até sua aposentadoria.

    Apesar da idade (mais de 80 anos), continua produtivo e dá conferências e entrevistas em várias partes do mundo. É assim que caiu-nos nas mãos e sob os olhos uma entrevista recente, por ele concedida à revista Le Point, de 27 de setembro de 2012. Ali fala sobre seu último livro, intitulado A Igreja tem salvação?, no qual critica severamente a Igreja Católica que teria, segundo ele, traído suas origens. Essas mostram uma comunidade democrática e não monárquica, governada por homens que não desejavam ser senhores mas servidores do povo de Deus.

    Segundo o teólogo, a Igreja hoje é centralizadora, absolutista e clerical, em nada parecida à comunidade primeva. Após essa primeira afirmação, Küng critica outros pontos delicados da disciplina católica, como o lugar da mulher na comunidade eclesial, impedida de receber o sacramento da ordem e assumir funções de maior destaque; o celibato dos padres etc. Pela interpretação de Hans Küng, o fato de tais reformas ainda não terem se efetivado na Igreja se deve a uma traição ao Concílio Vaticano II levada a cabo pelos pontificados posteriores a Paulo VI. Em 2005, Küng foi recebido pelo atual papa – seu antigo colega de docência e amigo em Tübingen – para uma conversa de quatro horas, gesto que ele até hoje agradece.

    No entanto, se confessa decepcionado porque não se seguiu a essa conversa nenhuma mudança substancial na orientação do pontificado de Bento XVI em questões de fé e moral. O mais belo dessa entrevista, dada por um homem brilhante e amargurado em muitos aspectos, porém, encontra-se em sua confissão de fé situada na parte final da mesma. Arguido pelo repórter sobre o porquê de permanecer católico, Hans Küng confessa desassombradamente sua fé: “Não sou católico por causa do papa, mas pelo Evangelho e o povo cristão…A Igreja Católica é minha pátria espiritual, na qual tive uma história às vezes difícil, mas apesar disso muito feliz. Há milhões de católicos que partilham de minhas convicções”.

    Küng toca aí – talvez apesar de si mesmo – no coração do mistério da Igreja. Santa e pecadora, “casta meretriz” que o Cristo desposa a cada dia. A comunidade eclesial sempre estará atravessada de ambiguidades e contradições. E estas serão do tamanho e da proporção dos homens e mulheres que a compõem, seus membros e chefes, filhos amados do Pai, que faz nascer seu sol e cair sua chuva sobre todos e todas em toda ocasião. A entrevista de Hans Küng não é carente de esperança e amor pela Igreja. Se ele não amasse essa Igreja que chama ternamente de sua “pátria espiritual”, sofreria tanto pelos males que a afligem?

    Estaria tão angustiado pelo fato de ver seus efetivos decrescerem, seus templos se esvaziarem e tantas pessoas debandarem de suas fileiras? Ao final, perguntado se Jesus, vindo ao mundo hoje, reconheceria seus ensinamentos diante do atual papa, Küng responde com alguma acidez, mas deixando entrever uma abertura afetuosa em relação ao atual pontífice Bento XVI, seu antigo colega e amigo Joseph Ratzinger. Responde que Jesus não se reconheceria na riqueza das vestes e adereços papais, nem veria nisto algo adequado ao sucessor de seu apóstolo Pedro.

    Igualmente, não se encontraria refletido no Cristo que o papa descreve em seus livros. Porém, termina, “está persuadido que, se ele olhasse no interior do coração de Joseph Ratzinger, encontraria traços de seu ensinamento”. Enquanto o coração humano for fiel a Jesus de Nazaré, reconhecido e proclamado Cristo de Deus, a Igreja terá salvação. Ainda que entre todos os seres humanos espalhados pelo planeta existisse apenas o coração de Joseph Ratzinger…ou o de Hans Küng…batendo ao ritmo do coração amante de Jesus, Verbo Encarnado e salvador do mundo.

