Um gesto de atenção e benevolência.

O sítio do distrito alemão da FSSPX relata hoje um gesto de benevolência de um bispo francês, Dom Jean-Michel Di Falco, da diocese de Gap et d’Embrun, para com a Fraternidade Sacerdotal São Pio X.

O padre Dominique Lagneau, que foi reitor do seminário de La Reja por muitos anos, morreu no domingo vítima de um ataque cardíaco. Ultimamente ele era o superior da casa de retiros da Fraternidade na França, em Montgardin (que está no território da diocese de Gap).

O bispo local visitou o funeral do sacerdote para rezar por sua alma e disse que a capela da casa de retiros seria muito pequena para o número de fiéis que lá iriam para a Missa de Réquiem, oferecendo a Igreja des Cordeliers, da diocese, para que Dom Bernard Fellay, superior geral, celebrasse as exéquias.

Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?

* * *

Sobre as relações Roma-FSSPX, indicamos a leitura da última carta aos amigos e benfeitores de Dom Fellay.

Tags:

33 Comentários to “Um gesto de atenção e benevolência.”

  1. Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?

    Acho inconcebível. Se eles sequer aturam a menção aos dois bispos mortos que lhes deram existência, que se dirá dos vivos?

  2. “Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?”

    Não entendi as aspas… nem a pergunta.

    “sendo praticado por”… está perguntando se, no Brasil, padres “tradicionalistas” em “plena comunhão” com a Santa Sé cederiam uma capela para os funerais de um padre modernista?

    Bom, creio – se for esse o caso – que somente eles podem responder, mas, em minha modesta opinião, penso que não se trata APENAS de boas maneiras ou de se “devolver um favor”… Trata-se de doutrina!!!

    Se os “tradicionalistas” entendem que os padres modernistas são heréticos pq abraçaram a heresia modernista (S. Pio X), como esperar que se retribua semelhante gesto?

    No caso da França, em que se reza uma missa (doutrinariamente agradável a Deus) para um defunto em um templo no mínimo inadequado… é uma coisa. Aqui, seria justamente o contrário: estar-se-ia rezando uma missa católica para um defunto herético. E isso é algo “atencioso e benevolente”?

    Por outro lado, sobre o fato na França, talvez não seja bem o que imaginamos, influenciados pelas palavras escolhidas para dar a notícia. Talvez se trate da “sistematização” da Neo-FSSPX à realidade conciliar. A “benevolência” pode não ter partido do bispo francês…

    • Giulia, leia de novo, o sentido da pergunta é justamente o oposto do que você interpretou…

    • @G. M. Ferretti, então, eu cheguei a pensar que talvez fosse necessário analisar essa interpretação tb, mas não o fiz por dois motivos:

      1) pq a construção da sua frase diz exatamente o que entendi. Se pretendia dizer o oposto deveria ter escrito: “Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado COM OS (ou EM RELAÇÃO AOS) “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?”. Gramaticalmente falando… Pq a situação na França é: igreja modernista X defunto e padre tradicionalistas. No Brasil, não seria o oposto? (por causa do “por”)…

      2) pq a situação não diferiria do que escrevi aqui:

      2.1) “No caso da França, em que se reza uma missa (doutrinariamente agradável a Deus) para um defunto em um templo no mínimo inadequado… é uma coisa.” Veja bem que escrevi “no mínimo”, pq eu me questiono se é lícito rezar Missa em qqr lugar, como por exemplo em um templo maçônico “atenciosa e benevolmente” colocado à disposição dos católicos…

      E sobretudo e principalmente aqui:

      2.2) “Por outro lado, sobre o fato na França, talvez não seja bem o que imaginamos, influenciados pelas palavras escolhidas para dar a notícia. Talvez se trate da “sistematização” da Neo-FSSPX à realidade conciliar. A “benevolência” pode não ter partido do bispo francês…”

      Espero ter-me feito entender.

      Respeitosamente,

      G.

    • Giulia caríssima, a construção da frase NÃO diz absolutamente o que você entendeu. Lamento informar… Agradeço a aula de redação, mas acho que antes se faz necessária uma aula de interpretação de texto.

      A minha frase diz: “Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?”

