Francisco, Papa. Reações (III) – Comunicado da Casa Geral da FSSPX.

Fonte: DICI | Tradução: Fratres in Unum.com – Diante do anúncio da eleição do Papa Francisco, a Fraternidade São Pio X roga a Deus que conceda abundantemente ao novo Soberano Pontífice as graças necessárias ao exercício de seu pesado cargo.

Sustentado pela Divina Providência, possa o novo Papa “confirmar a seus irmãos na fé” [1], com a autoridade com que São Pio X proclamava no começo de seu pontificado: “Nós nada queremos ser e, com a graça de Deus, nada seremos diante da humanidade, mas apenas ministros de Deus, de cuja autoridade somos instrumentos. Os interesses de Deus são os Nossos interesses; a eles decidimos consagrar as Nossas forças e Nossa própria vida” [2]

São Francisco de Assis, cujo nome leva o novo Pontífice, escutou o divino Crucificado dizer-lhe: “Vai, Francisco, e reconstrói a minha Igreja”. É com este espírito que os bispos, sacerdotes, irmãos e religiosas da Fraternidade São Pio X asseguram ao Santo Padre o seu desejo filial de “restaurar tudo em Cristo, para que Cristo seja tudo e em todos” [3], segundo os seus meios, por amor à Santa Igreja Católica Romana.

[1] Luc. 22,32
[2] São Pío X, Encíclica E supremi apostolatus (4 de octubre de 1903)
[3] Efes. 1,10 e Col. 3,11

Tags: ,

11 Comentários to “Francisco, Papa. Reações (III) – Comunicado da Casa Geral da FSSPX.”

  1. Totalmente politicamente correto.
    Pergunto-me o que diria Dom Lefebvre…

  2. Lindo comunicado.. longe de parecer com os ataques de alguns tradicionalistas que em menos de 1 dia já estão julgando o Santo Padre o “prevendo” o futuro da Igreja. Dai-nos paciência!

  3. Queriam o que? Que a FSSPX rasgasse as vestes? Muito bom FSSPX, obrigado por serem melhores que eu!

  4. Os mesmos que gostariam de ver Dom Fellay rasgando as vestes e se perguntam sobre o que teria dito Mons. Lefebvre, não sabem ou omitem vergonhasamente que ele era totalmente dócil ao Papa.

  5. Queria que a Fraternidade falasse o quê? Só há um dia que ele é papa, temos mesmo que rezar e confiar a Deus o seu pontificado.

  6. Os líderes da FSSPX são homens de profunda temperança, muito distante de parte do laicato histérico que a segue. Certamente dom Lebfreve, homem de fé irretocável, não faria diferente. Até porque, o amor a ortodoxia da Igreja pressupõe reverência ao Papado e, por conseguinte, ao Papa. Fazer pouco de Francisco seria igualar-se aos colegialistas mais renhidos.

  7. Os líderes da FSSPX são homens de profunda temperança, muito distante de parte do laicato histérico que a segue. Certamente dom Lebfreve, homem de fé irretocável, não faria diferente. Até porque, o amor a ortodoxia da Igreja pressupõe reverência ao Papado e, por conseguinte, ao Papa. Fazer pouco de Francisco seria igualar-se aos colegialistas mais renhidos.(2)

    Parabéns Fernando. Não entendo porque os tradicionalistas teimam em não pensar assim.

  8. “Até porque, o amor a ortodoxia da Igreja pressupões reverência ao Papado e, por conseguinte, ao Papa.”
    Perfeito, Fernando! Não há como ser de outra forma.
    Gostei do “homens de profunda temperança.” Deveriam ser imitados pelo “laicato histérico”. Por pior que uma pessoa possa se sentir, por mais razão que possa ter, não dá para sair por aí feito gralha ensandecida, espalhando palavras ao vento, indiferente aos prejuízos que possa causar. Mas, ao que parece, a temperança saiu de moda.

  9. Grande exemplo de acolhida ao Santo Padre. Sem previsões sombrias, sem maus augúrios! Uma palavra sincera que há de dar seus frutos!

  10. “não sabem ou omitem vergonhasamente [sic] que ele era totalmente dócil ao Papa.”

    Tão dócil ao ponto de ser excomungado pelo mesmo. Pelo visto, muitos sofrem de “amnésia seletiva” e esquecem os três últimos anos de vida do Arcebispo, bem como seus escritos deste período…

  11. Está muito cedo, para agente fazer qualquer comentário contra. Vamos deixar a “poeira abaixar”. Para que tenhamos uma noção mais claras dos acontecimentos. Vamos dobrar as nossas orações pelo Sumo Pontífice. Para que ele governe a Santa Igreja, com pulso e coragem. Para não levar a Mesma, ao declínio da fé.
    Também, não vamos sermos tão ingênuos, pensando que ele vai trabalhar para a restauração da Tradição com grande afinco e coragem. Vamos pensar que é Nosso Senhor que governa a Santa Igreja. Ele recebeu de Deus as graças necessárias, para o seu estado. Cabe ao mesmo, cumprir com exatidão, esta missão árdua e gloriosa ao mesmo tempo.
    Vamos fazer a nossa parte. Rezando, fazendo penitência, para que sejamos sempres fiéis aquilo que sempre a Santa Igreja nos ensinou. A Tradição da Igreja. É o éco fiel da voz de Deus. Não precisamos ficar apavorados, pensando: Qual será a nossa posição para o futuro? A mesma de sempre! Não temos nada a temer. O que a Santa Igreja ensinou ontem, vai continuar ensinando hoje, e no futuro…
    Joelson Ribeiro Ramos.