Caso padre Beto: Declaração do Juiz Instrutor.

Tendo em vista as notícias divulgadas sobre a excomunhão do Reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel, como Juiz Instrutor esclareço que:

1. Foi no exercício de meu ofício que, como Juiz Instrutor, “declarei” a excomunhão no qual o padre incorreu por sua livre opção;

2. A excomunhão ocorreu Latae Sententiae, ou seja, de modo automático em virtude da sua contumácia (obstinação) num comportamento que viola gravemente as obrigações do sacerdócio que ele livremente abraçou;

3. Os meios de comunicação têm uma grande missão em informar a sociedade segundo a verdade. Não corresponde a verdade a notícia veiculada em alguns meios de comunicação de que o reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel foi excomungado por defender os homossexuais. Isto não é matéria de excomunhão na Igreja;

4. A excomunhão foi declarada porque ele se negou categoricamente a cumprir o que prometera em sua ordenação sacerdotal: fidelidade ao Magistério da Igreja e obediência aos seus legítimos pastores.

Bauru, 30 de abril de 2013.

Juiz Instrutor

Fonte: Diocese de Bauru

Tags:

27 Comentários to “Caso padre Beto: Declaração do Juiz Instrutor.”

  1. E ainda que fosse excomungado por defender homossexuais, nem precisaria se justificar. A imprensa ta fazendo o papel dela; servino ao seu mestre, o Príncipe deste mundo.
    A Cidade de Deus não tem comunhão com a Cidade dos Homens.

  2. Viram? Ele já estava excomungado. O que o juiz instrutor fez foi apenas comunicá-lo na Diocese da excomunhão latae sententiae.

  3. Maravilhoso!! Infelizmente o q aconteceu foi exatamente o q descreve esse comunicado! Oremos pela conversão de padre Beto!

  4. Aqui no Rio, um jornal colocou esta notícia ( o padre foi excomungado por defender homossexuais) na primeira página, em letras tão grandes, que até um cego conseguiria ver/ler!

  5. “Não corresponde a verdade a notícia veiculada em alguns meios de comunicação de que o reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel foi excomungado por defender os homossexuais. Isto não é matéria de excomunhão na Igreja”

    Isso é piada!

  6. Defender o homossexualismo não seria matéria de excomunhão? Talvez até canonicamente assim o seja. Mas vamos dizer com todas as letras: CATÓLICO NÃO PODE DEFENDER O HOMOSSEXUALISMO, QUE É UMA PRÁTICA ABOMINÁVEL E CORRUPTA E QUE ESTÁ NA BASE DAS INÚMERAS DESGRAÇAS DE NOSSA SOCIEDADE. CATÓLICO TEM A OBRIGAÇÃO DE COMBATER O HOMOSSEXUALISMO DE TODAS AS FORMAS LEGÍTIMAS.

  7. Já começou o nojento lobbie gay a se vitimizar.

  8. Excelente :)

  9. Agora vão acusar o Reverendíssimo Bispo que a excomunhão foi devido ao homosexualismo….só a mídia brasileira mesmo…

  10. Li, gostei e estou recomendando a divulgação desta oportuna e tempestiva declaração do juiz instrutor sobre o caso da excomunhão do Pe. Roberto Francisco Daniel. Lamentavelmente, como já era previsto, a imprensa MARROM irá distorcer os verdadeiros motivos da excomunhão, mas como nos garantiu o próprio Deus, “A VERDADE VOS LIBERTARÁ”. O corajoso bispo de Bauru não agiu como Pilatos (que pecou por OMISSÃO), mas agiu como um Bom Pastor que protege suas ovelhas dos ataques do lobos, inclusive os disfarçados em “peles de cordeiro”. Pior. Penso que o padre Beto esteja pecando contra o Espírito Santo que, segundo Santo Tomás de Aquino, trata-se de ir contra contra a bondade de Deus, visto que das três pessoas divinas é o Espírito Santo a quem costumamos chamar de Amor. Enquanto Deus Pai é o todo-poderoso (pecado por fraqueza) e o Filho é a Palavra-Sabedoria (pecado por ignorância). Sendo assim, o pecado contra o Espírito Santo seria como uma doença incurável, já que fecha as portas da alma para o próprio remédio que poderia lhe dar a salvação: a misericórdia de Deus. Foi assim com Lúcifer (“não servirei”), foi assim com Judas Iscariotes, dentre outros. Em razão disso, todo pecado contra o Espírito Santo não tem perdão!

