Um mini-consistório surpresa.

Surpresa do Papa Bento XVI: o segundo consistório em um só ano. A última criação de Cardeais, em fevereiro passado, foi considerada por alguns como eurocêntrica demais. Teriam as críticas pesado na decisão do Pontífice? O fato é que o Papa anuncia agora um pequeno consistório, em que todos os seis nomeados são de fora da Europa. Alguns davam como certa a púrpura para Dom Gerhard Ludwig Müller, novo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, já neste consistório surpresa. Ficará para a próxima.

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Bento XVI anunciou no final da Audiência Geral desta quarta-feira um Consistório para a criação de seis novos Cardeais, no dia 24 de novembro, na vigília da solenidade de Cristo Rei.

São eles: Dom James Michael Harvey, Prefeito da Casa Pontifícia, que Bento XVI nomeará Arcipreste da Basílica Papal de São Paulo Fora dos Muros; Sua Beatitude Béchara Boutros Raï, Patriarca de Antioquia dos Maronitas (Líbano); Sua Beatitude Baselios Cleemis Thottunkal, Arcebispo-Mor de Trivandrum dos Sírios-Malancareses (Índia); Dom John Olorunfemi Onaiyekan, Arcebispo de Abuja (Nigéria); Dom Rubén Salazar Gómez, Arcebispo de Bogotá (Colômbia); e Dom Luis Antonio Tagle, Arcebispo de Manila (Filipinas) [considerado um expoente da “hermenêutica da ruptura” – ver aqui e aqui].

“Os Cardeais, disse o Papa, têm a tarefa de ajudar o Sucessor de Pedro no desempenho do seu Ministério de confirmar os irmãos na fé e de ser princípio e fundamento na unidade e da comunhão da Igreja. Convido todos a rezarem pelos novos eleitos, pedindo a materna intercessão da Bem-aventurada Virgem Maria, para que saibam amar com coragem e dedicação Cristo e sua Igreja.”

14 Comentários to “Um mini-consistório surpresa.”

  1. Grande é a nossa alegria pela escolha por todos os neo-cardeais, mas nós católicos orientais estamos mais felizes pela nomeação de Sua Beatitude Mar Becharia Rai, Patriarca de Antioquia e Todos Oriente dos maronitas e Sua Beatitude Mar Baselios Cleemis, Arcebispo Maior do Católicos Malankares, mas ainda faltou Sua Beatitude Sviatolav Schevchuk, Arcebispo Maior de Lviv dos Ucranianos e Sua Beatitude George Alencherry ou Mar Giwargis Alencherry Arcebispo Maior de Ernakulam – Angamaly dos Católicos Malabares…Enfim que os novos cardeais possam ajudar Sua Santidade o Papa Bento XVI a governaa a Barca de Pedro.

  2. Eu sabia que já tinha ouvido falar deste Arcebispo das Filipinas, um expoente da hermenêutica da ruptura. Que Deus possa abençoar a todos os escolhidos, para que eles possam assumir esta nova vocação com perfeita fidelidade à Deus e à Sua Igreja.

  3. Caro Luiz, Sua Beatitude George Cardeal Alencherry já foi criado cardeal no primeiro consistório deste ano.

  4. Bom por uns, péssimos po outros… Será que existe estudo de quem é a pessoa para ser nomeada Cardeal? Se existir, qual será o problema da santa sé? Bom por uns, péssimos por outros… o que mais nos consola é que existem ainda cardeais das igrejas orientais, apesar das Igrejas orientais também estarem bem moderninhas, nem todas…. O patriarca Gregório III dos Melquitas é Cardeal também? Deus nosso Senhor não esqueça de Sua Igreja.

  5. O Rio já pode ter um novo cardeal.

  6. Eu me indago: não obstante ao fato de a Arquidiocese de Manila ser uma das mais importantes de todo mundo, é de bom tom entregar o barrete cardinalício a um bispo de ideias tão questionáveis, que ainda as escamoateou em sua bibliografia entregue ao próprio Papa?

    O peso demográfico da arquidiocese, penso eu, não deveria ser o critério preponderante para a criação de um cardeal, penso eu. Mais recomendável, contudo, seria que bispos desse feitio sequer chegassem à tão importantes investiduras

  7. O Rio de Janeiro só pode ter Cardeal depois de dezembro quando Dom Eusebio fizer 80 anos e deixar de ser eleitor no conclave!

  8. Agora me surpreende o Papa quebrar o direito do Patriarca de Veneza quem o privilégio de ser criado cardeal no conclave após sua eleição!

  9. Surpreende um tanto mais, Franklin, pelo fato de que mons. Moraglia tenha sido uma escolha pessoal para o Patriarcado de Veneza. Mas como ninguém esperava esse mini-consistório, tudo se apresenta no campo do surpreendente.

  10. *pessoal de Bento XVI

  11. Asia e África, esperança de nossa Madre Igreja. Antes de morrer eu ainda quero ver um papa convertido do islão. Mas se não for possível, que venha um da terra deste, e de preferência, milhas e milhas distante da primavera sul-americana, da TL.

  12. Agora sim, a hermenêutica da ruptura voltou a estar em alta de novo.

    Deus nos proteja!

  13. Tenho pra mim que a nomeação de cardeais na Igreja vem se tornando parecida com evolução de carreira em empresa pública: se você está a muito tempo no setor, é o mais velho, e o chefe se aposentou, o cargo é seu. Se não te derem a nomeação surge uma crise diplomática, um sentimento coletivo de injustiça.
    O Papa surpreende ao escolher determinadas dioceses, mas não surpreende nas escolhas feitas dentro das dioceses, aí é por ordem de chegada.

  14. É verdade, Alex. O PewResearch, o mais prestigiado instituto de pesquisa dos EUA, confirmou um dado jubiloso em 2012: pela primeira vez em séculos, o percentual de cristãos africanos superou o de islâmicos.

    As agruras dos cristãos africanos e asiáticos é um clarmoroso chamado à fé, pois na dor da perseguição e da pobreza, o homem compartilha das dores do Calvário, e se faz mais próximo de Cristo. Enquanto o Ocidente definha espiritualmente, estupifidicado pelo hedonismo vulgar, Ásia e África enviam mártires aos céus, aprofundam a evangelização e conduzem cada vez mais almas à retidão da Verdade em Cristo. E justamente o catolicismo tem sido o condutor dessa silenciosa revolução espiritual em andamento na África Subsaariana, ao ponto de que nem mesmo a Igreja tem ideia do real tamanho do seu rebanho.

    O Ocidente, enquanto ideia, irá acabar. É de bom tom que o Cristianismo largue essa barca furada e se agarre à santa segurança da Barca de Pedro para atravessar o futuro turbulento que ao mundo está reservado.

    Aliás, penso que se houvesse um papa oriental, certamente essa mixórida litúrgica que vemos em incontáveis paróquias iria cessar, ou, pelo menos, diminuir. O zelo das igrejas sui generis para com a Divina Liturgia é realmente inspirador e deveria servir de exemplo às dioceses latinas.