O santo remédio da CNBB para conter a perda de fiéis.

CNBB quer recuperar as Comunidades Eclesiais de Base

Folha de São Paulo – Preocupada com a renovação das paróquias, a assembleia dos bispos, que terminou na última sexta, incluiu as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) entre as iniciativas para recuperar a presença da Igreja Católica nas áreas mais pobres, onde perde fiéis para evangélicos.

“É um jeito de fazer com que os leigos lá na base comecem novamente a se articular”, disse d. Severino Clasen, presidente para comissão para o laicato da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ao defender uma CEB menos ideológica.

Surgidas após o Concílio Vaticano 2º (1962-65), as CEBs foram impulsionadas pelo Documento de Medellín (1968) e pela Teologia da Libertação. Ligadas ao PT e movimentos sociais, seu auge foi nos anos 1980, em regiões pobres, com uma crítica que unia princípios cristãos a uma ótica de esquerda.

Em meio à oposição dos papas João Paulo 2º e Bento 16, que nomearam bispos contrários à aproximação com a esquerda, perderam força.

Para o padre Benedito Ferraro, assessor da Ampliada Nacional das CEBs, a volta da discussão é um reconhecimento de parte dos bispos de que a retração abriu espaço para as evangélicas, como a Assembleia de Deus.

Hoje, diz, as CEBs são minoria entre os grupos eclesiais na periferia. Ferraro diz que não há números precisos sobre as CEBs, mas que elas estão presentes em todo o país.

O início da retomada das CEBs foi em 2007, na Conferência do Episcopado Latino-Americano, onde foi aprovado um documento cujo relator foi o bispo argentino Jorge Mario Bergoglio, futuro papa Francisco, com trechos bastante favoráveis às CEBs.

Os elogios, porém, foram diluídos quando o Documento de Aparecida passou por uma revisão da Cúria Romana do papa Bento 16.

“O modo como aconteceu repercutiu negativamente”, disse o bispo italiano de Adriano Vasino. “Isso é um dos problemas que a Igreja está tentando resolver, ter maior transparência em tudo.”

Vasino diz que o tema continua a dividir a CNBB entre “bispos que acreditam claramente nesse modelo” e “outros que, por experiências negativas, resquícios, consideram as comunidades ligadas só ao social ou a ideias descritas como comunistas”.

Defensores das CEBs esperam mais apoio do papa Francisco. Tanto por ter participado do Documento de Aparecida quanto pela defesa de uma “igreja para os pobres” –embora sem viés esquerdista.

A retomada, porém, não deverá ter a mesma força de antes, avalia o ex-arcebispo do ABC, cardeal d. Cláudio Hummes. “[As CEBs] talvez representem uma época, da ditadura militar, e foi aí que o povo conseguiu ter voz”, disse. “Em 30 anos, se faz um longo caminho. Então eu não posso simplesmente repetir o discurso de 1980 nem a prática de 1980 ao pé da letra.”

 

Tags:

33 Comentários to “O santo remédio da CNBB para conter a perda de fiéis.”

  1. Olha, eu fui evangélico por 12 anos e conheço bem esse negócio. A CNBB não conhece. A CNBB acha que pobre precisa de serviço social, que precisa de militância política, que pobre está sedento pela iluminação que a mentalidade de luta de classes vai trazer à sua mente. São todos burros, cegos.

    Sabe porque os evangélicos avançam de forma esmagadora na periferia? PORQUE PREGAM A SALVAÇÃO DAS ALMAS. PORQUE FALAM DESTEMIDAMENTE DO INFERNO. Pobre não quer saber dessas “ONGs assistencialistas” que a CNBB quer levar a eles não, pobre quer é salvação, meu amigos, pobre quer é integridade de vida, pobre quer é direção ESPIRITUAL. Com suas dificuldades financeiras qualquer pobre sabe lidar, agora com um mundo se Cristo não, com um mundo sem o Espírito Santo consolador, não.

