Foto da semana.

Manhattan, Hotel Waldorf Astoria, 18 de outubro de 2012 — Entre a Cruz e a espada: Cardeal Timothy Dolan, Arcebispo de Nova York, recebe os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama e Mitt Romney, para um tradicional jantar organizado por sua Arquidiocese em prol de crianças carentes.

Fortíssimo papável para alguns, Dolan é uma figura paradoxal. Expansivo e nada cerimonioso para um Cardeal, foi considerado a grande estrela do último consistório. Personalidade que lhe garante passagem livre em todos os meios — e gera algum desconforto aos católicos, por exemplo, quando, em 2010, saudou todo sorridente um grupo de gays que lhe fora apresentado como tal em uma paróquia de Manhattan.

Agrada, desagrada: Convidado a rezar nas convenções de ambos os partidos, Dolan aceitou. Desagradou os conservadores e agradou os liberais — especialmente a ida à convenção do partido de Obama, manchado por sua “reforma da saúde” (contra a qual o próprio Cardeal se levantou, capitaneando as ações de várias entidades Católicas contra a medida).

Mas, estando lá, Dolan não perdeu a oportunidade. Rezou pela liberdade de religião, pela segurança dos nascituros, defendeu a lei natural e atacou o casamento gay: “princípios inegociáveis” para o Cardeal solapados pelo governo atual. Desagradou os liberais e agradou os conservadores.

Ortodoxia positiva para uns, irreverência cardinalícia para outros. Rir é o melhor remédio? O fato é que, a menos de 20 dias para a eleição, ter Obama, que já mostrou quem é, à direita, e o mórmon Romney à esquerda, não é o melhor dos cenários para gargalhar.

10 comentários sobre “Foto da semana.

  1. Alguém tira minha dúvida: esse “tradicional” jantar organizado pela arquiodiocese de Nova Yorque em que os candidatos ficam contando piadas, isto é católico? Eu sei que temos necessidade de descontrair mas me parece estranho esse tipo de coisa.

    Curtir

  2. FRATRES;
    “Que é isso, cumpanheiros?”
    Estão estranhando as gargalhadas desse senhor aí por quê?
    Afinal, entre um muçulmano “convertido”(kkkkkkk) e um mórmom, qual o problema?
    Ah, esse pessoal aqui do FRATRES está muito “reaça”!
    Gentem!
    É o ecumenismo conciliar!
    Afinal, este senhor risonho aí da foto, sempre muito tranquilo no que se diz de mundo, afinal, a nova igreja abriu-se, ao mundo, ou melhor, “arreganhou-se” ao mundanismo e percebe-se que este senhor aí está “à vontade” entre eles…
    Esse senhor está cumprindo seu papel: ser um ecumênico anfitrião…
    Parece que São Paulo faz alguma admoestação a este tipo de comportamento…
    Ah, mas São Paulo está “caduco”, não leu as graaaaandeeeeees declarações do “mega evento conciliar”.
    Deixando a brincadeira de lado, causa-me repúdio ao ver uma foto dessas.
    E os neo-con, pobrezinhos, têm de conviver com essa desgraça…
    Ah, mas para eles tudo é meio de evangelização…
    Afinal, a máxima do ecumenismo pra essa gente apóstata parece sempre ser o: dá-me alma$$$$$$$$$$$
    Mostra-se assim mais uma certeza de que esse arremedo de igreja não é e nunca foi sério.
    Daí aquela “perguntinha básica”:
    É COM ESSA GENTE QUE MONS. FELLAY QUER ESTAR EM PLENA COMUNHÃO?
    Libera nos Domini!
    Boa semana a todos!

    Curtir

  3. Mas não seria normal que um dos maiores prelados da Igreja, príncipe inclusive, tivesse relações públicas cordiais com autoridades constituídas e/ou a constituir? Seria válido um comentário desabonador se fosse em cerimônia litúrgica ou atos formal, mas num jantar? Qual o problema concreto disso.

    Se acusarmos de inconveniente a posição do arcebispo de N.Iorque, teremos de considerar loucura de do núncio Pacelli em seus tempos de Berlim, não é?

