Consternado: Papa Aviz I está tristinho porque foi ignorado pela Congregação para a Doutrina da Fé.

De nossa parte, só podemos desejar que Sua Eminência Reverendíssima passe a confiar mais em seus confrades da Cúria Romana, uma vez que o próprio Papa Francisco confirmou aquilo que Aviz lamenta.

Cardeal do Vaticano questiona decisão de reformar LCWR

Por Catholic Culture | Tradução: Fratres in Unum.com – O prefeito da Congregação para os Religiosos lamentou que o seu dicastério não tenha sido notificado sobre o projeto do Vaticano de exigir reformas na American Leadership Conference of Women Religious (LCWR) [Conferência Americana de Lideranças de Religiosas].

Em abril passado, a Santa Sé nomeou o Arcebispo James Sartain, de Seattle, como delegado do Vaticano para supervisionar a reforma da LCWR, julgando que “a atual situação doutrinal e pastoral da LCWR é grave e matéria de séria preocupação”. A medida do Vaticano veio após uma visitação apostólica da LCWR, que foi conduzida pela Congregação para a Doutrina da Fé. (CDF).

Falando em 5 de maio para um grupo de superiores religiosos, o Cardeal João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os Religiosos, afirmou que estava consternado em saber que a CDF havia dado início a um projeto de reforma do grupo americano sem consultar o seu dicastério. Ele declarou que a decisão lhe causou “muita dor”.

“Nós temos que mudar essa maneira de fazer as coisas”, disse o prelado brasileiro, afirmando que os cardeais que trabalham na Cúria Romana devem aprender a confiar no juízo uns dos outros e coordenar os seus projetos.

A franca expressão de insatisfação do cardeal para com outro departamento da Cúria Romana foi uma rara ruptura da costumeira demonstração pública de unidade entre os representantes do Vaticano. O seu chamado por mudanças na atuação da Cúria Romana, entretanto, ecoa declarações feitas por muitos prelados antes do conclave que elegeu o Papa Francisco.

O próprio dicastério do cardeal brasileiro, a Congregação para os Religiosos, realizou a sua própria visitação apostólica separada das ordens religiosas femininas nos EUA. Embora os resultados da investigação ainda não tenham sido finalizados, a congregação sinalizou que não pedirá por quaisquer maiores reformas.

O lamento do Cardeal Braz de Aviz quanto à atuação da CDF vem poucas semanas após esta congregação confirmar que o Papa Francisco deu a sua aprovação à avaliação crítica da LCWR que levou à intervenção da CDF.

7 Comentários to “Consternado: Papa Aviz I está tristinho porque foi ignorado pela Congregação para a Doutrina da Fé.”

  1. Não fez o que devia e agora fica consternado porque a situação, agravada, está sendo resolvida por outro dicastério – aliás, pelo dicastério mais competente na matéria, pois se trata de fé e costumes e não apenas de questões de “animação” da vida religiosa.
    Só espero que o Papa o mantenha ainda em Roma. Se ele “pedir para sair” da Congregação para os Institutos, que lhe seja dada uma função por lá mesmo. No Brasil, os estragos que um purpurado desse nível poderia fazer seriam sem dúvida muito maiores.

  2. Não acho que tenha sido uma questão de procedimentos interdepartamentais que o dicastério do Card. Aviz tenha sido ignorado, mas me parece que tenha sido uma questão urgente de manter o rebanho em vida consagrada sob o mesmo pastor, o que não parece ser uma prioridade do Card. Aviz. Afinal, como entender que a LCWR não precisa de reformas enquanto que sua liderança proclama que seja necessário as religiosas irem além de Cristo? Se sabe que nada há além de Cristo e quem envereda para lá acaba ficando muito aquém de Cristo e muito próximo do inimigo da natureza humana, o diabo. O tal dicastério não está fazendo o trabalho de um bom pastor, mas de um mercenário.

  3. Lembrei-me da crítica de dom Aviz à Toca de Assis (“movimento” que pessoalmente não apóio) à Zenit, lamentando que ali não havia democracia, mas “autoritarismo”. Para o insigne curial, a ordem religiosa ideal deve ter os moldes das CEBs latino-americanas.

    Que venha a reforma da Cúria pelo Papa Francisco. Cristo disse que a Igreja é eterna, não que a Cúria Romana é eterna. Graças a Deus.

  4. Papa Aviz I Morri de rir.

  5. No fundo a magoa dele me parece por que agora (sob ordem de outros) acontecera aquilo que nas mãos dele simplesmente não aconteceria.

  6. Se trabalhasse direito, tal intervenção seria desnecessária.

  7. Está se revelando ao mundo que ele é e o que sempre foi.