Declaração da Pontifícia Comissão ‘Ecclesia Dei’.

Por Vatican Information Service | Tradução: Teresa Maria Freixinho: A Pontifícia Comissão “Ecclesia Dei” aproveita esta ocasião para anunciar que, em seu mais recente comunicado oficial (6 de setembro de 2012), a Fraternidade Sacerdotal São Pio X indicou que necessita de um prazo adicional para refletir e estudar a sua resposta às últimas iniciativas da Santa Sé.

O estágio atual das discussões em curso entre a Santa Sé e a Fraternidade Sacerdotal segue três anos de diálogos doutrinais e teológicos durante o qual uma comissão conjunta se reuniu oito vezes para estudar e discutir, entre outros assuntos, algumas questões disputadas na interpretação de determinados documentos do Concílio Vaticano II. Uma vez que esses diálogos doutrinais foram concluídos, tornou-se possível prosseguir para uma fase de discussão mais diretamente concentrada na reconciliação grandemente desejada da Fraternidade Sacerdotal São Pio X com a Sé de Pedro.

Outros passos cruciais nesse processo positivo de reintegração gradual já foram dados pela Santa Sé em 2007 com a extensão da Forma Extraordinária do Rito Romano para a Igreja Universal através do Motu Proprio Summorum Pontificum e, em 2009, com o levantamento das excomunhões. Há apenas alguns meses um ponto culminante ao longo deste difícil caminho foi alcançado quando, em 13 de junho de 2012, a Pontifícia Comissão apresentou à Fraternidade Sacerdotal São Pio X uma declaração doutrinal juntamente com uma proposta para a normalização canônica de seu status dentro da Igreja Católica.

Atualmente, a Santa Sé está aguardando a resposta oficial dos superiores da Fraternidade Sacerdotal a esses dois documentos. Após trinta anos de separação compreende-se que é preciso tempo para absorver o significado desses acontecimentos recentes. Como nosso Santo Padre Bento XVI busca fomentar e preservar a unidade da Igreja ao realizar a tão esperada reconciliação da Fraternidade Sacerdotal São Pio X com a Sé de Pedro – uma manifestação dramática do munus Petrinum em ação – necessitamos de paciência, serenidade, perseverança e confiança.

7 Comentários to “Declaração da Pontifícia Comissão ‘Ecclesia Dei’.”

  1. É, talvez o maior empecilho não fosse mesmo a doutrina, mas sim Dom Williamson.

  2. Um sim ao pedido de prazo logo após a decisão a respeito de Dom Williamson. Resposta rápida de Roma, contrastando com o que disse o Pe. Lombardi, embora tudo já estivesse bem claro nas entrelinhas para os bons entendedores (cf. https://fratresinunum.com/2012/10/24/satisfacao-no-vaticano-apos-expulsao-de-dom-williamson-porta-voz-da-fsspx-na-alemanha-a-decisao-certamente-vai-facilitar-as-conversacoes/).

  3. “Paciência, serenidade, perseverança e confiança”! Veni creator Spiritus…

  4. A Fraternidade será um grande peso nessa “gangorra” atual; Deus a queira na Santa Igreja, pois precisamos de caracteres conservadores e influentes para podar as folhinhas modernistas e anti-católicas que conhecemos.

    Assim sendo otimista, para os mais “downs”, meus pesares, estão fazendo isso errado!

  5. Se nada de oculto foi tratado além do que já foi declarado na imprensa, seja por parte da Santa Sé, seja por parte de D. Fellay, o que se vislumbra no horizonte é o seguinte cenário:
    1) A resposta oficial da FSSPX declarará que os documentos do Concilio não podem ser aceitos tal como se encontram hoje.
    2) A Santa Sé não vai concordar nem discordar desta posição
    3) Será oferecida a FSSPX uma proposta de regularização canônica
    4) A FSSPX vai aceitar
    5) A mensagem implícita desta situação será: é possível sustentar uma crítica respeitosa ao CVII sem ser considerado cismático.

  6. Sempre foi possível sustentar uma crítica respeitosa e sóbrio ao CV II, sem ser considerado cismático. Isso é possível porque o Concílio foi meramente pastoral.Simples assim!

    Infelizmente esse óbvio não acontece na Igreja. Óbvio é algo que não é óbvio na Igreja desde então…

  7. “A mensagem implícita desta situação será: é possível sustentar uma crítica respeitosa ao CVII sem ser considerado cismático.”

    Hum… será mesmo? olha quem mora na Administração Apostólica sabe que a coisa não funciona bem assim…. receio que depois do acordão, as coisas endureçam na FSSPX e de “oprimidos” os bispos, formadores e padres se tornem “opressores” como acontece na AAPSJMV, vem aqui e tente falar algo, ou trazer à memória a figura de D. Antônio ou qualquer refutação ao CVII pra ver o que acontece…pergunte aos padres novos o nome de 3 ou 4 escritos de Dom Antônio pra ver …talvez um ou dois saibam mas em geral… ou então pergunte para algum seminarista(…)