Papa e Cardeal Dolan instam Obama a respeitar a vida e a liberdade religiosa.

Por Michelle Bauman, CNA-ETWN News | Tradução: Fratres in Unum.com – Líderes católicos estão apelando ao presidente Barack Obama a respeitar os princípios americanos fundamentais da vida e da liberdade religiosa, após a sua vitória para um segundo mandato.

18 de outubro de 2012: Obama e Cardeal Dolan em jantar beneficente em Nova York.

18 de outubro de 2012: Obama e Cardeal Dolan em jantar beneficente em Nova York.

“Continuaremos a nos levantar em defesa da vida, do casamento, e de nossa primeira e mais apreciada liberdade, a liberdade religiosa”, afirmou o Cardeal Timothy M. Dolan, de Nova York, presidente da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos.

Em uma carta parabenizando Obama por sua reeleição, o Cardeal Dolan ressaltou a “grande responsabilidade” que o povo americano confiava ao presidente e lhe assegurou as orações dos bispos dos Estados Unidos.

“Em particular, rezamos para que o senhor exerça seu ofício de buscar o bem comum, especialmente no cuidado dos mais vulneráveis entre nós, incluindo os nascituros, os pobres e os imigrantes”, declarou o Cardeal.

“Rezamos, também, para que o senhor ajude a restaurar um senso de civilidade à ordem pública, de modo que nossas conversas públicas possam ser imbuídas de respeito e caridade para com todos”, acrescentou.

O comprometimento do Cardeal Dolan com a defesa da vida, do casamento e da liberdade religiosa foi ecoado por outros grupos católicos após a vitória de Obama nas eleições de 6 de novembro.

Nos últimos meses, os bispos dos Estados Unidos entraram em confronto com a administração de Obama quanto à liberdade religiosa.

No centro do conflito está a nova lei federal que exige que empregadores — inclusive hospitais, escolas e agências de caridade religiosas — ofereçam planos de seguro de saúde com cobertura de contracepção, esterilização e drogas indutoras de aborto.

Os bispos de cada diocese dos Estados Unidos falaram abertamente contra a lei, advertindo que ela lançava uma séria ameaça à liberdade religiosa. Mais de 100 pleiteantes, inclusive numerosas dioceses, universidades e entidades de caridade católicas, ingressaram com ações questionando a norma.

A importância da liberdade religiosa também foi enfatizada na mensagem do Papa Bento XVI a Obama.

Em uma carta, enviada através da nunciatura apostólica em Washington, D.C., o Papa enviou seus melhores votos para Obama e prometeu orações para o presidente nos próximos anos.

O pontífice também declarou esperar que os ideais fundamentais americanos de liberdade e justiça possam receber um lugar de honra no futuro da nação.

Padre Federico Lombardi, diretor da sala de imprensa da Santa Sé, observou que “o presidente dos Estados Unidos tem uma imensa responsabilidade, não só para com o seu próprio país, mas também para com o resto do mundo, dado o papel desempenhado pelos Estados Unidos em nível internacional”.

“Por esta razão, esperamos que o presidente Obama responda às expectativas de seus companheiros cidadãos”, disse, “servindo a lei e a justiça para o bem e o desenvolvimento de todo o povo, e respeitando os valores humanos e espirituais essenciais, enquanto promovendo uma cultura de vida e liberdade religiosa”.

2 Comentários to “Papa e Cardeal Dolan instam Obama a respeitar a vida e a liberdade religiosa.”

  1. Alertaram o público católico antes das eleições de que havia esse perigo? Só agora! Não vi uma manifestação pública do episcopado americano sobre esses temas.
    E pelo sorriso descontraído do Cardeal Dolan com Obama, dá impressão de que ele não ficaria insatisfeito com a eleição de alguém que deveria ser uma ameaça. Antes, parecem aliados de longa data. Lamentável. Que Deus tenha pena daquele povo.

  2. ESTADOS UNIDOS SOCIALISTAS DA AMÉRICA?
    Acho que os americanos preferiram o Aiatollah marxizado Obama – também ótimo ator como Lula – prá continuar governando os Estados Unidos (Socialistas) da América, após mais 4 anos será um país tão diferente do anterior, derrotados pelo Marxismo Cultural dos socialistas que vem sendo sutilmente implantado no país desde os hippies nos anos 80, seus primeiros doutrinados a espalharem a ideologia e, com entrada do reeleito Aiatollah marxizado Obama, completará o serviço em prol dessa ideologia socialista.
    Os americanos primeiros descendentes de ingleses, irlandeses e europeus doravante serão reféns do neo colonizadores dos EUA: latinos gerais, asiáticos, mulheres e jovens mesmo daqueles mas ideologizados no Marxismo cultural, todos reféns dos comunistas.
    Obama, um “homem simples” como retratam as imagens bem montadas dos laboratorios de engenharia social marxistas prá convencer os trouxas, porém por detrás as garras afiadas de inimigo radical de Cristo-Igreja católica e algo do cristianismo paralelo; ele implantou o aborto, o gayzisno e anexos em cultura judaico-cristã, o ateísmo, devendo transformar noutro país após a nova (indi)gestão.
    Quando o chicote vergastar os dorsos dos eleitores não acusem a ninguém: a si mesmos de idiotas!
    Pior: esses dificilmente atribuirão qualquer culpa a si…
    Já o partidão deles, como o PT, a culpa é disso ou daquilo, jamais nada assumem de erro.
    Há horas que vejo o sorriso do Aiatollah Obama e penso: será que não está rindo dos panacas, de como os passou para trás e nada perceberam?
    Azar de pessoas e povo que confiar mais em aparencias, ideologias ateias e niilistas que em Deus.