      Vamos lá:

      1) Gesto semelhante: ceder uma igreja para que um bispo da FSSPX celebrar uma missa de réquiem; no caso específico, para um sacerdote da FSSPX falecido;

      2) Sendo praticado por tradicionalistas do Brasil em plena comunhão, isto é, aqueles regularizados pela Santa Sé, ou seja, membros de institutos Ecclesia Dei, Administração Apostólica ou padres diocesanos que rezam a missa tradicional;

      Deu para entender?

      Acho que o seu óbvio não é tão óbvio assim, pois NINGUÉM além de você levantou essa interpretação absurda do que dissemos.

    • Caro @G. M. Ferretti, vc não deve ter lido direito nem meu primeiro comentário, nem o segundo, pois seja qual for a interpretação que se queira dar, a questão continua a mesma:

      1. é licito celebrar missa para um católico em um templo herético? (se se quer dizer: “ceder uma igreja para que um bispo da FSSPX celebrar uma missa de réquiem; no caso específico, para um sacerdote da FSSPX falecido”)

      2. é licito celebrar missa católica para um defunto herege? (no caso contrário)

      3. Quem declarou que o Modernismo é uma heresia foi São Pio X, na Pascendi.

      Um adendo: o fato de alguém não comentar não quer dizer que não “levantou essa interpretação absurda do que dissemos”, não é? Há muitos que se calam pq têm receio de serem enxovalhados caso discordem de alguém aqui. Como sói acontecer.

    • Quando não se quer entender nem reconhecer o equívoco, a gente dá voltas, muda de assunto, etc, etc… Perfeito, Giulia, você está certa… venceu o debate, eu jogo a toalha ;-)
      Encerro por aqui pois a caixa é de comentários, não de diálogo.

  3. Nem todos que não estão nas fileiras da FSSPX são hereges Dona Giulia!

    • @Eduardo Gregoriano vc tem uma obsessão pelo assunto. Onde foi que eu disse que “todos que não estão nas fileiras da FSSPX são hereges”? Vc tem obsessão e ma fé.

      Quem disse que os MODERNISTAS são hereges foi nada mais nada menos do que um SANTO da Igreja Católica: São Pio X. Vá estudar, criaturinha de Deus.

  4. Tradicionalismo no Brasil? Aonde? Salvo raríssimas exceções conservador ou tradicional no Brasil só aqui na internet mesmo.

  5. “Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por ‘tradicionalistas’ do Brasil em ‘plena comunhão’ com a Santa Sé?

    Não sei, mas os católicos eram admirados pelos pagãos pelo amor cordial dispensado uns aos outros. Os que ficaram famigerados pelas perguntas maliciosas eram os fariseus.

    Rezemos pela santificação do Clero para que sejam instrumentos do Paráclito cada vez melhores.

  6. Por falar em FSSPX. está se tornou alvo de acusações (algumas até ridiculas) de capitulação por muitos blogueiros que eu considerava sensatos e equilibrados. A sensação que dá é que é que não leram o capitulo geral ou não o leram adequadamente. Esses mesmos blogueiros se deixam levar por noticias e rumores de padres (e um bispo) segregados e dissidentes que só fazem mal a FSSPX com suas fofocas. Agora as atenções estão voltadas para a colaboração de linchamento virtual a Dom Fellay. E o mais interessante é que, apesar de Dom Fellay ter se mostrado seduzido pelo canto da sereia, ele simplesmente…não fez acordo!! É aquela coisa, comparam Dom Fellay a um anjo que jamais poderia errar e se equivocar, ele foi tentado, e jamais será perdoado pelos seus cultuadores. Os resistentes a Dom Fellay falem o que quiserem, mas eu prefiro manter a prudência do que sair atirando no escuro.

    Desculpem mas não pude deixar de fazer esse desabafo,

  7. A impiedade tomou conta dos tradicionalistas no Brasil.

  8. Eu entendi a frase diretamente como o Ferretti a colocou. Se o assunto é ceder igreja PARA a FSSPX, devido ao seu estado canônico, porque querer enroscar o entendimento com a interpretação de que se trata de ceder para missa de padres modernistas, especialmente, tendo em vista que igreja modernista grande é o que não falta em comparação ao tamanho reduzido das poucas capelas tradicionais? Creio que Giulia inventou uma complicação semântica inexistente.

    Por outro lado, parece-me que aqui no Brasil não haveria necessidade de uma capela sob a Ecclesia Dei ceder espaço para um grupo de fiéis da FSSPX em caso semelhante, pois, nos poucos lugares onde se encontram oficialmente com priorados (São Paulo e Santa Maria), eles dispõem de estrutura comparável à das capelas sob a Ecclesia Dei, se me faço entender.

    Parece-me que a necessidade da benevolência se deu por causa do grande número de fiéis tendo em vista a relevância do falecido e do celebrante, que atrairia um número de fiéis maior do que o habitual.

    E sob a Ecclesia Dei só há as da Adm. Apostólica, o resto são capelas diocesanas usadas, na maioria das vezes, aos domingos, para uma única missa tradicional.

  9. @Ricardo Costa, um esclarecimento sobre sua conclusão apressada: “apesar de Dom Fellay ter se mostrado seduzido pelo canto da sereia, ele simplesmente…não fez acordo!”.

    O acordo não foi feito pq SS Bento XVI não quis. Está online para quem queira ler.

    D. Fellay – só para refrescar a memoria de alguns que sofrem de amnésia – é aquele que disse que iria correndo se o Papa chamasse, e tb o primeiro da Tradição (sem comunhão, em plena comunhão, em comunhão parcial com a Santa Sé) que se rejubilou publicamente pela eleição do Cardeal Bergoglio. Depois disso, e tendo em vista que o novo Bispo de Roma não lhe deu a menor bola, começaram as manifestações publicas, desse ou daquele superior de distrito, pondo defeito aqui e ali em Sua Santidade e reafirmando – contrariamente à eufórica mensagem de boas vindas do superior – que com essa Roma “non se ha da fare”…

  10. Esse recorde n bati: discutir com o senhor Ferretti kkkkk

  11. Eu ficaria em cima do muro na resposta.

    Porque, em geral, os fiéis leigos em “plena comunhão” são mais truculentos em relação à FSSPX do que os seus próprios pastores. Para tais fiéis “formadores de opinião” em blogs, revistas e jornais, a FSSPX é cismática, vétero-católica, protestante, etc. Esse é o jargão. Por outro lado, há sacerdotes “tradicionalistas” (para usar o termo do Ferretti) que admiram e respeitam a luta da FSSPX (sobretudo no IBP e provavelmente alguns em Campos), cujas divergências prudenciais e até mesmo doutrinais talvez não impediriam um ato nobre como esse realizado por Dom Di Falco.

  12. Deixe alguma autoridade declarar a excomunhão por heresia primeiro, ou a respeito da capela ser inadequada.

    Enquanto isso, na dúvida, estenda a caridade ao defunto; se ele não aproveitar, algum outro a aproveitará no purgatório (assim funcionam as orações pelos defuntos).

    Quanto à cortesia dos em “plena comunhão” (membros da Ecclesia Dei), não tenho a menor idéia.

  13. Giulia sua má fé e julgamento temerário em relação a pessoa de Dom Fellay são realmente um escândalo pra quem diz defender a Tradição da Igreja. Eu conheço Dom Fellay pessoalmente, um homem simples, humilde e atencioso. Caluniado e atacado impiedosamente pelos semeadores de discórdia, jamais abriu a boca pra revidar no mesmo baixo nivel.
    Eu não preciso ler blogs de internet pra saber das calunias e pretextos fora de contexto a respeito de Dom Fellay. Tudo que eu queria e precisava saber eu ouvi pessoalmente da boca dele. E cá pra nós, entre as palavras de um homem sensato que soube conduzir a FSSPX até agora com fidelidade à Tradição, aparando as arestas, cortando elementos prejudiciais à causa, evitando que a obra de Monsenhor Lefebvre caisse nas mãos de fanáticos ou virasse nicho de sede-vacantistas, eu tenho pelo menos um milhão de motivos pra seguir do lado de Dom Fellay.
    Dia 20 de Junho estarei em Winona para as Ordenações Sacerdotais desse ano. Só do Canadá serão mais 4 sacerdotes. Como pode ver a campanha de difamação não funcionou. Para cada maçã podre que caiu, novos frutos surgiram e muitos outros surgirão.
    E quando eu digo frutos podres é porque o próprio Jesus nos advertiu que pelos frutos conheceríamos se a obra era Dele ou não. Padres atacando padres, Bispo caluniando Bispo, mentiras, falsas acusações, pessoas que receberam Sacramentos, que se casaram em Capelas da SSPX virando as costas e cuspindo no prato onde comeram, mordendo a mão que os alimentou! Isso lá é coisa que vem de Deus? Não mesmo.