    * Maria Clara Lucchetti Bingemer, professora do Departamento de Teologia da PUC-Rio, é autora de ‘A argila e o espírito – Ensaios sobre ética, mística e poética’ (Ed. Garamond), entre outros livros. – mhpal@terra.com.br

  39. Hi, acabou de falar o psicanalista freudiano (Luiz Gustavo)… Deve ser professor da PUC… Só eles acreditam que heresias e blasfêmias fortalecem uma doutrina ou instituição. Imagino um hospital comentendo-as (“médicos, não lavem mais as mãos, nem esterilizem o instrumental, não usem mais antibióticos” – blasfêmias e heresias contra os dogmas da medicina). Seria um excelente matadouro! É isso que ele e o Vaticano II querem para a Igreja… Alguém que o propusesse seria demitido!

    Coitado do clero: mal-formado, mal-dirigido, mal-orientado, como tantos de nós, leigos, o fomos e ainda há comentarista acima para escrever “culpa sua, padre!”. Que falta de sensibilidade! Mais uma bofetada no rosto de Cristo! Era a pá de terra que faltava para enterrar as esperanças do sofredor! Quanto estímulo! Mais um pouquinho e teremos mais um ex-padre… O Demo deve estar dando pulos de alegria!

    Quem sabe o “Fratres” proponha uma cruzada de orações pelo clero e seminaristas? Seria mais positivo…

  40. Em singelas palavras, quero parabenizar o insigne artigo, feito por um egrégio defensor da fé nos tempos hodiernos. Visivelmente, fruto de um hercúleo trabalho digno de júbilo. Pois, com muita astúcia soube informar com esmero os ocorridos na Pontifícia Universidade Católica no curso de filosofia.
    Contrista-me saber e viver esta infame situação do curso, onde o universitário é tachado com o verdadeiro sentido da palavra alumno, ou seja, sem luz. Pois a voz do universitário não é ouvida. O escritor apenas fez um relato do que está acontecendo nas salas de aula do curdo de filosofia. E os respectivos responsáveis cobre com “panos quentes” esta agravante situação. O universitário apenas está demostrando ser um verdadeiro fiel e seguidor da Igreja unam, sanctam, cathólicam e apostólicam. Fazendo valer o Credo que professa. Sendo em nosso tempo um verdadeiro apóstolo, seguidor do exemplo de São Paulo.
    Os meritíssimos professores da PUC deveriam começar a prestar atenção nos alarmantes que estão ocorrendo em torno da Universidade, e perceber que estas simples reclamações, pois no meu ver teria muito mais que pronunciar, está sendo feitas por pessoas que estão vivendo esta situação gritante e não por “telespectadores”.
    É momento das autoridades vigentes tomarem iniciativas e ouvir a voz destes defensores da fé. Que clamam por justiça e ordem. E que a PUC faça valer o seu titulo de Pontifícia dada a uma instituição que em seus primórdios era Católica.

  41. Eu, como aluno desta instituição e seminarista, reprovo as atitudes dos professores da mesma. Se a universidade recebe em seu nome “Pontifícia” deve assim reconhecer e seguir os preceitos determinados pela Igreja e seu representante, Papa Bento XVI, Sumo Pontífice. Acredito que o Reverendíssimo Reitor Sr. Clemente Ivo Juliatto, tem grande parcela de culpa, pois possui autoridade para resolver essas situação e deixar cada vez mais esta universidade com a cara de sua verdadeira essência, Católica. Também não podemos deixar de lado o nosso Arcebispo de Curitiba, Dom Moacyr José Vitti, que como Grão-Chanceler tem, também, o poder de resolver esta situação, e por força de sua omissão, artigos como esse deve ser publicados sempre mais denunciando as irregularidades dos que se julgam “fieis” contudo não vivem a fé que professam. Que seja tomada a melhor decisão para a Infinita Glória de Deus e para a Salvação nossa e do nosso próximo!

  42. O que está fazendo o reitor desta Universidade, que não toma uma atitude e retira este professor do quadro de alunos? Será que ele é o único professor de filosofia que existe no Estado do Paraná? O desrespeito dele à Igreja é claro e evidente, e as blasfêmias que vem dizendo são absurdas! O Arcebispo de Curitiba e o reitor da Universidade estão sendo Omissos permitindo estas atitudes sem punição ao professor. Quanto mais eles ficarem omissos, mais o professor encontrará maneiras de tentar influenciar os alunos a desacreditarem do próprio Deus. Isto não é uma brincadeira, e quem é omisso peca tanto quanto o professor que blasfema.