    Essas CEBs não passam de ONGs assistencialistas, não tem conteúdo Cristão, aliás o conteúdo é precisamente outro, e estes homens não acordam, meu Deus. Senhor, tem misericórdia do teu povo.

  2. “São cegos guiando cegos”

    Esses senhores saem de suas dioceses para falar e escrever besteiras durante uma semana.

    Por que eles não vão aos mais pobres deem testemunho do Cristo – é claro – primeiro vem as ideias de esquerda, depois atos de esquerda.E nós ficamos a mercê de lobos, mas quando escutam padres que rezam, falam e pregam o que a santa tradição manda, eles dão logo jeitinho de extirpar de sua diocese.

    Essas igrejolas protestantes só pensam no dinheiro do fiel e manda ao fiel fazer tudo o que lhe convém para que esse ignóbeis achem que irão para o céu.

    Por último porque os senhores bispos não escrevem um documento dizendo que católicos que deixaram as fileiras de Cristo para igrejolas cometeram pecado gravíssimo, porque convém a eles o social o ser “morno”. É só lembrar o que fizeram com o bispo de Olinda e Recife quando excomungou os médicos e a mãe que fizeram a filha abortar, o que a cnbb fez? qual foi sua atitude? apoio total e sem ressalvas?, por isso escrevi no topo são cegos guiando cegos.

    Pax semper!

  3. Cebs = PT = comunismo = ateísmo.

    Por isso que nos documentos de Aparecida que eles aprovaram “super felizes” e por isso a Doutrina da fé fez suas correções para ficar menos petista e comunista.

    Porque esses senhores não mostram os devaneios que escreveram antes e mostrem para o povo de Deus o que foi retirado pelo Vaticano para sermos “discípulos e missionários” como falavam a bem pouco tempo atrás.

    Pax semper

  4. Quando leio uma matéria dessas eu fico realmente pensando se não sou eu o errado, a impressão que tenho é que o nosso PAPA Emérito Bento XVI é um emissário vindo de satanás que destruiu a Igreja de Deus e agora eles vão reconstruí-la com ajuda das CEB’s, e movimentos de esquerda e direita, ou seria a direita na verdade a esquerda? Sempre me pergunto isso…e na verdade não enxergam que o nosso PAPA Emérito Bento XVI apenas colocou “as cartas na mesa” para que se começasse a limpeza na Igreja daquilo que estava imundo, de uma sujeira que na verdade vinha de um tempo remoto, por baixo dos panos, em seminários durante o Reinado do PAPA PIO XII e da desobediência a Virgem de Fátima.
    Não vejo exemplos de sacerdotes como São João Maria Vianney que não precisou de CEB nenhuma para converter todo o povo de Arns e sim precisou do terço, da oração diante do Santíssimo Sacramento e do Jejum, em vez de ficar se preocupando em fazer bailes em Igrejas, em ser Padre pedreiro, em se envolver com movimentos de esquerda ou direita e cantando Legião Urbana em encontro de jovens e muitos outros tipo de aberração, o Santo Vianney preferiu andar por Arns e chamar as famílias à Santa Missa, a rezar com elas o Santo Terço e a passar horas no confessionário atendendo seu povo durante horas (agora temos horário agendado para confissões), que exemplo de Santidade, se consumiu como uma vela….o que esses Bispos querem na verdade é colocar a obrigação deles nas mãos do pior tipo de “fiéis” (se assim os podemos chamar) para que eles possam desfrutar de uma vida mansa sem tribulações, longe da Cruz, longe de suas reais obrigações .

  5. Não concordo, acho que a igreja deveria dar força para os MOVIMENTOS ECLESIAIS, estes sim tem sido a causa de grande força na igreja, CEB’s são antiquadas e tem trago autoritarismos dentro da igreja. Sou extremamente contra!!!

  6. Nos últimos tempos a maioria das notícias da Igreja têm sido muito tristes!!! É preciso fazer penitência, penitência, penitência!!! Em breve infelizmente veremos coisas mais tristes ainda! Não sou profeta da desgraça; constatamos a triste realidade. Creio que vamos conhecer melhor o papa Francisco agora, depois destas últimas, e sobretudo com a JMJ no Rio. Nada deverá ficar oculto! Como bom jesuíta, o que tiver de fazer, fá-lo-á; o que tiver de dizer, di-lo-á.

  7. Aqui em minha Diocese de Crato – CE, em pleno centenário, se fará o 13º Intereclesial de CEB´s. Vamos tentar nos organizar pra registrar este momento “histórico” que acontecerá em janeiro do ano que vem, mandaremos ao Frates para divulgação e para aquela recomendação clássica com a “listinha” das autoridades responsáveis. No mais temos tentado denunciar entre os conhecidos esta barbaridade e o que ela aprontará em nossa Diocese, e isto em pleno centenário.

    Outrossim, gostaria de dar um testemunho, aqui em nossa região há uma grande devoção ao que eu chamo Profeta Tridentino do Nordeste, o grande Frei Damião de Bozzano, posso garantir que se os hereges protestantes não cresceram mais aqui na nossa região se deve as palavras e ao exemplo deste grande capuchinho que percorreu incansavelmente todo o Nordeste pregando Missões, confessando da manhã até a noite!

    Fica a dica aos senhores bispos, abandonem esta idéia seca e deserta, para não dizer diabólica, das CEB´s boffianas e preparem sacerdotes como Frei Damião de Bozzano, que falava claramente a verdade, que chamava a atenção para cuidarmos antes da alma que do corpo, que mandava que os fiéis tomassem cuidado pra não ir para o Inferno e esperem alguns poucos anos e constataram que não só cessará a sangria de fiéis, como acontecerá um retorno das ovelhas perdidas!

    Mais Frei Damião, caros bispos, menos Boff, e verão um milagre na vida da Igreja, façam a tentativa, ou ao menos deixe em paz que quer fazer!

    Viva Cristo Rei! Viva o Imaculado Coração da Virgem Santíssima!

  8. O problema não é a constituição de comunidades ditas “de base”, mas o fato de não haver pastores que as vigiem para que não se convertam em antros de comunistas. Uma comunidade de base que fosse bem estruturada, conforme a doutrina da Igreja, em total fidelidade ao Magistério, que prezasse a celebração da Santa Missa e a vivesse de forma correta e liturgicamente bela, sem as conhecidas extravagâncias muito em voga por nossas terras, seria um elemento bastante favorável ao crescimento da presença da Igreja em nossas cidades.
    Nada de reivindicações políticas, nada de instrumentalizações do documento de Aparecida. A versão oficial do documento é a que foi emanada pela Santa Sé. Nada de lamentos do tipo: ah, foi alterado… Não interessa, isso é conversa para jornalista caça-polêmica, não para católico. O texto é o que é. E lá, quando se fala de comunidades de base, pensa-se exatamente isso: células vivas da Igreja de Cristo, não sindicatos nem núcleos de filosofia marxista.
    Certamente, pode haver gente (inclusive bispos, aqueles maus pastores de que fala o Senhor, que dispersam as ovelhas e são mais mercenários que pastores) ansiando por uma retomada na “luta” partidária, sabiamente desarticulada pelos nossos dois últimos Papas, mas como reconhece o próprio Cardeal Hummes, um dos aliados do PT na primeira hora, quando Bispo de Santo André (e não “arcebispo do ABC”, como impropriamente se refere a ele a Folha de SP), não há mais lugar em nosso mundo para tais coisas. É claro que tal reconhecimento, e mais vindo de quem vem, por si só não basta. Assim como o demônio prefere que não o reconheçamos, esses envelhecidos paladinos da TL querem porque querem que os tenhamos por mortos, por coisa acabada e, assim, eles podem continuar, na surdina, o seu trabalho demolidor.
    Poderia ser hora de os bons bispos levarem adiante um trabalho sério com essas comunidades, para mostrar aos demais como se faz.
    E outra coisa: comunidade de base se faz não para se eternizar como comunidade de base. Isso me parece uma aberração. Atingindo a maturidade na fé, o ideal é que se criem como paróquias no futuro. Pois, afinal, o que queremos? Uma Igreja que cresce e amadurece “na plena estatura de Cristo” ou uma Igreja eterna adolescente?