  14. Giula D’amore,

    Desculpe, mas Dom Fellay não fez acordo com Roma porque Bento XVI exigiu a plena adesão do Vaticano II e suas reformas. É isso que está online no site da FSSPX,

    http://www.fsspx.com.br/exe2/carta-aos-amigos-e-benfeitores-no-80/

    É claro que Bento XVI queria o acordo, isso é inegável!! Como não querer ver isso? Só que todas essas discussões doutrinárias tinham finalidades diferentes para ambos os lados.A FSSPX desejava convencer Roma de que o Concílio foi um erro, e Roma já queria convencer a FSSPX do contrário.Esse foi o grande desafio. E FSSPX falhou, Roma não abriu mão do Concílio. Para desespero de Dom Fellay que começou usar a tática da diplomacia. A FSSPX queria, a priori, uma aceitação do Papa sem exigências e comprometimento com o Vaticano II e todas as suas reformas, em outras palavras, a FSSPX queria permanecer como estava doutrinariamente,só que legitimamente “canonizada” e daí veio a confusão mental de Dom Fellay sobre o que é estar legitimamente canonizado, qual seria a situação juridica? Ficaria sob jurisdição de uma arquidiocese modernista? Seria uma instituição de direito pontificio como Opus Dei? Seria como uma comunidade religiosa? Veio a carta aos bispos que vazou, a expulsão de Dom Willliamson e etc. Uma bola de neve que deu nisso.

    Sobre o suposto rejúbilo de Dom Fellay, desconheço esse fato. O que sei é que a FSSPX publicou uma nota discreta de apoio ao novo Papa.

  15. Antes de mais nada: a FSSPX é católica apostólica romana – ou deveria ser, enfim.
    Devemos, como católicos, respeito incondicional ao Santo Padre – este, por sua vez, sucessor de Pedro, e figura maior na Igreja de Nosso Senhor, embora as vezes tentamos em diminuí-lo perante a outros.

  16. Entendi que a pergunta pretendia apenas questionar se os tradicionalistas (e plena) fariam a mesma coisa que fez um bispo “plena” (mas não tradicionalista) e elogiar a atitude deste.

    Entendido.

    Querendo tomar as dores da pergunta, o que eu responderia… bem:
    1 – Eu estou em plena comunhão pois até pouco tempo nem sabia se existia outra ou se poderia melhorar a atual;
    2 – Se só é tradicionalista quem celebra Missa Tridentina, eu ainda não o sou… Mas vou resolver isso em poucos meses… :-)
    3 – Eu adoraria ter uma casa da FSSPX aqui por perto e, autorizado pelo bispo, lhe cederia com alegria a sede da paróquia não somente para velórios.

    e, por fim:
    Que Giulia e Ferretti se entendam…. Eles estão do mesmo lado da batalham e nao podem se machucar com fogo amigo, além de serem, ambos, preciosos para nós! :-)

  17. “Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?”

    Eu acho que gestos semelhantes a esses podem ser praticados por verdadeiros católicos, onde quer que eles se encontrem. O Bispo não se encontava numa situação de ‘ruptura’, precisando fazer um acordo para receber a ‘plena comunhão’… e no entanto fez esse gesto.

    Da mesma forma em relação ao CV II. As vezes são pessoas na própria Igreja que são mais duras com o CV II do que aqueles que fizeram acordo. Só vermos Mons. Brunero Gherardini.

    Um acordo em si não é algo mal e não faz de ninguém um modernista. Santos viveram em situações de crise parecida e nem por isso renegaram a fé e a Tradição.

    Um católico digno desse nome, além do estado de graça, deve estar unido à Igreja por um tríplice vínculo: de fé, de sacarmento e de governo… Não há intervalos de tempos na história em que se permita exceções. Isso não é preconizar uma obediência cega. Muitos se fizeram arianos por seguirem a Ario… ou protestantes por seguirem a Lutero… ou neo conservadores por seguirem indiscriminadamente o CV II.