    Curtir

  4. “Em seguida, pôs-se à mesa na sua casa e muitos cobradores de impostos e pecadores tomaram lugar com ele e seus discípulos; com efeito, eram numerosos os que o seguiam. Os escribas, do partido dos fariseus, vendo-o comer com as pessoas de má vida e publicanos, diziam aos seus discípulos: “Ele come com os publicanos e com gente de má vida?” Ouvindo-os, Jesus replicou: “Os sãos não precisam de médico, mas os enfermos; não vim chamar os justos, mas os pecadores.” (Evangelho segundo São Marcos, II, 15-17).

    Acredito que um católico comprometido em anunciar o Evangelho de Nosso Senhor não irá relacionar-se apenas com outros católicos não é mesmo? O que não pode ocorrer é que nessa missão o cristão deslumbre-se e perca-se nos valores do mundo, nos valores do maligno. Confiemos na oração de Cristo:

    “Dei-lhes a tua palavra, mas o mundo os odeia, porque eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas sim que os preserves do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. Santifica-os pela verdade. A tua palavra é a verdade. Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. (Evangelho segundo São João, XVII, 14-18).

    Márcio (Goiânia – GO).

    Curtir

  5. Minha opinião, por isso, não passa de uma opinião!

    Não vejo problema do Cardeal se reunir com autoridades civis constituídas ou a se constituírem. Penso que o problema não é esse, mas o fato dele ser espalhafatoso, não tomando cuidado com a midiá aproveitadora. Sabemos que o Cardeal Dolan adora um holofote e mais, a foto capta um momento, um breve momento. Se ele quer se reunir, ok, pra mim sem stress, mas cautela Cardeal, não faz mal a ninguém.

    Curtir

  6. Não compreendo mesmo de que tanto ri Sua Eminência. Um dos candidatos parece não ter religião. O outro é mórmon. Do sem religião, sabemos ser a favor do aborto e do casamento gay. Do outro nada sabemos. Ambos têm candidatos à vice presidência q se dizem católicos. O do mórmon parece ser. Devemos bater palmas? Parece-me melhor lamentar a descristianização do mundo contemporâneo.