  9. Com CEBs ou sem, a Igreja perderia fiéis do mesmo jeito, pois as pessoas procuram a Mãe Igreja, alimento e proteção para o espírito, não ONG de assistência social.

  10. Pois é, quando a igreja começou com esse discurso de pobre, os “probres” que queriam o requinte e o luxo foram para as igrejas protestantes.

    É interessante o evangélico “pobre” colocando seu terninho e gravata e as mulheres suas saias longas sem contar que tem seitas como a Congregação Cristã do Brasil onde as mulheres ainda utilizam até o véu, em oposição aos católicos que como eu usavam as roupas mais chinfrim como se isso fosse sinônimo de humildade.

    Outro ponto é que enquanto os católicos ficam no violão – quando não é missa de jovens e aí se tem até guitarra, baixo e bateria, em oposição aos evangélicos que utilizam instrumentos musicais nobres como trompete, flauta, clarinete.

    Portanto só o clero brasileiro quer comunismo pois os fiéis querem civilização cristã.

  11. Esse D. Cláudio Hummes é um analfabeto funcional. Burro não é, pelo cargo que ocupa. Tem má intenção mesmo. O regime militar, especialmente o golpe militar, foi apoiado amplamente pela população brasileira de então, incluindo o clero católico, que foi quem mobilizou o povo contra a ditadura castrista que se queria aqui implementar. O único grande erro dos miliares foi não ter feito o combate cultural contra o marxismo de Antônio Gramsci que já estava sendo aqui difundido. Os miliares ficaram apenas combatendo guerrilheiros armados, enquanto os comunistas iam se infiltrando nas revistas, jornais e, especialmente, nos centros de educação (escola e faculdade). Enfim, os miliares não fizeram o combate contra o “marxismo cultural”, câncer muito mais perigoso que guerrilha armada…

    Tanto que as famosas “marchas da família com Deus pela liberdade” em apoio às forças armadas reuniram centenas de milhares de pessoas pelas ruas, sendo a maior manifestação popular que se teve notícia até bem pouco tempo atrás, sendo superada somente pela “marcha para Jesus” que os evangélicos promoveram.

    Por tudo isso digo, sem erro: D. Hummes tem má intenção e é um analfabeto funcional ao dizer isso. Não pode ser que ele desconheça essa realidade, o cargo que ele ocupa não comporta esse grau de desinformação. Não há desculpa para esse tipo de ignorância.

  12. Escrevi correndo…. então leia-se “militares”.

  13. Toda vez que leio algo sobre ideia de bispo em Assembléia Geral, dá vontade de chorar. É sempre ideia de esquerda, petista ou, para dizer o que eu quero mesmo dizer: é sempre ideia de gerico.

  14. Eu não seria contra as CEB’s se elas fossem católicas e não marxistas. O meu único medo é que realmente haja uma decentralização de poder magisterial e primacial de Roma.
    Os nossos bispos propõem algo defasado. Deviam reformar as CEB’s, lanças novas bases, bases estas que fossem o Evangelho, o Magistério e a Eucaristia. O Evangelho auxilia na pobreza, melhora a condição de vida e respeita a vida humana. O Magistério congrega e exerce uma infalibilidade sobre a fé ou seja, ele exerceria um caminho firme a se seguir no que diz a doutrina Católica. E a Eucaristia, levar Jesus Cristo por meio da Missa aos pobres e pequenos, aos marginalizados.
    Se as CEB’s levassem o nome de Jesus Cristo na periferia e na margem da sociedade de fato este seria um instrumento valoroso para a evangelização.
    Mas o que fazem esses conjuntos?
    Eu tive a oportunidade de ir a um encontro desses em uma paróquia de minha diocese (Araçatuba) na cidade de Birigui,
    Eu fiquei escandalizado, primeiro que o padre chegou como um seguidor de religiões afro, gritou axé e subiu ao altar. á falou algumas palavras vazias e cheias de política. Disse que era a favor do PT, e depois convidou a todos a uma ceia de pão e guaraná. Sim, pão e guaraná e creiam essa ceia profana foi feita em cima do altar do sacrifício.
    Isso é levar Jesus Cristo no meio dos pobres?
    Entre ir a igreja participar de uma roda de discussão política e uma ceia de pão e guaraná eu prefiro ficar dentro da minha casa discutindo no facebook e comendo pão e tomando guaraná.
    No dia em que os nossos bispos e sacerdotes forem católicos de verdade o protestantismo começará a recuar.
    In corde Iesu, semper.