    Somos católicos e cremos naquilo que a Igreja SEMPRE ensinou.

    A Igreja triunfará de sua sua crise com ordem e sem anarquia…

    Alguns fazem a leitura da crise da Igreja como fazem em textos do Fratres… entendem o oposto daquilo que na verdade existe.

    Quanto ao bispo rebelde da fsspx, eu vou fazer a releitura de seus panfletos e tentar em momento oportuno demonstrar seu método revolucionário… sim, esse bispo utiliza-se de métodos… e é engraçado observar que os que são manipulados por ele julgam que são os fieis da FSSPX os manipulados por dom Fellay.

  18. Só para clarificar: eu julgo a fraternidade perfeitamente católica, necessitando ela ser reconhecida e não convertida. Essa deve ter sido a intenção de D. Fellay quando disse que iria correndo se o Papa o chamasse. Monsenhor Lefebvre jamais rompeu qualquer vinculo de unidade e aquela vergonhosa excomunhão uma dia será declarada sem valor… Embora tudo possa ser feito sem manchar a memória dos envolvidos e satisfazer o desejo de sangue de alguns…

  19. @ Pe. Francisco Ferreira, obrigada pela gentil e caridosa preocupação, mas creio que entre mim e Ferretti não há problemas. A linguagem da internet pode fazer surgir equívocos, como os que “compraram” alguns apressados comentaristas, contudo divergência de opiniões nunca foi motivo para inimizade. Eu não sou daquelas que deleta alguém do FB (Orkut, G+ etc.) só pq discorda de alguma coisa que foi dita; isso é típico de que tem um espírito sectário, que não é meu caso e, posso afirmar com alguma certeza, tb não é o caso do Ferretti: todos nós somos testemunhas da paciência infinita que ele tem com alguns comentaristas que foram até mais “abusados” (na opinião de alguns) do que eu!

    Eu sei que há aqui entre os comentaristas pessoas que sabem perfeitamente disso.

  20. @Gercione Lima vc parte do princípio que é a única, aqui entre nós, que conhece pessoalmente dom Fellay. Good for you.

    Eu faço uso da razão e não acredito em Papai Noel. No mais, espero ansiosamente pelo dia do Juízo pq nada temo; pelo menos sobre esse assunto em particular.

    NADA do que eu escrevi aqui é mentira, nem me movo pela má fé, NUNCA. E, para tanto, chamo Nossa Senhora Santíssima como minha testemunha.

    Por outro lado, a experiência pessoal que tenho com os acordistas (sem generalizar, POR CARIDADE!!!!!) é bem no sentido oposto. E eles sabem perfeitamente a quem me refiro.

  21. Um adendo sobre isso; “Eu não preciso ler blogs de internet pra saber das calunias e pretextos fora de contexto a respeito de Dom Fellay”, que, penso, se refere a isso: “O acordo não foi feito pq SS Bento XVI não quis. Está online para quem queira ler”.

    Aqui, cara @Gercione, não estava me referindo a nenhum grupo da Resistência, mas ao sites oficiais do Vaticano, além da mídia em geral que publicou, para quem quisesse ler, o comunicado de Bento XVI RECUSANDO o acordo.

    Quem publicou a eufórica mensagem de boas vindas de dom Fellay a Bergoglio I foram órgãos do próprio dom Fellay…

    Não há pior cego do que aquele que não quer ver.

    Obedientismo, cara, não é virtuoso. A virtude é da obediência, que é outra coisa…

  22. Mas o que resta claro Giulia é que você acabou passando por cima da questão de interpretação para não dar o braço a torcer.

    Ferretti disse: “Poderíamos conceber um gesto semelhante sendo praticado por “tradicionalistas” do Brasil em “plena comunhão” com a Santa Sé?”

    A expressão “POR tradicionalistas em plena comunhão” só tem um sentido aqui no Brasil (e nesse caso só podemos imaginar um único grupo de tradicionalistas que tenham suas capelas próprias, não há nenhum outro). Não tem o que desviar o entendimento.

    E “gesto SEMELHANTE” claramente diz respeito a um grupo tradicionalista em plena comunhão abrir espaço em suas capelas para outro grupo tradicionalista que não esteja em plena comunhão canônica ou regularizada. Caso fosse para abrir espaço para um bispo ou missa de clérigo não tradicionalista ou até modernista, como você quis sugerir, já não seria “um caso semelhante”. E mesmo porque igrejas modernistas grandes e até enormes é não falta, dispensando assim qualquer gesto de benevolência por parte das poucas capelas tradicionalistas no país.

    Ou você honestamente reconhece o equivoco de interpretação ou continua afirmando que a frase está confusa para não dar o braço a torcer. Mas não se amofine essas coisas nos ajudam a amadurecer e afinar melhor nossos argumentos. Em geral, você se expressa muito bem. Creio também que o nível de comentários aqui melhorou muito nos últimos tempos.

    Em suma, em vista do que falei acima sobre o tamanho de capelas de “grupos em plena comunhão” com o tamanho das poucas capelas da FSSPX em São Paulo e Santa Maria”, acho que essa pergunta ao final da postagem foi desnecessária. Voltemos à paz.

  23. Divergência de opiniões não é mesmo motivo de inimizade, mas experimenta alguem caluniar um amigo ou membro de sua familia pra ver se não tem briga!! Eu não admito que falem mal de Dom Fellay ou levantem suspeitas sobre sua idoneidade moral . Quando isso vem de inimigos da Igreja eu simplesmente ignoro, mas vindo de quem se diz tradicionalista, não vai rolar inimizade não, vai rolar é guerra aberta.

  24. Se bem entendido a forma de linguagem podemos afirmar que não há, no Brasil, tradicionalistas em pela comunhão, mas ex-tradicionalistas, entre os quais me incluo como membro leigo. Assim como há ex-anglicanos, ex-comunistas, ex-protestantes, ex-hereges, etc., também há ex-tradicionalistas. Os que antes eram anglicanos agora são católicos e assim por diante. Não, nós não somos mais tradicionalistas, agora somos católicos e em plena comunhão com o Papa sim, e com Bento XVI, o Papa Emérito, prometemos fidelidade “incondicional” ao Papa Francisco. O Pe. Dominique Lagneau, hoje com Deus na eternidade, não é mais tradicionalista, mas lá ele é uniata, pois como disse certa vez Dom Lefevre : “no céu não há budistas, etc., no céu o budista entra como católico!” Portanto, se no céu só há católicos, então ele, no céu, não é mais tradicionalista, mas agora está na plena comunhão com o Bispo de Roma, sem a qual não poderá receber os Réquiens. A Fé inabalável no Romano Pontífice, único infalível e indefectível, é a verdadeira Tradição Católica. O Papa e os Bispos, pessoas vivas, são a Tradição Viva da Igreja, são a Tradição em Sucessão! Ser fiel ao Papa é absolutamente necessário para ser verdadeiro católico! Ao invés de vocês fizerem campanhas contra os ex-tradicionalistas, porque não fazem uma campanha para que a CNBB mude a Equipe Liturgica?! Façam uma campanha para colocar o Pe. Paulo Ricardo como chefe da Equipe de Liturgia da CNBB. Acho que assim seria mais frutuoso do que vocês combaterem irmãos.

  25. Ao meu ver, este ato deste Bispo Diocesano foi muito bom e generoso. Precisamos entender bem e ficarmos bem convencido. Quem são os verdadeiros donos dos templos católico no mundo. São os católicos tradicionalistas. Todos eles nos pertence. Eles na sua maioria, foram construídos para guardar a fé íntegra e cristalina. Aonde está esta fé? Na Tradição da Igreja! Aonde está esta Tradição? Naqueles que guardam e vivem esta doutrina: “Naquilo que foi sempre crido, e por todos ensinados”.
    A heresia modernista; ou progressista. Tem seus dias contados. Um dia, quando a Santa Igreja triunfar, do calvário que está hoje passando. O papa, os bispos os padres voltarão para defender, aquilo que nós defendemos. Nós, não temos dúvida, se a Tradição é verdadeira ou não. Temos certeza, que a Santa Igreja não nos enganou. Ela é o eco de Deus na terra.
    Nós que fomos expulsos dos nossos templos sagrados. Como outrora foram os católicos fiéis a sua fé.
    No Arianismo, na Revolução Francesa… Um dia, estes templos voltarão para as mãos dos católicos verdadeiros.
    Então, mais do que justo, este bispo ceder a sua igreja, para celebrar uma missa, de um padre falecido da Fraternidade. Por justiça, as igreja hoje nas mãos dos modernistas ou progressistas, eles deveriam ceder a todos os padres que querem celebrar a verdadeira missa; e todos os demais atos da Tradição.
    Joelson Ribeiro ramos.

