Desmentidor-geral da República.

“Desminto absolutamente que o Papa emérito Bento XVI esteja trabalhando na conclusão do projeto da Encíclica sobre a fé que havia iniciado. Confirmo que o projeto foi retomado pelo Santo Padre Francisco. Mas, atualmente, é difícil prever quando a Encíclica poderá estar pronta para publicação”.

Palavras do Pe. Federico Lombardi, SJ, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, negando o testemunho do bispo diocesano de Molfetta sobre uma conversa de Francisco com um grupo de bispos italianos em visita ad limina. 

Tags:

16 Responses to “Desmentidor-geral da República.”

  1. Daqui alguns dias, dirá que Bergoglio não foi eleito Papa!

  2. Padre Federico Lombardi, Desmentidor da imprensa e da Santa Sé

  3. É claro que o Papa é quem assinará qualquer encíclica, afinal é ele quem tem a assistência
    especial do Espírito Santo. E, obviamente, poderá receber assessoria de pessoas de sua confiança, seja do Papa emérito, seja de uma ou mais congregações da Santa Sé. É natural que aproveite o que
    o Papa Bento já escreveu. Como também é óbvio que ele lerá tudo e modificará o que julgar conveniente. Afinal, é com ele que está o ministério petrino.

  4. Lembrei-me de Santo Tomás de Aquino e do boi voador (cf. http://migre.me/eIOyG).

  5. Por mais que pareça um “desmentidor-oficial”, o cargo do Padre Lombardi, em parte, tem essa ocupação mesmo. Evitar boatos, especulações, mostrar sobriedade…: até os governos civis têm personagens desse tipo, com essa incumbência. Agora, em todo boato, há um fundo de verdade. Ele admitiu, por exemplo, que Bento XVI já havia iniciado o trabalho. O que significa “iniciado”? Escreveu um capítulo, dois? Escreveu uma primeira versão da Encíclica toda? Só Deus sabe. O porta-voz desmente “absolutamente” que Bento XVI esteja trabalhando agora nessa conclusão: não exclui que ele tenha trabalhado, por exemplo, até semana passada: já não está trabalhando mais. Pode ter escrito uma primeira versão e enviado para Francisco para que ele dê seu toque pessoal, assim como, ao que parece, o então Cardeal Ratzinger fizera com João Paulo II em alguns de seus documentos (Veritatis splendor…?). Ora, faz sentido que justamente agora, então, a informação tenha vazado.
    O mesmo ocorreu com o suposto exorcismo. Até pela forma externa, parece não ter sido. O que não significa que o rapaz, segundo as precisas indicações do Pe. Amorth, não padeça de possessão. “O Papa não teve a intenção de fazer o exorcismo”. Qualquer um que veja as imagens, verá que não, foi uma bênção, uma imposição de mãos simples. Mas, não querer fazer ali “o” exorcismo, não significa que não tenha querido fazer uma oração imprecatória, para colaborar no processo de exorcismo, que costuma ser longo.

  6. Se o Lombardi desmentiu a gente já sabe que é verdade. Esse é o melhor critério. Saudades do Joaquín Navarro-Valls…

  7. Nada é estranho, tudo é programado e com isso estão preparando as cabecinhas papólogas para dois papas. Notícias aqui, outras ali e o povão vai se acostumando, gerando debates e por fim o povo sacerdotal clama: queremos dois papas.

  8. Ana Maria, só dois papas? Dois papas é muito pouco!! Que tal todos os “papas” representados pelo bispos. Papa?? É coisa do passado! Vamos fazer a correta interpretação do Vaticano II. São bispados, e não papado. Afinal a Igreja precisa esquecer de uma vez de todas esse negócio de chefe da Igreja, sucessor de Pedro, monarquia e etc. E mais, podemos discutir também a autoridade legitima do sensus fidei (povo papa). Viva o parlamentarismo! Viva a colegialidade! Viva a revolução!

  9. Bento XVI, a exemplo de Jó, está vivendo seu deserto e sua cruz, no “ano da Fé”…, pois a fé tem suas exigências e a fé é provada!

  10. Caro Pe Marcelo, sua benção. O senhor fizera uma excelente comparação.

  11. Pela leitura dos irmãos aqui, tanto o Padre Lombardi, Sj, quando o papa emérito Bento XVI são mentirosos! Afinal, em sua despedida Bento XVI não prometeu obedecer seu sucessor e recolher-se no silêncio da oração? Penso que escrever uma encíclica significaria a quebra de sua promessa e de sua coerência teológica.
    Bento XVI sabe seu lugar, respeita as leis da Igreja e não deseja ser um segundo Papa. Porém, não podemos excluir a possibilidade desse texto do Bento XVI vir a público, mas não em forma de encíclica ou documento produzido pelo papa. Se autorizado, ou mesmo incentivado pelo Papa Francisco, que tem mostrado grande reverencia a seu predecessor com quem inclusive tem mantido contato telefônico constante, esse texto pode ser publicado em forma de livro ou mesmo como uma espécie de testamento espiritual de Bento XVI.

  12. Bem, esse é o papel do padre Lombardi. Aliás, ele é bastante habilidoso diante das câmeras, nunca se deixa pegar por perguntas capciosas. E em tempos de hiperinformação, é fundamental que a assessoria de imprensa do Vaticano funcione com perfeição.

  13. Antonio, quem garante que não foi o próprio Francisco que incumbiu Bento XVI dessa missão de escrever a Encíclica? Se Bento XVI só estivesse cumprindo uma ordem do novo Papa, onde estaria a desobediência? Todos os Papas têm assessores teológicos para esses assuntos e encomendam o trabalho mesmo. Uma Encíclica é um texto complexo. Não há mal nenhum nisso. Aliás, nem todos têm a mente de Bento XVI que se dedicava pessoalmente às suas Encíclicas.

  14. Ricardo Costa
    25 maio, 2013 às 7:01 pm
    OK, vou prestar mais atenção da próxima vez. Viva os papas!

Trackbacks

%d blogueiros gostam disto: