Cardeal Pell: “Gosto de papas que agem como papas”.

Cardeal Pell: “Haverá uma grande reforma na Cúria. Francisco quer o Vaticano como um lugar onde as pessoas levem à sério o serviço a Cristo e aos outros”

Cardeal George Pell.

Cardeal George Pell.

Cidade do Vaticano (RV) – O Cardeal-arcebispo de Sydney, George Pell, um dos oito Cardeais nomeados como Conselheiro do Papa Francisco, prevê uma “mega reorganização da Cúria Romana” e espera que se encontrem métodos mais eficazes para a seleção de seus membros. Falando ao Vatican Insider, o Cardeal afirmou que “o Papa que temos agora é diferente e está realizando muitas coisas”.

O Cardeal considerou o encontro do Papa Francisco com os motociclistas das Harley Davidson como “emblemático”. “O Papa se sentiu completamente à vontade com eles e os abençoou – observou Pell. É um Papa que compreende a importância dos símbolos. Ele escolheu Francisco como nome. São Francisco de Assis caracterizou-se por muitas coisas, entre as quais um ditado atribuído a ele, em que, dirigindo-se a seus irmãos, disse: ‘Preguem o Evangelho com ações e se necessário, usem as palavras’. Acredito que o Santo Padre entenda muito bem tudo isto e por esta razão o seu estilo de ensino é bastante diferente daquele de Bento XVI. Alguém disse que Bento era um bom professor para os intelectuais, bispos e padres, mas Francisco é muito mais imediato e direto, e fala às pessoas comuns”, afirmou.

Sobre a decisão de Papa Francisco em permanecer na Casa Santa Marta, o Cardeal Pell afirmou que ele gosta de companhia e arriscou um palpite: “é a escolha de um homem que não quer ser controlado. E eu sou a favor dos Papas que agem como Papas”.

Ao analisar os primeiros cem dias de pontificado, o Cardeal-arcebispo de Sydney mostrou alguma preocupação em relação à saúde de Francisco, especialmente devido ao seu ritmo de trabalho: “Penso que ele deveria cuidar de sua saúde. Não é mais jovem e está trabalhando sem descanso. Obviamente, que é muito forte, mas penso que todos estejam interessados de que ele não exagere, ou melhor, que trabalhe duramente mas de uma forma correlata às suas forças. Francisco está trabalhando num ritmo extraordinário”.
O Papa decidiu passar suas férias de verão no Vaticano. O Cardeal Pell afirmou que gostaria muito que Francisco fosse a Castel Gandolfo, mas “ele é um jesuíta do velho estilo, fez um juramento de pobreza e o está levando muito a sério”. Além disto, o purpurado também atribuiu a não ida de Francisco a Castel Gandolfo, à ida de Bento XVI, que poderá passar uma temporada na Casa de verão dos Papas.

Perguntado se o estilo de vida simples de Francisco faria com que tantos bispos e sacerdotes repensassem seu estilo de vida à luz deste modelo, o Cardeal-arcebispo de Sydney afirmou não ter dúvida quanto a isto: “o estilo de seu pontificado, seus ensinamentos e seu modo de viver, afetam a vida de toda a Igreja. Certamente, o Papa Bergoglio não quer que o Vaticano seja visto como uma corte renascentista ou do século XVIII, mas sim como um lugar onde as pessoas levam a sério o serviço a Cristo e aos outros”.

O Cardeal Pell é um dos oito cardeais escolhidos como conselheiro do Papa. Na sua opinião, ao invés de partir de uma grande reorganização da Cúria – que será realizada em grande parte -, deve-se “concentrar em alguns problemas concretos. Por exemplo, deveríamos nos perguntar se o Vaticano tem um número suficiente de transcritores e sobre o número de pessoas com doutorado que passam o tempo transcrevendo. Este é apenas um pequeno exemplo dos problemas práticos que existem hoje.”.

