“Tende piedade de vosso povo, Senhor, não entregueis à ignomínia vossa herança”.

Fiéis acompanham a celebração do lado de fora da Basílica de São Pedro.

Diz o Profeta [Joel]: “voltai ao Senhor vosso Deus, porque ele é bom e compassivo, longânime e indulgente, pronto a arrepender-se do castigo que inflige” (v. 13). É possível voltar ao Senhor, é uma ‘graça’, porque é obra de Deus e fruto da fé que nós confiamos à Sua misericórdia. Mas este retorno a Deus se torna uma realidade em nossas vidas apenas quando a graça de Deus penetra e move nosso íntimo, dando-nos o poder que “rasga o coração”. Novamente o profeta proclama estas palavras de Deus: “Rasgai vossos corações e não vossas vestes” (v. 13). Hoje, de fato, muitos estão prontos a “rasgar as suas vestes” sobre escândalos e injustiças — que são, claro, causadas por outros — mas poucos parecem dispostos a agir segundo o seu próprio “coração”, sua própria consciência e suas próprias intenções, ao permitir que o Senhor os transforme, renove e converta.

[…] Finalmente, o profeta se detém sobre as orações dos sacerdotes, que, com lágrimas nos olhos, se voltam a Deus, dizendo: “Chorem os sacerdotes, servos do Senhor, entre o pórtico e o altar, e digam: Tende piedade de vosso povo, Senhor, não entregueis à ignomínia vossa herança, para que não se torne ela o escárnio dos pagãos! Por que diriam eles: onde está o seu Deus?” (v. 17). Esta oração nos leva a refletir sobre a importância de testemunhar a fé e a vida cristã, para cada um de nós e nossa comunidade, a fim de que possamos revelar a face da Igreja e como esta face é, por vezes, desfigurada. Penso em particular nos pecados contra a unidade da Igreja, das divisões no corpo da Igreja. Viver a quaresma de maneira mais intensa e em evidente comunhão eclesial, superando o individualismo e a rivalidade é um sinal humilde e precioso para aqueles que se distanciaram da fé ou que são indiferentes.

[…]

“Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação” (2 Cor 6:2). As palavras do Apóstolo Paulo aos cristãos de Corinto ressoam para nós com uma urgência que não permite ausência ou inércia. O termo “agora” é repetido e não pode ser perdido, é oferecido como uma oportunidade única.

[…] Na passagem do Evangelho segundo Mateus, ao qual pertence o chamado Sermão da Montanha, Jesus se refere a três práticas fundamentais exigidas pela Lei Mosaica: esmola, oração e jejum. Estas são também indicações tradicionais da jornada quaresmal para responder ao convite de “voltar a Deus com todo o coração”. Mas ele indica que ambas a qualidade e a verdade de nosso relacionamento com Deus são o que qualificam a autenticidade de cada ato religioso. Por esta razão, ele denuncia a hipocrisia religiosa, um comportamento que procura o aplauso e a aprovação. O verdadeiro discípulo não serve a si mesmo ou ao “público”, mas ao Senhor, na simplicidade e generosidade: “E o vosso Pai, que vê tudo em segredo, vos recompensará” (Mt 6, 4.6.18). Nosso testemunho será sempre mais efetivo quanto menos procurarmos nossa própria glória e quanto mais estivermos cientes de que a recompensa do justo é o próprio Deus, estar unido a Ele, aqui, no caminho da fé, e no fim da vida, na paz e na luz do eterno encontro face a face com Ele (cf. 1 Cor 13:12).

Da homilia do Santo Padre nesta quarta-feira de cinzas – 13 de fevereiro de 2013: última celebração litúrgica pública de Bento XVI.

Tags:

10 Comentários to ““Tende piedade de vosso povo, Senhor, não entregueis à ignomínia vossa herança”.”

  1. A quem puder, reze ao menos uma vez nesse mês a Ladainha de Todos os Santos, suplicando à toda Igreja triunfante que interceda junto à Deus em favor da Igreja militante, que passa por esse momento delicadíssimo.