    Curtir

  7. FRATRES;
    Como havia comentado antes, pobres neo-con, ficaram com beicinhos, defendendo este senhor aí…
    Ohhhhhhh
    Melhor seria não ter comentado nada, nadica de nada a respeito desse risonho senhor…
    Afinal, como disseram por aqui, ele é “Príncipe”.
    Será primo da Feona?
    Ou da Princesa Branca de Neve?
    Ah, já sei, deve ser da Princesa Yasmin, afinal ele é ecumenista!
    Não!
    Este senhor é Príncipe, da igreja conciliar, evidentemente…
    Quanto ao jantar em Nova Iorque, sem problemas, desde que se mostre com o devido respeito.
    Mas fazer o que?
    Exigir seriedade dessa igreja conciliar? Não.
    Essa igreja conciliar não é séria. Portanto, ninguém dá aquilo que não tem.
    Ademais, como foi dito, este senhor aí é um “príncipe”. O problema é que o tal “príncipe” se coloca, bem à vontade, ao lado dos expoentes da Grande República.
    Caso o reverendo padre conciliarista não se recorde, os EUA nasceram como uma República, maçônica, e levaram este conceito “republicano maçônico” a todos os outros países das Américas e depois à velha Europa, instaurando a sua “liberdade religiosa”.
    Ah, inclusive, caso o reverendo também não o saiba, essa tal “liberdade religiosa”, tão defendida pelos “ianques”, teve sua “introdução” no “mega evento conciliar” justamente através de alguns prelados estadunidenses.
    Quanto ao reverendo citar a relação entre o Núncio na Baviera, Mons. Paccelli, de saudosa memória, com o III Reich, acredito que o Sr. deveria consultar boas e confiáveis fontes de leitura, uma vez que atribuir a proximidade do futuro Papa Pio XII ao Nacional Socialismo Alemão é, no mínimo, desconhcer o básico de História e de Antropologia Cultural.
    Acredito que a deformação nos feminários, digo seminários, proporcione uma visão um tanto “crítica”, seria mais correto dizer “ingÊnua”, porém, de ingenuidade essa gente não tem nada. Eles são hereges e lhes apraz seguir as “modas”, como fazem certos meios de imprensa por aí.
    Gostaria, finalmente, de esclarecer ao reverendo que grande parte de minha família, paterna e materna, foram trucidados pelo Nacional Socialismo Alemão, e que mesmo meus primos, os quais sobreviveram ao genocídio e continuam na vã esperança da chegada do Messias (visto que eles não se tornaram Católicos, porém, infelizmente se mantêm na Antiga Fé Hebraica), NUNCA tiveram o Papa Pio XII como alguém próximo ao Reich.
    Apenas questões histórico-políticas, que se resolvem ao se pesquisar e estudar, a partir de documentos e bons livros.
    Agora, como bom membro da igreja conciliar, querer comparar a atuação desse senhor aí da foto, todo risonho e com ares bem mundanos, ao Cardeal Paccelli, bem, é ser no mínimo, muito parcial e completo desconhecedor da História.
    Ah, o atual Papa Bento, quando garoto, também fez parte da Juventude Hitlerista, como todos os jovens germânicos da época…
    Por acaso o reverendo iria insinuar algo?
    Hummm…
    Pobres neo-con…
    Têm que defender e justificar o injustificável…
    Pobres neo-con…
    Quanto aos “beicinhos”, hummm…
    Isso é mais um dos frutos da tal “igreja conciliar”…
    Ao iniciar este meu comentário, sabia que os neo con de plantão teriam muito a “defender” a “belíssima atitude” desse senhor aí.
    Afinal, ele está “evangelizando”…
    Interessante que a atual evangelização não proporiona nem ao evangelizado, tampouco ao evangelizador a uma mudança radical de vida…
    Daí, a palavra CONVERSÃO, provinda o latim con vertere (ver com novos olhos) – não sou linguista – mas isso nos diz nosso amado Capelão, deixou de fazer parte do conceito de evangelização dessa neo igreja, da tal “igreja conciliar”.
    Para conseguir “fundos” ou melhor “ajuda” para as “Obras Sociais”, faz-se qualquer coisa…
    Faz-se discursos bonitos, tem-se palavras inflamadas… Mas exemplo que é bom… Hummm… NADA!
    É, FRATRES, essa gente conciliarista segue o “exemplo” de seus “pastores”: fazem beicinhos, ridicularizam e explicam tudo sob a ótica da beleza, das flores, do bem, do ecumenismo… Afinal, “Deus é Dez!”
    Hummm, prefiro ficar ao lado de gente menos risonha, porém, mais exemplar: São João Batista, São Paulo, Santo Atanásio, São Francisco de Assis, São Tomás Morus, São John Fischer, os Mártires Cristeros do México entre outros, que testemunharam com a vida.
    Por falar em Cristeros, essa linda foto aí me fez lembrar um simples “episódio” da Guerra Cristera: enquanto os fortes e fiéis Cristeros resistiam, entregando a própria vida, alguns membros do Episcopado Mexicano, reunidos, em torno de uma bela mesa, discutiam um famoso “modus morriendi” com delegados do Governo Calles e do Papado (Pio XI).
    Assim, parece não ser novidade esses “encontros”…
    Claro, tudo em nome da “caridade”…
    Para terminar, lembro-me de outro “encontro” com a finalidade de se arranjar “fundo$”: o do Apóstolo ISCARIOTES e dos Sumos Sacerdotes do Templo.
    Afinal, cada um escolhe o exemplo que quer seguir…
    O meu é o desagradável exemplo dos Mártires Cristeros, que deram a vida pelo Reinado Social de Cristo…
    Ah, “Deus é Dez!” e “Dá-me alma$$$$$$$$$”, pois, quanto mai$$$, melhor!
    Afinal, é para a “caridade”…
    Como dizia Santo Inácio de Loyola em seus Exercícios Espirituais (tão fora de moda por não ser “ecumênico” e “conciliar”):
    Existem dois exércitos…
    Cada um escolhe o que mais lhe convém!
    Viva Cristo Rei!

    Curtir

Os comentários estão desativados.