  43. Liberdade de expressao nao significa, denegrir a moral e a teologia crista. Se o professor é ateo, tudo bem, mas que ele fale na sala de aula, do papa e da eucaristia, isso nao me parece “seriedade cientifica”. Acima de tudo a verdade e a caridade! Isso serve para gregos e troianos.
    Com razao o papa escreveu que a nova evangelizaçao passa pela “conversao”; é tempo oportuno para uma nova sociedade, e esta, passa pela verdade do Evangelho. é louvavel a manifestaçao deste jovem seminarista, pois mostra que a Igreja e a Juventude esta viva. Nao podemos desanimar, o mundo e a ciencia, preciso do nosso testemunho fiel, coerente e audaz!

  44. Para o irmão seminarista e o Padre acima,

    Não desistam permaneçam firme , olhe e passe!!
    Olhe os maus exemplos e passe, não fixe nele o pensamento.. fixem o pensamento nos santos exemplos de tantos bons padres que a tradição católica oficialmente declarou santos !!

    Se está sendo um martírio viver no seminário ou ser um bom cristão-católico aceitem ser martirizados, o martírio não é somente derramar sangue mas também existe o martírio da paciência.
    Aquele que perseverar até o fim esse será salvo. A esse será dado a coroa da vida eterna.

    Isso é importante a santidade começa na gente , nós é que estamos mau e precisamos de muita oração , sacramentos e a mente constantemente em Deus.
    Parabéns ao Fratres por possibilitar essa denúncia , porque essas coisas ruins precisam sim serem colocadas às claras ..

  45. Rolando Rivi trucidado pelos bandidos comunistas no fim da segunda guerra mundial porque não quiz tirar sua amada batina de simples seminarista e esses kultos com cheiro de enxofre, travestidos de cristão falando suas blasfemias!

  46. Luiz Gustavo – 18 outubro, 2012 às 8:12 pm,

    “O que acaba com um religião não são as heresias ou blasfêmias, pelo contrario, elas a fortificam, o que acada mesmo é um refugio no fundamentalismo na alienação que aprisiona os seus fieis em um “mundo próprio”, sejamos mais sensatos.”

    Então é bom ter heresias e blasfêmias e elas não devem ser combatidas? De onde você tirou isso? Realmente acredita nisso?

  47. O Núncio Apostólico está em Belém/PA. Se tiver oportunidade, vou imprimir e entregar diretamente a ele essa matéria.

  48. Lembram-se dos ensinamentos do próprio Cristo?

    “Se teu irmão tiver pecado contra ti, vai e repreende-o entre ti e ele somente; se te ouvir, terás ganho teu irmão.Se não te escutar, toma contigo uma ou duas pessoas, a fim de que toda a questão se resolva pela decisão de duas ou três testemunhas. Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano” (Mt 18, 15-17)

    Acaso fazemos alguma coisa de errado quando seguimos o próprio Cristo?

  49. Que absurdo! Mas como católicos, devemos nos manter firmes contra esses artifícios de satanás anti-catolicismo, e procurarmos lutar para combater estas heresias e apostasias oriundas após o Concílio Vaticano II. E façamos nós não só a nossa parte, mas também a parte de quem não a faz. E não chamem isso de marxismo, mas sim de “O DESPERTAR”.

    Chega.

  50. Para quem estuda ou estudou na PUC, isso não é novidade nenhuma.
    Um dia tive a ventura de entrar na sala dos professores, do bloco de engenharias, juntamente com um professor. E, para minha surpresa, encontrei uns panfletos escritos mais ou menos assim: PUC, Universidade Católica e Espírita do Paraná.
    Fiquei intrigado, e resolvi saber de onde vinha esse assunto, pois onde há fumaça, tantas vezes há fogo. Pesquisando na Internet, encontrei o nome de um pró-reitor (!!!), isso mesmo, no site da Federação Espírita do Paraná, o senhor Eduardo Damião da Silva, com o cargo de diretor na gestão até 2011.