  2. Que falta este Papa nos fará! Coitados dos que ainda insistem em ir contra ele – seja progressista ou tradicionalista.
    Muda o seu coração enquanto ainda há tempo povo – de Deus?

    Habemus a truly Papam!

  3. Com todo respeito pela decisão do Santo Padre e respeitando essa mesma decisão mas ele estava realizando maravilhas na Igreja…
    Só em o Genésio bofento e o arqui herege Kung elogiarem a renúcia dele nos dá um frio na espinha…
    Mas a vitória, sem dúvida, será de Nosso Senhor, afinal, ele que fundou a Igreja e jamais a abandonará…
    Senhora de Fátima, rogai por nós!

  4. Irmãos, como o próprio Santo Padre afirmou quando eleito: “Consola-me saber que o Senhor sabe trabalhar e agir também com instrumentos insuficientes.” Tenhamos confiança em Deus, em Nossa Senhora.
    “Por fim, Meu Imaculado Coração triunfará.”

  5. Talvez a fraternidade tenha perdido a melhor oportunidade para fazer novamente parte da Igreja. Como na homilia acima, parece ainda haver tempo, o tempo é agora. Afinal, Bento XVI é Papa até dia 28/02 as 20h00min. Imaginemos se um Cardeal Schönborn sai Papa… Rezamos pela Igreja!!!

  6. As palavras do Santo Padre tem endereço. Quem tiver ouvidos pra ouvir, que ouça.

  7. S. Agostinho já escreveu que o que as Escrituras diziam sobre os hebreus [e seus patriarcas e profetas] era uma prefiguração pelo que a Cabeça e o Corpo de Cristo passariam.

    No nascimento de Jacó, primeiro passam os braços [hebreus], depois a cabeça [Cristo] e então o corpo [a Igreja].

    Leiam “A Instrução dos Catecúmenos”, de S. Agostinho, Ed. Vozes, antes que eu seja tido por ignorante ou supersticioso pela banca dos “doutos”.

    Agora é a fase da Paixão do Corpo Místico de Cristo, iniciada no Vat II: a Igreja há de ser torturada, acusada por falsos testemunhos e vilipendiada [liberais e marxistas], carregar sua cruz, “morrer” (calar-se – “o silêncio dos céus”), ser sepultada (praticamente desaparecer dos corações e das vistas das pessoas) para depois ressurgir gloriosa. Não adianta esperar triunfos agora. Isso também passará.

    Amigos, tempos melhores virão. Por enquanto, arrependimento e conversão.

  8. Confraria São João Batista,

    Deus o abençõe pelo seu comentário e obrigado por postá-lo aqui. Muito bom!!

  9. Às quartas-feiras e domingos ligava sempre na Canção Nova para ouvir as meditações deste grande homem de Deus, verdadeira voz clamando no deserto dos dias atuais. Vou guardar este post para voltar a ele muitas vezes, enquanto viver. A meditação sobre o versículo “Rasgai vossos corações e não vossas vestes” foi uma lança que atravessou meu lado “direito”; a lembrança sobre as divisões no corpo da Igreja como desfiguração de sua face, um chamado ao arrependimento, à volta ao Senhor, receptiva à sua graça, que nos afasta da hipocrisia religiosa. Ah, quanta matéria para meditar numa vida inteira!

    Confraria São João Batista,
    Como o Heitor Souza, compartilho de suas reflexões abençoadas. Mas não se esqueça do que soprou a voz do Pastor: “Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação.” Para o cristão, a luz brilhou no meio das trevas. Isso é uma lição para mim mesma, que desculpo minha “ausência e inércia” pelas condições desfavoráveis.

    Enfim, Deus lhe pague, Papa Bento XVI!

  10. Apesar de tudo, uma coisa me enche de alegria e esperança nesses dias aflitivos: em meio a tantas declarações ignominiosas, vindas de todos os lados, eis que surgem palavras verdadeiramente abençoadas de católicos de todas as partes do mundo. Não, nem tudo está perdido.As sementes plantadas pelo Pastor, rasgaram corações. Que Deus os proteja!