  11. Satanás também tem seus mártires e vive sacudindo esses espantalhos feito bandeiras pra dar mais legitimidade à sua causa.

  12. “Um dos mistérios mais impenetráveis na direção divina da Igreja é a ampla medida que concede à liberdade e à limitação humanas”. (Josef Holzner) Mas os erros humanos encontram seus limites, e então quando o coração se abre à verdade do Ilimitado, reconhece Deus – protagonista da História – atuante como Aquele que É a verdade da vida. Na “difícil esgrima das idéias”,(Daniel Rops) a Igreja foi clareando cada vez mais o entendimento sobre a verdade de Jesus na história.

    A sã doutrina católica não é invenção da Igreja, mas confirmação de uma verdade de fé solidíssima em toda a história da salvação. Daniel Rops conta-nos que quando Santo Agostinho “aborda os maiores problemas – a justiça, a moral, a liberdade, por exemplo – se nos dá a impressão de nunca os considerar em termos abstratos, mas sempre em relação com o homem verdadeiro, de carne e de sangue, de esperança e de sofrimento, é porque tais problemas ele liga-os todos, espontaneamente, às suas experiências pessoais, visto que, duma ou doutra forma, os viveu a todos”. Por isso venceu Ário, e da mesma forma a Igreja venceu todas as heresias. E ainda hoje, em meio a tempestade da pós-modernidade, a Igreja sabe prosseguir tendo o que dizer, pois no dizer de Ratzinger, “a fé cristã tem muito mais futuro do que as ideologias que a convidam a abolir a si mesma”. Como uma pérola de grande valor, coube aos santos a tarefa de irradiá-la com mais luminosidade, a partir do testemunho de vida.

    São Irineu de Lyon reconheceu o cristianismo vinculado à história de Israel, “uma história santa”,(246) e a Igreja como quem irá transmitir “a verdade da tradição”.Com S. Irineu, foi possível “situar as etapas da Revelação, fundamentar teologicamente a natureza da Igreja”.Na sua obra Adversus haereses (c. 180 d.C.), refere-se à pérola da verdade, dizendo que “uma pedra preciosa, a esmeralda, que tem grande valor aos olhos de muitos, perde o seu valor diante (de artística falsificação de vidro até não se achar alguém conhecedor que a examine e desmascare a fraude.” Assim a Igreja tem cumprido a sua missão, de anunciar o Evangelho, a cada época histórica, purificando os equívocos interpretativos e mantendo a coerência de uma doutrina provada pelos séculos.

    Combater os erros faz parte da sua missão, no zelo de salvaguardar o que é são e verdadeiro, que o próprio Jesus entregou aos primeiros apóstolos. Daí o valor do seu Magistério, que alcançou na Escolástica (de modo especial em São Tomás de Aquino) um grau superior de síntese e compreensão do mistério da fé que ela transmite, de geração em geração. A dimensão apostólica da Igreja, a partir de Pedro, porque assim quis Jesus (Mt 16, 18), garantiu proteger a verdade dos desvios e sombras, e de tantos equívocos que desejaram ofuscá-la ao longo da história, até hoje. Georges Suffert afirma ainda que São Irineu entendeu que “os que permanecem fiéis à tradição é que podem abrir o caminho para o futuro”. E foi assim que a Igreja prosseguiu no enfrentamento das forças adversas, tendo mais vigor quando soube ser “guardiã da tradição apostólica”.Os dogmas nunca foram uma camisa-de-força do pensamento, pelo contrário, desafiam até hoje as melhores inteligências, como bem afirmou Bento XVI, pois que “os dogmas são janelas abertas para o infinito”. Isso porque, como destaca a Fides et Ratio, 7: “na base de toda a reflexão feita pela Igreja, está a consciência de ser depositária duma mensagem, que tem a sua origem no próprio Deus”.