    Veja o link: http://www.mundoespirita.com.br/imprimir.php?conteudo=2319&tamanho=2

    Um outro pró-reitor, que saiu este mês da PUC, Nélio Aguirre de Castro, também é espírita!!!
    Veja o link que comprova: http://www.feparana.com.br/federacao.php?cod_item=26

    Ou se quiser, pesquisem no Google ou peçam para a Federação Espírita do Paraná uma cópia das diretorias anteriores à atual. E vocês verão que o problema do doutrinamento niilista no curso de Filosofia é apenas a ponta do Iceberg!!

  51. Antes de tudo agradeço a Deus por todos os comentaristas acima, com exceção de um, que demonstraram total comunhão com Cristo, com a Igreja e com a Verdade. Todos sofreram e se indignaram, todos choraram e lamentaram como Jesus nos mandou: “chorai por vós e por vossos filhos”. A Igreja já viveu muitas crises e perseguições, mas nunca como essa, nunca o inimigo esteve tão dentro, tão forte, tão estruturalmente ativo. É humanamente impossível vencê-lo. Seria mais fácil vencer na arena os leões que ali estavam para devorar os cristãos.
    Pobres seminaristas, pobres padres! Como conseguem manter-se fiéis?! é pela mão de Deus mesmo! Mas mandá-los perseverar é fácil, só que como? se eles precisam formação e estão apenas lutando pra não serem deformados no que já receberam de Deus antes mesmo de entrar no seminário, de que adianta perseverarem nesse caminho? Eu não os aconselharia a ficar e lutar, mas a buscar um grupo alternativo dentro da Igreja, a fim de não serem infiéis a própria vocação. Existe o Instituto Bom Pastor, a FSSPX e talvez outros. Eles deveriam procurá-los. Continuar no meio da lama e pensar que não se vai sujar, é presunção.
    Quanto a nós leigos (muitos de nós vocacionados que retrocederam justamente por causa disso tudo) volto a agradecer a Deus por sermos tantos os que se revoltaram e sofreram e sofrem com tudo isso. Somos muitos, embora poucos em relação aos inimigos do Senhor. Se esta fase não for a da Grande Apostasia profetizada no Apocalipse, então já é a do Anticristo mesmo. Mas acho que ainda é a Grande Apostasia e o pior ainda está por vir.
    No entanto, santa Teresinha dizia que queria viver nesse tempo pra poder oferecer mais sacrifícios pelos pecadores e se unir mais às chagas de Jesus. Cumpramos nós o desejo dela.
    Rezemos. Denunciemos. Nos unamos. E não busquemos mais do que o martírio, porque a vitória virá do céu, não da nossa luta. A nossa luta, nossas orações e lágrimas são úteis para resgatar muitos para o rebanho fiel do Senhor e para confirmar nossa própria fé. Mas a vitória já não nos pertence… só a certeza dela.

  52. Não me surpreendo. Sou seminarista estudo na PUC-PR e o estado é pior do que imaginamos. Porém, ao mesmo tempo me questiono, meu formador que é Padre só não se declara Ateu por falta de oportunidade. Sim eu disse um Sacerdote da Igreja Católica Apostólica Romana que não acredita nos milagres de Jesus, não acredita na Virgindade de Maria e pasmes, nega publicamente para os formandos e próximos que não há Transubstanciação. Agora me respondam a missa dele é válida? lícita com certeza jamais seria, não há intenção, não há o mínimo de piedade exigida para o sacrifício Eucarístico.
    Agora me digam, que tipo de futuros padres ele está formando? na PUC nós somos ridicularizados muitas vezes nem opiniões podemos dar porque alguns “leigos” apoiados pelos professores dizem que não temos o direito porque é a Igreja que paga.