O Cardeal Pell também observou que é necessário melhorar “a disciplina e o aspecto motivacional”. “Eu acho que Francisco fez grandes progressos no que tange ao IOR, mas poder-se-ia fazer muito mais. Para ser mais específico, eu acho que se deveriam realizar inspeções externas a cada ano, como é feito em qualquer lugar no mundo anglo-saxão. Além disso, nas realidades vaticanas que lidam com a comunicação, existe uma falta de coordenação e se gasta muito em determinadas agências. Estes são alguns aspectos práticos que precisamos resolver”. (JE)

14 Comentários to “Cardeal Pell: “Gosto de papas que agem como papas”.”

  1. Essa lua-de-mel do Santo Padre com todo mundo, quando acabar, será muito doloroso.

  2. Desde o instante em que escutei o anúncio do cardeal Jorge Mário Bergoglio como Papa eu conjecturei: “os cardeais pensaram assim: escolheram a pessoa errada no conclave de 2005, fizeram ou fizemos a escolha errada, era para ter sido desde aquele momento este homem”. De fato, ele era o candidato da ala progressista, mas Ratzinger ganhou por já ser idoso, e eles contavam com um curto pontificado, de transição, e por ser um dos principais colaboradores de João Paulo II.

  3. Vamos esperar, que o Santo Padre começa a reformar o Vaticano. Tomando medidas mais firmes, para conter o avanço progressista instaurado lá por muitos anos. Cinquenta anos de Concílio Vaticano II, deu para dar um estrago incomparável em toda doutrina católica.
    Vamos pedir ao Divino Espírito Santo, que de as luzes e forças necessárias, para que este Papa, volta à Tradição da Igreja. Traga quanto antes, a verdadeira Missa. A Missa de todos os séculos. Obrigando aos senhores bispos, que começam a celebrar quanto antes, com todos os seus sacerdotes, esta missa que povoou o céu de santos e santas.
    Aí sim! Eu tenho certeza, que Deus vai orvalhar a terra de graças especiais, para haver o triunfo da Santa Igreja. A verdadeira reforma da Igreja. Ela tem que partir do Santo Padre. É assim que Nosso Senhor constituiu a Sua Igreja. Hierarquicamente constituída. Só uma força sobrenatural, é capaz de conter, esta avalanche de relaxamento religioso na Igreja.
    Joelson Ribeiro Ramos.

  4. Na comparação entre o Papa Bento XVI com o atual, este cardeal (diminutivo) foi infeliz. Se este Cardeal simboliza o futuro temporal da Igreja, temo pelo que vem! A esperança é a promessa de Cristo: A mal não prevalecerá contra ela!

  5. Fico espantado com a capacidade desses Senhores em falar da Igreja como uma empresa multinacional a ser administrada e gerida e não como Corpo Místico de Cristo… :(

  6. Para começar a Igreja deveria se livrar de puxa sacos como o eminentíssimo Cardeal Pell que, quando Bento XVI era papa, não se ruborizava em render-lhe inúmeros elogios. Agora que “quem manda lá” é Bergoglio, é hora de aumentar o prestígio do atual papa em relação ao seu vivo predecessor.
    Bento XVI se tornou o príncipe renascentista, o faraó litúrgico, o grande adorador das rendas e frufús…
    Francisco deveria ter nomeado, para este seleto grupo de cardeais, os bispos que na alegria e na tristeza permaneceram fiéis ao Papa Bento XVI, demonstrando tenacidade e fidelidade à Igreja. Ao invés disso, escolheu carreiristas de primeira linha, como Pell, e bispos de ortodoxia duvidável como Maradiaga.
    Dessa grande reforma, pelo que vemos e lemos até agora, não sairá nada que preste. As conferências episcopais serão fortalecidas e terão poder de fato sobre as dioceses “a elas jurisdicionadas” e a Cúria Romana sofrerá o maior e mais pesado golpe da sua história. Pelo que vemos até o momento, Bergoglio planeja sim dar as Conferências um poder de Sínodo nacional e nos tornaremos mais e mais parecidos com a Comunhão Anglicana. A única coisa que poderá freá-lo é, por enquanto, a própria máquina burocrática da Cúria.
    Marquem nas agendas. 3 de outubro é do dia de finalização da Cúria e o início de fato do pontificado de Francisco.

  7. Serão tempos de mudança, a modernidade se fará presente. É preciso coragem, e o Papa Francisco tem. Devagar fará o Concílio do Vaticano II finalmente ser implementado completamente.

  8. Os problemas doutrinais do Vaticano II, nada…

    “o Papa que temos agora é diferente e está realizando muitas coisas”.

    Ai, ai nobre cardeal… depois somos nós tradicionalistas os acusados de serem hostis ao Papa ou de sermos demasiadamente seletivos, reservando nosso afeto apenas quando o sucessor de Pedro age em conformidade com o que pensamos.

    Por acaso Bento XVI fez pouca coisa?

    Só para situar. Esse é o cardeal que criticou, de modo correto na minha avaliação, o Papa Bento XVI por ter renunciado, dizendo que desse precedente, no futuro poderiam existir pessoas em desacordo com um papa que formariam grupos de pressão para convencê-lo a renunciar. Corretíssimo.

    Mas ele não parou por aí, revelando ainda mais seu pensamento sobre o Papa. Primeiro ele disse que Bento xvi conhece bem teologia, para logo em seguida dizer que Bento XVI não dirige a Igreja e é incapaz de recuperar a unidade… logo o Papa que mais fez pela unidade da Igreja e que tentou de todas as formas sanar as rupturas presentes, abrindo um debate sem precedentes na história da Igreja sobre o CV II. Vejam exatamente o que diz o cardeal:

    “Ele conhece muito bem a teologia, mas eu creio que prefiro alguém que possa dirigir a Igreja e recuperar a unidade”.

    Ele ainda dá um fatality impiedoso, dizendo que o governo de Bento XVI nem sempre foi brilhante.

    Isso para vocês verem que nem sempre nós, os tradicionalistas, somos os mais hostis… E que nem sempre quando Bento XVI recebia uma crítica, poderiamos nos alegrar por isso, pois vindo de alguém que nem sempre tem uma visão correta sobre aquilo que é o melhor para a Igreja, pois como disse o Cardeal:

    “o Papa que temos agora é diferente e está realizando muitas coisas”.

    Sim, o Papa que posa para fotos abençoando uma das pessoas mais abjetas e nojentas do nosso continente que é esse presidente da Venezuela. Ou que chama de sábio esse presidente abortista do Uruguai. Ou que diz que a Igreja antes do CV II desconhecia o que era evangelização…

    Só para finalizar. Pell foi feito cardeal por JP II.

    Opomo-nos a Bento XVI em aspectos bem específicos e o elogiamos por muitos outros, sem cair na incensação exagerada de seus admiradores mais exaltados.

    Tudo o que se diz sobre essas reformas é simplesmente mais do mesmo, que Bento XVI era acusado de trair o CV II. Vem aí reformas desejadas pelo CV II elevadas a milionésima potência.

  9. O cardeal afirmou que: o Papa que temos agora é diferente e está realizando muitas coisas.Ó raios e trovões…
    Na concepção dele faz entender que nosso Papa Bento XVI não realizava muitas coisas, pois eu discordo totalmente com disso e fico preocupada com que tipos de conselho o Papa Francisco já está se deparando.
    DEUS nos proteja dos lobos em pele de cordeiro e dos assumidos também. amém.

  10. Só não gosto dessa coisa de ficar comparando os dois últimos Papas. E discordo de uma coisa: as mensagens de Bento XVI, no meu ponto de vista, chegaram a ser ouvidas muito mais pelo povo do que pelos sacerdotes. Posso presumir que existam mais intelectuais entre o povo, então? A impressão que dá é que em muitos casos o clero fez pouco caso ou não entendeu o que ele falou. Mas os leigos sim!

  11. O Rorate Caeli traz um artigo sobre rumores de que teremos o Piero Marini à frente da Congregação para o Culto Divino e que o Cardeal Canizares seria posto na Arquidiocese de Madri, se isto se concretizar, é de nos prepararmos com muita oração pois os tempos serão deveras muito sombrios pela frente!

  12. Wendell, se essa história for verdadeira, agora sei porque os modernistas estão felizes com Francisco.

    Para quem não está familiarizado, esse aqui é Piero Marini:

    https://fratresinunum.com/2013/04/22/marini-o-bugniniano-defende-unioes-homossexuais-e-declara-igreja-vive-esperanca-apos-anos-de-medo-com-francisco-fala-se-somente-de-coisas-positivas/

  13. Partilhei com os amigos próximos as apreensões sentidas de alguma correlação do 13 de março de 2013 com o 5 de maio de 1789… Foi ao menos o que senti… e peço a Deus que eu esteja equivocado, de que a Revolução chegou enfim aonde não devia chegar, como tanto ardentemente desejavam os progressistas…