  15. E, como sempre, a foto é ótima! Rir pra não desesperar.

  16. O modelo de CEB’s fez com que eu passasse toda adolescência afastado da Igreja por imagina-la “politica demais e espiritualizada de menos” … isso na decada de 80 (que não tinhamos acesso a informação a não ser a que recebiamos nas “comunidades”) . Posteriormente, ja nos anos 90, vim a conhecer um pouco do que era Catolicismo – por meio de grupos ditos tradicionalistas – e a paixao foi imediata , pela primeria vez experimentava o que era ser religioso e estar ao lado do Cristo … se ha evangelicos demais no brasil hoje é porque esse modelinho comunista adotado pela igreja na america latina não responde aos anseios da alma humana … Deus não esta lá. Agora querem dar mais veneno para combater a doença … vão é matar o enfermo.

  17. Em vez de ensinar o Catecismo Romano para o povo não se desviar da Igreja, preferem aplicar novamente as “benditas” CEB’s.

    Cristo Rei do Universo!!

  18. Não sei o grande por que de não recorrerem a um velho remédio, já bem conhecido e que funcionou durante milhares de anos.
    A bela ortodoxia católica!

    Comentarios precisos e pontuais do Lucas e do Diogo. Retrataram muito bem a situação.

  19. Boff mais uma vez exultante com tudo isso!

  20. Se há algo que deva urgentemente ser recuperado , com a mais absoluta segurança, não resta a menor dúvida, que, de modo algum seja as CEB’s, mas sim a Confraria do Santíssimo Sacramento, a Pia União de Missas, o Apostolado da Oração, a Cruzada Eucarística Infantil, a Congregação Mariana, as Filhas de Maria, a Irmandade do Rosário … , … , … Enfim , tudo o que traga a verdeira unção às almas e não aquilo que dela as afaste .

  21. Alguém sabe identificar qual foi o ano da reunião da CNBB retratada na foto? Poderiam fazer a gentileza de identificar os senhores bispos e suas respectivas dioceses? Creio que ficaram muito bem na foto…
    Como? Não se trata de uma reunião da CNBB e não são bispos? Troquem seus óculos. Se vocês compararem com outras fotos de outras reuniões da CNBB, verão que eu não estou enganado. É a mesma turma, pregando o mesmo “evangelho paz e amor, valeu, brother”. Queimar incenso é coisa do passado, o negócio é fazer um aggiornamento e queimar uma erva…
    Acho que o pessoal da foto está preparando o fim das paróquias e a retomada do crescimento das CEBs (Comunidades da Erva e do Baseado). Que oração, jejum, virtudes! isso é tudo lance de uma sociedade hierarquicamente falida, que já não fala mais aos jovens, sacou? Há outras formas de se conectar com o divino. “Creino no Santo Daime, no chá de cogumelo, no LSD e no crack”. Todos respondem: “Morei!”