    Por Favor a Igreja sofre, façam alguma coisa, Reajam pois “Se envergonhares de Cristo, ele se envergonharas de ti perante ao Pai”. Digamos como Lenormant: “Sou cristão e disso meu orgulho”. Devemos ser Católicos convencidos e sem temor defender, afirmar e praticar as nossas crenças.

  53. Gostaria de noticiar uma reação extremamente incomum do diretor do Curso de Filosofia da PUCPR-Curitiba. Hoje, ele juntamente com um outro professor, adentrou às salas de Filosofia para falar sobre o artigo acima. Colocando suas ideias disse que o blog não passa de um “terrorismo” e de um “fundamentalismo barato”. Sei que quando buscamos defender a nossa fé segundo a doutrina da Santa Igreja estamos expostos à diversos tipos de insultos e perseguições. Contudo devemos defender sempre mais e mostrar a esses heréticos que a nossa força e auxílio esta no nome do Senhor. Declaro que a atitude do docente foi irregular e que, por ter se exaltado, acabou entrando em contradição algumas vezes. Pediu à todos que não compartilhassem esse artigo no Facebook. Ora… até em nossas redes sociais vamos ser limitados a respeito do que postar? Francamente estou indignado e peço que se possivel divulguem sempre mais este artigo, pois “conhecereis a verdade e a Verdade vos libertará” (Jo 8, 32). Assim Seja!

  54. O colega João Damasceno descreveu corretamente a situação do Curso de Filosofia. Ficaram alguns professores apavorados! Porque será?? Uma resposta única: MEDO!!
    Acusaram o site de “terroristas”. Mas terrorista foi a atitude deles, que quiseram amedrontar os alunos, com ameaças infundadas. Qual a calúnia do artigo?
    É bom que esse artigo continue a ser divulgado!

  55. Novamente afirmo o que escrevi acima “Devemos ser Católicos convencidos e sem temor defender, afirmar e praticar as nossas crenças”.

    João Damaceno, humilhante o que aconteceu, uma lástima isso. O pior é ver seminaristas que apoiaram eles e que ainda por cima junto com leigos irão fazer um baixo assinado para trazer o professor de volta para as salas de aula.
    Mas o pior disso é escutar da boca de respeitadas pessoas que, esse problema é apenas na Filosofia, que nos outros cursos exite liberdade de pensar (como se isso fosse possível, já diria as sábias palavras de Lescure: “Não tendes o direito de pensar como quiserdes em matéria de religião assim como em matemática não tendes o direito de pensar que 2+2=5. Uma coisa é ou não é; é verdadeira ou falsa, justa ou injusta, boa ou má, independentemente do vosso modo de pensar”.)

    Ou ouvir depois disso que ofensivas em relações aos religiosos e padres do curso são (prefiro omitir aqui a falta de educação e o desrespeito utilizado) , ou ainda dizer que por estarmos em um País Laico temos o direito de falar o que quer. Agora me Pergunto por que essas pessoas escolhem justamente uma Universidade de caráter Confessional para estudar?

  56. Estão todos muito desesperados!!
    Nos círculos de conversa dos professores, sobretudo do professor diretor do curso, só se fala nisso!!!
    Quem não deve não teme. Porque esse desespero? Queremos mudanças, pois são justas!!!

  57. Discordo, a filosofia é uma instância crítica exatamente por apresentar as várias posições culturais disponíveis e que influenciam a sociedade e a cultura atual; a universidade é uma instância crítica exatamente pela liberdade de cátedra, que a Igreja sabe muito bem o que é; mesmo a teologia não pode ser reprodução literal do magistério, pois é uma ciência também e como tal deve testar hipóteses e ajudar a Igreja a se repensar continuamente. Se a PUC continuar uma boa universidade, nada acontecerá, e o tipo de comentário divulgado aqui cairá no esquecimento, como deve mesmo acontecer. Abs, Prof,. Alcino Eduardo Bonella

  58. Caro colega,
    Aprenda a respeitar a liberdade de expressão e de escolha da comunidade acadêmica.
    Seu professor está no pleno exercício da liberdade de cátedra.
    Friso, ainda, que a religião e a espiritualidade são faculdades e não obrigações.
    Respeitosamente,
    João G. Almeida
    Direito – UFPR