  13. Pessoal, a nota não fala que defender o homossexuaLISMO não é matéria de excomunhão. Fala, outrossim, que defender homossexuAIS não é matéria de excomunhão.

    É verdade que para a imprensa trata-se da mesma coisa, mas o significado verdadeiro dessas palavras é bem diferente..

  14. Se ainda havia alguma dúvida da desonestidade da imprensa ao cobrir assuntos ligados à Igreja Católica, agora não há mais. Eu me pergunto quando a CNBB vai passar a se preocupar com isso – inclusive tomando as medidas judiciais cabíveis – em vez de perder tempo discutindo a quantidade de iodo na água, a maioridade penal, a poluição do ar, a extinção do mico-leão dourado, etc. É, irmãos, não tá fácil ser católico hoje em dia. Ainda mais no Brasil.

  15. Defender homossexuais – por alguma injustiça que sofram, como seres humanos, é uma coisa; defender homossexualismo – um pecado, é outra. O Sr. Juiz está corretíssimo [item 3].

    A imprensa é que gosta de distorcer as coisas por ignorância ou má-fé. Evitemos esse erro.

  16. O problema moral reside na hipótese de quem teria sugerido a exploração na ávida imprensa da contenda contra os homossexuais, se teria sido o próprio excomungado. Se foi, sua culpa não só se vê aumentada como estariam mais bem demonstrados seu “amor” e seu “interesse” pela Igreja. Quando eu cogitei de que poderia ser um infiltrado, não o dizia apenas fixando a revolução cultural, cada vez mais evidente, que procura extinguir o catolicismo, mas o retrospecto de tantos outros que buscaram na Igreja apenas um modo pessoal de ganhar a vida em um meio privilegiado para esconder seus vergonhosos desvios. Infelizmente, quantos padres conhecidos nessa situação. Não há mais como alguém esconder. Que fique bem claro que este tipo de apostasia é resultado da propaganda do ecumenismo, pois o ecumenismo destrói não só a Fé como a identidade e acentua o pluralismo como dispersão, a falsa liberdade de opção e o sociologismo que faz da Igreja um clube de palpiteiros, todos orgulhosos, porque no fundo, como diziam todos os santos, a rebeldia, a insubmissão e a revolução não passam de orgulho e Deus foi muito inteligente em fazer da humildade a Sua foice para separar o joio do trigo.

  17. A Imprensa, muito embora sempre ataque a Igreja e em poder das forças secretas, neste caso está trabalhando para o bem da civilização cristã, pois muitos católicos como foi o caso do padre Beto em que os fieis lotaram a sua ultima missa não saberem que homossexualismo é pecado, e assim agem muitos divorciados acham não haver nenhum problema na sua vida pecaminosa.

    Então o homossexualismo que era muito aceito em varias paroquias vai ganhando oposição publica dos fieis que até então eram ignorantes e burros da doutrina católica.

    Creio que o caso do Padre Beto assim como o Chalita no passado e rogamos a Virgem Santissima que o mesmo aconteça com o Padre fabio de Melo, ajudou muito a defesa da causa cristã.

  18. O instituto da excomunhão exprime a essência da igreja, que não pode entrar em negociações
    quando se trata do núcleo da fé. A igreja não é como a sociedade civil (democracia), onde as pessoas podem falar o que bem entendem. Nós estamos vinculados a uma fé. Se alguém professa algo diferente dessa fé, está se autoexcluindo da igreja. Na prática, a igreja não expulsa ninguém. Só declara que alguém se excluiu do corpo dos fiéis porque começou a professar uma fé diferente. Discordo das ideias do pe. “Beto” qto à modernidade, visto que ela não tem mais nada a dizer ao homem pós-moderno. Quais as ideologias que movem o mundo? Marxismo? Socialismo? Liberalismo? Neoliberalismo? Todas perderam credibilidade. Quem tem algo a dizer? As religiões e, sobretudo no Ocidente, a Igreja Católica. Essa é a verdade nua e crua!

  19. Agora que a Diocese de Bauru resolveu a questão do senhor Beto,está na hora de começar a prestar atenção em um certo sacerdote que vive citando Hans Kung em suas meditações pela imprensa.Ele nunca sita ninguém ligado na ortodoxia católica.Tem uma fixação pelo nefasto Hans Kung.

  20. Seria de grande utilidade a exposição clara dos erros do padre excomungado.

  21. Senhores,

    O Evangelho de hoje 01/05/2013, mostra-nos o que está acontecendo…

    Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos?: 1 “Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. 2 Todo ramo que em mim não dá fruto, ele o corta; e todo o ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3 Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4 Permanecei em mim eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto se não permanecerdes em mim. 5 Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6 Quem não permanecer em mim será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. 7 Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8 Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos”.

    – Palavra da salvação
    – Glória a Vós, Senhor

    Eu não vejo o Senhor Jesus ficar triste por perder o ramo que não dá frutos.

    Podemos até rezar pelo excomungado, e isso é nosso dever, mas não quer dizer que ele se converterá pois nem todos são da luz.

    Como mostra na 1ª Carta de São João Capitulo 2 vs 18 – 19

    “18 Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora.

    19 Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos. ”

    E pela Graça de Deus! Estamos conhecendo!

    Parabéns Sr. Bispo!

    Glória a Deus!

  22. Lendo o trecho citado por Paulo Avelar, fiz uma pequena reflexão na minha fé:

    Como mostra na 1ª Carta de São João Capitulo 2 vs 18 – 19
    “18 Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora.
    19 Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos. ”

    Tudo isso já estava, há anos, na Palavra de Deus. Mesmo escândalos e falhas já haviam sido profetizados há seculos. Tenho (e fica o convite para quem se interessar a juntar-se neste propósito) e preciso prestar menos atenção aos escândalos e mais em me unir a Nossa Santíssima Mãe pela oração, a fim de buscar a minha salvação e dos meus próximos, não por meus méritos, mas pela infinita bondade divina. Escândalos, Hereges, filhos de Lúcifer (com quem sonhei esta noite – eu teria espantado um demônio, disfarçado de um ente querido, apenas após conseguir professar minha fé com todas as minhas forças cantando Credo in unum Deum) todos estes continuarão até o fim dos tempos. É contra estas potestades e forças do mal que temos que lutar (Ef 6). É preciso que cresça o joio com o trigo, para não danificar o trigo. Cabe a mim buscar a minha salvação, meu refúgio junto à Advocata nostra.

  23. em tempos de julgamentos sumarios, de volta de defesa de teses nazi-facistas\toltalitaris-autoritarias contrarias a simolicidade do Senhor Humilde e Bom Jesus, o Evangelho da Misericordia; concerteza algum mortal e pecador, como eu ou o Papa Francisco(que assim falou ao aceitar ser Servo dos Servos de Deus), que se intitula, ou aceita ser chamdo de “juiz”( Apenas Deus é o Juiz Verdadeiro); me criticara mas eu vou dizer assim mesmo: por mais pessima que seja a midia-imprensa secular, por mais tendenciosa que ela seja, por mais sensacionalista e mercantilista, EU SO SOUBE DESTA HISTORIA: A VOLTA DE EXCOMUNHOES NA IGREJA CATOLICA, POR MEIO DO JORNAL ESTADO DE MINAS. portanto: liberdade de imprensa e democratizaçao dos meios de comunicaçoes; e melhoria, qualificação e articulaçao da Comunicação na Igreja Catolica.

  24. Marcio de paula: Julgamento sumário? O herege foi admoestado por 4 anos e nunca se arrependeu, aliás, agora é que mostrou sua verdadeira face! E outra: como é que pode voltar aquilo que nunca foi?

  25. Marcio de Paula e vc chegou aqui nos comentários pelo jornal tb?
    Tem link do Fratres lá?

  26. É nóis perigosusssss, tamo ficando farmoso, uai! (sem drama, sou Mineira!!)