  22. Diante de tudo isso só me resta reconhecer que quem está orquestrando tudo isso é muito inteligente. Por mais que seja detestável, não dá pra negar. Pensem só, diante de dois exércitos em combate (mesmo que velado), existirá estratégia mais inteligente que ocupar as mais altas patentes do exército inimigo e daí começar a dar toda espécie de ordens erradas? Inegável a inteligência dos infiltrados. Inegável também a burrice dos que não são infiltrados e não conseguem ver isso. Será que colocaram alguma coisa na bebida deles?

  23. Na boa, me amarrei nos paramentos da foto! O cara com a casula amarelinha (terceiro à esquerda) e aquela parada na cabeça (mitra) tá super bem paramentado. Cara, não tem como a juventude não se converter. O catolicismo vai bombar agora. Não, pensando bem, estão muito tradicionais ainda. Não há nenhuma mulher presbítera ou bispa. Maldita falocracia! Janis Joplin, ilumine essas almas obscuras. Morei.

  24. Aiai cada conversa fiada da cnbb, viu! E depois haja trabalho para a moderação do Fratres, como a gente vai dormi com um barulho desse? Viva as perigosas corujas! kkkk

  25. Essa foto é a dos antigos hippies, hoje, “vovôs maconheiros”. A juventude é conservadora e por isso a Igreja conciliar, um fracasso.

  26. Ou seja a CNBB quem destruir a Igreja de vez pois foram as Cebs uma das grandes responsáveis pela perda de fiéis

  27. O nome já diz CEBs : comunidades eclesias de “base” ou seja está implícito que elas representam um projeto de criar uma igreja sem hierarquia , uma espécie de soviet “católico”.

  28. Deus, queria não ter lido isso (não me refiro ao autor do blog): “isso” é a solução da CNBB? As CEB? Aquelas que cismaram Boff, e criaram Frei Betto? Bom Jesus, Misericórdia!!!

  29. Anteriormente, as CEBs praticamente grande parte, nada possuíam de “eclesiais” deveriam ser CCBs, C de comunistas – com apoio de idem sacerdotes para se prepararem para derrubar a ditadura militar e implantarem uma distadura comunista, bem dentro dos moldes do esquema soviético, do qual Cuba era o satélite.
    Lembram-se do famoso D Hélder, Pe Comblin e outros?
    Foram duramente combatidas por setores fieis à Igreja, desfizeram-se em grande parte e ainda hoje existem resquicios, apenas cadáveres do que existiu de pujante comunista movimento sob a capa de católico, estando em plena comunhão com a marxista Teologia da Libertação.
    Se a inovação da CNBB de fato “eclesiais”, tudo bem, se não, seria outro jeitinho sob outra capa para disfarçarem antigas pretensões de ser mais ponto de apoio de subversão comunista.
    Uma é certa: há alguns “progressistas” meio falantes em nosso meio; tomara que o Papa Francisco na JMJ lhes aplique uma ducha bem gelada e os congele para sempre à Bento XVI!

  30. gostei muito do cometário do Anderson Fortaleza. De facto não é assistência social que as pessoas ão buscar a uma Igreja. Para isso há outras organizações ou em países com segurança social apoio do Estado. As pessoas buscam nas Igrejas exactamente o que o Anderson afirma: discurso sólido e sem ambiguidades; Lembrar as realidades espirituais que não existem em mais lado nenhum. As pessoas têm sede de encantamento meu amigos para materialismos estas são confrontadas todos os dias em casa, no trabalho etc. Por isso tentativas destas de atrair fiéis através do pão e circo são condenadas ao fracasso.

  31. Na Diocese de Campos Dom Antônio de Castro Mayer resolveu bem o problema da invasão protestante e do comunismo no final da década de sessenta e início de setenta. Formou bons catequistas e instituiu em cada capela ou centro catequético do interior a instrução doutrinária e a oração do terço semanalmente, e, principalmente a devoção dos 1.º sábado e 1.ª sexta-feira do mês. Teve igreja protestante que fechou por falta de fiéis… mais tarde foi adquirida e virou capela católica.

    Como bem disse o Anderson Fortaleza, o católico não busca somente o social na Igreja, quer o espiritual.