  59. Sr. João, o respeito à liberdade de cátedra está intimamente ligado ao respeito que os docentes devem ter para com a religião da instituição que os emprega. Chamar a hóstia de baseado ou dizer que nem Deus gosta do Papa NÃO É LIBERDADE DE CÁTEDRA, é a mais pura OFENSA ABSOLUTAMENTE GRATUITA à religião, diga-se de passagem, crime de VILIPÊNDIO À FÉ. Indicaria vivamente aos que estiveram presentes nestas aulas em que estes impropérios foram ditos, que comunicassem o fato AO MINISTÉRIO PÚBLICO para que este, por sua vez, apresentasse ação de crime contra estes senhores. Soube, aliás, que alunos gravaram essas frases ditas em sala de aula, o que facilmente comprovaria o CRIME cometido por estes senhores. Veja o que diz nosso código penal:

    Art. 208 – Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena – detenção, de um mês a um ano, ou multa.

  60. MISSÃO da PUCR: “”A Pontifícia Universidade Católica do Paraná, orientada por princípios éticos, cristãos e maristas, tem por missão desenvolver e difundir o conhecimento e a cultura e promover a formação integral e permanente dos cidadãos e profissionais comprometidos com a vida e com o progresso da sociedade.”

    http://www.pucpr.br/arquivosUpload/5376548671264697135.pdf (fonte da missão)

    Agora se você é professor, aluno ou colaborador da PUC e não leu ainda, há tempo, veja se os seus valores e o da PUC são compatíveis. Caso contrário, há outras universidades para pregar o ateísmo ou seja lá o que vocês continuam pregando como valores. É o melhor que vocês podem fazer. Sejamos coerentes com as nossas vidas, sejamos honestos. Há professores honestos que atuam na Instituição. Precisamos que a Universidade cumpra seus valores, ensinando a Verdade, mas por completo. Assim, como se refere o texto explicativo da missão da PUC, quando o “Papa reconhece o bom serviço realizado por uma Universidade Católica e a sua fidelidade ao ensinamento da Igreja, ele concede-lhe o título de Pontifícia”. Sejam coerentes e parem de usar o nome da Igreja. Há outras estratégias de marketing disponíveis. A PUC é uma Universidade confessional (é uma afirmação), isso exige a preservação dos valores e dos princípios ensinados pela Igreja Católica.

    É diferente apresentar os pontos de vistas diferentes, do que defender valores contrários à Instituição. É triste ver uma Pontifícia Universidade Católica perdendo seus valores em prol da defesa da “liberdade” sem limites. Só para lembrar, a PUC deve ser orientada por princípios, e o conceito de princípios, como diz o próprio texto da PUC, os princípios “mostram nossos limites e nossas fronteiras” e, no caso da PUC são os princípios católicos (e não mundanos).

    Não precisam buscar me identificar para me retaliar, como estão buscando fazer com outros alunos que postaram verdades reprimidas, pois apesar disso não ser cristão, eu não sou mais aluno da PUC. O que este post apresentou aqui não é novidade para quem é ou já foi aluno.

    “Padres” sem fé, outros que se dizem e perseguem os que realmente são. Padres que negam a virgindade de Maria, que negam uma verdade absoluta. “Milagres? São histórias da bíblia que não passam de mitos” lembro como se fosse hoje em uma aula do curso. E vai questionar para ver, você pode levar dependência para o próximo semestre. Alguns padres nem podem usar “clergyman”, pois são vistos como reacionários. Não há necessidade de identificá-los, pois como diz o ditado: para um bom entendedor meia palavra basta. É comum visualizar que uma parcela mantem os “rabos” presos.

    O escândalo é que alguns alunos acreditem que a Instituição possa um dia ser católica, na correta acepção do termo.

  61. Os professores da PUCPR são um POÇO DE COERÊNCIA: pedem liberdade (de cátedra) para dizer o que bem entendem, mas quando alguém ousa discordar e usa da LIBERDADE para apresentar essa divergência, eles ESTREBUCHAM, ameaçam processar, etc, etc!!!!!!!!!