  26. @Gercione Lima o que vc admite ou não admite interessa somente a vc.

    Eu discordo de muita coisa que leio por aqui, mas na maioria das vezes prefiro me calar – não quer dizer que consinta nada – pq sei que com determinada pessoa é simplesmente falar às paredes. Tb o faço pq sei que foge à finalidade do Fratres In Unum. E até desafio alguém, aqui, a dizer que alguma vez tive esse comportamento deselegante, que de modesto e virtuoso não tem absolutamente nada.

    Qdo o zelo cristão nos impele a desembainhar a espada… devemos fazê-lo com a mesma virtude com que damos um copo de água a alguém com sede. A mulher, então, não deve perder a compostura jamais! Modéstia não é simplesmente arrastar a saia pelo chão, minha cara.

    Qto à “guerra aberta”, caro @Ferretti não se preocupe! Essa é a última vez que me dirijo a essa senhora – vc permitindo com a publicação deste comentário – pq eu, ao contrário dela, faço guerra mesmo é aos inimigos da Igreja.

  27. Pois perdes a compostura minha cara senhora, ao sair espalhando calunias pela internet contra um homem santo como Dom Fellay! Um homem que contrastando com a minha insignificancia e fraqueza de fé, eu diria que não sou digna sequer de abaixar para amarrar os cadarços de seus sapatos ou arrastar a barra de minhas saias para limpar o caminho por onde ele pisa!
    Eu nunca conheci pessoalmente um padre, um Bispo, um Cardeal que tivesse a estatura moral, a devoção espiritual, as virtudes da temperança, da inteligencia, da fortaleza e ao mesmo tempo a humildade de Dom Fellay.
    Ele pra mim é um amigo, um pai, um conselheiro, alguém a quem prometi aliança e fidelidade.
    Nunca me decepcionei com nenhuma atitude de Monsenhor Fellay e se quer saber apoiei TODAS, inclusive a expulsão de certos elementos que depois comprovaram com suas atitudes que Dom Fellay estava mais que certo em expulsá-los.
    Perdi amigos REAIS, nessa confusão toda, como o Padre Jahir de Candeias-BA. Mas entre ele e Dom Fellay? Mil vezes Dom Fellay. Tudo o que sou e que conheço da fé Católica Tradicional devo em primeiro lugar a Deus que na sua infinita misericórdia aprouve me retirar dos caminhos errantes, desse emaranhado de seitas que ofuscam o brilho da verdadeira Igreja e me guiar para aquela Fé sem a qual é impossível agradar a Deus.
    Em segundo lugar, devo a Monsenhor Lefebvre sem o qual hoje não existiria mais nem Tradicionalistas de plena Comunhao e nem de Comunhão alguma. E finalmente a Dom Fellay que juntamente com Padre Emily me acolheram na SSPX num período muito mais conturbado que o atual, me esclareceram, removeram meus medos e receios de cair em Cisma por segui-los.
    Por muito tempo servi de ponte entre eles e candidatos ao sacerdócio que compartilhavam comigo as mesmas dúvidas. Alguns desses candidatos que naquela época me procuraram cheios de dúvidas hoje são padres da SSPX no Brasil: Padre Rodolfo Eccard e Padre Fábio Calixto. Outros foram para o Seminário de Winona. Todos eles amigos queridos, cujas calúnias e ataques por seguirem sendo fiéis a SSPX e Dom Lefebvre me atingem e ferem pessoalmente.
    Por fim, não responderei mais nem aos seus ataques e nem comentarios, pois ao considerar Dom Fellay como um “inimigo da Igreja”, pelo qual se sente justificada em fazer guerra aberta, compreendi agora “de que espírito sois animada”. (Lc 9,54-56).